quinta-feira, junho 01, 2006

Velharia a propósito do problema da natalidade.

O caso dos espermatozóides amaldiçoados


Em Abril/Maio - com incompreensível atraso em relação à Primavera! – chega-me segundo neto. Será Tiago. O que enche de gozo o avô, furioso adepto de peregrinações laicas a Compostela. Filho único invejoso de ninhadas barulhentas à mesa, estou também feliz pelo Gaspar. Um irmão, além da mais que provável ciumeira inicial, trará um continente virgem de asneiras, ternuras e cumplicidades para explorarem ombro a ombro.
O agrado pela notícia contrastou com a ausência de expectativa no que ao sexo da criança diz respeito. A essa apatia se juntaram, de resto, as palavras do satisfeito pai. Num dos nossos conspirativos almoços das quintas-feiras, referiu, de passagem, a evidência – “rapaz, naturalmente”. O “naturalmente” radica em problema insolúvel, que entristece mas já não surpreende ou revolta os Machado Vaz: em quatro gerações vamos em doze machos seguidos, nem uma vez se vestiu de rosa um bebé nesta família!
Suspeitam de exagero meu, ávido por aparição nos telejornais das oito? (“Pobre família portuense não festeja nascimento de menina há mais de cem anos. O nosso repórter esteve lá. A-rre-pi-an-te!!!!! Logo depois do intervalo”). Então fiquem-se com a contabilidade: meu pai e o irmão; eu e dois primos; os meus dois filhos e três primos; Gaspar e Tiago. Doze! Por agora... Paranóide, recuso coincidência que atravesse todo um século; megalómano, receio maldição com origem no céu ou nas profundezas do inferno.
Dir-me-ão que, sendo médico, devo esgotar as possíveis explicações científicas para esta monotonia macha. De acordo. Por ilógico e rude, não me passa pela cabeça culpar as mulheres que acederam a entrar para a família e trouxeram nos ventres acolhedores tal horda masculina. Que deselegante e improvável seria, por exemplo, decretar semelhantes e mortíferos para os espermatozóides X os seus ph vaginais!
Ná, pesaroso e embezerrado, para nós me viro - que se passa com os espermatozóides X made in Machado Vaz? Por que perdem sistematicamente a corrida? Será preguiça? Ó ideia ameaçadora! Eu a esfalfar-me, dizendo que homens e mulheres são diversos mas não de forma estanque, capaz de tornar determinadas características “tipicamente femininas ou masculinas”, logo, vedadas ao outro sexo. E um dia destes alguém levanta a mão numa aula e defende a teoria dos sexos opostos, invocando a “preguiça feminina” dos meus espermatozóides X. Se se quedar por aí! Pode acusá-los de tagarelice, pecado clássico das mulheres - ei-los ao paleio, enquanto os Y se precipitam para óvulos apetecíveis aos gritos de “o nosso prazer é o trabalho!” E a frase, na sua ascese, levanta hipótese que Medicina e Igreja medievais teriam aprovado, se já dispusessem do microscópio: talvez os X se retardem por pregas vaginais, culpados de luxúria, como é típico das filhas de Eva! E por isso cheguem atrasados aos óvulos, apenas a tempo de assistirem à partida para lua de mel uterina de mais um ovo XY...
Que fazer? O estilo de vida dos Machado Vaz mais jovens é são e impoluto - praticam desporto, evitam o tabaco, fazem alimentação regrada; não vejo o que sugerir. Recorrer às novas tecnologias recompensaria a preguiça dos X, seria como inverter a fábula da cigarra e da formiga. Mais vale tentar ver o “bright side of life”, como sugeriam os Monty Python. Afinal, rodeada pelo mimo de tantos homens, uma rapariga correria o risco de se tornar uma delinquente por volta dos sete anos! Depois, neste mundo masculino, toda a gente gosta de futebol e liberta o palavrão com volúpia; a roupa herda-se; os filmes policiais e de guerra geram consenso; as portas de cozinha fechadas fazem desaparecer paisagens lunares à espera de arrumação (até se ouvir a convocatória sem apelo das matronas da tribo!).
Na sala, vigilantes, rodeiam-me fotografias dos rapazes e do Gaspar. O meu velho derrama charme lendário noutra moldura. Tiago nada lhes deverá no encanto. Eu sou filho único, mas no caso deles talvez o segredo resida no bom senso das mulheres: nenhuma quis ser irmã de homens pelos quais prefeririam apaixonar-se! E usando a magia que no passado as levou a fogueiras que não as do amor, lançaram a maldição que atrasa os espermatozóides X dos Machado Vaz.
E assim, com doce artimanha, transformam sinistra praga em subtil madrigal...

