sexta-feira, fevereiro 23, 2007

A homenagem.

O Zeca Afonso homenageado. E uma saudade imensa dos discos trocados, escutados, sagrados. Não fui sequer um cauteloso, obscuro e resguardado combatente anti-fascista. Era jovem, do contra e burguês até à medula. Aderi a greves, corri à frente de polícias pesadões, gritei meia-dúzia de palavras de ordem, estive na Faculdade de Ciências e saí aterrorizado por entre duas filas de gorilas de choque, firmemente convencido de que seguiria directo para o vizinho Hospital de Santo António. Currículo anémico de revolucionário de café, mais habituado a escutar, fascinado, as histórias sobre os exílios familiares que meu Pai narrava, comovido. Por isso admito sem problemas que era a música do homem, mais do que a revolta nela escondida, a encantar-me. Uma música que saltitava entre o coro austero alentejano e o inconfundível balanço africano, antes de visitar a mais simples (?) balada de amor. Do homem, que não conheci, lembro sobretudo os últimos concertos e a morte que já pairava sobre músculos intermitentes, perante os olhos enevoados dos amigos fiéis que o rodeavam em palco.
Dói-me ouvir tão pouco a sua voz por aí...

62 comentários:

lobices disse...

"...dói-me ouvir tão pouco a sua voz por aí..."
...subscrevo, Profe

FMSG disse...

O Professor que me perdoe, mas gostaria de fazer um pequeno off-topic! Em nome da Almedina - Arrábida Shopping, e após o nosso colóquio de ontem que teve a honra de ter o Prof. Júlio Machado Vaz como um dos comunicadores, gostaria de fazer os seguintes agradecimentos:

- ao Professor, pela gentileza, delicadeza e carinho que sempre teve para com esta iniciativa, antes, durante e após a mesma! Apenas confirmou a imagem que sempre tive dele e deu-nos mais vontade de o convidar muitas e muitas mais vezes para voltar à nossa humilde casa! Um dia (à Durão Barroso: só não sabemos quando!) voltarei a chateá-lo com um projecto muito mais ambicioso!

- aos amigos desta comunidade murcónica que também estiveram presentes na nossa tertúlia; consegui identificar alguns (visualmente) e espero que também tenham apreciado a conversa...

- às Produções Murcon pela simpatia e generosidade com que, muito profissionalmente, gravaramestes momentos para a prosperidade.

E, agora, o pedido de desculpas: porque, eu sei, logisticamente, não temos as melhores condições para receber tantas pessoas (contei 54) mas essa realidade será diferente daqui a alguns meses! Estava um calor insuportável mas isso... era da intensidade do tema, certamente! :)

Abraços e, uma vez mais, muito obrigado a todos! Espero que possam ser, a partir de agora, mais uma comunidade de amigos da Almedina - Arrábida.

Miguel Gonçalves

Julio Machado Vaz disse...

Miguel,
Penso poder falar em nome dos murcons presentes: é verdade, estava um calor do caraças!; e no entanto foi agradável o cunbíbiu:).

Ameninadalua disse...

Bom dia!

Evoquemos pois Zeca Afonso!

É muito merecedor desta homenagem sim porque foi um grande homem que marcou as nossas recentes gerações como exemplo de uma entrega generosa e altruista às grandes causas cívicas e ao amor pela democracia onde os valores da liberdade, igualdade e fraternidade tiveram a sua maior expressão...

Como músico é indubitavelmente um excelente compositor onde consegue duma forma profundo e sincera conjugar a estética musical e poética com os princípios e valores com que sempre se bateu...

Bem haja!

andorinha disse...

Bom dia.

Zeca,o eterno Zeca...
Sempre me encantou o homem, as canções, a sua intervenção política, tudo. As saudades que eu tenho dessa época e das belíssimas canções de intervenção que então se podiam escutar.
Ainda hoje, confesso, quando ouço "Grândola, vila morena" me arrepio e comovo por todo o significado que essa canção encerra.
Por isso...dói-me também ouvir tão pouco a sua voz por aí...

