quarta-feira, maio 25, 2005

O ignorante

Eu sei que a pergunta é risível para os especialistas. Mas como se explica que num país em crise e com a classe média a deslizar para baixa, os bancos apresentem lucros tão..., tão..., confortáveis? Estarão em "crise de crescimento"?

79 comentários:

Anónimo disse...

A ingorante arrisca uma resposta: talvez devido ao pingar constante dos juros e prestações das familias portuguesas que insistem em recorrer ao banco como se de mercearias se tratem...não só para bens essenciais como a habitação, mas para o carro de luxo (porque a vizinha também tem) e para as férias, para os livros da biblioteca (que nunca se atreveram a ler mas fica bem mostrar), and so on, and so on...temos, meu caro, um deficite de mentalidades..que por sua vez arrasta o deficite economico...

PortoCroft disse...

Caro Prof. m8,

Bom dia.

A explicação é capaz de assentar nas mesmas bases que leva alguns profissionais liberais e grandes empresários a declararem, como rendimento, o salário minímo. Ou seja, não há credibilidade. Não há fiscalização. O país está a saque. :(

Eu gostava apenas que o sistema fosse como aqui, sabe? Ah!...Não pagas a Taxa Camarária (Council Tax)? Já te tratamos da saúde. Mandam um ou dois avisos à navegação. Quando menos derem por isso estão a responder em tribunal por fuga aos impostos e sujeitos a prisão. Portugal endireitava-se num instante, pode crer.

Tão só, um pai disse...

E porque não? Depois das fusões, dos despedimentos, de todas as racionalizações, onde antes haviam 20 pessoas para um cliente, passou a haver 3, e um sistema informático. A componente "não juro" dos ... vá lá, "lucros", aumentaram, e outros negócios, que não têm nada a ver com o "zé povinho", foram lançados.

Sabe, um banco, embora não seja um hospital, será, sem dúvida, uma eficiente fábrica de doentes, que alimentam muitos consultórios de psicoterapia ... não se queixe ...

João Scottex disse...

Ignorantes, somos nós. Porque não reclamamos, não negociamos, e só criticamos, mas fora dos locais adequados e no momento inadequado. É impensável, que a Banca apresente taxas de crescimento 10 vezes superiores ao crescimento do PIB, a explicação é fácil, olhem com atenção para os Conselhos de Administração dos Bancos.

andorinha disse...

Bom dia Júlio e maralhal,
Pois...não o posso ajudar.:)
Também há perguntas para as quais não tenho resposta.
Como sempre, a classe média é que "paga as favas", acaba sempre por ser a classe mais penalizada.
Quanto ao resto, pronunciem-se os economistas, confesso a minha ignorância nestas matérias.

Ze da Penalva disse...

Todos os ilustres que até agora me precederam nos comentários, apontaram fortes razões justificativas. Cá vai mais uma:
Os bancos são o maior empregador da classe política, quando esta passa ao defeso, ele é vê-los instalados nas Alta Direcções, respondendo a honrosos convites. Invariavelmente, sem perceberem uma alforreca do negócio, claro está!

PortoCroft disse...

Caro Prof.,

Dos bancos, já se sabe como é. O poder está na mão deles e os governos têm que comtemporizar, porque o Estado é o maior devedor à Banca.

Mas, deixe-me só contar-lhe um episódio que ocorreu comigo há bem pouco tempo e que ajuda a entender a ineficácia do nosso sistema fiscal. Vendi um apartamento que possuía em Lisboa e, como ninguém me informou nem sequer me lembrei disso, não paguei uma infíma percentagem, 2/12 avos +/-, da taxa de esgotos ou sei lá como é que se chama aí. Porque entretanto já estava a residir fora do país, nunca fui notificado da divída. Passados 11 anos (leu bem, onze anos), recebo uma carta da SPA a informar-me que, a pedido dum tribunal qualquer, iriam proceder ao pagamento coercivo da importância de 30 euros.;) Dá vontade de rir, não é? Pois...

alice disse...

Olhando, ainda há poucos dias, para o plano da pagamento de um empréstimo (que depois recusei) e percebendo a quantidade de juros que teria de pagar, não tive grandes dúvidas. Quase metade eram juros!

João disse...

Temos o que merecemos. Somos um povo amorfo. Daqueles que come e cala.

Anónimo disse...

..."Morgiana correu para a cozinha pensando no que fazer. De repente, ocorreu-lhe uma ideia. Encheu um enorme caldeirão com gordura e pô-lo ao lume. Bubble! Sizzle! A gordura começou a derreter e a ferver."...

Tão só, um pai disse...

... para que conste, os serviços bancários em portugal são dos mais competitivos e eficientes, da Europa.

lobices disse...

