quinta-feira, maio 12, 2005

Dilatando o tema

Sem auto-confiança somos como bebés num berço. E como podemos gerar o mais depressa possível esta imponderável e contudo tão incalculável qualidade? Pensando que outras pessoas nos são inferiores.

Virginia Woolf, A Room of One's Own.

99 comentários:

PP disse...

Bom dia a todos...hoje ganhei coragem com o que o Professor escreveu...fez me pensar e aqui escrevo...e concordo...embora haja pessoas que tentem transmitir-nos o contrario...que são superiores..por um qualquer motivo futil....

Anónimo disse...

Eu não preciso de pensar... as outras pessoas são-me mesmo inferiores!

;)

lobices disse...

...bom dia (o meu já habitual desejo de um bom dia para todos)
...sem auto-confiança somos como bebés num berço?... Sim, até mesmo ao colo da mãe...
...tão incalculável qualidade? Mas, pode a falta de auto confiança ser uma qualidade?... Como, Profe?... a sério
...pensando que outros nos são (ou apenas são?...) inferiores?
...será, assim, a auto-confiança um sinónimo de sentimento de superioridade?...
...se me sentir superior ao outro, sou auto confiante?...
...como pode a "arrogância" de um sentir-se superior ser sinónimo de auto-confiança?...
...pergunto, apenas

PP disse...

lobices,

eu sinto a auto-confiança como uma ausencia...ou menor "timidez"...acreditar em mim...e não esperar aprovaçao..ainda estou a tentar perceber esta ideia :)...procuro estimulos ao pensamento para eu proprio me sentir bem comigo..e não respostas vindas de factores(situações,pessoas, etc) externos...

Tão só, um pai disse...

... ai a minha ignorância, o que é a auto-confiança ...?

caiacaina disse...

BOM DIA! Caríssimo Professor,
Não resisto, ao passar a minha ronda matinal pelos Blog dos amigos, ler o seu e eis que deparo com mais um alerta seu, sob capa de um excerto do livro A Room of One's Own... Como gostaria de gritar bem alto que se podem fazer muitas coisas para elevar, não só a auto-confiança, mas também a auto-estima das gentes, começando por corrigir comportamentos, e, por cada um de nós começar a ser auto-confiante. Ninguém é melhor do que o outro, todos temos capacidades que, devidamente exploradas, podem transformar muita coisa.
Aquele abraço

woelfin disse...

Olá, Bom Dia Prof
e Bom Dia a Todos

bebé num berço...
infância saudável...
convívio com pais equilibrados...

Não acha que isso contribui para provavelmente termos uma auto-confiança razoável e podermos tirar o melhor da vida?
Caso não tenhamos tido essa sorte, nem tudo estará perdido.
Sempre há formas de recuperar a auto-confiança e de ser feliz.
A auto-confiança é uma condição interna e está implícita nas características pessoais de cada indivíduo.

Acho que o amor incondicional e a aceitação experimentada nos primeiros três anos de vida criam os alicerces para a auto-confiança posterior e provavelmente tornam a criança mais velha mais segura e com mais capacidadade para lidar com críticas e avaliações negativas que geralmente acompanham a socialização da criança na comunidade.

Se os sentimentos precoces de amor e aceitação recebidos dos pais, foram verdadeiros e saudáveis, estarão profundamente enraizados na personalidade da criança de forma que depois em adulto possa ter mais condições de resistir com mais facilidade às prováveis rejeições, incompreensões e repreensões ao longo da sua vida... sem ficar tão debilitada.

Para ter auto-confiança é preciso que nos empenhemos muito fortemente nessa conquista.

Anónimo disse...

Todos nós nos sentimos inseguros seja naquilo que for, mas o contrário também é verdadeiro.
Por exemplo: o sr. Prof na sua área concerteza que se sente com sua auto-estima ou autoconfianção na sua plenitude, mas se for em outra área secalhar já não será assim, se lhe dissem para matar um porco?
Desculpe esta minha análise tão bizarra, e vinda de uma pessoa que secalhar nem deveria atrever-se a comentar, porque tenho pouca, mesmo muito pouca autoconfiança.
Quando leio o seu Blog e os respectivos comentários confirmo a minha realidade.
Contudo, e tendo algumas dificuldades em perceber tudo o que aqui se escreve, continuo a sentir um fascinio em lê-lo e ouvi-lo.
beatriz

250º a Oeste disse...

Creio que, pensar que outras pessoas nos são inferiores é pedantismo...
Não sei a receita para a auto-confiança mas passará certamente pelo auto-conhecimento e não por uma agressividade que tantas vezes a simula.

Anónimo disse...

E já agora para os mais provocadores deste blog e que se acham superiores

Quando a tendência de basear a auto-confiança ocorre em pessoas que nos "tentam" transmitir que são superiores, é provável que essa pessoa só não tenha uma boa auto-confiança como também será sempre preconceituosa e opressora.
Será que me fiz entender bem !!??
Dêem-se as mãos e façam as pazes
Porque é que não escrevem antes anedotas?

andorinha disse...

Júlio,
Não concordo nada. A nossa auto-confiança não depende( ou não deveria depender)do facto de pensarmos que outras pessoas nos são inferiores.
Não seríamos auto-confiantes por nós mesmos, mas apenas situando-nos em relação aos outros.
E quando encontrarmos pessoas que nos sejam superiores( seja lá qual for o critério)ficaremos novamente sem auto-confiança?
Como já referi aqui há dias atrás,
não será o facto de eu reconhecer o valor do outro, que fará com que eu passe a ter menos valor, como é óbvio. Isto sim, penso, é auto-confiança.
A auto-confiança só existirá mesmo quando não sentirmos necessidade de nos compararmos com os outros.

Anónimo disse...

«Não, querido, a «Adriana» não está...tente daqui a meia-hora...sim, amor?». Em casa da mineirinha, a Eduarda, uma cabocla de 30 anos que substituiu a «Ana» do Paraná, igualmente com 30 anos e que gostava de vestir sainha pregueada como Kelly, a colegial, a estrela porno do «Sexyhot», tudo gira em volta dela. Das suas saídas, do seu trabalho, dos seus estudos. «Adriana» é uma moça de 20 anos, admirável e bonita. Contou: «Ontem, às 11 e 30, já eu estava de «shorts» brancos e de botins pretos com tacão de metal e pisei o meu cliente, aliás, embevecido com os grandes mamilos das minhas mamas. E, depois, o trivial até à explosão dele dentro de um preservativo.
Ainda lhe disse: «... Com o teu ânus desabituado, as membranas do esfincter fecham e custa mais um pouquinho. Mas vai tudo ao lugar nas minhas mãos...»
Enorme explosão que me fez trocar os olhos e ele ficou sem forças para se levantar e se ir lavar com água quente, com uma toalhinha junto do bidé». A seguir, enquanto eu o vestia, ele ia chamando o táxi e dançámos juntos com a música do Teletáxis. Foi amoroso, até porque demorou um bocadinho. E nós apertadinhos no «slow».
Fechei-lhe a porta, ele entrou no elevador e aterrou no piso zero, onde deviam estar as porteiras dos pisos contíguos a comentar a minha vidinha que as transtorna, mas não faz, afinal, mal a ninguém. Porque eu não machuco o corpo de outrém...»

..............