Miguel Gonçalves,
Como murcónica presente confirmo as palavras do Júlio, apesar do calor, o cunbíbio foi muito agradável.
Venham mais projectos e a comunidade far-se-á:)

E quanto ao calor, foi em grande parte devido ao calor humano, dos palestrantes e dos assistentes:)

Até mais logo, gente:)

Ameninadalua disse...

Quanto ao cumbíbio:)na Almedina e apesar de lamentar não poder ter ido, espero e desejo que as altas temperaturas tenham vindo essencialmente do ambiente caloroso e divertido que normalmente acontece em encontros murcónicos:)

Minerva McGonagall disse...

No Blog da Lena d'Água, encontra uma música do Zeca cantada por ela:

http://lenadagua.blogspot.com/

moon disse...

Fmsg,

Em abono da verdade, a Almedina ofereceu o que estava ao seu alcance. Éramos muitos e, pronto, eu confesso: não aguentei até ao fim estar de pé e, no calor da coisa, aproveitei para sair, refrescar e namorar um pouco em prol da monogamia (não vá o diabo tecê-las...):))))))))
Resumindo: louvável a iniciativa!

mp disse...

admiravel o zeca , tive o prazer de o conhecer em casa de amigos, foi mágico , eu era uma miuda, a sociedade era muito diferente de hoje , o valor da amizade e da cumpliciddade eram unicos, hoje parece que estou a falar de ovnis , foram expereiências para uma vida , o zeca era uma pessoa muito simples e admiravel. VIVO PARA SEMPRE NA MEMÓRIA DE MILHARES de pessoas , mesmo daqueles que não viveram na sua época

moon disse...

De resto, foi bom rever os demais murcons, ainda que por pouco tempo.

Quanto ao Professor, é sempre um prazer ouvi-lo!:))

Relativamente ao post de hoje, pois...
Não é novidade. A música portuguesa e outras formas de expressão artística são muito mal tratadas aqui por terras lusas.:(((
Ainda há dias li uma entrevista da Dulce Pontes a 'queixar-se' que o seu trabalho era muito mais conhecido e reconhecido(!) na vizinha Espanha...
Resta-nos agradecer aos "resistentes" que ainda passam música portuguesa nas rádios e
acarinhar os que, com coragem, dão a cara por causas em que acreditam, por mais polémicas que sejam. E Júlio Machado Vaz é sem dúvida um homem de causas. E se não fosse todo esse 'fai-play' e doçura quase dava um bom rebelde...:))

blogico disse...

Estava bastante calor na Almedina, mas o cumbíbio foi muito agradável.

Andorinha, fomos apresentados mas por lapso, não me identifiquei "virtualmente". Fica aqui a correcção. ;)

cumprimentos a todos

alice disse...

Um blog com uma entrevista do Zeca:

livratemundo.blogspot.com
(vale a pena ler)

AQUILES disse...

A mim dói-me a ausência do espírito com que se ouvia o Zeca.
A mim dói-me o alheamento.
A mim dói-me o silêncio.

AQUILES disse...

Os Vampiros, quanto a mim, são hoje mais actuais do que o eram na época. A juventude nem sabe da existência dessa balada. Os meus filhos conhecem-na obrigatoriamente.

AQUILES disse...

Os Vampiros são um hino.

AQUILES disse...

"Currículo anémico de volucionário de café"
Mas curriculo. Nada a ver com os inventados post 25 de Abril, que tão penosos nos têm sido.

Aspásia disse...

Dedicado ao Zeca

Artistas eu conheci
que escreveram ou pintaram;
e, dos músicos que ouvi,
houve alguns que me “tocaram”,
a alma me dedilharam
e grande emoção senti.

Também tu amigo Zeca
me marcaste para sempre.
Cantando por Ceca e Meca,
entre a mais diversa gente,
disseste sempre “presente”.