...dinheiro?
...é o que mais há!...
...é só ver aí as ofertas a torto e a direito de dinheito já, basta telefonar...
LOL
...500 euros já... ali à mão de semear... prestações suaves de 25 euros por mês... quem não pede?...
...O PIOR SÃO 60 meses a 25 euros
...como é que "eles" não hão-de enriquecer?
...o PREC tinha razão: os ricos que paguem a crise... mas... não pagam, ainda lucram mais com a crise...
...valha-nos o santo ingrácio (quem é este?)
...RESISTIR
...sempre
...não é uma obrigação
...é uma NECESSIDADE
...porque não há outra forma
...entretanto
...vamo-nos rindo da nossa própria inércia, da nossa própria e já habitual "deixa andar"...
...olha aí o fim de semana com ponte: vamos lá ver se não vai tudo para as praias, os algarves, os restaurantes, os bares, as discotecas, etc...
...crise?
...onde?

Tão só, um pai disse...

Alice,
E não é assim em toda a parte do mundo?

Julio Machado Vaz disse...

Se é verdade que considero algumas das estratégias publicitárias do crédito obscenas, devo dizer que nada tenho contra instituições bancárias eficazes, bem pelo contrário! Só não percebo que para lucros maiores não exista um ajustamento equivalente da carga fiscal. Quanto aos profissionais liberais, é infelizmente verdade, basta assistir ao desplante com que muitos praticam diferentes preços pelos serviços prestados conforme é exigido ou não recibo:(

Anónimo disse...

Estou a ver uma família do interior da China a ir passar férias às Bermudas, tipo vá e pague depois!!!
Até estou, simplesmente, a vê-los ir de férias. Era muito bom.

Tão só, um pai disse...

Eu acho que a condenação dos lucros da banca é a procura de mais um bode expiatório para os males colectivos.

Nesta altura, em que nos vão aumentar os impostos, ninguém questiona o que se passa com a reforma fiscal. Começa a ser impossível viver, neste país, dentro da legalidade fiscal.

Ninguém questiona a ausência de uma política credível contra a corrupção e o tráfico de interesses.

E ninguém questiona nada porque não queremos, publicamente, fazê-lo. Preferimos pensar que os outros não fazem nada, que tudo nos deveria chegar perfeitinho e embalado, para o consumirmos. Gastarmos o nosso tempo e dinheiro para defendermos aquilo em que acreditamos, como cidadãos? Nem pensar, isso pertence aos radicais de qualquer coisa, os tais que se organizam e tomam uma posição.

Pois, pelo Benfica, todos nós gritamos. Afinal, o futebol não é política ... ai não ...

PortoCroft disse...

Caro Prof.,

Pela minha experiência, devo dizer que concordo com o tsup. A Banca em Portugal está ao nível do que se faz de melhor no mundo. Em muitos casos é até muito mais eficiente que a Banca de países mais evoluídos.

Eu não percebo nada, absolutamente nada de economia. Mas, diz-me o bom senso que, a desigualdade da carga fiscal, começa quando se criam escalões de rendimentos, com percentagens diferenciadas e descendentes, conforme aumentem os rendimentos. Então, se queremos justiça fiscal, não seria caso de seguirmos o preceito cristão (isto vindo dum agnóstico até tem graça) e pagarmos todos os dizímo por igual? Não seria o mais justo?

João Scottex disse...

"taosoumpai", já percebemos todos que está "DEPENDENTE", de um banco, mas estamos a criticar o modelo de funcionamento, a baixa competetividade interbancária (vide bancos por exemplo na Alemanha), e a forte relação entre a Banca e o Estado. Mas, não é só na Banca, pensem no que se passa nas cimenteiras?!

daniel disse...

Olá a todos.

Creio que os elevados lucros da banca não são apenas sinónimo de boa gestão mas de um enorme poder de influência política que a torna uma entidade extraordináriamente privilegiada no conjunto económico. A banca exerce, discretamente, um papel determinante nas grandes iniciativas de carácter nacional e estatal, e não oferece uma correspondente compensação social ao nível do apoio privado e de risco.

Não me revejo assim na posição do comentador "Tão Só Um Pai", que no entanto respeito e tomo em consideração. O sector bancário é também ele sensível, e apesar de ser altamente duvidoso que venha a ser alvo de medidas que lhe retirem alguns privilégios, é necessário compreender que fragilizar a banca é abrir ainda mais a porta à entrada da banca estrangeira, que de qualquer modo já cá está, em boa verdade.

Penso assim que um governo forte deveria interceder junto da banca no sentido de obrigar a uma compensação dos seus lucros, revertendo-os para capital de risco ou de apoio ao sector económico e empresarial, sem os pesados juros que são tradição do crédito a iniciativas dessa natureza. O que deveria ser feito, no meu entendimento de leigo, não seria tanto assim taxar simplesmente os lucros da banca para meter dinheiro no estado, mas sim obrigar a banca a criar mecanismos de compensação social ao investimento, em bonificação, capital de risco ou outras.

É a minha sensibilidade sobre a matéria, e permaneço aberto a aprender com as vossas.

PortoCroft disse...

