terça-feira, junho 13, 2006

Como é possível?:(.

Câmara do Porto ignoradata da morte de Eugénio
O último retrato alfredo cunha

Eugénio de Andrade terá a sua obra como ponto de partida de amplo conjunto de iniciativas em Madrid


Sérgio Almeida

Câmara do Porto ignora

data da morte de Eugénio

Cidade adoptada por Eugénio de Andrade desde o final da juventude, o Porto não assinala o primeiro aniversário da morte do poeta que lhe consagrou a mais completa antologia de textos literários ("Daqui houve nome Portugal"), além de abundantes escritos.

O conjunto de iniciativas que, ao longo da semana, presta tributo ao autor de "Os sulcos da sede" tem como organizador a Câmara Municipal de Matosinhos, em colaboração com a Fundação Eugénio de Andrade (FEA). Até mesmo o evento marcado para a Casa da Música - um recital de canto com base em poemas de Eugénio e músicas de Fernando Lopes Graça e Jorge Peixinho - é da responsabilidade exclusiva da autarquia matosinhense, apurou o JN junto da organização.

O rol de acontecimentos inicia-se já hoje, com a inauguração de exposições colectivas de esculturas e pinturas, uma conferência de Maria João Reynaud e recitais de piano de João Paulo Costa e António Rosado. No sábado, decorre um concerto de homenagem, com base no poema "Aquela nuvem e outras", por alunos da Escola de Música óscar da Silva, acompanhados ao piano por Jaime Mota.

Presidente da FEA, Arnaldo Saraiva vê nas diversas iniciativas calendarizadas a prova de que "o risco de esquecimento da sua obra está, para já, felizmente afastado". Numerosos em vida, os tributos ao poeta não têm cessado nos últimos meses, como se testemunha pela atribuição do seu nome a avenidas e alamedas em Gaia e Matosinhos ou pelo descerramento de um busto na Póvoa da Atalaia (terra natal do autor).

"Mais do que consensual,Eugénio é já um clássico. A capacidade de ser admirado tanto por académicos como por um público não culto, por jovens e velhos, ou por homens e mulheres, é verdadeiramente única", afirma, orgulhoso, Arnaldo Saraiva.

Longe de desvalorizar a importância da Fundação, a morte de Eugénio - há exactamente um ano - apenas veio "aumentar as responsabilidades", defende o presidente da instituição fundada em 1993. A actividade dos últimos meses, de que se destaca a edição da antologia definitiva e a preparação do número dos "Cadernos de Serrúbia", comprova a validade da missão.

As óbvias limitações financeiras da FEA - cuja fonte de receitas quase exclusiva diz respeito à publicação de livros - em nada perturbam os ambiciosos objectivos em mente. "Queremos que a Fundação seja, no futuro, uma verdadeira casa da poesia, cumprindo, aliás o desejo de Eugénio", diz Arnaldo Saraiva.

Já no próximo ano, Madrid acolhe um amplo conjunto de iniciativas que têm como ponto de partida a obra eugeniana, incluindo colóquios e exposições.

Em curso encontra-se a tarefa de inventariar e catalogar os milhares de documentos deixados por Eugénio de Andrade. E mesmo que não figurem poemas inéditos entre o material analisado, há textos que podem vir a ser alvo de publicação, como a abundante correspondência trocada com numerosos autores.