Sim, que a alma é instrumento
e o mais belo de tocar...
E o Artista tem valimento,
se nos vai ao sentimento,
se com graça e com talento
nos faz rir... ou faz chorar...

Artista, que me fizeste
emudecer e vibrar:
pelo muito que me deste,
por este nó na garganta,
por essa Beleza tanta
que conseguiste expressar,

Zeca Afonso, eu te agradeço
a frase, a nota ou o verso
da balada ou da canção;
a luta é vinho e é pão...
e as lágrimas não têm preço,
se na Beleza têm berço...
e dão vida à Ilusão.

Migmaia disse...

Boa tarde,

Vinte anos após a sua morte, muito há a fazer em relação à divulgação da sua obra. Penso que a sua conotação política tem sido a grande responsável pela marginalização a que tem sido sujeito. O que não deixa de ser um paradigma para quem é reconhecido unanimemente. Mesmo assim, acredito que o Zeca tem um cantinho em cada alma Portuguesa com mais de 20 anos. Diria que inapto.
Pela minha idade, da sua vida, recordo-me dos últimos (e penosos) anos. Lembro-me da sua simplicidade que contrastava com a popularidade.
Cantou Coimbra, onde passou grande parte da sua vida, de uma forma que..., só sei dizer, me arrepia!
A sua arma, foi das mais nobres e eficientes na nossa revolução, dando a voz (e a escrita) ao sentimento do Povo! E por isso, terá para sempre um lugar na nossa História. Saibamos divulgá-la.

Fiquei bastante curioso em relação ao evento na Almedina, pelo que anseio por próximo “cunbíbio” e respectiva divulgação. Sem querer ser penetra…

Aspácia – Dragão de Coração
Andorinha – Parabéns pelo V/ Glorioso e que os meus prognósticos se cumpram!

Bom fim de semana

Angie disse...

Pois...
E a RTP passou um programa de "homenagem" às 3 da manhã...
- Será porque os embaraça? - Ou porque presumem a falta de audiência em prime time?
Não faço ideia, mas é ridículo e lamentável.

Felizmente aqui em Coimbra a coisa foi diferente: mas era preciso ouvir, por exemplo, o Rádio Clube Português, em horário de transmissão de conteúdos locais. Foi um jackpot de Zeca Afonso e graças a isso, já hoje revisitei as suas músicas, das conhecidas às menos lembradas.

Continuamos estreitinhos de vistas, preferindo olhá-lo como um fenómeno "colado" a certa e muito particular intervenção política. É o que se depreende desta "grande omissão nacional", ou não será?
Sem perceber que José Afonso é muito, mas muito mais do que isso (sem no entanto deixar de ser quem foi).

Lembramos e veneramos Jacques Brel, Leo Ferré, John Lennon, Bob Dylan, etc, etc, etc... como cantores "clássicos" que já são, mas parece que não queremos entender que José Afonso esteve exactamente à altura desses todos.
É um compositor eterno.
E as suas músicas ultrapassam a circunstância em que foram criadas, porque são geniais.
Tal como os seus poemas, claro.
Que são a voz daquela resistência universal, intemporal que encontra eco em todos os homens.

É pena tanto complexo nacional (ainda!)

Rui Rebelo disse...

Zeca, Sempre!

maria estrela disse...

Há pouco estava a passar na RTP um programa informativo de índole regional. A certa altura passaram excertos de uma entrevista ao Zeca e no canto superior esquerdo do écran tinha " em directo".
Senti-me mal.
A melhor homenagem ao Zeca é passar as suas músicas, ouvir as suas canções, é acima de tudo manter vivos os ideais de Abril.
Para estes ideais " traz outro amigo também..."

Ameninadalua disse...

Aspasia

Muitos parabens pelos versos de homenagem...