Caro Prof.,

Se em vez de aumentarem o IVA, que já é dos mais altos na Europa (no RU é 17%)para 21% e, pelo contrário, mantivessem a taxa actual (19%, não é?) mas permitissem ao comum dos cidadãos abater 2% do valor de IVA pago durante o ano, nas suas declarações de impostos, se calhar... acabava-se o regabofe...Todos teriam interesse em pedir factura. E a partir daí, as receitas fiscais iriam subir sem dúvida nenhuma. Claro que, isto sou eu, sapateiro a tocar rabecão.;)

Gotinha disse...

Eu também sou ignorante!! Mas uma ignorante que vai sentir na pele... não há aumento, não há subida de escalão, não há nada!!! Se for pelo bem do país não me importo, mas todos têm que se sacrificar. Não me venham cá dizer que daqui a 1 semana os deputados vão ter as ajudas de custo aumentadas e que vão trocar os carros dos ministros para outros de maior cilindrada e que vão contratar mais 5 fulanos para abrir a porta ao Sr. Primeiro Ministro e afins....
O sacrfício deve ser de todos!

circe disse...

Seriam as disparidades menores se
substituíssemos a "igualdade" pela
"equidade"?
Ai, Andorinha, não nos venhas dizer que isto é assunto de economistas, rapariga, "se falássemos só do que entendemos, o silêncio no mundo seria insuportável" ! Tens - pois já o revelaste - consciência cívica - qb
e digo-te, não é necessário um ou 3
canudos para se exercer a cidadania.
Perigoso é este deixar andar = esperar que os "especialistas" se encarreguem de apresentar soluções
viáveis. Criticar é fácil, raciocinar e sugerir alternativas
é difícil, é caro e não dá milhões... Isto tem pano para mangas, agora tenho de as arregaçar, e logo volto, para tentar concretizar o que penso sobre estes assuntos ;)

Dr, Murcon, está perdoado, já cá não está quem falou ;)

yulunga disse...

Ora viva maralhal marado.
As pessoas insistem em ter um nivel de vida acima da média, em que a maioria do que consomem é supérfluo. Depois são empréstimos para pagar empréstimos. Culpa das pessoas!
A crise provocada por sucessivos governos também não ajuda. Culpa nossa também.
Estão lá porque nós lá os colocámos e porque nós lhes pagamos o ordenado com os nosso impostos. São nossos empregados! Não servem deveriam ser postos no olho da rua. Culpa nossa: Falta-nos a arrogância de entidade patronal.

Portocroft, sobre quem foge ao fisco, com as contrapartidas que os Governos dão, tiro-lhes o chapéu.
Valha-nos uns espertos no meio deste povo inerte.

yulunga disse...

E porque este povo é engraçado quando ouve falar de despedimentos no Norte do país (por ex em fábricas de móveis) e diz malandros, bandidos mas depois vão comprar no IKEA.
Não apoiamos nem consumimos o que é nosso mas depois reclamamos muito.
A maioria deveria era estar bem caladinha.

circe disse...

Atentem no coment. do Daniel - é
fulcral o seu parecer, que alívio
encontrar empatia quando não se consegue exprimir a catadupa de
ideias que fervem na cabeça de uma
biscateira ;)

E agora, tenho mesmo de ir, trabalhar de pá e picareta ajuda-me
bastante, creiam-me...

Até logo:)

Anónimo disse...

"Não vás sapateiro, além da chinela"
A frase supra é para mim.:)
Quem está em crise de crescimento, há muito tempo, é "sempre" a tal de classe média, cada vez menos mediana. Por melhores resultados que apresentem ao fim do ano não creio em Instituições que me “obrigam” a acreditar que ser pobre é uma vergonha. Para mim, não passam de vampiros.
Abraço,

PortoCroft disse...

Yulunga,

Um vigarista é um vigarista. Sejam quais forem as voltas que deres.

Não há consciência civíca em Portugal. E, depois, que é o que me parece mais grave, não há mecanismos suficientemente rápidos para obrigar as pessoas a cumprir com as suas obrigações fiscais.

Vê o exemplo que eu dei, da minha divída da taxa de esgotos(?). Se fosse no Reino Unido, assim que eu fosse a entrar, apresentavam-me logo a 'factura' e 'aliciavam-me' a pagar ou ficaria detido. Porque aqui, fuga aos impostos é crime e dá mesmo prisão efectiva. Não é brincadeira. São processos sumarissímos sem direito a recursos.

No caso de Portugal, andei onze anos a entrar e a sair do país sem problemas. Mais, sem sequer ter noção da divída, apesar de estar registado no nosso consulado e de, facilmente, poderem saber do meu paradeiro.;)

yulunga disse...

Portocroft, tive uma empresa em que sempre declarei tudo até ao ultimo cêntimo. Nunca comprei nada sem factura. Quando perdi a firma e fiquei sem emprego e sem nada nem subsidio de desemprego tive. Não me "agarrei ao Totta", pois não poderia pagar o emprestimo :-).
Tivesse eu sido esperta não passaria os sufocos que passei.
Olha que paguei muito caro a honestidade.
Só há relativamnete pouco tempo me desapareceu da testa o sinal "Tótó".

yulunga disse...

