sexta-feira, janeiro 20, 2006

R.I.P.

Urdiu a teia das palavras, com o vagar de quem conhecia as armadilhas da inspiração. Saboreou os labirintos do erotismo, liberto das cadeias frenéticas do desejo nu. Viveu o milagre da vida, com o fulgor dos que sabem a morte à espreita em cada esquina. Habita memórias gratas, sem temer o pó sombrio das prateleiras esquecidas.

25 comentários:

andorinha disse...

Boa tarde.

Júlio,
Gostei do que li.:), mas...

O que significa R.I.P?
Pode ser uma pergunta parva, mas sinceramente não estou a ver o que seja.:)))
É preciso ver que é sexta-feira e os meus neurónios já não estão no seu melhor.
(Já me estou a desculpar para o caso da resposta ser óbvia.) Lool

noiseformind disse...

Sex-psis ao tele:

-Então já leste a notícia no Público de hoje?
-Ainda só passei os olhos pelo Y... o que tem?
-Aquele estudo que diz que mais de metade das mulheres portuguesas sobre de algum tipo de disfunção sexual.
-Oh filha, se pensarmos que 90% dessas mulheres portuguesas vão continuar a estar com homens portugueses, não há grande possibilidade de recobro em relação a essas percentagens.

Olhar disse...

Pode ser elogio a "alguém que não conheço mas que faz parte do maranhal..." ficava-lhe bem tenho disso a certeza...:)
Mas e o Diabo do tempo nos verbos...?
Gratas memórias de amor...
Cruzes Professor!!! lápide?? espero lápide não...
O que é que querem mesmo dizer as iniciais R.I.P.? quer dizer?:)

O Sical disse...

Adorava que tivessem razão para escreverem um epitáfio desses na memória que tivessem de mim.

Julio Machado Vaz disse...

Andorinha,
Rest in Peace.

CêTê disse...

Breve, mas bonito. Talve interrompido ou censurado.

Nele paira um adeus ou quem sabe um recado, uma despedida, um voto?

O que seja: é um retrato breve, impressionista.

Olhar disse...

Há para aqui um desfasamento com o tempo... Máquinas se calhar...:)))
Quando escrevi não existia nenhum comentário e agora que voltei são 17,21 PM existem 3 e o que perguntei ficou fora de contexto pq já respondeu à Andorinha:)
Posso então perguntar de quem se despede assim?:)
Continuação para todos de um bom resto de tarde fim-de-semana incluído.

andorinha disse...

Júlio,
Obrigada pelo esclarecimento.:)
Isto à sexta-feira é complicado!
Mas o meu cérebro deve ter bloqueado de vez:)))) porque não vejo a ligação entre o título e o post.:(

andorinha disse...

Noise,
Essa conversa dos sex-psis ao tele vem na sequência de tantas das nossas conversas, né?:)))
Quanto aos homens portugueses estamos conversados, é melhor emigrar.:))))

P.S. Maralhal masculino - há excepções, eu sei...a carapuça é só para quem serve!

andorinha disse...

Júlio,
Está a ver? Não fui só eu que fiquei confusa!:)))

Olhar pergunta:"Posso então perguntar de quem se despede assim?:)"
"Despede-se" do livro que acabou de escrever?

Julio Machado Vaz disse...

Olhar,
Ontem fazia anos o Eugénio de Andrade e ao escutar o Vitor Sousa dizer-lhe a poesia surgiu a primeira frase. O resto veio depois, sem qualquer intenção "biográfica", pois a nossa relação nunca foi de amizade íntima que permita a confidência. É, assim, uma mistura de factos e fantasia.

Friedrich disse...

Vamos então, lá todos a votar! Para sentirmos cada um a sua quota parte na responsabilidade de constrirmos esta merda de país em que todos vivemos.

Abraços

a sol disse...

Urdiu com o vagar
Saboreou liberto
Viveu com o fulgor
Habita sem temer

É d’homem

Angie disse...