Mais um texto provocatório, execrável, da autoria de um conhecido autor da nossa praça, que em tempos escreveu bons livros de investigação e agora caiu na mais pura degradação. A ideia é mesmo essa: atirar à cara destes «tios» e «tias», repletos de públicas virtudes e vícios privados, mais um pedaço desta triste realidade que nos rodeia. Pelo menos ficam chocados e... pensam nela. Depois, continuem a masturbar-se neste consultório sentimental...

Tudo aquilo que o «prof» escreve é alvo de rasgados elogios. Crítica... nem vê-la! Ó «prof», aposto singelo contra dobrado que a maior parte desta gente já passou pelo seu «divã»... Mas continuam frustrados, mal resolvidos e com ar de poetas menores...

andorinha disse...

Lobices,
"Pode a falta de auto-confiança ser uma qualidade?" Penso que interpretaste mal o que foi dito.
O que é referido como qualidade é a auto-confiança e não a falta dela, não faria sentido doutra forma.:)

Caiacaina,
Subscrevo aquilo que dizes.

Woelfin,
Penso que haverá uma certa contradição no que dizes.
"A auto-confiança é uma condição interna e está implícita nas características pessoais de cada indivíduo." Poderá ser, há pessoas que são, duma forma natural, digamos assim, mais auto-confiantes.
Mas estou mais de acordo com o que referes mais abaixo - "Para termos auto-confiança é preciso que nos empenhemos muito fortemente nessa conquista."
Ao longo da vida nós podemos, de facto, ir construindo ou aumentando a nossa auto-confiança.
Construída a pulso, ainda terá para nós mais valor.

Mitsou disse...

Andorinha,
assino por baixo!
A auto-confiança sente-se e transmite-se sem ser preciso minimizar o valor dos outros. Afinal de contas, os verdadeiros "grandes" são sempre os mais simples e discretos; destacam-se naturalmente.

Julio Machado Vaz disse...

Maralhal,
A intenção de Virginia Woolf é precisamente alertar para a tentação do racismo como forma de nos sentirmos "alguém". A auto-confiança deve resultar de uma caminhada interior em constante diálogo com o mundo circundante. E não de uma comparação enviesada e xenófoba com um "outro", caracterizado por uma qualquer diferença (sexo, etnia, orientação sexual, etc...).

250º a Oeste disse...

Anónimo,

A percepção que se pode ter de que alguém tenta transmitir que é superior às vezes é falsa... falta de auto-confiança do leitor, não?!

e ainda...

"Quando a tendência de basear a auto-confiança ocorre em pessoas que nos "tentam" transmitir que são superiores, é provável que essa pessoa só não tenha uma boa auto-confiança..." - não acho que a tenha, é um fundo falso, às espera de "mais baixos" para se sentir alto...
A auto-confiança é qualquer coisa muito mais pacificadora....

andorinha disse...

Esqueci-me só de dizer - até mais logo, maralhal.

250º a Oeste disse...

Anónimo das 12h,

Espero que o seu psiquiatra também seja competente...

andorinha disse...

to Júlio at 12.02,
Claro, foi o que eu disse acima.:)
Eu limitei-me a não concordar com o texto, tal como ele se apresenta escrito e ponto.
Como não li o livro, não poderia tirar quaisquer conclusões que seriam sempre precipitadas.
Sendo essa a intenção de Virginia Woolf, totalmente de acordo.:)
E agora é que é mesmo: até logo!

gorda disse...

Bem... o que posso dizer sobre a falta de auto-confiança resume-se ao sentimento horrivel e sinónimo de complexada: complexada de ser-se sempre inferior, não em sexo, mas em pensamento, raciocinio, em imagem... não sei como poderá ser interpretado como qualidade a falta de confiança em nós mesmos. A imagem de sermos bebés num berço explicita bem essa característica. E só quem «sofre» dessa falta dessa caracteristica é que compreende o mau estar que isso trás. O resto... são tretas!

Maria disse...

Professor:
E é certo que um bebé não tem auto-confiança? Penso que é a altura da vida em que a tem e exerce em maior grau. Talvez por se saber totalmente dependente, talvez porque ainda não sofreu sociabilização?
Estou muito errada?
Um abraço,

Anónimo disse...

Parafraseando Kipling haverá sempre os que são superiores a nós e os que são inferiores a nós. Somos um elo de uma interminável cadeia ou escada de progresso humano. Cabe a cada um de nós olhar para baixo sem arrogância, e, com ternura,tentar dar a mão a quem está por baixo. Cabe-nos igualmente olhar para cima e sem inveja,mas com profunda admiração, desejar, tentar e conseguir imitar as qualidades dos que nos são superiores. Estes dois olhares opostos complementam-se e tornam-nos autoconfiantes e... FELIZES!
Para todos os que acharem estes comentários ingénuos declaro que tenho obtido na vida sucesso profissional e felicidade ao nível pessoal. Que mais posso desejar?
Anónimo&Anódino

Stefan Zweig disse...

Tens toda a razão professorzeco de sexo de 5a. categoria. Por isso, e só por isso, é que ainda permito que o génio da minha Amok bote faladura aqui neste teu bloguezinho enfadonho e frequentado pelos maiores mentecaptos de que há memória.

Permito, mas contrariado. Ou estás convencida, virgula perdida num dos capítulos gerados pelo meu génio, que tens alguma coisa a ensinar à minha Amok? Não tens. Nem tu, nem nenhum dos teus correlegionários de quoeficiente de intelectualidade minímo.

Ainda tu, breve espaço de silêncio em parágrafo, ignoravas o valor neuro-nutritivo dum mamilo feminino na boca, e já a minha Amok sabia de outras nutrições mais pulsantes. A minha Amok é, em suma, em qualquer circunstâcia e sob qualquer prisma, muito mais dilatada do que qualquer 'post' ou títulozinho de 'post' que esses teus 'handicapped' neurónios algum dia possam imaginar.

Quem tem medo da minha Amok?

PortoCroft disse...

;))))))

m8,

You're a witty, well resolved guy. Hosannah! ;))))

woelfin disse...

Sim, Andorinha, tens razão, a auto-confiança é de facto um longo trabalho de vida...
E como muito bem diz o nosso caro Prof...
"uma caminhada interior e não uma comparação enviesada e xenófoba..."

Mas resta-me uma dúvida!?

Qualidade ou antes um sentimento que nos permite estar bem connosco próprios?

E agora vou almoçar ...
E espero que tenham também um bom almoço...
Com auto-confiança :)

woelfin disse...

SZ
Não acha que devia mudar o seu username?

STEFAN ZWEIG foi um escritor pacifista, um representante de uma mentalidade intelectual, caracterizada pela defesa dos valores espirituais, num sentido humanístico de defesa dos valores da pessoa humana, da sua LIBERDADE...

Cito:
«J'ai personnellement plus de plaisir à comprendre les hommes qu'à les juger»

Stefan Zweig

Stefan Zweig disse...

woelfin...

Fui isso tudo? E quem te deu a liberdade, criaturinha esconsa, de pretender saber quem fui? ;)

Ale (mestressan) disse...

Caros amigos! Um bom dia a todos e venho aqui dizer que virei menos vezes aqui, por motivo de trabalho, mas sempre que puder estarei presente! Peço que nao deixem de me visitar em meu blog! Beijo a todos *ALE

Guadalupe disse...