A objectiva de Virgílio Ferreira foi a última a captar o rosto de Eugénio. O fotógrafo portuense conseguiu convencer o poeta a deixar-se fotografar, na sua residência, poucos dias antes de ser internado. "Depois de lhe ter feito um retrato a preto e branco, no âmbito de um projecto que reuniu ilustres do Porto, achei que estava inspirado para captá-lo outra vez. Ele disse que não estava em condições, pois a sua saúde estava muito debilitada, mas lá aceitou, e daí nasceu o retrato a cores". Eugénio acabou por criar intimidade com o fotógrafo. De início, não gostou do que as fotos mostravam, mas depois "pediu para guardar uma cópia", diz Virgílio, que define a imagem por si tirada como "um retrato duro que humaniza o poeta e mostra a sua fragilidade. Mas ele achou que estava ali a sua essência". Virgílio Ferreira recorda que "foi complicado convencê-lo a deixar-se fotografar, porque já estava doente, a chorar de um olho, e queria cultivar uma imagem juvenil". Enquanto pessoa, o poeta era "difícil e parecia haver ali muita amargura e recalcamento", confessa o fotógrafo. "Por conversas com outros, tinha a ideia de que era arrogante, mas depois fiquei com uma ideia positiva. Foi uma forma mais permeável de entrar no mundo dele", confessa. Andreia Faria.

46 comentários:

AQUILES disse...

Não quero ser o pessimista de serviço. Por isso não vou espraiar-me. Mas diz muito de um país a forma como enlevam, ou não, as artes e os artistas. Tal reflecte o estado geral do país.

Manuel Reis disse...

Não faz parte das prioridades do país. Tudo na vida é uma questão de opções e prioridades e o Eugénio de Andrade e os nossos Eugénios, sejam de que medida forem, não têm prioridade.
Já não é revoltante. É uma constatação. Temos outras prioridades na vida, por isso estamos como estamos e somos o que somos...

Moonlover disse...

É sempre triste ver os nossos artistas serem valorizados primeiro fora do pais para depois serem reconhecidos cá dentro!!!,
afinal vá para dentro lá fora...

Poema XVIII

Impetuoso, o teu corpo é como um rio
onde o meu se perde.
Se escuto, só oiço o teu rumor.
De mim, nem o sinal mais breve.

Imagem dos gestos que tracei,
irrompe puro e completo.
Por isso, rio foi o nome que lhe dei.
E nele o céu fica mais perto.

Eugénio de Andrade

AQUILES disse...

E a propósito, hoje no DN, dito por Diogo Pires Aurélio:
«A menção destes prémios na imprensa e na restante comunicação social, salvo raras excepções, é sucinta, para não dizer ligeira. A literatura nunca foi assunto para multidões, muito menos em terra onde o analfabetismo e o semianalfabetismo atingem dimensões como aquelas que, infelizmente, ainda grassam entre nós. Tudo se resume, por isso, a uns galardões tendencialmente confidenciais, que vêm premiar edições na sua maioria também confidenciais.»

blogico disse...

Se fosse um jogador da bola, teria direito a homenagens quase de estado. :( Como foi um poeta, apenas podemos aspirar a que as gerações seguintes o tornem alvo de estudo.

Quando é que o nome do país muda oficialmente para Futogal?...

mentecalma disse...

Como querem vossas excelências que se fale de poetas mortos se o futebol nos engravida de orgulho?
Como querem vossas excelências que se fale de poesia se a bola é mais física e redonda que as redondilhas ou as métricas?
Como querem vossas excelências que os altos senhores da nação se debrucem sobre as letras se estas mais não são que esborratados símbolos nas mentes deles?
Como querem um País culto se o dinheiro não sabe ler?
Como querem um País a lembrar os Eugénios seus filhos se o mais importante é desfilar nas avenidas sejam elas da Liberdade com as marchas, sejam ela do Brasil com os tanques de guerra que até deitam fumo?
A poesia de Eugénio é imortal e não precisa ser lembrada pois está viva nos nossos corações.
Viva Eugénio de Andrade!
Sempre.

Ameninadalua disse...

Bom dia!

"Mais do que consensual,Eugénio é já um clássico. A capacidade de ser admirado tanto por académicos como por um público não culto, por jovens e velhos, ou por homens e mulheres, é verdadeiramente única".

Arnaldo Saraiva tem mesmo toda a razão e esta afirmação contem já em si todas as justificativas possiveis para a tomada de uma iniciativa por parte da Camara do Porto que como seria seu dever, deveria homenagear não só um homem ilustre da cidade mas e principalmente a figura com o âmbito da sua projecção e da sua grandeza...

