quarta-feira, fevereiro 21, 2007

Depois do genérico.

Cartas de Iwo Jima representam o exorcismo das perplexidades provocadas pela guerra através da arte. Uma arte que Eastwood depura de forma inigualável no seu cinema. Resta-nos a utopia de sonharmos um mundo em que a busca de transcendência - sem recurso ao divino - perdesse tão deplorável "matéria-prima":(.

35 comentários:

thorazine disse...

Penso que é americanisse ir buscar essa transcendência a sentimentos de guerra..

Ainda não vi esse filme. Tenho só a versão com o ponto de vista americano aqui para ver. Talvez hoje haja sessão de cinema! :P

andorinha disse...

Boa tarde.

Também ainda não vi. Mais um para a lista, não a negra, mas a dos filmes a ver:)

Angie disse...

Eastwood é o máximo. E achei notável aquela curta crónica do António-Pedro Vasconcelos no SOL sobre a obra dele, chamando a atenção para a contra corrente que representa no cinema americano.
Porque exalta os sentimentos contrários ao habitual: a privação; a solidão; o sofrimento.
Como APV dizia muito bem, porque fala não dos ‘happy few’, mas dos ‘unhappy few’.
E isto sendo clássico na forma, mas modernista no conteúdo.

Sempre gostei do cinema dos anti heróis, mesmo sem "noir".

Ameninadalua disse...

Boa tarde

Eastwood tem qualidades sim...mas apenas ao nível da realização.

Tem originalidade, dá um cunho forte de personalidade às suas personagens e fá-lo duma forma serena, tocante e escorreita mas despretensiosa muito contrária ao espírito da "inteligencia" americana...

O mesmo já não acontece ao nível da representação e como prova disso temos o exemplo flagrantíssimo no filme "Ponte de Madison", onde e apesar da beleza do filme e da fantástica Meryl Streep que faz uma representação de rara mestria da encantadora dona de casa dos anos 50 mas tendo o Clint Eastwood se limitado a uma mera secundaridade em termos de qualidade quase fazendo lembrar o título deste nosso destintíssimo blogue:))

noiseformind disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pamina disse...

Boa noite.

Também ainda não vi, mas "palpita-me" que vou gostar mais do que do "As bandeiras dos nossos pais" de que gostei, mas com reservas.
Durante muito tempo, o C. Eastwood foi para mim um actor cujos filmes onde entrava não me interessavam grandemente, com uma magnífica excepção: o "Thunderbolt and Lightfoot" do Michael Cimino, uma bela história de amizade masculina, que é ainda um dos meus filmes favoritos.
Quando realizou "Bird" fiquei muito agradavelmente surpreendida com a sua sensibilidade. Sinceramente, não estava à espera. A partir daí, raramente me decepcionou. Ah, e temos os mesmos gostos musicais:).

Migmaia disse...

Boa noite!

Para mim, nem por isso. Como Dragão, sinto-me um tanto frustrado, perdemos uma oportunidade. Mas já vi o FCP a virar resultados mais ingratos. Por isso, vamos esperar pelo jogo de Londres, para que nos possamos juntar ao Benfica e Braga, entretanto, também já apurados. Digo eu…

Perdoem-me a dissertação, mas precisava de desabafar… E além disso, também não vi o Filme. Embora tenha ficado, ainda mais curioso.
O último filme que vi do Clint Eastwood, passou recentemente na Tv,e foi o “Million Dollar Baby.” Gostei muito da forma irónica como o sonho americano nos é apresentado.

Li um artigo do Paulo Portas, também no Sol, onde ele refere que, “As Cartas de Iow Jima”, (nomeado para vários Óscares), resulta da mesma história da “Bandeiras dos nossos Pais”. Original exercício, da mesma história fazer 2 filmes. Versão Japonesa e Americana, respectivamente.
No1º, e segundo PP, “Clint Eastwood descreve implacavelmente – sem gordura nem demagogia – a comercialização dos ícones e a manipulação das gestas (…) Absolutamente fascinante o zoom psicológico ou a metáfora sobre a necessidade do herói. As Nações não os dispensam – às vezes, até os inventam. Mas eles existem, mesmo que não sejam aqueles”.