Não conheço o Prof. Júlio M. Vaz, senão dos programas da TV..e de um ou outro artigo que leio nos jornais. E quando li este "post", li-o como um texto provocatório, para,justamente..provocar (passe a redundância)algum diálogo sobre a frase ambígua da escritora..E conseguiu.Não será a "auto confiança", em si, um conceito ambíguo? Tanto como o "superior" ou o "inferior"?
Quando me sinto mais "frágil" (outra palavra ambígua..), estarei com menor auto confiança e..quando me sinto mais "forte", ela aumenta e reforça-se?
Desculpem, estarei porventura a escrever superficialidades, mas isto veio ao correr da tecla, sem grandes meditações sobre o tema.
É difícil fugir à permanente ambiguidade que nos rodeia..
E o segredo..é o caminhar e acreditar, com mais ou menos auto confiança, mais ou menos "isto", mais ou menos "aquilo"..

Já baralhei tudo:))

yulunga disse...

Anónimo das 12h, ganda panca hein?
Que raio de intenção foi essa de transcrever um excerto duma descrição de sexo banal?
Chocar o maralhal?
Não me parece que o tenhas conseguido. Na "vertical" cada um tem o seu comportamento mas quando toca a nos mudarmos para a horizontal o comportamento não varia assim tanto.
Por isso o tal "texto provocatório, execrável, da autoria de um conhecido autor da nossa praça, que em tempos escreveu bons livros de investigação e agora caiu na mais pura degradação", não é nada mais nada menos que uma das tantas situações vulgares dum acto sexual do mais elementar.
Não sei quem é esse erudito mas se calhar tanto investigou que chegou à conclusão que o sexo deve ser feito e falado dessa forma: com a degradação que lhe cabe.

m8 disse...

yulunga,

Ainda tu pagas para ir de férias para a terra dos camelos. Que desperdício. ;)

yulunga disse...

Sobre a masturbação, talvez tenhas razão. Mas não a praticamos solitariamente. Aqui masturbamo-nos uns aos outros partilhando opiniões e dando a ler o que os outros gostam de ler, concordando ou não.
Damos o prazer de nos lerem, damos o prazer de que discordem de nós, damos o prazer da confrontação.
O Dr. Murcon coloca o post, dá-nos uma "mãozinha", nós fazemos o serviço.
Elogiar o Dr. é obrigatório por variadissimas razões que não me vou dar sequer ao trabalho de enunciar.
Criticá-lo? Porque não? Isso já se passou aqui, talvez mais à laia de desacordo do que de critica.
Mas admitamos que sem estudos na mesma área que ele, e acrescentando resultados de estudos que provam que a+b=c, se torna dificil aumentar o nivel intelectual que tu por exemplo esperas.
Pela parte que me toca lamento que connosco só te "masturbes" pela metade.

noiseformind disse...

Boss, vamos por partes, que assim já pareces andar meditabundo ;))))

E não é "por partes" para pelas nuances desarmadilhar o problema por ti achegado, é para dar um enfoque precisamente no problema de relativizar o racismo.

Fomos avisados recentemente pelo EuroStat de que não tínhamos dados concretos sobre as comunidades migrantes presentes em Portugal, como por exemplo a percentagem do PIB que elas ganham ou valores para a sua escolarização. Ora em termos de migrantes é grave pq mostra que em termos de políticas (e nós somos campeões mundias da política do "Livro Branco prá gaveta") sem investigação não se pode tomar iniciativas, e por aí se vê o quão pouco se pretende fazer para proteger difreitos e dar uma verdadeira cidadania a essas pessoas.

Mas temos um racismo muito mais latente na nossa sociedade que julgo ter atingido o seu apogeu por estas alturas. Vê bem ocmo nos refugiamos na "loira" para contar anedotas que no fundo no fundo são sobre mulheres. Aliás, o Nosso Supremo Humorista (Fernando Rocha) já faz questão de dizer sempre ao contar as suas anedotas de loiras "Uma mulher... uma loira" e o riso na audiência, a reacção, de tão visceral é alarmante. No auge das "grandes obras" (Expo, Estádios) em que havia emprego para populações de Leste e de cor não foi nas primeiras que se descarregou em termos humorísticos mas sim (e mais uma vez) nas últimas. A nova fornada de anedotas de negros, as mais crueis de sempre (lembro-me da famosa e quase vulgar de ouvir à volta de mesas numerosas "Quanto tempo um preto demora a deitar fora o lixo? 9 meses!) surgiu nessa altura e foi-se com a sua nova guetização ou nova emigração para outras passagens. Dos de Leste só me lembro de uma rábula que era parte do "O último a rir" com o José Pedro Gomes durante a Porto Capital da Cultura e mesmo assim ia mais por uma vertente nonsense do que pela ridicularização.

Mesmo os mais recentes fenómenos de humor não pegaram nos emigrantes de Leste. O seu drama (e pq não assumi-lo, a sua cor de pele) são-nos demasiado próximos, pessoas que deixaram países instáveis para se blendarem numa nova realidade, e a forma como o fizeram de forma endémica (adoptando rapidamente a língua, rapidamente gerando casos de sucesso escolar dos filhos, que foram amplamente divulgados quando os casos de sucesso negros ainda estou para conhecer uma reportagem sobre eles) impediu a sua marginalização funcional como aconteceu com a comunidade negra, que continua a ver o seu futuro massacrado pelo desinteresse racista de políticos e grande parte dos cidadãos.

Dos poucos estudos que acho verdadeiramente importantes sobre esta forma de racismo, o realizado pelo Eurostat em que o dobro dos portugueses preferia ver o seu lugar tomado por um emigrante de Leste que por um negro e apresentavam como principal motivo para o seu lugar ser tomado por um cidadão de Leste a qualificação e o ordenado por um cidadão negro mostra sinais simétricos gritantes na nossa aceitação da diferença.

As sexualidades. Divergentes, quando não são chamadas de anti-natura, são, quanto a mim, o indicador mais preocupante da nossa incapacidade para lidar com a diferença. O "paneleiro" provoca o pânico maior no "garanhão luso", papel social que começa logo em tenra idade quando "tendências", por vezes inconscientes são logo sancionadas por colega de primária com "maricas!" ou "menina". A lésbica, no entanto, parece ser parte da fantasia macha, mulher tresmalhada que, investida da supra-dinâmica peniana certamente voltaria para o rebanho das adoradoras de Perseu. No entanto, nunca como hoje, tivemos graus de insegurança tão elevados dos adolescentes em relação a papéis sociais, especialmente nos rapazes. As raparigas surgem cada vez mais como colegas, com quem se fazem as mesmas descobertas e com quem se partilham os mesmos dramas e não como pares de mamas e cus a engatar depois de gabados a colegas universitários. Mas a ausência de meios de comunicação entre géneros parece continuar a desenbocar numa espécie de rituais aleatórios de distribuição de afectos, a antecipada distribuição epidémica de preservativos em queimas e Enterros, festivais de Verão e outras celebrações "da malta" é sinal de que os laços que unem géneros ainda não são maiores do que os medos, e ainda é com uma boa dose de alccol e uns charros no bucho que o pessoal "chega lá" mais facilmente (não quero com isto dizer que não existam outros entrelaçamentos, parem de ser umas bichas literais ;)))) quero dizer sim que estes aumentos mostram diferenças, não que elas são convergentes em paradigmas dissociativos)

O perigo dos -ismos não me parece divorciado do perigo da não-construção de uma vida verdadeiramente própria. Seguir metáforas alheias em prosa própria faz muitas vezes a nossa existência dilatar-se para a indigência de motivos, e aceitar posições que, por serem aceites por outros à nossa volta, nos tornam mais "parte de".