Dificil ficar indiferente! pela "justeza" pela sensibilidade e pela "voluntariedade" das tuas palavras:)

Angie

"É pena tanto complexo nacional (ainda!)"
Sim mas isso tambem é muito Nacional sermos culturalmente complexados :)

Aspásia disse...

MENINA DA LUA

A FALAR VERDADE, O POEMA ERA DEDICADO AOS ARTISTAS EM GERAL, MAS ADAPTEI-O HOJE AO ZECA.

CREIO Q NA ANTENA 1 ESTA A DAR UMA HOMENAGEM COM O ANTÓNIO MACEDO (EX-AMOR É...)
VOU VER SE OUÇO ALGO.

BJS :)

Aspásia disse...

RECTIFICAÇÃO

AFINAL NÃO É AGORA NEM COM O ANT. MACEDO

É ISTO:

ANTENA1
22:30 ZECA AFONSO - 2O ANOS
Em directo da Figueira da Foz e Entroncamento
Emissão Especial com Edgar Canelas e A. Sofia Carvalhêda

Aspásia disse...

E NA GALIZA PARECE QUE SE LEMBRA MAIS O ZECA QUE POR CÁ...


Rúa para o Zeca Afonso:
O tempo de recollida de adhesions rematou, pero podes deixar o teu comentario se queres


D. Xosé A. Sánchez Bugallo
Alcalde de Santiago de Compostela


Sr. Alcalde:

O pasado día 23 de febreiro cumpríronse 19 anos da morte en Setubal (Portugal) do artista portugués José Afonso. Músico, poeta e cantor, José Afonso acadou en tódalas súas actividades artísticas un nivel de calidade que o levou a ser considerado como unha das máis importantes figuras da música popular mundial.


José Afonso foi ademais un home solidario, un loitador incansable pola liberdade e un exemplo de compromiso cos máis desfavorecidos, mantendo ó longo da súa vida unha traxectoria éticamente exemplar.

José Afonso foi ademais un gran amigo de Galicia. Viaxou ó noso país en numerosas ocasións cantando en diversas cidades, entre elas Santiago, mantendo contactos con intelectuais e artistas e exercendo unha importante influencia na música galega.

A súa presencia xenerosa en intres de enorme dificultade para o noso país foi unha lección de solidariedade que non podemos nin debemos esquecer.

Estes motivos abondarían para que José Afonso fora merecedor de respecto e admiración por parte de tódolos galegos. Pero José Afonso escolleu ademais a cidade de Santiago para interpretar por vez primeira en público con carácter de estrea mundial a súa canción “Grândola, vila morena”, no recital celebrado no Burgo das Nacións na tarde do 10 de maio de 1972. Esa canción converteríase, sen el sabelo nin pretendelo, dous anos máis tarde no sinal e símbolo da Revolución do 25 de abril, que derrubou á dictadura e devolveu a liberdade ó pobo portugués nun dos acontecementos máis fermosos da historia contemporánea.

A canción “Grândola, vila morena” e a figura de José Afonso representan pois os mellores anceios de liberdade, igualdade e fraternidade que aniñan nos corazóns de tódolos demócratas, sentimentos que temos a obriga de promover e defender.

Por estes motivos, considerando que a nosa cidade ten unha débeda de gratitude con José Afonso, dirixímonos a Vde. para solicitar que promova as accións necesarias a fin de que o Concello de Santiago adopte o acordo de dar o nome de José Afonso a unha rúa ou praza da cidade.

Os promotores e comentarntes desta proposta queremos expresar ó Sr. Alcalde e ó Concello de Santiago a nosa vontade de colaborar nesta iniciativa na medida das nosas posibilidades, poñéndonos á total disposición das autoridades municipais.

Santiago, a 5 de maio de 2006.

*******************

SE NÃO FOSSEM "OS OUTROS"... POR EX. O GULBENKIAN, AINDA SERÍAMOS MAIS MISERAVEIZINHOS DO QUE SOMOS, VALHA-NOS NOSSA SENHORA DE FÁTIMA E OS 3 PASTORINHOS...