43 comentários:

keeper_of_the_pussy disse...

Muitos Parabéns Dr.JMV. E muitos parabéns, tambem, pela sua intervenção da prova oral de ontem.

Isabel Pietri disse...

"Se se quedar por aí! Pode acusá-los de tagarelice, pecado clássico das mulheres - ei-los ao paleio (...)"


"(...) talvez o segredo resida no bom senso das mulheres: nenhuma quis ser irmã de homens pelos quais prefeririam apaixonar-se!"

Gosto sempre da maneira descomplexada de como fala das mulheres. Ás vezes, até, com uma pontinha de marotice a dar algum brilho de soslaio à forma como quase as venera.

:-)


Isabel

Aspásia disse...

Ainda a Avaliassão de Prufeçores...

Aspásia disse...

Rreçalvu: Prufeçôres. ;)))))

Aspásia disse...

Boa Tarde da Criança para todos!!!

TsiWari disse...

"nenhuma quis ser irmã de homens pelos quais prefeririam apaixonar-se"



I'M SO FU***ING GOOD!


lololllllllllllll

;-)

fiury disse...

prof
a bébé há-de chegar. não stresse.
quanto ao problema da natalidade é realmente preocupante para um país envelhecido.(mas já viram o que é fazer a avaliação de professores de 5 filhos?! não dá! assim não dá!)

b' disse...

de-li-ci-o-so

@:)

Aspásia disse...

Como se vê, na família Machado Vaz não é preciso carregar nos érres... mas sim nos xis!... Não custa nada experimentar...;)

Bjinhos

onun disse...

Também keria deixar os meus parabéns pela sua "intervenção" na prova oral :)

Aspásia disse...

E assim quem sabe se no Dia da Criança do próximo ano, já o Professor tenha outra mulher d(n)a sua vida...

Até loguinho.

CêTê disse...

Bom dia,
Deliciei-me com a "contaminação" científica nesta relíquia! ;]]]
Por falta de tempo não poderei dissecá-la mas está cheia de graça, ternura, ironia, e sexismo.
Veja lá professor: ainda a vida o surpreende- já viu ter uma menina?

xxx para todos

CêTê disse...

Prova oral?????
Que perdi eu? Bolas ;[[[[[[
(vou testar)

Lisbatofanes disse...

Parabéns Avô

Recordo ternamente a imagem de avô e neto de meses na piscina, de touca a condizer..

Do que fala, estranho..

Tivemos uma geração de rapazes primos 4 e passados dez anos elas não quizeram ficar atrás...e desembarcaram 4 raparigas.

Conheci uma "maioria" feminina no cair das tardes das reuniões de família.

Recordo um avô a quem dei um neto varão, (e de quem herdou o nome José Maria), que até essa data "sofria" arrasadores confrontos com uma trupe feminina: mulher, filhas e neta...


Parabéns

Aspásia disse...

CêTê...

...e mais quem não ouviu a Prova Oral do Prof., (suponho que tenha passado com distinção), incluindo eu...

Em breve, deverá estar aqui.

E também um resumo no Blog da Prova Oral

Boa audição...:)

noiseformind disse...

Então os genes. Para dar extensão à questão genética presente? ; )))))) Talvez... talvez... pois tu és sapientíssimo e nós fracos de coração ; )

"O “naturalmente” radica em problema insolúvel, que entristece mas já não surpreende ou revolta os Machado Vaz: em quatro gerações vamos em doze machos seguidos, nem uma vez se vestiu de rosa um bebé nesta família!"