Sendo assim, Patrão, discordo de ti na pessoa da menina Woolfy ;) não acho que a base do racismo seja a auto-estima, penso que é mais parte da auto-imagem, da pertença de grupo. Claro que não discordaria de ti com meia dúzia de linhas. Por fraqueza de discípulo sinto-me compelido a ir o mais fundo possível nas minhas motivações:

Observa que as comunidades discriminadas não deixam de ter coerência entre si, não perdem a sua identidade, os miúdos negros da Quinta do Mocho não brincam com os miúdos brancos, ás vezes a cor errada no bloco errado de Chelas pode custar-te um espancamento sem que de um bloco para o outro tenhas passado para uma realidade económico-social envolvente distinta. Ou seja, não imagino a auto-estima dos brancos exponencializada pela discriminação feita aos negros, assim como não imagino a tua auto-estima ebulizada por seres do Benfica e os pobres dos outros 4 milhões serem do Sporting e do Porto e por nos chamares lagartos e tripeiros, e sabemos bem que o futebol é alojamento de outras destilarias.

A questão central do racismo para mim é se eu, na minha identificação com um grupo, adopto uma acção desmoralizadora do teu grupo e em que para se ser do meu grupo especificamente se é guiado a ter uma atitude de sonegação de papéis sociais do teu grupo. Como o caso da discriminação baseada no género no local de trabalho, que é um racismo funcional pq ao seres Homem tens uma prevalência sobre as mulheres e ao seres mulher tens quase de ter um daqueles pénis da hiena-fêmea que domina o grupo. Ou seja, não é um racismo que assente num "é tão bom ser homem" mas sim um racismo que assenta no "se eu fôr homem vou ter mais oportunidades que se fôr mulher". Que até vai entroncar na questão de "então, mais oportunidades, mais realização, melhor auto-estima" com que me podes responder.
Aqui chega-se a meio da ponte de ambas as noções, a tua e a minha: eu direi que estão amiudemnte publicados estudos que mostram que a auto-estima não está directamente ligada ao sucesso profissional, muitas vezes este é obtido por pessoas que procuram corrigir falhas de personalidade, vazios de afectos e insensibilidades várias,e tu terás tb razão pois a frustração de não obtenção de uma realização profissional depois de adquirida competência tecnica proporciona muitas vezes a machadada final nas aspirações de independência de muitas mulheres.

Julgo ser bom parar por aqui, ir demasiado longe num debate sem resposta é sempre arriscado por sobre-interpretação dos pressupostos de onde se partiu in the first place ; )))))))))))))

Eh pá, só falta agora meter a bibliografia e mandar para o meu Editor loooooooool looooooooool looooooool loooooooooool looooooool

yulunga disse...

Ó «prof», aposto singelo contra dobrado que a maior parte desta gente já passou pelo seu «divã»... Mas continuam frustrados, mal resolvidos e com ar de poetas menores..."
Pessoalmente? Eu dava o cu e 5 tostões para me sentar no sofá da sala do Dr. mas é que não tenhas duvidas.
Todas as pessoas que se sentam como ele se senta num programa a falar de sexo da forma que ele fala, quase como se o tivesse a praticar tal o gozo e a cumplicidade que ele expressa ao falar, são uma companhia desejada para qualquer ser humano que não considere o sexo puro e duro uma degradação.
Frustrações e problemas mal resolvidos todos temos.

yulunga disse...

m8 é a vida... Pago para ter prazer ;-)

m8 disse...

Yulunga,

Em querendo, creio que o Prof. te perdoa os 5 tostões. ;)

yulunga disse...

LOL

yulunga disse...

m8 eu acho que deve muito bom poder falar com pessoas como ele olhos nos olhos sobre os mais variados assuntos. Não pela sabedoria ou pelos estudos, mas pela forma como comunica.
O Lobices por exemplo faz também parte desse leque de pessoas.
O Noise também não é mau! :-) Nada mesmo!!!

m8 disse...

Yulunga,

Pois... :(

Olhos Nos Olhos

Quando você me deixou, meu bem
Me disse pra ser feliz e passar bem
Quis morrer de ciúme, quase enlouqueci
Mas depois, como era de costume, obedeci
Quando você me quiser rever
Já vai me encontrar refeita, pode crer
Olhos no olhos, quero ver o que você faz
Ao sentir que sem você passo bem demais
E que venho até remoçando
Me pego cantando
Sem mais nem porquê
E tantas águas rolaram
Quantos homens me amaram
Bem mais e melhor que você
Quando talvez precisar de mim
Você sabe a casa é sempre sua, venha sim
Olhos nos olhos, quero ver o que você diz
Quero ver como suporta me ver tão feliz.

Chico Buarque

yulunga disse...

m8 Obrigada :-)
E porque no post anterior se falou também de mulheres com comportamentos masculinos:
Até já maralhal, vou mudar a água às azeitonas.
Coffee break!

lobices disse...

...to Noiseformind at 2.55 PM:
...
...excelente argumentário
...subscrevo-o na totalidade
...

lobices disse...

...to ALL:~
...
...vai haver uma excelente oportunidade para nos vermos:
...almoço dia 25 de Junho no Porto
...consultem banner barra esquerda meu blog
...inscrevam-se
...(quero ver as vossas caras) LOL

lobices disse...

...agora tá na hora do meu passeio pedestre após a sesta habitual que sempre bem sabe (- é só para quem pode!... auto estima, lol-) e o habitual coffe da tarde...
...óspois venho novamente (auto confiança)
...botar faladura (superioridade)
...LOL

lobices disse...

...ahh e já agora
...leiam o texto que postei ontem
...e digam-se se uma Mulher-Mãe daquelas consegue ter auto estima e auto confiança...
...e se será possível expurgar aquela dor

noiseformind disse...

Lobices, meu caro, sem sequer ir ao teu blog aceito o repto, o pessoal tem de se encontrar dentro do possível (e aceitarei tb proposta dos maralhos lá de Lisboa pois passo lá Sextas e Sábados).

E mais, em nome do Crofty aceito arcar já com as despesas da videochamada para que fiquemos em contacto com o Crofty, que está distante mas sempre presente (E já agora, pq não lhe enviar tb a conta do repasto para ele em espírito de comunhão?)

loooooooooooooooooooooooooooooooool

lobices disse...

...escrevi isto tudo de seguida que é para me sentir "superior" aos que não escreveram tantas coisas seguidas no mesmo sítio LOL
...abreijos

lobices disse...

...Noise:
...mas para estares presente tens de ir ao banner fazer a inscrição

noiseformind disse...

Mas tipo... o ppl do Murcon fica junto ou q? Tipo, é que tou-me a imaginar sentado ao lado de ppl cujos blogues nunca visitei e como sou um rapaz tímido e introvertido se calhar demoro mais 5 ou 6 minutos a tar a fazer estrilho com eles ;)))))))))))))))))))))))))

andorinha disse...

to Woelfin at 1.40,
Penso que é uma qualidade e como todas as qualidades permite-nos estar bem connosco próprios.

to Yulunga,
Rapariga, porque te desgastas a responder a malucos?!
Deixa-os a falar sozinhos, talvez acabem por se cansar.
Quanto mais "tempo de antena" lhes dermos, pior, vai por mim.:)

andorinha disse...

Lobices,
Já me inscrevi. Podem ver a minha cara e o resto.:)
Espero poder ficar a conhecer grande parte do maralhal.