Honestidade deveria estar entre aspas, pois não se trata de honestidade praticá-la com quem não o é para nós.

PortoCroft disse...

Yulunga,

Ok. Até entendo isso. Mas, isso tudo deriva do sistema estar obsoleto. Tal como está, é injusto para quem trabalha por conta de outrém e para os empresários que cumprem. E a carga fiscal, acaba por ser muitissímo maior porque recai só sobre aqueles que não podem ou, por serem honestos, não querem fugir.

yulunga disse...

Portocroft, Ahhhhh... pois...
Sabes que estes assuntos, para os quais não tenho visão politica mas sim uma visão naif do mais naif que há, são dos assuntos com os quais mais me passo. Descambo logo para a ditadura e para o palavrão curto e grosso.
Fico-me por aqui que a taquicárdia já se faz sentir.

PortoCroft disse...

Caro Prof. m8 e maralhal,

O ideal seriam os impostos da banca serem indexados ao Libor. ;))))))))))))

Maite disse...

Boa tarde maralhal
Relato dos acontecimentos do dia (no blog, claro):
-individamento das famílias
-fuga aos impostos
-falta de fiscalização
-diminuição dos postos de trabalho
-banca- eficiente fábrica de doentes
-inércia dos cidadãos face à situação
-classe média - vitima do sistema
-relação toxico-dependente entre banca e estado
-casos da vida real
-comentário do anónimo das 12.10 - mto profundo
-serviços bancários portugueses de uma eficiência arrepiante
-pois é, a crise nunca é paga pelos ricos
-as estratégias publicitárias são obscenas e levam as pobres vitima à "auto-flagelação" constante
-os portugueses parece que já não vão de férias (devido ao déficit, suponho)
-a reforma fiscal é uma miragem
-a fuga aos imposto é apenas uma boa acção do Robin dos Bosques
-a banca deveria ter uma consciência cívica que não tem
-fragilizar a banca portuguesa é dar de "mão beijada" os lucros a outros seres humanos tão deles necessitados
-o aumento do iva é escandaloso e ineficaz
-politicos, "ponham-se a pau", o povinho quer tirar-vos os privilégios
-equidade em vez de igualdade (boa)
-incentivo à revolta popular
-os politicos servem para servir-nos e não para servir-se
-falta de coerência do povo português
Espero não ter sido tendenciosa, noticiei da forma mais objectiva e sem qualquer subjectividade a toldar-me o raciocínio
...claro as notícias são sempre algo em actualização, mas eu não tenho tempo :)

PortoCroft disse...

Yulunga,

O ideal seria fechar Portugal para balanço e, aproveitar esse tempo para mudar de alto a baixo a Administração Pública. A começar pela Justiça e Finanças. Com uma justiça rápida e uma fiscalidade justa, se calhar, Portugal teria dinheiro para construir mais dez estádios e os hospitais que faltam um pouco por todo o país.

katraponga disse...

O que eu ia escrever, já o disse o Daniel, concordo plenamente com ele.

andorinha disse...

to Circe,

Consciência cívica tenho, rapariga, não me sinto é suficientemente habilitada para discutir estes assuntos.
Tudo o que eu pudesse dizer seria uma análise demasiado simplista e se calhar infundamentada, por isso prefiro estar calada e ir lendo o que por aqui e em outros lados se escreve.
Estou atenta mas, não me vou pôr a dar palpites sobre um tema que não domino.
Também não posso ter uma opinião abalizada sobre tudo, não é?:)))

Portuga disse...

Eu estou farto deste país de incompetentes e borlistas em que a banca, os clubes de futebol e mais uns quantos são dispensados dos impostos. Se isto continua assim emigro.

Sim, sim, já sei, bem posso começar a fazer as malas

PortoCroft disse...

Andorinha,

Por essa ordem de ideias, nem votas, não é? Nem sequer os políticos deveriam...poucos estão habilitados para tanto.;)

maria disse...

Oi!
E se a banca pagasse os impostos ao Estado, IRC, p.e. como nós pagamos, seria que os lucros alcancariam níveis tão altos?
E se pagassem impostods municipais à Câmara como nós, como seria?
A Banca é mais do que previligiada e vale-se disso.Aliás como a classe média aflita, muitas vezes a recorrer memsmo por necessidade,sem poder olhar a juros, eles abusam!!!!
E os donos dos Bancos não serão previligiados também nos impostos?
Foi um desabafo!!!!

PortoCroft disse...

portuga,

Portoghesi, na giría italiana, é isso mesmo: borlistas.;) Se calhar deveríamos passar a usar na nossa giría: Italiani para significar o mesmo.;)

pp disse...

Ola portocroft,

concordo plenamente contigo. :)))

Boa tarde Prof. JMV

mais uma opinião semelhante...
os lucros da banca, devem se em grande parte ao endividamento das pessoas...visto, cada vez mais ser necessario recorrer ao credito e visto tambem, não haver predesposição para abdicar da necessidade ou satisfação de viver...mas muito mais se poderia dizer acerca deste tema.

pp disse...