Eu diria mais. Os "germes" X são uns maricas ; ))))))))))
Mas realmente, com tanta tendÊncia para o varonil só é de estranhar que não haja mais políticos na família. Ou a sombra do último (em que a política é uma faceta de uma carreira mais vasta, sem a política "profissional" dos dias de hoje) ainda retém os actuais? ; ))))) a ver vamos... a ver vamos.

andorinha disse...

Boa tarde.

Simplesmente delicioso!
Fabulosa a forma como conta estas estórias.:)

Também não ouvi a prova oral, só sei das coisas à posteriori.:(

Aspásia,
Obrigada pelas indicações.:)

CêTê disse...

Intervalando:
Professor, se se unir aos professores lutando a nosso lado perseguindo o real sucesso dos alunos e a satisfação na profissão dos professores. Até sou capaz .... (ai valha-me Deus! loooool)... fiquemos por aqui. ;]]]]] Bem, seja como for- esqueçamos o facto de não ter ido parar ao ensino por paixão- qualquer opinanço seu em defesa da causa terá retorno.
Noise,
Por acaso ]]]]]]] não te ocorreu fazer uma leitura cinética do movimento dos espermatozópides portadores de Y???? atendendo à formúla:ds/dt? (e não me peçam explicações que não sei onde pus os recibios verdes)

azulcereja disse...

Viva!
Absolutamente divertida e ternurenta a forma como nos relata essas divagações sobre a prole masculina dos "Machado Vaz".
Há uns 23 anos, numa aula prática de Química Inorgânica, um assistente explicava na turma porque "ia já na 2ª filha"; dizia-nos que não tinha tirado Química ao acaso para não lhe servir de nada e, por métodos perfeitamente científicos, explicava-nos como se deveria proceder para se conceber (probabilisticamente falando) um rapaz ou uma rapariga.
Casualmente, na feira do livro, por essa mesma altura, encontrei um livro de bolso que falava sobre métodos naturais (???) de controlo dos nascimentos e, também aí, encontrava esclarecimentos sobre como a natureza se desenrola no que diz respeito à concepção de XY ou XX.
O que eu nunca estava à espera foi que o construtor do meu andar, numa das ocasiões em que com ele falamos, nos viesse a revelar que muitos anos antes tinha conseguido ter um "casalinho" porque tinha seguido os concelhhos de um pastor lá da terra, e que segundo ele afiançou: "É infalível!"
Juntei os dados todos, que cada umas das fontes me tinha fornecido, e todas em conjunto falavam da mesma coisa, para além do ph vaginal há que ter em conta a mobilidade diferente de cada tipo de espermatozóide (X ou Y) e a longividade dos mesmos, pois parece que os "X" são mais resistentes do que os "Y" -- duram mais tempo! Ora se duram! Afinal sempre somos mais XX do que XY que por cá andamos, isto apesar de nascerem mais XY.
Em suma: a questão é simples, segundo o tal senhor construtor do meu prédio -- "fazer" uma menina é coisa que dá muito trabalho, pois "obriga" a uma maior abstinência no que diz respeito às tentativas de concepção.

P.S. Esclarecimentos de dúvidas no próximo jantar do "Murcon"... :))

azulcereja disse...

Onde se lê:"concelhhos" deve ler-se "conselhos",NATURALMENTE...:)))

disse...

é isso mesmo azul: a rapidez dos machos é fulcral mas se encontrarem muitos y à sua frente (que são em maior nº) não conseguem passar por muito rápidos que sejam.
por isso para a menina tem que suar mais um bocado...

ilco

Angie disse...