Não faltam por isso motivos para ir ver, pelo que agradeço a sugestão.

Aspásia disse...

(BEGIN OUT OF CONTEXT)

RECADO 1 - FIURY, TENTE VER NO GOOGLE - "A TOWN LIKE ALICE".

RECADO 2 - MARIA VELHO, DEIXEI META-RECADO NO SEU BLOG.

(END OUT OF CONTEXT)

fiury disse...

"se eu não te amasse tanto assim, talvez perdesse os sonhos, dentro de mim e vivesse na escuridão..."

refrãos assim vendem mais...

fiury disse...

aspásia

thanks.
provavelmente se encontrasse o filme seria uma desilusão. o impacto fora da idade,tipo "peter pan" aos 6 anos.mas não vou desistir,vou tentar nos arquivos da rtp.

fiury disse...

aspásia

ENCONTREI!
que felicidade!)))))

Bryan Brown é o actor,imperdoavel!

http://www.imdb.com/title/tt0081949/

obrigada

thorazine disse...

Um vídeoclip interessante: http://www.youtube.com/watch?v=lH-wuTV8TnY

;)))))))

thorazine disse...

É questão para se dizer: de A a Zoloft..! LOL

Maria Velho disse...

O filme é de uma beleza horrível, bem filmado e mto.bem interpretado, apesar do tempo nipónico não ser tão esfusiante como o nosso(presumo que seremos todos ocidentais ou ocidentalizados)...mas vê-lo com um casal na fila de trás acompanhado da criança lá de casa , com 5 anitos no máximo,a pedir para fazer xi-xi,mais coca-cola, as pipocas já acabaram, ó mãe o que é que o senhor está a fazer, quero colo, vamos embora!!! é estranhamente deprimente.Talvez ganhe coragem para voltar a vê-lo(ao filme claro) sem ter de estar a cogitar na repercussão que um filme destes poderá ter numa criança de 5 anos e no que passará na cabeça destes pais que, talvez por não ter onde deixar a menina, levam a sua descendência a "ver" um filme onde a vida e a morte se confundem...Mas quem sou eu???
:(


Notinha para Aspásia
Vá ao seu Jardim e veja as flores que lá deixei( 1 lílio na última postagem e um narciso lilás no seu POEMA)

Maria Velho disse...

este pequeno excerto de um estudo hegleniano é para si Prof M:
" ...não é apenas nos outros , mas também em nós que devemos aprender a reconhecer a transcendência e o sagrado e saber preservá-los do fogo cruzado das religiões dogmáticas e das antropologias materialistas. É esta a condição para viver não apenas por ou para os outros, mas também com eles." (FERRY, 1997, p.159)

lobices disse...

...eu diria mais: "é apenas em nós que devemos aprender a reconhecer a transcendência e o sagrado porque no resto apenas podemos apreciar a imanência"
(lobices dixit)

Maria Velho disse...

...e o que Lobices diz está dito e bem dito!!!porque teoricamente só há uma possibilidade perfeita de felicidade:acreditar no indestrutível em si sem a ele aspirar.
Acho que lhe vou prestar uma visitinha!!Posso??

Fora-de-Lei disse...

thorazine 4:32 AM / 4:37 AM

"Um vídeoclip interessante... / É questão para se dizer: de A a Zoloft...!"

Interessante, sem dúvida. Mas existem produtos naturais que até podem causar efeitos similares... A título de exemplo:

Quem não gosta de feijoada ?! O Zé adorava feijoada. Porém, sempre que comia, o feijão causava-lhe uma reacção fortemente embaraçosa. Algo muito forte. Um dia apaixonou-se. Quando chegou a altura de pedir a mulher em casamento, pensou "Ela é de boas famílias, cheia de etiqueta, não vai aguentar estar casada comigo se eu continuar a comer feijão". Decidiu fazer um sacrifício supremo e deixou-se de feijoadas. Pouco depois estavam casados. Passados alguns meses, ao voltar do trabalho, o carro avariou. Como estava longe, ligou para a Sofia (sua esposa) e avisou que ía chegar tarde pois tinha que regressar a pé. No caminho, passou por um pequeno restaurante e foi atingido pelo irresistível aroma de feijoada acabadinha de fazer. Como faltavam vários quilómetros para chegar, achou que a caminhada o iria livrar dos efeitos nefastos do feijão. Entrou, pediu, fez a sua pirâmide no prato e ao sair tinha três doses de feijoada no estômago. O feijão fermentou e durante todo o caminho, foi-se peidando sem parar. Foi para casa a jacto. Peidava-se tanto que tinha que travar nas descidas e nas subidas quase não fazia esforço para andar. Quando se cruzava com pessoas continha-se ou aproveitava a oportuna passagem dum ruidoso camião para soltar gás. Quando chegou a casa já se sentia mais seguro. A mulher parecia contente quando lhe abriu a porta e exclamou "Querido, tenho uma surpresa para o jantar". Tirou-lhe o casaco, pôs-lhe uma venda nos olhos, levou-o até à cadeira na cabeceira da mesa, sentou-o e pediu-lhe que não espreitasse. Nesse momento, já sentia mais uma ventosidade anal à porta. No momento em que a Sofia ía retirar a venda, o telefone tocou. Ela obrigou-o a prometer que não espreitava e foi atender o telefone. Era a Xuxu. Enquanto ela estava longe, o Zé aproveitou e levantou uma perna e soltou um peido. Era um peido comum. Para além de sonoro, também fedeu como um ovo podre. Aliviado, inspirou profundamente, parou um pouco, sentiu o fedor através da venda e a plenos pulmões, soprou várias vezes a toda a volta para dispersar o gás. Quando começou a sentir-se melhor, começou outro a fermentar. Este parecia potente. Levantou a perna, tentou em vão sincronizar uma sonora tossidela para encobrir. Sai um rasgado tossido. Parecia a ignição de um motor de camião e com um cheiro mil vezes pior que o anterior. Para não sufocar com o cheiro a enxofre, abanou o ar sacudindo os braços e soprando em volta ao mesmo tempo, esperando que o cheiro se dissipasse. Quando a atmosfera estava a voltar ao normal, eis que vem outro. Levantou a outra perna e deixou sair o torpedo. Este foi o campeão: as janelas tremeram, os pratos saltaram na mesa, a cadeira saltou e num minuto as flores da sala estavam todas murchas. Quase lhe saltavam os sapatos dos pés. Enquanto ouvia a conversa da Sofia ao telefone no corredor, sempre fiel à sua promessa de não espreitar, continuou assim - por mais uns minutos - a peidar-se e a tossir, levantando ora uma perna ora a outra, a soprar à volta, a sacudir as mãos e a abanar o guardanapo. Uma sequência interminável de bufas, torpedos e peidos comuns, nas versões secas e com molho. De quando em vez acendia o isqueiro e desenhava com a chama círculos no ar para tentar incinerar o nefasto metano que teimava em acumular-se na atmosfera. Ouviu a Sofia a despedir-se da Xuxu e sempre com a venda posta, levantou-se apressadamente e com uma mão deu umas palmadas na almofada da cadeira para soltar o gás acumulado, enquanto abanava a outra mão para espalhar. Quando sacudia e batia palmas nas calças largas para se libertar dos últimos resíduos, ouviu o plim do telefone a desligar, indicando o fim da solidão e liberdade de expressão. Alarmado, sentou-se rapidamente e num frenesim abanou apressadamente mais algumas vezes o guardanapo, dobrou-o, pousou-o na mesa, compôs-se, alinhou o cabelo, respirou profundamente, pousou as mãos ao lado do prato e assumiu um ar sorridente. Era a imagem da inocência quando a Sofia entrou na sala. Desculpando-se pela demora, ela perguntou-lhe se tinha olhado para a mesa. Depois de ele jurar que não, ela retira-lhe a venda, e - surpresaaaaa - estavam 12 pessoas perplexas, intoxicadas, impávidas e amarelas sentadas à mesa: os pais, os sogros, os irmãos e os colegas de tantos anos de trabalho. Era a festa surpresa de aniversário do Zé.