Manel disse...

Há pessoas que ao pensarem que têm poder, têm medo das palavras, da música, da pintura e de todo o tipo de arte, isto é, têm medo da vida.
É que o poeta incomoda.

Clara disse...

Diz o primeiro comentador o Aquiles que tal reflecte o estado do pa
is. Eu digo antes que tal reflecte o estado da Cãmara do Porto. Porque elegeram este troglodita do Rui Rio para Presidente?!? Agora, durante 4 anos, a cultura será reduzida a zero, porque ele prefere corridas de automóveis e coisaS PARECIDAS. nA PRÓXIMA ELEIÇAÕ, É PENSAR MELHOR, SE FAZ FAVOR, PORQUE O PAiS E AS CIDADES SÃO AQUILO QUE NÓS QUISERMOS QUE SEJAM!

Teófilo M. disse...

Desculpem, mas não foi o presidente da Câmara do Porto galardoado com uma condecoração atribuída aos que se distinguem nos serviços de expansão da cultura portuguesa ou para conhecimento de Portugal, sua história e seus valores. ou estarei enganado?

Alguém protestou?

Fora-de-Lei disse...

Que esperar de uma edilidade que quis ROUBAR o 'subsídio de trabalho nocturno' aos homens da recolha do lixo ???

andorinha disse...

Boa tarde.

Eu digo apenas que já nada disto me espanta, infelizmente.
Os políticos, salvo honrosas excepções, nunca se deram muito bem com a cultura.
Partilho o pessimismo e o sentimento de desencanto dos comentadores precedentes.
RAIO DE PAÍS, ESTE!:(

Aspásia disse...

Só visto...:((((

Já falei deste fatum da apagada e vil trizteza a propósito de Camões no meu blog em 10 de Junho. É sina, é sina...e não há Santinho que nos valha..

Tenho andado algo ausente por causa dos olhos.:((

Bom resto de S. António em Lx, bom início de semana para todos, bom Langue d´Oc, Prof.(levou o dicionário?)

Beijinhos

Aspásia disse...

"tristeza"...

...palavra que tinha de se repetir... é fado, é fado...

prof disse...

Nós, às vezes, gostamos de dar razão aos nossos ditados. Confirma-se que "Santos da terra não fazem milagres". Mas, que não restem dúvidas, Eu(não sou, mas ele era)génio! E, apesar de todos os políticos ignorantes, há-de permanecer sempre e cada vez mais reconhecido - cá, ou pelo menos, lá fora.

AMMedeiros disse...

Eles não fazem, mas nós famemos:

Canção

Tu eras neve.
Branca neve acariciada.
Lágrima e jasmim
no limiar da madrugada.

Tu eras água.
Água do mar se te beijava.
Alta torre, alma, navio,
adeus que não começa nem acaba.

Eras o fruto
nos meus dedos a tremer.
Podíamos cantar
ou voar, podíamos morrer.

Mas do nome
que maio decorou,
nem a cor
nem o gosto me ficou.

Eugénio de Andrade

Pamina disse...

Boa tarde.

Como diz a Aspásia (4.38), o post dela sobre Camões fala do mesmo. O desprezo que este país tem pelos seus maiores infelizmente já vem de longe. E isto verifica-se em todas as áreas, da científica à artística.
Relativamente a este caso concreto, é vergonhoso que pareça haver mais interesse por Eugénio de Andrade e pela sua obra em Madrid do que no Porto. Valeu Matosinhos para salvar a honra do convento.

Para terminar, peço licença à Aspásia para colocar aqui os mesmos versos de Camões que (via Amélia do barcosflores) citei ontem no blog dela. É que vêm tão a propósito.