Professor:
Primeiro o seu texto soou-me a um decreto de derrota quanto a certas esperanças que (eu) alimentava.
Mas depois, considerando que é uma velharia, renasceu-me uma esperança.
-Então e pelo outro filho varão não se esperam possíveis novidades? E assim qualquer reviravolta nessa genealogia genética implacável?
Eu explico a minha esperança: nada que possa tomar-se por abuso de confiança.
É antes pura gula literária: e a enorme curiosidade pelo que poderá vir a ser a consumação daquele delicioso aperitivo que nos deu no seu "Tempo dos Espelhos":
-Lembra-se? AS CARTAS (INCOMPLETAS...) A CLARA!
Essa musa tem de chegar, para dar um recorte real à sua inspiração.
Só espero que a esbanje, e a esbanje connosco!
Feito o discurso "sobre", falta o discurso "para" as mulheres, que a dita neta nos traria a todos de presente!

Aspásia disse...

E para possíveis interessados hoje na Prova Oral - Antena3 às 19H00 - Sexo Tântrico. Será continuação do programa de ontem???

Vejam no link para o Blog Prova Oral lá em cima.

Aspásia disse...

Bem, já aqui fica o resumo...

Quinta-feira, Junho 01, 2006
Sexo Tãntrico na Prova Oral

Francisco Amaral, mais conhecido por Ishi, o autor de “Sexo Tântrico – A Arte do Amor”, provavelmente o livro mais vendido em Portugal sobre este tema, proporciona aos casais portugueses um workshop desta sábia tradição milenar que decorrerá nos dias 3 e 4 de Junho na Figueira da Foz.

“Sexo tântrico é a expressão máxima do amor a dois. Desinibe-nos como seres amáveis e amantes e proporciona níveis de prazer pouco conhecidos para o comum de nós,” assegura o autor e mestre desta arte sensual oriunda do Oriente.

O programa é profundamente prático e passa por:


Exercícios energéticos
O que é o Amor
Amor e Respiração
Reconhecer e Acariciar as Energias Subtis do Corpo
Contacto e Carícia
Orgasmo e Respiração
O dormir Yogui a dois
Como um Amante cuida de Si
Alimentação e sabores corporais
Cuidados com o Local
Orgasmos Energéticos a sós e a dois
O Ritual dos Sentidos
A Massagem
Posições

O sexo tântrico requer muita privacidade para iniciados, como tal, a prática sexual propriamente dita não ocorrerá ali. Para além disso, a organização tem locais de estadia aconselhados na Figueira da Foz para os casais presentes.

Aconselha-se levar roupas claras e muito confortáveis, como fatos de treino, bem como óleo de amêndoas doces, ou outros, para as massagens.

Será fornecida muita documentação de apoio, para as práticas a dois.

Que vos parece, bom tema verdade? Pois bem, já todos percebemos que vamos falar sobre sexo na edição de hoje e em particular sobre o sexo tântrico com Francisco Amaral. Queremos pois que aqui nos revelem a vossa opinião sobre o tema, que nos digam qual foi a vossa mais longa e gloriosa noite de amor, o que fazem para que o acto dure mais, que questões terão para o nosso convidado.

E é isto. Sexo Tãntrico na Prova Oral. 800 25 33 33.


// posted by Alvim @ 16:22

Aspásia disse...

Atenção a esta parte:

O sexo tântrico requer muita privacidade para iniciados, como tal, a prática sexual propriamente dita não ocorrerá ali. Para além disso, a organização tem locais de estadia aconselhados na Figueira da Foz para os casais presentes.;))

Ai ai já estou atrasada para o Otorrino...

fiury disse...

Prof julio machado vaz, referindo-se à multiplicidade dos brinquedos das crianças( neste blogue há dias):
..."E por isso, as sucessivas desilusões não são vistas como falhas da teoria, mas como simples provas de que a coisa ideal ainda nos espera, capaz de compensar a tristeza pela perda de efeito da última que nos encantou... "

será que quem é muito assediado pelas pessoas e vai conhecendo muitas, tende(naturalmente)a esperar mais delas? é legitimo que assim seja.a perfeição não existe mas sim "modelos otimizados"(hehehe),vale a pena acreditar neles.

Aspásia disse...