CêTê disse...

Ainda não vi. ;[

Alguém falou do filme "Pontes de Madison"- foi a meninadalua ;]- ? Soberbo! SoberbaSS interpretações.

inté

Aspásia disse...

(INTERRUPT COMMENT FLOW; GOOD NIGHT)

(BEGIN STRUCTURED-COMMENT-20)

(BEGIN INCONTEXT)

IF YOU=JMV GOTO 6
ELSE IF YOU=MIGMAIA GOTO 5
ELSE IF YOU=FIURY GOTO 4
ELSE IF YOU=THORA GOTO 3
ELSE IF YOU=CÊTÊ GOTO 2
ELSE IF YOU DON´T HAVE NOTHING TO DO GOTO LOOP
ENDIF

1: NOP (NO OPERATION)

2: TB GOSTEI MUITO DAS PONTES, DIGAN LO QUE DIGAN, ALIÁS LEMBRO-ME DE UM SEXO DOS ANJOS DO PROF. DEDICADO A ESSE FILME.

3: PEQUENO EU ATÉ HOJE SÓ SABIA OS ALFABETOS LATINO, RUSSO E O MORSE, MAS DESTE ESTOU MUITO ESQUECIDA. AGORA ESSE DE A a ZOLOFT ACHO QUE NEM VALE A PENA APRENDÊ-LO MAS É BOM SABER QUE EXISTE... SÓ CONHEÇO O ROHYPNOL SOB O DISFARCE DE KAINEVER...

4: AINDA BEM Q ENCONTROU... SAUDADES DE ALICE SPRINGS NA AUSTRÁLIA? NÃO VI, MAS SUPONHO Q SEJA BOM.

5: É DRAGÃO DE SIGNO CHINÊS OU POR TEMPERAMENTO? (NÃO CONFUNDIR COM O TEMPERAMENTO MUSICAL)

6: JÁ DEVIA ESTAR A DORMIR, PROF, QUE AMANHÃ AINDA É SÓ 6ª!

LOOP

7: GOTO 8

8: GOTO 7

END LOOP

(END INCONTEXT)

(END STRUCTURED-COMMENT-20)

(END OF INTERRUPT; YOU MAY PROCEED TO COMMENT 21; THANKS TO ALL.)

thorazine disse...

FDL,
LOL

Fez-me lembrar aquele caso insólito em que esconderam o Ricky Martin no guarda-vestidos de uma fã para a surpreender. Cheio de câmeras ocultas para depois partilhar com o mundo. Ela chega a casa, vai para o quarto, tira a roupa, põe melaço "nós pés" e obriga o cãozito dela a lamber! Ricky MArtin sai do armário, fica quase mais vermelho do que ela..e depois já imaginas a torrente de sentimentos e emoções, de ambos o lados! LOL

thorazine disse...

Aspásia,
"Centrum! Multivitamínico! De A a Zinco!" É publicidade. O meu humilde conhecimento não abrange muitos alfabetos! :))

Fora-de-Lei disse...

Aspásia 1:07 AM

Desculpa lá, mas o algoritmo está mal "desenhado"... ;-)

FMSG disse...

Caro Thorazine,

apenas uma dúvida/curiosidade que mais não é do que um fruto da minha ignorância: esse caso do Ricky Martin não é um mito urbano?? Já ouvi essa história muitas vezes mas nunca a consegui confirmar...

Abraços!

alquimista disse...

Raramente temos a versão da História relatada pelos vencidos.

Aqui, temos essa visão, com a particularidade do realizador ser um dos do "lado dos vencedores".

Não só, mas também por isso, acho o filme imperdível!!!

Aspásia disse...

FDL

REPAREI NISSO, FALTAM PELO MENOS UNS GOTO END
APOS CADA UM DOS LABEL SENAO CADA UM DOS 2: , 3:, ETC IA FAZER TB. AS TAREFAS SUBSEQUENTES...