:(




--------------------------------------------------------------------------------




Ver listado de Adhesións
( 2921 )

Aspásia disse...

O MEU COMENTARIO à CARTA DO ALCAIDE
FICOU ANTES DO "LISTADO DE ADESÕES" COMO SE VÊ.

Aspásia disse...

"À CARTA PARA O ALCAIDE".

andorinha disse...

Blogico,
"Andorinha, fomos apresentados mas por lapso, não me identifiquei "virtualmente". Fica aqui a correcção. ;)"

Ah, então eras tu???????:)
Por esta vez estás desculpado, eu sou sempre tolerante em relação a pequenos "lapsos" da juventude:)
Bjs.

Migmaia,
Obrigada pelos parabéns e espero, sinceramente, que o teu prognóstico se confirme.

Quanto ao resto "penetra" porquê?
Os cunbíbios são livres e já dizia o Zeca "seja bem vindo quem vier por bem...)

J.F disse...

No dia de Homenagem à sua morte, que dizer das palavras de Zeca Afonso sobre o recordar do seu próprio nascimento?

"Eu não sei se isso de recordar o nascimento corresponde a um conteúdo repetido dos sonhos (...). Agora que existe uma imagem persistente, uma luz muito difusa (...), uma luz láctea, uma luz imanente, uma luz muito vital (...) como se fosse um banho de leite que me mergulhasse a mim ou que mergulhasse o Universo. Uma larva branca. É a impressão que eu tenho."

moon disse...

Só agora consegui ver a 3ª obra de arte das produções Murcon.
LOOOLLLL....

Bem, a 4ª produção é que eu não perco de certeza!!:))

E, claro, está bom de ver que o Ovidio era o mestre da assertividade na época. Esqueceu-se, porém, de explicar aos demais machos que o homen só "leva" a mulher que à partida já decidi ser levada...
Como diriam os meus jovens: Dahhh!!!!:))))))))

moon disse...

P.S. Quanto ao cabelo, temos pena...
Mas tem solução! Uf....:))))

Laura disse...

UTOPIA

Cidade
Sem muros nem ameias
Gente igual por dentro
Gente igual por fora
Onde a folha da palma
afaga a cantaria
Cidade do homem
Não do lobo, mas irmão
Capital da alegria

Braço que dormes
nos braços do rio
Toma o fruto da terra
É teu a ti o deves
lança o teu desafio

Homem que olhas nos olhos
que não negas
o sorriso, a palavra forte e justa
Homem para quem
o nada disto custa
Será que existe
lá para os lados do oriente
Este rio, este rumo, esta gaivota
Que outro fumo deverei seguir
na minha rota?

JOSÉ AFONSO, 1983

moon disse...

Viktor, Noise,
Aquele abraço! Bom trabalho!:))))

thorazine disse...

"Mesmo assim, acredito que o Zeca tem um cantinho em cada alma Portuguesa com mais de 20 anos."

Não passei por um triz.. ;(((
Será que dá para ir a oral? :P :P

Não estive lá. Nasci 12 anos depois mas quando ouço a "Grandola vila morena" também me arrepio! Talvez não por associar aquela época, ou aquele dia...mas sim ao conceito de liberdade e de união pela liberdade!

Fiquei com pena de ontem não poder ter aparecido..! ;((

thorazine disse...

Sempre tive a ideia (posso estar redondamente enganado) que a classe burguesa acomodou-se muito mais ao antigo regime do que o povo.

Sempre dei mais valor aos burgos que se revoltaram do que ao povo...

A minha avó é salazarista..e penso que nem sequer acredita que a PIDE existiu.. :|

CêTê disse...

Por vezes tenho pena de não ter vivido o 25 de Abril: tinha só 6 anos, na altura.;[
Acho que teria sido "uma ganda maluca" se o tivesse vivido na juventude.;] Ou talvez não e tivesse sido da PIDE.;]

Não é justo não podermos escolher uma época para viver. Bolas! Logo me calhou esta.