Errata :)))) ... predisposição

PortoCroft disse...

PP,

A economia é uma pescadinha de rabo na boca. A propagação de medidas concretas e acertadas, leva à obtenção de múltiplos orgasmos na sociedade.;)

Donde se concluí que, de há uns anos a esta parte, os titiladores da economia, têm gozado à brava. A sociedade portuguesa, nem por isso.;))))))

Tão só, um pai disse...

Gostaria de chamar a vossa atenção para o seguinte:

1. O Estado Português deixou de ser dependente da Banca Nacional, passando a sê-lodos mercados finaneiros e dos investidores internacionais.

2. São os partidos e os políticos que andam de mãos dadas com a banca nacional.

3. Os bancos nacionais são, na sua maioria, cotados em bolsa, directa ou indirectamente. A sua existência deve-se ao seu bom desempenho económico. Caso contrário, ou, fecham, ou são vendidos a bancos estrangeiros e, aí, ou são lucrativos, ou, irremediávelmente, serão fechados. Quando isto acontecer, ficaremos pior, quanto mais não seja pela ausência de concorrência.

4. É vergonhoso o comportamento monopolista das gasolineiras (quando são dois ou mais a constituirem um monopólio, dá-se-lhe o nome de oligopólio), com o beneplácito (ou será a "orientação") do Estado. Claro, há o imposto sobre os produtos petrolíferos.

5. É vergonhoso a cumplicidade do Estado em fechar os olhos á forma como a EDP reflectiu na nossa conta mensal os custos da sua reestruturação, uma vez que não é uma empresa pública.

6. É vergonhosa o funcionamento da justiça em Portugal.

7. É vergonhosa a impunidade com que alguns (muitos) membros da classe médica desempenham a sua actividade (ao nível ético, humano, profissional e fiscal).

8. Já que se queixam dos benefícios fiscais concedidos á banca (de que são, tamnbém, beneficiários, os seus clientes), porque não olham para o tratamento fiscal concedido aos ilustres membros da nossa advocacia.

9. O poder gera a corrupção. É da mais elementar justiça que se invista em orgãos e recursos que a combatam, de forma isenta e independente.

10. Quando existe tanto para investir na formação dos recursos humanos e na sua fixação (sim, os serviços vendem-se e exportam-se), utiliza-se o sector mais protegido da concorrência, o da construção e obras públicas (não se importam pontes, estradas ou casas) como o motor da economia (bem visto, as obras oferecem sempre muitas "contrapartidas" a todos os interessados, à custa dos pagadores habituais).

11. Há três anos, um café custava 50 a 55 escudos (25 cêntimos). Hoje custa, no mínimo, o dobro. Hoje, almoçar de faca e garfo por menos de 5 euros, é uma arte. Há 3, quaisquer 500 paus resolviam o assunto. Em três anos, os ordenados não duplicaram. E todos continuamos a acreditar nas estatísticas da inflacção bem comportada.

12. A administração pública necessita de se reduzida e melhorada, no que respeita aos seus processos.

13. A Segurança Social está na ruptura financeira.


Temos o mar aqui ao lado. Ou começamos a atirar gente lá para dentro (sim, porque nós nunca nos queremos afogar), ou encostamos os pés á parede. Afinal, como vai ser?

Tão só, um pai disse...

Porto,

Estás a sugerir que a melhor forma de enfrentarmos as adversidades, será a de praticarmos e confiarmos mais no orgasmo? Olha que até concordo ... se não for agora ...

PortoCroft disse...

tsup,

Não era bem isso de que eu falava. Mas, se calhar, muito sexo protegido, é capaz de ser um bem para a indústria da borracha. ;)

Maite disse...

oh Portocroft
só se for borracha portuguesa lol
e os ditos forem feitos com mão de obra nacional em pequenas e médias empresas ;)
Tão só, um pai um comentário para reter o seu das 4.56pm

lobices disse...

...há uma saudade muito grande de muita coisa: Não é um saudosismo, é uma saudade (há uma diferença)
...é vê-los na RTP2 no Parlamento, agora, a discutirem; palavras para um lado palavra para o outro; ping pong puro...
...olho a minha secretária onde tenho este pc e onde teclo... umas moedas, uns euritos espalhados; olho-os e conto as moeditas: 3 moedas de 1 euro, umas de 50 centimos e umas outras; somo. Um total de 6 euros em moeditas...
...na moeda antiga, há 30 anos atrás, eram 1200 escudos!... Uns míseros actuais um conto e duzentos...
...meu Deus... um terço do meu ordenado em 1970!...
...o que eu fazia com esses 6 euros!... Agora?... Um simples almoço ao balcão de um tasco...
...é apenas essa a saudade que eu sinto...
...sei lá eu
...enfim

Maite disse...

Bolas Tão só, um pai mas também não precisa ser tão radical..ou o mar ou a parede?????? não haverá para aí uma alternativa de consenso?