MAS OLHE FOI APENAS UMA AULA DE SUBSTITUIÇÃO DE BASIC...

FALTOU UMA TAREFA:

9: IF YOU=FDL GOTO NEXT POLICEMAN AND SURRENDER, MAYBE YOU GET PARDON FROM MR. PRESIDENT.

END OF YOUR LIBERTY.

;))

;)))

Aspásia disse...

THORA

O SABER NAO OCUPA LUGAR. (NAO PONHO ACENTOS AGORA ESTOU A PRESSA.)

RECOMENDO-TE O ALFABETO ÁRABE.
CADA LETRA É DIFERENTE, CONFORME ESTEJA ISOLADA, NO PRINCÍPIO, NO MEIO OU NO FIM DA PALAVRA.

SE ESTUDARES 1 VERSAO DE CD LETRA POR DIA TENS AI +- 4X30=120 DIAS, O QUE SAO 4 MESITOS NA VIDA DE UM EFEBO COM O TU E FAZIAS UM VISTAO TRANCREVENDO NO ALFABETO ARABE AS SMS PARA A NAMORADA !!!

FORA OS COMENTS AQUI...

SAALAAM ALEIKUM...

;)))

fiury disse...

cêtê

soberbo, soberno. não o considero. o argumento, um lugar comum: uma paixão,um flirt.
mas pronto:são opiniões:))))

Ameninadalua disse...

Flury

"o argumento, um lugar comum..."

Mas já reparou que o ser excepcional pode passar exactamente por aí? ou seja o cineasta ser capaz de transformar um lugar comum numa coisa única e muito especial que foi aquela personagem de dona de casa comum numa alma intensa e desesperantemente profunda e humana...

Clinstwood como cineasta tem essa capacidade; de fazer trazer de dentro para fora e duma maneira quase explosiva, tudo o que a personagem tem de intenso emocionalmente falando...

Ameninadalua disse...

Errata

Naturalmente não é Clinstwood mas sim Eastwood

Sorry

fiury disse...

meninadalua

não concordo. no meio do deserto era ainda mais fácil ela encantar-se. reforça mais ainda o lugar comum. não tenho nada contra as explosões, mas parece-me que neste contexto lhe é dado demasiado peso. mas pronto:))))
"desesperadamente","explosiva" não podem concorrer com o resto.

Klatuu o embuçado disse...

Sinceramente, depois de ter visto «Flags Of Our Fathers», esperava melhor deste «segundo capítulo»... não o acho superior ao primeiro, bom, mas não superior, além disso tem muito de «visão americana dos japoneses» e muito pouco da alma japonesa. Bom, mas qualquer um poderia ter sido nomeado para os Oscars... acho que foi «As Cartas...» mesmo só por política.

Os Japoneses são seres humanos... não precisam que venha o Eastwood dizê-lo.

CêTê disse...

menindalua, ;)))) vamos dar-lhe uma coça (ao fiury, claro);]]]]

Como pode utilizar como sinónimo "flirt" e uma "paixão"?!

Que possa não ser "soberbo"... é discutível como diz. Mas que a história é linda é. E essa história do deserto pode ser figurativo. Quantos de nós podem estar no oásis de uns e sentir o deserto? Ou será que só eu tenho epatia pelos camelos citadinos? ;]]]]

abraços

CêTê disse...

"O deserto que atravessei, ninguém me viu passar..."- Uma canção linda para meditar ;]
suponho que já foi referenciada por um outro comentador aqui o "pescodisto" salvo o erro.

fiury disse...

cêtê

sou "a" e não "o"

venha de lá a coça.tem razão.errei:na convicção de dar relevo ao aspecto repentino e de curto espaço de tempo.não entendo muito de flirts. tenho que ir ao dicionário.
quanto ao deserto refiro-me ao deserto de oportunidades dela. talvez não fosse tão marcante para ela se perante o oasis se sentisse no deserto, como bem diz. ficou uma vida a sofrer por uma coisa que lhe caiu num deserto de experiências.mas isto já sou eu a descambar para o amor mais sustentado.