CêTê disse...

Thora, mais vale salazarista do que socialista nos tempos que correm meu amigo. Que Deus a conserve até às próximas eleições.;D

CêTê disse...

Thora: que Deus a conserve por muitos e bons anos com qualidade de vida. Desculpe o disparate.;] Tenho pela figura das avós o maior carinho- eu adorava a minha também como já deu para ver que adora a sua. Escapou aquele veneno pelo primeiro.
Perdoada? ;[

thorazine disse...

Claro que estás perdoada. ;)))

Não são as pragas que irão fazê-la adormecer. Está muito rijinha. Apesar das 3 próteses, e de algumas momentaneas falhas na memoria de curto prazo (talvez manobra interna de protecção das mazelas da vida)...nada a impede de largar uma gargalhada, brincar e até gozar a minha humilde barba! LOL

Acho curioso notar que esteve alheia ao podre do regime que a acompanhou durante a maior parte da sua vida. Até que porque o seu pai, veterano de guerra e preso político por ajudar os republicanos democratas na implementação da república, quando ja retirado do exército, fazia sob efeito do álcool (a sua "little medicine" para o PTSD) longos discursos sobre liberdade.

A unica explicação que dou é ter-se acomodado.

AQUILES disse...

Thora
Não foi bem acomodamento, a vivência da avó de V. Exº.
Para se entender bem a sua avó há que entender o fim da monarquia e a 1ª República. A "Seara Nova", revista bem democrática, acabava nos anos 22, 23, 24,25 e 26 a pedir medidas de força para pôr cobro à desordem económica e social, e pugnar-se pelo bem estar da população.
Não há leituras simples. Há sempre razões que implicam procedimentos sequentes.
Não sei se reparou que actualmente, e infelizmente, há muita gente a trocar liberdade por seguraça. É sempre assim que se iniciam os períodos tenebrosos, por anseio das pessoas que querem um relativo bem estar sossegado. Claro que mais tarde o preço será elevado.
Thora,, não há única explicação.

AQUILES disse...

Há uma antologia em 2 volumes de textos seleccionados da "Seara Nova" por Sotto Mayor Cardia. E muito interessantes e assaz elucidativos da vivência desses anos.

Migmaia disse...

andorinha:
obrigado, pelos votos e pela amabilidade...see you!
thora:
Por mim, aprovado com distinção.E subscrevo na integra a forma como defeniu as momentaneas falhas de memória de curto prazo da sua Avó. Como a Cêtê, também tenho um grande carinho pelos Velhinhos, assim como pelas crianças: são mais genuínos. E apenas existe uma diferença entre esses extremos etários. Os Velhinhos já não tem os Pais para cuidar deles, ao contrário das Crianças, e quando mais precisavam, e na grande parte das vezes, mereciam-no por tudo o que fizeram na vida...

CêTê disse...

Thora e Andorinha, daqui a pouco sou baba e ranho ;[

A minha esperança é que na minha altura já haja Centros Comerciais para a "velhada" com tudo o que é artigo ortopédico e assim;)). Até parce que já estou a ver: o pessoal recebe um novelo à entrada para não se perder lá dentro e pronto! Há cada coisa nessas casas que até apetece enveLhecer!!!! ;]]]

Vou partilhar uma "inconfidência"- o meu pai teve um acidente há uns anitos e ficou impedido de conduzir- algo que sempre gostou de fazer e eu consegui convencê-los a comprar uma daquelas cadeiras motorizadas. LOOOOOOL e para quê? Pois para eu andar com os meus filhos na coboiada. O meu pai achou que akilo não era de Homem andar numa "cadeira móvel de barbeiro". lol
Experimentem entrar numa loja dessas e resistam se puderem.;]]]

bjcs

CêTê disse...

Ah afinal não foi a "passarita" foi a bigmaia- desculpe! ;]

Fora-de-Lei disse...