Maria disse...

"Pirilampo ou cobra, qual dos bichos és?
 
Era uma vez uma cobra que começou a perseguir um pirilampo cuja função de vida era brilhar.
Ele fugia rápido com medo da feroz predadora e a cobra  nem pensava em desistir.
Fugiu um dia e ela não desistiu, dois dias e nada.
No terceiro dia, já sem forças, o pirilampo parou e disse à cobra:
- Posso fazer três perguntas?
- Podes. Não costumo abrir esse precedente para ninguém mas, já que te vou comer, podes perguntar.
- Pertenço à tua cadeia alimentar?
- Não.
- Fiz-te alguma coisa?
- Não.
- Então porque é que me queres comer?
- PORQUE NÃO SUPORTO VER-TE BRILHAR!!!
*Pensem nisto !!! Diariamente tropeçamos em cobras!*"

Anónimo disse...

"Pirilampo ou cobra, qual dos bichos és?

Era uma vez uma cobra que começou a perseguir um pirilampo cuja função de vida era brilhar.
Ele fugia rápido com medo da feroz predadora e a cobra nem pensava em desistir.
Fugiu um dia e ela não desistiu, dois dias e nada.
No terceiro dia, já sem forças, o pirilampo parou e disse à cobra:
- Posso fazer três perguntas?
- Podes. Não costumo abrir esse precedente para ninguém mas, já que te vou comer, podes perguntar.
- Pertenço à tua cadeia alimentar?
- Não.
- Fiz-te alguma coisa?
- Não.
- Então porque é que me queres comer?
- PORQUE NÃO SUPORTO VER-TE BRILHAR!!!
*Pensem nisto !!! Diariamente tropeçamos em cobras!*"

Ale (mestressan) disse...

Boa tarde meu povo! Vim só dar uma olhadinha! Beijo a todos e não me abandonem, por favor...visitem sempre que puderem! Procuro dar meu jeito pra estar aqui! Abraços!

Anónimo disse...

Para Yulunga :)

chega-te para mim na cama redonda
temos os dedos frios da vaga polar
se és morena é porque usas peruca
se tens músculos nas coxas é do «crawl»
preferes o mamilo esquerdo para ser beijado
e tens dificuldade em chamar-me...«cabrão»
só quero acariciar-te beijar-te na boca
apalpar-te a bunda mapa-mundi
e tilitá-la com os meus dedos de tesão
e saber como me devolves a língua na vagina
para cima e para baixo como uma libelinha em apuros
na tua teia que é nossa e se desprende do preservativo
que ficou por abrir doirado e enigmático
para as ultra-sensações do látex
que rebenta de gozo connosco a soprar
ah! a minha boca é quente, talvez porque só tenha 19 anos
e gosto do meu sabor quando mo dás a provar
quer isso dizer que tenho uma amiga morena como eu
e da mesma idade com quem me encontro para gozarmos as duas
na cama fora das atenções que podem ser espiadas
por 300 euros é caro, mas é real e bom
vais gostar de te ver enredado no meio da nossa loucura de mulheres
jovens, destemidas e sôfregas, ardendo em ambrósia
esfregas-te contra os nossos corpos activos em fúria
acendes novas perspectivas de fome táctil
planeias auges de desespero cutâneo
enquanto na ansiedade louca do MORDE-ME os mamilos e o púbis
as balas te zunem ao lado rente aos dedos dos pés
que acariciam o teu pénis único símbolo de masculinidade
e depois só telefonas a saber como foi
no meio das fêmeas férteis depois de tudo suceder
entre duas toranjas repletas de sumo «teen»
quando as águas descem e o calor nos sobe às orelhas
que ela mordisca ou podes ser tu próprio
que eu gostei de conhecer a sós
numa intimidade que me colocou à vontade
e me fez beber o teu leitinho derretido na boca assim tão de repente
és tão real, palpável ou chegas-te para mim?!...
cruzamos as pernas, eu de «collants» negros
e tentamos gostar um mais do outro assim tão nus
e expostos nos vidros que nos reflectem em paixão
porque acima de tudo somos incógnitos
a não ser na hora supliciante do orgasmo que acumulo e partilho
como uma dádiva quente e explosiva que resolvemos
com carinho e carimbo mediante três toalhinhas «dodot»
os teus pêlos na minha língua que já fora tua
adeus, fica bem, eu cá estou em Letras
e tu escreves para o vazio das minhas costas madrepérola
que também podem ser tuas
...é só pedires...ou nem tanto assim...
metes-me o dedo no rabo
e eu chego às velas do moleiro de D. Quixote
ou mais experimenta-me falo pouco enquanto tu gostas muito
de sibilar por nós antes da próxima estação
em que te apeias
e eu me apiedo sem horas controladas
já te vejo para além da janela
e acho-te giro e amável
volta volta-me volta volta-me
sou tua com os teus toques
que já aqueceram entretanto
ouço-te dentro do búzio
que me deixaste por malícia
já que sou de Lisboa e as ondas rolam por cima de mim
quando estou de gatas ou a quatro
como preferes mais no «69» da nossa vida
em que te lavo os testículos de marfim
com a minha linguinha argêntea aberta como uma lata de «Coke»
os teus testículos pincelando as minhas amígdalas
como abelhas em busca do mel perdido entre safiras e topázios
na savana do nosso romance beduíno
e só casual porque tu mandas
e eu não digo com mais força :
«...Avança para mim!
...dou-te a bunda com tesão!... »
abro-te as minhas narinas como o meu ânus
os sovacos de framboesa amaciam-te com mel
os músculos das pernas retesam-se
os glúteos explodem de esperma
os quadricípedes enovelam-se de suor anti-stress
e estamos quites no orçamento dos afectos ligados ao pára-raios
um mais um três fizemos amor a três
na cabana deixada ao relento dentro de água morna
enquanto chovia sol e a menina do crochê
aprontava biquinis atiradiços e de redes abertas
como as do gladiador que morreu na arena
à espera da estúpida clemência depois de ter varrido um contingente
de alabardeiros e de atiradores sentados em quadrigas
fazendo negaças aos leões com a baba dos cristãos por crucificar

Anónimo disse...

Para Yulunga :)