PortoCroft disse...

Maite,

Por supuesto. Então os seringueiros não continuam a ser explorados por portugueses? ;)))

daniel disse...

Contaram-me em tempos esta história muito divertida. Perante a situação nacional, o melhor que havia a fazer era decretar guerra aos Estados Unidos. Eles vinham e ganhavam, claro. E depois, tomavam conta da economia e do estado, e podia ser que isto corresse melhor.

Nos tempos que correm, acho que bastava fazer guerra a Espanha mesmo. Invadimos Vigo ou Salamanca, e depois os espanhóis vêm e ganham a guerra. Depois, deixamos que eles tomem conta disto. Eles agora até andam numa de respeito pelas autonomias, isto bem negociado e ainda ficávamos a falar português. O que acham, começamos aqui um lóbi militarista???
:)

PortoCroft disse...

Daniel,

Nem pensar. Mal por mal, entregarmos isso ao Tony Blair. Tínhamos todas as vantagens:

1. - Ganhávamos um ministro das finanças 5 estrelas.
2. - Embora todos tivessem que aprender a falar Inglês, aí no recanto, o português, poderia continuar a ser a língua da lida da casa.
3. - Mais cedo ou mais tarde, BP acabaria por descobrir Petróleo no Beato.
4. - O PP deixaria de ser a 'Queen' reinante.
5. - A Espanha, ver-se-ía forçada a devolver Olivença.
6. - As finais da Taça de Portugal, poderiam perfeitamente passar a acontecer em Cardiff. ;)))

Anónimo disse...

Portugal safou-se do seu "Homem do Piano"

“Sugar Club”- Monróvia

Bar de Escravas Sexuais compradas algures em qualquer parte do mundo.

CLIENTES

Ahmed Eltahir Fadul – Funcionário Superior do Programa Alimentar Mundial (apaixonou-se por uma escrava romena e comprou-a por 5 mil dólares)

Desconhecido – Muito importante na ONU, pois não deixava o ID, obrigatório para todos, quando levava as raparigas.

Representante em Monróvia da Save the Children

Quem denunciou e salvou muitas raparigas?

TPU (Unidade de Tráfego de Pessoas) pertencente à ONU.
Últimas Notícias: a TPU será fechada dentro de 2 meses.

O “Homem do Diálogo” irá com toda a certeza sentar à mesma mesa as Escravas e os Senhores para chegarem a um acordo:
- Pronto, asmeninas passarão a ser violadas somente nos dias úteis, terão descanso, fechadas nas masmorras, aos fins-de-semana e feriados. É justo! Foi esta a política que apliquei nas Finanças quando fui primeiro-ministro!

Mais Nomes de clientes do "Sugar Club" (um deles português e conhecido) em:

www.riapa.pt.to

Tão só, um pai disse...

... uma "escrava" por 5.000 dólares ... ?

Um consultor de investimentos profissional, diria tratar-se de um mau investimento, face á depreciação esperada no hardware e á desactualização do software ... seria mais aconselhável o aluguer de longa duração, com substituição automática do equipamento após o fim do prazo contratado ...

Mas, como somos humanos, muito provávelmente adquiririamos o bem pelo seu valor de mercado no fim do período.

yulunga disse...

Ainda na politica?
Uns a dormir, outros a lerem o jornal, outros a discutirem assuntos sem chegarem a conclusão alguma. Ora bem, já parecem deputados e tudo

Maite disse...

Daniel, mas nem pensar!!!!!! De modo nenhum! Portugal é Portugal e ponto final. E nós vamos ultrapassar isto...sejam optimistas, os rapazes (pois porque são quase todos rapazes!) até se estão a esforçar, não podem dizer que não...espreitem um bocadinho a AR. Tenho a certeza que tantas cabeças pensantes a algum lado irão levar. Pelo amor de Deus, tenham paciência :)

yulunga disse...

Bom feriado maralhal!!!

A IGNORANTE disse...

Não sei se ria se chore!
Soube hoje, como muitos, que trabalhar até aos 65 anos dá saúde e faz pessoas felizes. Ninguém faz projectos para além dos 60 anos, ninguém... NINGUÉM.
Também soube que era rica!!! :)Curioso, nunca reparei!!! Tenho vivido num mar de ilusões. Todas as minhas dificuldades económicas, não eram mais do que...ILUSÕES! Afinal cá em casa somos ricos e vamos levar tareia no IRS!("Deixem-me rir!")
VOU EMIGRAR!

Tão só, um pai disse...

Plano para salvar Portual (reprodução gentilmente autorizada por já não sei quem):


Passo 1: Trocamos a Madeira pela Galiza, mas os espanhóis têm que levar o Alberto João.

Passo 2: Os galegos são boa onda, não dão chatices e ainda ficamos com o dinheiro gerado pela Zara (é só a 3ª maior empresa de vestuário). A industriatêxtil portuguesa é revitalizada. A Espanha fica encurralada pelos Bascos e pelo Alberto João.