Ai, Professor, não leve a mal...nem sobretudo à conta de correcção.
Mas sim de sugestão...

Então RIP é "Rest in peace"?
Nem imagina o que me arrepiou, vindo logo de si!
Lá porque as iniciais coincidem (o que é de facto uma mera coincidência) porque diabo cometer o sacrilégio(!) de negar a paternidade do latim na expressão?
Logo nós, que somos povos de língua românica?!
É que ainda por cima, mesmo quando o termo se usa em terras anglo saxónicas, referem-se eles (e para mais germânicos) à matriz latina, que está na sua génese!
REQUIESCAT IN PACE, ou não será?!
Desculpe, desculpe mesmo, mas só me lembrei daqueles profs das "novas ciências" (leia-se, engenharias e quejandas) quando em plena função docente utilizam expressões como
(e agora transcrevo a oralidade)
"reixio" (em vez de "racio")
e "aiteme" (por "iteme")
julgando que aos termos
ratio e item
foram por certo inventados pelos ingleses...as únicas referências culturais que, afinal, conhecem.

Não leve a mal...faz-me impressão que todos
- mesmo o que sabem o que é correcto, como não duvido ser o seu caso -
acabem por "embarcar" neste colonialismo (in)cultural que acaba por matar a nossa identidade!

Não interprete mal a minha atenção a estas "mariquices" (no mínimo, deve ser o que está a pensar...)

Manolo Heredia disse...

Noise,
Muito bem!
Não há mulheres frígidas, há é homens com más linguas...

Julio Machado Vaz disse...

Angie,
Claro que não levo a mal, tem toda a razão:). Mas sabe, quando pensei num título lembrei-me de outra saudade minha, George Harrison. Que gravou o seu último disco (póstumo), sabendo que já tinha muito pouco tempo e chamou à etiqueta que criou...: RIP (rest in peace). Humor negro e tranquilo:). Foi por isso, desculpe lá!

Pamina disse...

Boa tarde.

E que mais pode um escritor, vivo ou morto, desejar do que "habitar memórias gratas"? Gostei desta frase e da homenagem.

Bom fds para todos.

Angie disse...

Professor:
Então, como estava a citar o George Harrison, e não a máxima tumular... estava certo e certíssimo.
Sorry again

(não percebi que era a etiqueta- "riquiam" do cantor inglês!)

Sousa disse...

Então, patrão, esse sangue vermelhão? A palpitar, presumo. Estou no aqui a aviar presunto e um bom queijo! Está a precisar praguejar e insultar a mãe do preto (do árbito, c'um raio!).
Tenho desligar, estou a ficar sem bateria. Se quiser que lhe leve alguma coisa mande um sms, ainda vou ficar por aqui mais uma mei horita.


Um abraço.

peciscas disse...

Ao ler este pequeno mas belo texto, veio à memória (porquê?) um poema muito curto do Vasco de Lima Couto, que li há muitos anos:

"Os homens sabem que a morte vem a cada passo
Por isso inventam um Deus sem tempo nem espaço."

Que viva a poesia!

Maite disse...

Este seu texto é bem à maneira do Professor :)
Cada frase como que encerra um significado próprio e independente da outra (frase). Chamar-lhe-ia hermético. Por isso dá tanto "trabalho" lê-lo :)
Para não me perder (no caso do livro)uso a estratégia de me "elevar" acima da leitura ou muitas vezes lê-lo em voz alta.

Boa noite

Su disse...

só para dizer q passei por aqui

L ouvado
S eja
D eus

jocas maradas

Maria São Miguel disse...

Lindo! "RIPita" mais destes, pode ser? :)

andorinha disse...

Agora que já percebi:))), só posso dizer que é uma bela homenagem através de um belo texto!

Bom fim-de-semana, gente.:)

Anónimo disse...

RIP - DO latim RESQUIAT IN PAX