chega-te para mim na cama redonda
temos os dedos frios da vaga polar
se és morena é porque usas peruca
se tens músculos nas coxas é do «crawl»
preferes o mamilo esquerdo para ser beijado
e tens dificuldade em chamar-me...«cabrão»
só quero acariciar-te beijar-te na boca
apalpar-te a bunda mapa-mundi
e tilitá-la com os meus dedos de tesão
e saber como me devolves a língua na vagina
para cima e para baixo como uma libelinha em apuros
na tua teia que é nossa e se desprende do preservativo
que ficou por abrir doirado e enigmático
para as ultra-sensações do látex
que rebenta de gozo connosco a soprar
ah! a minha boca é quente, talvez porque só tenha 19 anos
e gosto do meu sabor quando mo dás a provar
quer isso dizer que tenho uma amiga morena como eu
e da mesma idade com quem me encontro para gozarmos as duas
na cama fora das atenções que podem ser espiadas
por 300 euros é caro, mas é real e bom
vais gostar de te ver enredado no meio da nossa loucura de mulheres
jovens, destemidas e sôfregas, ardendo em ambrósia
esfregas-te contra os nossos corpos activos em fúria
acendes novas perspectivas de fome táctil
planeias auges de desespero cutâneo
enquanto na ansiedade louca do MORDE-ME os mamilos e o púbis
as balas te zunem ao lado rente aos dedos dos pés
que acariciam o teu pénis único símbolo de masculinidade
e depois só telefonas a saber como foi
no meio das fêmeas férteis depois de tudo suceder
entre duas toranjas repletas de sumo «teen»
quando as águas descem e o calor nos sobe às orelhas
que ela mordisca ou podes ser tu próprio
que eu gostei de conhecer a sós
numa intimidade que me colocou à vontade
e me fez beber o teu leitinho derretido na boca assim tão de repente
és tão real, palpável ou chegas-te para mim?!...
cruzamos as pernas, eu de «collants» negros
e tentamos gostar um mais do outro assim tão nus
e expostos nos vidros que nos reflectem em paixão
porque acima de tudo somos incógnitos
a não ser na hora supliciante do orgasmo que acumulo e partilho
como uma dádiva quente e explosiva que resolvemos
com carinho e carimbo mediante três toalhinhas «dodot»
os teus pêlos na minha língua que já fora tua
adeus, fica bem, eu cá estou em Letras
e tu escreves para o vazio das minhas costas madrepérola
que também podem ser tuas
...é só pedires...ou nem tanto assim...
metes-me o dedo no rabo
e eu chego às velas do moleiro de D. Quixote
ou mais experimenta-me falo pouco enquanto tu gostas muito
de sibilar por nós antes da próxima estação
em que te apeias
e eu me apiedo sem horas controladas
já te vejo para além da janela
e acho-te giro e amável
volta volta-me volta volta-me
sou tua com os teus toques
que já aqueceram entretanto
ouço-te dentro do búzio
que me deixaste por malícia
já que sou de Lisboa e as ondas rolam por cima de mim
quando estou de gatas ou a quatro
como preferes mais no «69» da nossa vida
em que te lavo os testículos de marfim
com a minha linguinha argêntea aberta como uma lata de «Coke»
os teus testículos pincelando as minhas amígdalas
como abelhas em busca do mel perdido entre safiras e topázios
na savana do nosso romance beduíno
e só casual porque tu mandas
e eu não digo com mais força :
«...Avança para mim!
...dou-te a bunda com tesão!... »
abro-te as minhas narinas como o meu ânus
os sovacos de framboesa amaciam-te com mel
os músculos das pernas retesam-se
os glúteos explodem de esperma
os quadricípedes enovelam-se de suor anti-stress
e estamos quites no orçamento dos afectos ligados ao pára-raios
um mais um três fizemos amor a três
na cabana deixada ao relento dentro de água morna
enquanto chovia sol e a menina do crochê
aprontava biquinis atiradiços e de redes abertas
como as do gladiador que morreu na arena
à espera da estúpida clemência depois de ter varrido um contingente
de alabardeiros e de atiradores sentados em quadrigas
fazendo negaças aos leões com a baba dos cristãos por crucificar

E&E disse...

Não duvidando de JMV, nem de V. Wolf, fiquei perplexa com o final do seu “curto texto” que me pareceu estranho, entendendo-me muito melhor com o texto de um post onde se diz: “A auto-confiança só existirá mesmo quando não sentirmos necessidade de nos compararmos com os outros.” Ao que acrescentaria ... e quando, comparando-nos (o que é inevitável) ... sintamos vergonha em fazê-lo porque, como se disse noutro post, “A auto-confiança é qualquer coisa muito mais pacificadora...”

E&E disse...

E, como Lobices,
"...escrevi isto tudo de seguida que é para me sentir "superior" aos que não escreveram tantas coisas seguidas no mesmo sítio"

E&E disse...

Entretanto, só agora vi que os equívocos em que me vi envolvida ontem, se poderiam aproveitar para que se levantasse novamente a velha questão da oportunidade e da utilidade dos blogs (1.), assim como a dos motivos que levam alguém a criar um blog (2.) e a dos motivos que levam outro alguém a comentá-lo (3.).

Porque paira aqui uma dúvida sobre as minhas intenções, sinto-me tentada a responder:

Não tendo blog, restam as questões 1. e 3., sobre as quais não tenho nada a acrescentar ao que já escrevi neste blog, onde o único não-anónimo é Júlio Machado Vaz, como já alguém disse aqui.

A amok_she, se adiantasse alguma coisa, perguntaria novamente “Podem os cépticos viver o seu cepticismo?”. Se a resposta fosse “não adianta”, teria eu que ter paciência mais uma vez.

Anónimo disse...

Que paciência Prof.JMV

Idalina

woelfin disse...

sz

Stefan Zweig bezah in Bath ein Haus. Dort hatte er Begegnungen mit Exil-Schriftstellern.
Dort hat er einen neuen und treuen Freund gefunden der mir so nah war.

Ein Mensch, den man nicht vergisst.
Mit den besten Grüssen

Anónimo disse...

Yulunga

Que expressividade tens a escrever, rapariga.

Usas as palavras e seu significado da forma que bem te apetece.

Gostei do retrato da masturbação colectiva e entendi-o.

O comentário do calão popular "dava o cu e cinco tostões"...
...não será forte demais?

Pareces-me um pouco louca...
...mas feliz e bem disposta.

João Carlos

Stefan Zweig disse...

woelfin,

Versuchen Sie nicht, den Bullen Namen zu geben, mein Liebster. ;)

PortoCroft disse...

Noisy,

Estás lixado pá. Tu vais para Lisboa e eu vou para o Porto. ;)

Maria disse...

Professor,
Isto de andar a ler textos às escapadelas é o que dá. Agora percebi. Retiro a minha questão.
Um abraço, brilhe e ilumine.

Maite disse...

Ainda bem, Professor, que prestou aquele esclarecimento suplementar nos comentários, porque tirado do contexto este extracto pode levar a imensas interpretações. Mas também a filosofia deste blogue não é "cortar as asas ao pensamento".
No entanto, quando perguntam "Who's afraid of Virginia Wolf?" e refiro-me apenas à pergunta em si, eu diria que tenho medo do seu pessimismo, da sua fragilidade, do seu desnorte, da sua incapacidade de lidar com as situações mais banais do quotidiano.

Boa tarde

PortoCroft disse...

Exactamente, Maite.

Aliás, o único comentário que me pareceu dentro do contexto foi o do Zweig. ;)

Maite disse...

pois. "Quem tem medo da minha amok_she?" essa foi hilariante lol

Calvin disse...

Já venho tarde, mas não vou incomodar muito. :o)
Não me parece muito proveitoso que alguém tente sentir-se superior aos outros como fonte de auto-confiança (Dependerá do nível em que essa pessoa se situa e aos outros).
Por mim falo, mas a minha auto-confiança sempre foi algo que tive lutar para extrair de mim e não através dos outros. Aliás, quando existe auto-confiança, a comparação com os outros é perfeitamente estéril, deixa de ser fonte de qualquer retorno.

PortoCroft disse...

;))) Maite.;)

katraponga disse...

Quantas vezes nos sentimos pequenos, os outros gigantes ao pé de nós... não partilho essa atitude de ser maior que os outros. Sou do tamanho do que vejo e não do tamanho da minha altura, disse-mo há muito numa tarde de leitura Alberto Caeiro.

Katraponga

amok_she disse...

Stefan Zweig disse...