Passo 3: Desesperados, os espanhóis tentam devolver a Madeira (e o Alberto João). A malta não aceita.

Passo 4: Os espanhóis oferecem também o Pais Basco. A malta mantém-se firme e não aceita.

Passo 5: A Catalunha aproveita a confusão para pedir a independência. Cada vez mais desesperados, os espanhóis oferecem-nos: a Madeira, o País Basco e Catalunha.
A contrapartida é termos que ficar com o Alberto João e os Etarras. A malta arma-se em difícil mas aceita.

Passo 6: Dá-se a independência ao País Basco, a contrapartida é eles ficarem com o Alberto João. A malta da Eta pensa que pode bem com ele e aceita sem hesitar. Sem o Alberto João, a Madeira torna-se um paraíso. A Catalunha não causa problemas (no fundo, no fundo, são uns gajos mansos).

Passo 7: Afinal a Eta não aguenta com o Alberto João, que entretanto assume o poder. O País Basco pede para se tornar território português. A malta aceita (apesar de estar lá o Alberto João).

Passo 8: No País Basco não há carnaval. O Alberto João emigra para o Brasil...

Passo 9: O Governo brasileiro pede para voltar a ser território português. A malta aceita e manda o Alberto João para a Madeira.

Passo 10: Com os jogadores brasileiros mais os portugueses (e apesar do Alberto João) Portugal torna-se campeão do mundo de futebol! Alberto João, enfraquecido pelos festejos do carnaval na Madeira e no Brasil, não aguenta a emoção.

Passo 11: E todos viveremos (ums nais e outro menos) felizes... para sempre!

PortoCroft disse...

Maralhal,

Deixem-me partilhar esta desilusão convosco. Imaginem que o Guterres vai só ganhar 300 mil dólares por ano. Qualquer coisa como 160 mil Libras esterlinas. Ou, melhor dizendo, 0.030769230 do salário anual de José Mourinho. It is an injustice, it is! ;)

Tão só, um pai disse...

... tadinho do Gugas ... quem o mandou ir à escola ...

Anónimo disse...

Fim-de-semana lamacento e turvo que me pesou as pálpebras e enojou o fígado.
Rede de pesca qual teia da vida... e os ossos curvados da salga dos olhos.

À sirga, já não sei quantas vezes puxei pela vida...
Fim-de-semana lamacento e turvo que me pesou as pálpebras e enojou o fígado.
Rede de pesca qual teia da vida... e os ossos curvados da salga dos olhos.

À sirga, já não sei quantas vezes puxei pela vida...

CrazyJo disse...

A um tal de Alfredo B. Parafita:
(pessoa de grande coragem e grau elevado de literacia, com uma perspicácia acima da média e um nível de cultura bastante elevado)

Obrigada pelo seu comentário cheio de conteúdo!... (É bastante elucidativo e revelador de todas as qualidades atrás referidas! Mesmo com uma leitura feita na diagonal, conseguem tirar-se facilmente TODAS aquelas ilações!)

Só se enganou num pequeno pormenor! Foi na parte: "do tipo bimbona do sul"!... Quando muito, poderia ser saloia, atendendo à região, mas... nem isso!!! (Também) Sou do PORTO!...

llloooolllll

("Quem anda à chuva, molha-se!"...)

Ganhe um par de tomates, tente informar-se melhor sobre os temas de que pretende falar e... Volte sempre!!!

(Mas,... esqueça as ameaças! Nem o tal de "seu padrinho" iria gostar de saber que as anda a fazer em seu nome, por blogues alheios!...)

J. (The Crazy-One)

CrazyJo disse...

Ao "padrinho" do outro:

A propósito de ignorantes, o comentário a que me referia é este:

"Estive no Bloge do Dótor J. M. Baz,e acho que o bocê debitoue é muito do carago, olha filha, tue ès uma laméchas, do tipo bimbona do sul que num sabe a deferença entre uma carcela e um molete.
Da prôxima bez que debitares pró Bloge do meu padrinho bê lá se nõe te quilhas.
Abiso-te.
Alfredo B. Parafita."

llloooolllll

J. (The Crazy-One)

amok_she disse...

...pra quem ficou tão chocadaaaaaaa com o facto de eu ter plantado, aqui, o seu perfil - público!:-> - convenhamos q a menina até q parece mesmo bimbona...do norte!, como só poderia ser, claro!:-> ...ao trazer pr'aqui essas besteiradas!...'oh balha-me sant'ingrácia, porra'!!!

andorinha disse...

to Portocroft at 4.06 pm

Hoje todos me atacam!:)))
Primeiro a Circe, agora tu...

"Por essa ordem de ideias, nem sequer votas, não é?"
Quem te autorizou a tirar essa conclusão?:(
Normalmente sou mais interventiva, não é?
Mas repito o que disse à Circe - assuntos de economia não são o meu forte, por isso abstenho-me de comentar. Li todos os comments até agora e reflicto, como sempre, sobre as coisas. E perante comentários tão bem estruturados, alguns, eu não iria acrescentar nada.
É tão simples quanto isto.:)

Seria fácil para mim nesta altura escolher os comentários mais "brilhantes" e dizer que estava totalmente de acordo com eles. Fazia um brilharete e estava feito...
Mas isso é algo que eu não faço - too honest to do such a thing!