«O favor com que mais se acende o engenho
Não no dá a pátria, não, que está metida
No gosto da cobiça e na rudeza
D'uma austera, apagada e vil tristeza»
Lus.X,145

papalagui disse...

Hoje é dia de Fernando Pessoa, por falar em esquecimentos :)

CêTê disse...

Boa noite!

A ternura que o professor tem, por este homem, por este poeta enternece. Decerto mais importante que virar símbolo ou ícone ele preferiria continuar vivo nas pessoas sobretudo nas que alguma coisa lhe disseram. Pessoas com valor não salivam com uma medalha no Dia de Portugal mas sonham sobreviver na memória do seu povo.


Um abraço.

fiury disse...

boa noite

fiury disse...

Porque



Porque os outros se mascaram mas tu não

Porque os outros usam a virtude

Para comprar o que não tem perdão.

Porque os outros têm medo mas tu não.



Porque os outros são os túmulos caiados

Onde germina calada a podridão.

Porque os outros se calam mas tu não.



Porque os outros se compram e se vendem

E os seus gestos dão sempre dividendo.

Porque os outros são hábeis mas tu não.



Porque os outros vão à sombra dos abrigos

E tu vais de mãos dadas com os perigos.

Porque os outros calculam mas tu não.



Sophia de Mello Breyner Andresen

“No Tempo Dividido e Mar Novo”, Edições Salamandra, 1985, p. 79

Aspásia disse...

Para o Eugénio


Volto contigo à terra da ilusão,
mas o lar de meus pais, levou-o o vento,
e se levou a pedra dos umbrais,
o resto é esquecimento.

Procurar o amor neste deserto
onde tudo me ensina a viver só,
e a água do teu nome se desfaz em sílabas de pó,
é procurar a morte, apenas,
o perfume daquelas longínquas açucenas
abertas sobre o mundo como estrelas...
despenhar no meu sono de criança, inutilmente,
a chuva da lembrança.


Carlos de Oliveira

Aspásia disse...

Pamina

Cara amiga, por mim estás sempre licenciada e com muito prazer. Além disso a Amélia é que teve a lembrança.

Bjinhos:)*

Ameninadalua disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Ameninadalua disse...

Moonlover Ammedeiros Pamina Flury e Aspásia

Muito bem!

Mas que inspiração nas escolhas! :))

Falar em poeta e neste em particular, dá nisto...

Gostei:)))

Moura Viva disse...

Portugal dos grandes pequeninos. Eugénio de andrade não jogava futebol. Pois não?

noiseformind disse...

Chego ao blog e ouço choro e choro e mais choro. Buuuuuuuaaaaaaaah a cultura, Buuuuuuuuuuuuuaaaaaaaaah a memória, Buuuuuuuuuuuuuuaaaaaaaaaah os poetas (com o habitual copy paste da praxe).

Compreendo... afinal o post é tb um grande buuuuuuuuuuaaaaaaaaaaaaaah até meio. Mas a malta é só buaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaah mesmo. A Pamina ainda refere a fabulosa e muito honrosa iniciativa da CMM : ))))))))))))) (mas ela é uma miúda perspicaz e optimista) Mas tirando ela, a que se resumem os comentários nesta caixinha hoje?????????? Um enorme buuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuaaaaaaaaah!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Alguns dos comentadores estão perto do Porto. Quantos deles estiveram presentes na apresentação da exposição de esculturas? Quantos deles na apresentação da exposição de retratos? Quantos deles na conferência e na sessão de canto que se seguiu? Quantos deles no concerto de António Rosado? Típico chorinho mal alinhavado de quem quer as pantufas e descanso. Insurgem-se pela escassez de iniciativas mas não os vejo nas iniciativas que acontecem. E dessas insurgem-se contra serem "pouco divulgadas". Depois dizem que as novas gerações são passivas. Mas eles não procuram nada. Bovinamente aguardam o golpe iluminante de uma televisão tão omnipresente para eles como para o resto do gado. Pois é, pois é, eles vieram de algum lado, muitos já foram outras coisas. Mas não me remento apenas aos colegas de caixa de comentadores habitantes da AMP. Falo mesmo dos próprios habitantes de Matosinhos (não creio que esteja por aí algum). Disse-me o Rocha que enviaram cerca de 3800 convites para assinantes do pelouro da cultura e com ESTE cartaz de actividades. Sabem quantas pessoas estavam no concerto do António Rosado? 50!!!!!!!!!!! Ao início, durante a peça de Schumann!!!!!!!!!!!! No fim devíamos ser uns 30. E se tirarmos as pessoas ligadas ao próprio Eugénio (com o Professor Arnaldo à cabeça) éramos uns 10!!!!!!!!!!!!!! O quê????????? Actividades para quê??????????? Dinheirinho dos contribuintes gasto aos milhares para meia centena na conferência, outra meia no concerto, quantos estarão na Casa da Música na Sexta-Feira???????? Meu Deus, feitas bem as contas quase nem dá para os selos usados na divulgação...