(deus me livre e guarde de cop&pastar aquilo td!:->)

...é pá, stefan, porra q a tua amok consegue ser pior q eu, heinnnn!????!:-> ...mantém-na lá quietinha,nos livros, q pr'aqui uma chega!:->

...bem, ag sobre a auto-confiança ...como alguém por ai perguntava: q é a auto-confiança?... é q por vezes usam-se dicionários diversos e depois é um deus nos acuda para fazer frente aos equívocos!:->

...em todo o caso, mal estará aquele q precise fazer descer os outros para q ele próprio suba...quer a auto-estima, quer outra coisa qq... por mim, o q me faz alimentar a auto-estima é o conhecimento q vou tendo de mim, dos outros, e... sentir-me amada!

Alexandre Leite disse...

Por mero acaso encontrei hoje um blog que tem como "frase de abertura" a seguinte: "Nobody can make you feel inferior without your consent." - Eleanor Roosevelt "

http://alternate-reality.blogspot.com/

amok_she disse...

Aliás, quando existe auto-confiança, a comparação com os outros é perfeitamente estéril,(...)

...aliás, o suposto inferiror - eu diria: o inseguro! - sendo incapaz de buscar a sua própria auto-estima - é q vê na auto-confiança "do outro" uma afronta...

amok_she disse...

...qt à citação da Woolf, no post em apreço, é como td, citações fora de contexto são como os números, dizem-nos sempre o q queremos ler...:->

amok_she disse...

...e como mt bem disse, em tempos, um caríssimo "amigo":
« Não se pode agradar a gregos e a troianos. Certo!
Mas pode-se estar cagando para todos...»
#elmano @ 1/31/2004
, in http://sulturas.blogspot.com/

:->

PortoCroft disse...

Até 2a.feira maralhal. Tenho "um'ábiôa" para apanhar. ;)

Anónimo disse...

Oh Yulunga,

E se vc fosse despejar metade do seu ego para a baía de Cascais, porque pelos vistos Cascais já não é o que era....
Ora poupe-nos das suas apreciações de cordel, e sobretudo poupe o Professor!
Este blog é para soltar a mente mas não é para exibicionistas .... do Cais do Sodré.

Poupe-nos e desapareça, porque vc também só atrai .... lodo.
Capisce?

Orange disse...

As ideias e os afectos andam desencontrados?

LYS disse...

Senhor(a) Anónimo(a)das 12.12.
Tinha decidido nunca mais comentar neste blog, mas perante o que acabo de ver escrito não ficaria bem com a minha cosnciência se ficasse calada.
O comentário que você fez à Yulunga é a coisa mais nojenta que já foi escrita neste blog. O lodo da sua cabeça desacarregado na Baía dos Porcos dava uma maré negra! Deixe aa moça em paz com a linguagem dela que é límpida e transparente!
E quem é vc para mandar os outros para a rua? Acaso o blog é seu ?
Lave a boca com sabão azul!

amok_she disse...

Elsa Curado disse...

As ideias e os afectos andam desencontrados?

1:03 AM


Uma boa forma p terminar...tb.me questiono...

E entretanto, a melhor forma de lidar com anónimos provocadoramente estúpidos seria a mais pura indiferença ...para quem canta loas ao silêncio, esta seria uma optima oportunidade para o exercerem, mas pelos vistos algumas mentes brilhantes preferem ir pelo mesmo caminho, enfim...haja pachorra...

PortoCroft disse...

Lys, bem vinda.;)

Não ligue. o anónimo(a) em questão deve ter personificado a aposentada, sifílitica, mãezinha dele(a) na yulunga. Não há nada a fazer, não é? ;)

Agora sim: Eu vou, eu vou / lá prá terra do emplastro / Quem quiser venha comigo / p'ra comer uma francesinha... ;)))

Bom fim-de-semana a todos.

Tão só, um pai disse...

... e onde se mistura isso de "auto-confiança" e a chamada (não me batam) "inteligência emocional" ...?

noiseformind disse...

TSUP, ninguém te bate, nós aqui somos todos contra a violên cia física, já para a intelectual não temos nem limite ;)))))))

Mas é daquelas dúvidas, há pessoas que parecem totalmente incapazes de fazerem escolhas capazes de conduzirem a situações de bem-estar e felicidade. Mas depois são essas pessoas que, rodeadas de problemas emocionais, nos insistem á pés juntos no cunsultório "estarem muito bem", de tal forma lhes parece impossível viver sem as peneiras com que cobrem o sol das emoções. A inteligência emocional de fazer escolhas em contacto com verdadeiras e próprias necessidades sem a panaceia do exorcismo do passado é o EuroMilhões da vida de qualquer pessoa ;)))))))))))))
Há pessoas, que de tanto exorcizarem o Passado, vivem um Presente totalmente insatisfatório e solitário, repetindo relação após relação os mecanismos que usam para prestar reverência a dores passadas ;)

E tens aqui
um testezinho muito bem feito, desde que respondido com sinceridade ;)



Peter

Anónimo disse...

Departamento de Ética e Bons Costumes
“Um Projecto para Lisboa”
Tem como cabeça de cartaz um cidadão que um dia foi apanhado na cama com a namorada de outro, pelo namorado desta, e foi para o Conselho de Ministros com um “olho à Belenenses” e com um testículo inchado.
É só gente fina!
Quando o Telefone Toca!

www.riapa.pt.to

lobices disse...

...BOM DIA maralhal!...
...então, que tal a naite?...
...passaram todos bem?
...em não consigui dispensar o meu já habitual SCI Miami
...depois...bem, foi um dormitar sereno até ao acordar matinal
...agora...bora lá ao meu passeio pedestre... tá tempo de chuva mas vou sair sem ele (o guarda dita...)

E&E disse...

Bom dia Lobices, bom passeio. Vou ao meu q aqui faz Sol.

Bom dia portocroft, não posso ir comer essa francesinha pq "vou-me embora para Pasárgada .. lá sou amigo do rei".

Bom dia amok_she, que sabe onde é Pasárgada, a Bandeira do Manuel.

N. Bom dia a todos

Tão só, um pai disse...

Noise,

Não sou sádico (acho), mas gostei da "porrada". Soube a calduço. Cada um lê-te por dentro de si mesmo. Como o sente.

Essa dos passados, fez-me sorrir. Ainda bem. Entretanto, fui inundado pelas aflições do presente, o do agora para o ontem do amanhã, também chamados de "prazos limite".


As tais "peneiras" das emoções ... até as compreendo. Por isso, como as aceito. Enfim, diferentes são as formas de manifestação das emoções e de senti-las. Dependerá de cada caso, e no tal "sofá" não se escreve, não se sente, é contraproducente. Pano para mangas, aqui.

O teste é pedagógico. Em muitas das questões, faltam as minhas opções. Enfim, não se pode pedir muito ao formato. Soube-me a café para outro mundo. Venha ele.

Bolas, toma um abraço. Surpreendeste-me.

noiseformind disse...

TSUP, e era um café... por isso mesmo lhe chamei testezinho. Mas se estás convicto de que o auto-conhecimento de ti é algo de chave tens aqui outro muito mais complexo, sério e sistemático. Lembro que convém fazer com limite de tempo para cada pergunta, digamos... 10 segundos?

Se depois quiseres partilhar dos resultados aqui com os maralhos seria bom. Já agora os meus resultados apontam para uma personalidade "self-fulfield" e com elevada prevalência das prioridades emocionais sobre a realidade que me é envolvente, agenda que é cumprida quer através de uma grande segurança nos enunciados, quer por uma elevada auto-estima. Vê lá como corre o teu... ;)

E&E disse...

noiseformind

Grata pela informação dos 2 testes que, como leiga, achei mto interessantes; mais serão para quem os saiba interpretar devidamente.