CrazyJo disse...

E pronto!... Mais um(a) a quem a carapuça serviu!...

llloooollll

J. (The Crazy-One)

amok_she disse...

...mas qual carapuça, rapariga!?!... aquilo q aqui tens deixado nem para pala serviria, qt mais carapuça!:->

...bem,mas assim ao engano lá vais tendo umas visitazinhas lá plo bloguito, não???!:->

amok_she disse...

...aliás, faltando por cá o bobo da corte de serviço, vens tu como suplente, não?!?:->

PortoCroft disse...

Estava a ver que não!...

Eu é que sou o Lord of The Number. ;))))

PortoCroft disse...

Andorinha,

Compreendi-te. Não me queres dar lume. ;))))

AJFRM disse...

Não poderia deixar de dar a minha achega.

Começarei por dizer que se eu ganhasse para cima do 2500€, estava-me a borrifar se o IVA iria subir mais ou menos!
Se o déficit era maior ou menor!
Como costumo dizer, é tudo Relativo!
Neste caso relativo ao que se ganha!
Se tivesse um bom salário, com mordomias tipo automóvel inerente ao cargo, casa inerente, cartão de crédito idem, telemóvel idem aspas, despesas de representação, etc,etc... A Vida seria Bela!!
meus amigos!

Eu sempre disse q não me importava nada que 'Eles' ganhassem muito, mas muito mesmo. Desde que eu, nós, ganhássemos o suficiente para ter uma vida decente e honrada.
O problema não é eles ganharem muito,
é nós não ganharmos o suficiente!

Este País está a chegar a um extremo muito inquietante.
É q à conta de q somos uns papa açordas, que podem fazer-nos o q quiserem e como quiserem,
a corda tanto estica q um dia arrebenta.
Na minha opinião estamos lá perto.

Eu como outros já paguei caro a minha 'honestidade' (tipo Yulunga) desde então tive q passar a ser mais um chico esperto.~
Com vergonha o admito.
Mas não poderia sobreviver neste país de outra forma.

E infelizmente num futuro a médio prazo, 10/15 anos, não vejo como melhorar .

Continuaremos a ver a 'nossa' Banca a portar-se confortávelmente.
E todos os outros exemplos actuais.

Crise é para quem é pobre!

circe disse...

Toc Toc,
Desculpem, é aqui o País dos Arquitectos, posso entrar?

Oh sim, acertou no condomínio fechado, eu sou o porteiro, olhe,
abrimos uma garrafa, partilhamos um copito? É que saíram todos, estão todos a fazer a ponte...

Pouse a garrafa já, mãos no ar, bico calado e passe pra cá as chaves todas, ouviu bem? e nada de
artimanhas, que a artista aqui sou eu! Vá, relaxe, homem, beba à vontade, meta aí esta k7 do Quim Barreiros, não precisa guiar-me nem
acender as luzes remotas...Até já!

Ah, e não se assuste com as luvas cirúrgicas, man, é um hábito que tenho - tal como a Fátima Lopes se sente nua sem o vison ao pescoço -
eu, que despeguei há bocado da pedreira, não me sinto "in" mostrando as mãos calejadas, é só isso, man, estou aqui em paz, amigo.............................

amok_she disse...

...ó circe! a fátinha de vison ao pescoço, rapariga!???;-)))...a piquena quase ñ usa trapinho, qt mais vison...e ao pescoço!?!;-))))

AJFRM disse...

STOP!!

Depois de aturada leitura das opiniões expressas;

Meus estimados 'amigos'!
Está encontrada a solução!
Plano A e B como alternativa, pois claro.
Tudo muito bem pensado, orquestrado.

- Plano A (por ser mais simples, ajuda na execuçaõ do mesmo):
Daniel 6.28pm

- Plano B ( muito mais complexo, alternativa oblige; mas muito mais motivador das 'gentes', magistral):
Tsup 7.43

Subscrevo entusiastamente.
É só indicar o local e hora para convocatória e mobilização geral.

Assim até lá íamos.

andorinha disse...

Portocroft,
Eu sei que me compreendes sempre.:)
Hoje não quero mas, amanhã, quem sabe???:)

Tão só, um pai disse...

... o que é uma bimbona do norte? e uma bimbona do sul? ... é algo que serve para comer? Mal ou bem passado? Ou crú? .. e já vem com sal?

amok_she disse...

...bem, primeiro q td!, não há bimbonas no sul!!!...há outras coisas, mas bimbonas, não!:->

...depois...q raio interessa o q é uma bimbona do norte, sem ser à(s) própria(s)!?!:->

...esquece,pá!;-)

Mágico disse...

A crise existe sim, mas para os pobres.