O Sócrates, se sabe, acaba logo com estas coisas. Onde se viu tamanha improdutividade de tamanho gasto? Se António Rosado cobrar 1000e por concerto (e eu sei que cobra muito mais em situações normais, mas estou a abranger a relação especial dele com a CMM), a dividir por 40 pessoas dá 25e de custo por cabeça!!!!!!!!! De custo!!!!!!!!! E quanto vai custar a Casa da Música? Pois é... pois é... o Estado a celebrar o q? Como? Quando? Onde? Celebrar para uma sala vazia? Nã, nada disso. Pq não fazer raps das música de Eugénio? Pq não fazer estas apresentações com umas miúdas de mamas à mostra? Pois é... pois é... destas coisas ninguém se lembra...

Se calhar a malta das pantufas com umas ofertas de brindes e umas maminhas ao léu ia lá, ao não não ia... e estavam aqui a dizer "que vergonha, celebrar Eugénio de Andrade daquela maneira, que nojo..." mas se calhar já tinham ido. Pois é, pois é, já cantava o outro na música ; )))))))))

Em relação a António Rosado, seja qual for o programa, fico sempre à espera dos Encore. Pq? É que o homem toca sempre Liszt para despedida. Neste caso um Opus que me era desconhecido e que estou aqui a vasculhar alegremente na base de músicas ; )))))


; )))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))))

Prá malta das pantufas ainda a tentar recuperar-se da indignação de ler estas linhas deixo o aviso que uma vez uma campanha da SWATCH me fez: em 7 dias você pode perder até 168h.

Claudete Silva disse...

Ainda se fosse o grande Vinicius. Vcs portugas tem a mania que têm grandes poetas.

Beijos
Iara

Claudete Silva disse...

Andam andorinhas por aqui? kkkkkkkk
Bando de bestas com a mania que são intelectuais.
Me perdoem. É opinião duma cidadã brasileira.

Beijos
(Claudete)Iara

noiseformind disse...

Claudete silva,
Como conheço muitos brazucas que não são bestas como tu, estás perdoada. Afinal és estúpida por escolha e isso é sempre algo totalmente reversível, certo? ; )))))))

Dijambura disse...

Passamos pelas coisas sem as ver,
gastos, como animais envelhecidos:
se alguém chama por nós não respondemos,
se alguém nos pede amor não estremecemos,
como frutos de sombra sem sabor,
vamos caindo ao chão, apodrecidos.

Eugénio de Andrade

Dijambura disse...

1 ano também após a morte de Àlvaro Cunhal, que para além de fazer política de uma forma coerente(à parte de ideologias), era também um grande artista e pensador!

Salto Angel disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Salto Angel disse...

É este o País Real em que habitamos.