Toix disse...

Para não me alongar aqui, fiz o meu comentário aqui:
http://lusofolia.blogspot.com/2005/05/um-pouco-de-vaidade.html

Anónimo disse...

“Desta vez foi Matilde, adolescente rija e de pele dourada como bago de diagal, o manjar que me esperava” – “Filhas da Babilónia” – Aquilino Ribeiro


www.riapa.pt.to

Pedro Resende disse...

P ter auto-confiança não precisamos de nos sentir superiores a ninguém. Até pk isso poderia no limite provocar noutros sentimentos de inferioridade e reduzir-lhes a confiança. É importante apenas sentirmo-nos perfeitamente normais e aceitar todos como semelhantes. Não há seres superiores nem inferiores, cada um, é um só.

Anónimo disse...

It’s 11:00 in the morning and your energy is waning. Minutes seem to tick by like hours and your mind feels foggy. You’ve still got six more hours to look alert and act productive and get over generalized anxiety disorder, so how do you cope with the afternoon blahs? Follow these six tips!

1. If you have a job that involves sitting at a desk all day or staring at a computer screen, take five minutes to stand up or lean back, close your eyes and stretch, especially in your shoulder and leg areas. Being seated all the time can make your whole body feel stiff and sleepy. A good stretch session helps limber up your body and gets the blood flowing again.

2. Avoid the tempting lure of caffeine or sugar-laden foods such as coffee, tea or chocolate. Caffeine may perk up your energy levels temporarily, but it also has a bad habit of leaving you sluggish after the effect has worn off. Instead, choose whole grain foods, fruits and vegetables to give your body the fuel it really wants! Eating healthier will boost your mood, elevate your alertness, change generalized anxiety disorder and make you feel better all day long.

3. Along with healthier foods, take a quick 10-15 minute walk during your lunch break. Just a few minutes will give you a burst of energy that refreshes you and makes you feel more alert – while burning off your lunch calories in the process!

4. Sometimes, afternoon slumps can be your body’s way of telling you that it needs something. You may be feeling tired if your blood sugar is low (which happens especially after the effect of those caffeine and high sugar foods has worn off!). Packing a low calorie snack like graham crackers, granola, fruit or vegetable slices can give your body a boost and keep you from feeling hungry in the late afternoon and caving in to the urge to devour the entire contents of the vending machine after work!

5. Drowsiness is often a sign that you’re not getting enough water. Drinking more water throughout the day not only helps keep you awake, but also keeps you from feeling those hunger pangs that inevitably creep up in mid-morning. Taking a large sports bottle that you can drink from throughout the day is a great way to get your recommended eight glasses a day as well!

6. If afternoon fatigue is a recurring problem, it may be a side effect of medications you are taking. Allergy pills are well known culprits, as are some blood pressure and anxiety/depression medicines. Don’t try to circumvent these effects with caffeine, otherwise you’ll overload your body with stimulants while it’s already trying to deal with drowsiness, and you’ll feel mentally and physically exhausted. Instead, try a short 15-20 minute catnap. You’ll be surprised how refresh you’ll feel when you wake up! (Don’t try this at work though – I know it’s tempting!)

If you follow these tips on a regular basis, you’ll not only make it through the afternoon blahs, but you’ll also feel better physically and mentally, sleep better at night, and wake up rejuvenated and re-energized the next morning. Make it a GREAT day! generalized anxiety disorder

Anónimo disse...

Many of our modern drugs have harsh side-affects and cost the “earth”, so the next time you come down with a cold or the flu or oxidative stress, why not try a gentle alternative that costs next to nothing?

Instead of immediately forking over large amounts of money for over-the-counter drugs, go to the kitchen cupboard and see what you can find to relieve your symptoms including oxidative stress.

Here are some helpful hints for oxidative stress …

A simple hot compress applied to the face is very soothing to those throbbing aches and pains of a blocked sinus, while a few drops of eucalyptus oil on a handkerchief can provide welcome relief for similar conditions. While supplements of vitamin C, D and zinc will shorten the lifespan of a common cold, a hot lemon drink is also extremely good. And be sure to cuddle-up in bed when you have a cold, as it will make the body sweat out the germs.

Cool lemon juice and honey are a great soother for a sore throat and gives the body much-needed vitamin C at the same time The juice of one lemon in a glass of water is sufficient. Melt the honey in a little hot water for ease of mixing.

A smear of Vaseline or petroleum jelly will do wonders for those sore lips and nose that often accompany a cold.

A 'streaming cold' where the nose and eyes water profusely, can respond to drinking onion water. Simply dip a slice of onion into a glass of hot water for two seconds, then sip the cooled water throughout the day. Half an onion on the bedside table also alleviates cold symptoms because its odor is inhaled while you sleep.

People prone to catarrh may find that chewing the buds from a pine or larch throughout the day will clear up their condition in just a few days.

Do you suffer from sore eyes? If your eyes are sore from lengthy exposure to the sun, try beating the white of an egg and then spread it over a cloth and bandage the eyes with it. Leave the preparation on overnight. Soft cheese (quark) is also a good remedy for this condition.

For those unpleasant times when you suffer from diarrhea, two tablespoons of brown vinegar will usually fix the problem. Vinegar can be rather horrible to take, but who cares! The problem is more horrible. Vinegar can usually be found in most people's cupboards, so you don't need to worry about finding someone to run to the shop for you in an emergency.

Sleepless? Instead of reaching for sleeping pills, which can quickly become addictive, try this: Drink only caffeine free tea or coffee starting late in the afternoon.. Go to bed earlier rather than later, as being overtired tends to keep people awake. Make sure the bedroom is dark and quiet. Use only pure wool or cotton sheets and blankets. Polyester materials can cause sweat and make you thirsty (if your child constantly asks for water throughout the night, this could be the reason).

And don't watch those scary movies just before retiring! If you still can't sleep, make a tea of lemongrass or drink a nightcap of herbal tea containing chamomile. It's easy to grow lemongrass in your garden or start a flower pot on the balcony for ease of picking. Simply steep a handful in boiling water for five minutes. Honey may be added for a sweetener.

Of course there will be times when you do need modern drugs, so if these simple remedies don't have the required affect, be sure to see a health care professional.


oxidative stress

Greg Duchesneau disse...

Hi, nice blog. I found it to be very interesting and informative. Keep it going, I'll be back for more...

If you feel like getting inside info on automatic responder services, marketing tools and other cool stuff, especially if you're looking for online services or automatic responder services, come on by and check it out. See ya..

acoach2 disse...

Great blog about anxiety disorder. I also have a website about anxiety disorder
Stop by if you get time.

Anónimo disse...

Hey, you have a great blog here! I'm definitely going to bookmark you!

I have a alprazolam anxiety site/blog. It pretty much covers ##KEYWORD## related stuff.

Come and check it out if you get time :-)

Anónimo disse...

You aren't going to believe this website! If you really like free movie teen topanga then this is even bigger than you can imagine!

Twins Twins Twins! Free sample pic here at my blog:
Milton Twins !!!!!!!!!!!!!!

And feel free to post at my blog too.

Anónimo disse...

Hey, If you are looking for a fantastic feel good dog vitaminvitamindog vitamin then you have to check this out.