Ele que espere um pouco... não resisto. Que melhor do que o Workshop de Sexo Tântrico nos dias 3 e 4, seguido do Jantar do Murcon no dia 5??? Eles estão combinados, eles estão combinados...;)))

fiury disse...

juro que não foi de propósito que utilizei "os modelos otimizados" da ministra da educação.não me lembrei de mais nada na altura.

prof
livre-se de torturar o seu filho mais novo

fiury disse...

o que tentei dizer no post anterior é que não acredito numa correlação entre a multiplicidade e diversidade relacional do ser humano com objectos e pessoas e a possivél tendência para os substituir depressa por outras emoções fortes ou dependências fisicas.por outro lado penso que essa multiplicidade é sempre enriquecedora e nos leva a sermos mais exigentes nas escolhas que fazemos.no que diz respeito aos brinquedos as instituições de caridade estão cheios deles,(aqui e em todo lado)o que falta é a presença humana, o tempo das pessoas...não só no natal como nas férias grandes que se aproximam

mentecalma disse...

É sempre com a minha mente calma que, calmamente, me delicio com os textos do professor.

CêTê disse...

(em ruminação..., eu, claro)
Mas que raio? Não é suposto existir uma menina a caminho? No seu livro...

Isabel Pietri disse...

Aspásia

:-)))

A fazer inveja ao pessoal, hein??? ;-)))

Bora lá para a Figueira gente!!! :-)))


Isabel

Julio Machado Vaz disse...

Fiury,
A multiplicidade de relações pode, pelo contrário, levar a baixar a fasquia:)))))).

Ameninadalua disse...

Professor

Mas que divertidas ruminações as suas!

Existe tambem a situação contrária; eu tenho um amigo que após tentativas e tentativas de ter um rapaz sempre lhe aconteceu nascerem meninas:)))Ter um rapaz tornou-se de tal maneira obsessivo para ele que apesar da mulher ja não estar em fase de ter filhos, ainda vive com essa vontade dentro dele...bom!e lá tem um rancho de filhas.:)

fiury disse...

prof
se calhar... se diz... deve ser preconceito meu. mas quando falo de multipcidade digo: de alguma experiência saudavel

Lusco_Fusco disse...

"Afinal, rodeada pelo mimo de tantos homens, uma rapariga correria o risco de se tornar uma delinquente por volta dos sete anos!"

Para a menina, Professor, será uma benção nascer nesse meio e rodeada de mimo. Mimo, não estraga, fortalece. Cria um resguardo na alma, que permanece.

Que Deus o "castigue" com uma neta :))) para depois ver o que vai "sofrer"...Cavalitas do avô; colinho e leituras a toda a hora; brincadeiras que nunca sonhou fazer(com bonecas); ralhetes das mulheres pelos excessos; queixinhas e quejandos contra adultos "castradores"; alimentar "vícios" á socapa para não ser apanhado pela milícia feminina...
Mas isto tudo com regras pré estabelecidas e conversas de pé de orelha não estragará só enriquecerá.
Nasci no mimo e ainda hoje navego nesse mesmo mimo ;)

Eu nem sei como elogiar o texto, ele fala por si. Mostra o homem bonito que o professor é. (lá vou eu levar nas orelhas ... Isto não é bajulação é constatação).

Um abraço

fiury disse...

prof

...e estava eu a falar asério...
dah! para mim!

fiury disse...

boa noite
durmam bem

BlahBlahBlah disse...

O lado positivo é que o nome da dinastia não se perde e se perpetua sempre como Machado Vaz [e não com os nomes de maridos apensos e sobrepostos]...

noiseformind disse...

Boss,
Não será o SRY que é hiper-activo? Tou só a perguntar, só a perguntar ; ))))))) que não ofende, como é óbvio... ; )))

aquieacola disse...

Sugestão

No google colocar

define: SRY


Sempre

aqui e acolá

pp disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
pp disse...

Terminou de ler ontem " O Tempo dos Epelhos". Nele descobriu e sublinhou uma série de coisas com as quais se deixou tocar e até comover. Descobriu o Murcon e, assim que pôde, visitou-o. Gostou.
Gostou deste post e de toda uma estratégia cósmita engendrada para impedir o aparecimento de um elemento feminino no clã Machado Vaz. Quem sabe um dia a maldição seja quebrada por um qualquer feitiço.