No dia 26 de Maio do corrente ano faleceu o Maestro José Marinho, com um longo Curriculum artístico, e não aconteceu nada de especial. Foi referida a notícia em curtíssimas linhas, em três jornais. Umas semanas antes, faleceu um jovem actor de uma telenovela da TVI (era a sua primeira participação na TV!!) e foi capa de tudo quanto era jornal, revista, abertura de telejornais, tema de blogs, teve honras de transmissão do seu funeral em directo(!!) etc., etc. Isto durante dias e dias!!

Depois disto, nada haverá que me espante (digo isto baixinho/sussurrado, para que ninguém me oiça... vai-se lá saber o que está para vir!!?)

Parabéns pelo blog ;-)

Abraço.

AMMedeiros disse...

Peço desculpa Noiseformind, mas discordo dessa da estupidez como escolha e que esta seja reversível. Na verdade existe a cronicidade da estupidez, chamada: "estupidez persistente" e a reversibilidade desta entidade nosológica é muito questionável, seja qual for a nacionalidade...estes espécimes abundam e proliferam como cogumelos!!!
Lamento Claudete, mas não tenho uma perspectiva tão positiva como a do noiseformind acerca da tua condição...
Felicidades!...

AMMedeiros disse...

Ah! Já me esquecia!
Claudete, descansa ESTÁS PERDOADA.
(É importante tranquilizar as pessoas que sofrem destes males).

lobices disse...

...quem é essa personagem que diz essas besteiras?
...basta dar uma olhadela ao blog dessa personagem para se ficar logo com a ideia formada
...ligar a isso gastando o nosso latim, é um desperdício
...Viva Eugénio
...já agora, o Rio foi condecorado por causa das causas dedicadas à cultura?
...pasmo!!!!!!!!!!

thorazine disse...

"Claudete silva,
Como conheço muitos brazucas que não são bestas como tu, estás perdoada. Afinal és estúpida por escolha e isso é sempre algo totalmente reversível, certo? ; ))))))) "

Depois desta frase não é preciso dizer mais nada À senhora. Este meu post nem é de forma nenhuma intenção de te "apoir" pois já foi tudo dito, só dizer mesmo que me partiste todo com a resposta! Grande LOL! Tens mesmo tudo na ponta da língua..! (Será que tudo tudo mesmo? :))))))))))))))

Aspásia disse...

Maralhal, Hoje e a Pedido de Várias Famílias, uma Grande Estreia!!!

O Amor é... (2ª a 6ª)!!!


Coincindindo com o 92º aniversário de meu Pai... mas esta prenda é mais para a filha;))...

Boas audições!!!:))

andorinha disse...

Boa tarde.

Maralhal, obrigada pela solidariedade:)
Mas como diz o Lobices, não vale a pena gastarmos o nosso latim com as claudetes deste mundo...

Aspásia,
Obrigada pelo link:)
Bjs.

thorazine disse...

Excelente notícia! E sempre mais uma "achega"! :))

Mas agora só uma questão um bocado inocente, "O amor é..." já custumava ser transmitido de segunda a sexta ou é só apartir de hoje? Eu custumo seguir o programa ao domingo, mas desconhecia o semanal!

Andorinha,
És a maior, sabes disso!! :P Beijinhos!:)

andorinha disse...

Thorazine,

"O amor é..." é transmitido de segunda a sexta por volta das 9.20h.

Não sei se serei a maior, só meço 1.68!:)))))))
Beijinhos, miúdo.

Claudete Silva disse...


Todos contra mim? Vinicius é ruim? Nao é nao.
Quem é esse noise e o lobices?

Claudete Silva disse...

Eu sou Iara Eterna.
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

rmindo disse...

Desculpem uma opinião politicamente incorreta, até porque estamos a falar de uma personalidade recentemente falecida.Acho o Eugénio (permitam-me que o trate pelo nome próprio), um poeta menor.

plenitude disse...

No meu blog plenitudedoencontro.blogspot.com também não fiquei indiferente ao silêncio da Câmara Municipal do Porto quando se trata de Eugénio de Andrade!