Zeca, Adriano, Fanhais, Cília, etc, etc... que saudades das letras que foram por eles musicadas. Mas - por incrível que vos possa parecer - ainda tenho esperança que apareça por aí uma geração musical tipo RAP que não se deixe manietar.

andorinha disse...

Thora,
Quanto a ontem, depois conversamos:) Loooool

Cêtê,
"Ah afinal não foi a "passarita" foi a bigmaia- desculpe! ;] "

A "passarita" é que paga sempre as favas?:)
Eu nem estava aqui....
E não é a bigmaia, é o.

" Não é justo não podermos escolher uma época para viver. Bolas! Logo me calhou esta."
Isto assino por baixo.
Pergunto muitas vezes que mal fiz eu para "merecer" esta gente que nos desgoverna...

E tinhas só 6 anos no 25 de Abril?
E que temos nós a ver com isso?
Se é para me fazeres inveja, perdes o teu tempo.:))))
Tive oportunidade de viver esses tempos como uma "ganda maluca" e tu não, por isso hoje estou eu a ganhar 1-0.:)

P.S.Se calhar bebi alguma coisa que me fez mal:)))))))))))))))

Pamina disse...

Boa noite.

Tirando a hora a que foi transmitido, gostei do programa da RTP, especialmente das intervenções do Otelo e do Zé Jorge Letria. Acho também que o jornalista moderou muito bem o debate, ou melhor, o encontro entre aqueles amigos do Zeca Afonso (à excepção de dois participantes, todos privaram com ele de perto).
Deixo uma frase dele, muito bem recordada pelo moderador do programa:
"O que é preciso é criar desassossego".

Angie disse...

ameninadalua (7.20)

«...Sim mas isso tambem é muito Nacional sermos culturalmente complexados :) ...»

Plenamente de acordo.
Se há território onde grassa o preconceito em todo o seu esplendor, bem português, é mesmo o da cultura!

:)

fiury disse...

cêtê

não se preocupe que daqui a muitos anos já vai puder usar fraldas fio dental para "ganda malucas":))))
quanto à época não se preocupe, as diferenças não são muitas com a agravante de nesta não sabermos bem de onde é que elas caem:))))

me disse...

pois zeca!- eterno zeca, eterno veludo de voz! - hoje ouviu-se zecafonso cá por casa, de resto de vez em quando ouvesse, now and then, "acalma-nos e reflesca-nos".

acho que só dei mesmo de "caras" com o zeca quando ouvi o sobrinho dele a cantar as canções do tio lá na faculdade, era impressionante a semelhança do timbre.

eu acho que se ouve mais do que parece, é daquelas coisas que é como as mantas das avós faz parte da mobilia.

mezinha

me disse...

outra cena:

tou como a moonnnn, só agora vi a produção 03, estou igualmente desertinha para ver a 04, quanto ao cabelo também tenho imensa pena...hihihi...mas ainda tenho mais pena dos comentários lamechinhas e desculpatórios de mais cabelo menos bicho e mais produção menos preclaso...não há nexecidade julinho.

mezinha

me disse...

ultima cena de hoje:

o gorro é de morte!

:))))))

mezinha a mazinha (amanhã estou boa outra vez)

JFR disse...

Coloquei aqui

http://www.youtube.com/watch?v=hSrq9_Ah0wM

a minha homenagem a Zeca Afonso.

Cantado "à capela".

Aspásia disse...

JFR

MAGNÍFICO!!!!

NÃO SEI SE É AMADOR OU PROFISSIONAL... MAS SEJA COMO FOR, ESTÁ LINDAMENTE CANTADO!!!

NÃO DESLUSTRA O HOMENAGEADO DE MODO ALGUM! ATÉ O FAZ RECORDAR MUITO BEM.

OLHE AI PELAS RÁDIOS OUÇO BEM PIOR!

BOM F-D-S-
:))

CêTê disse...

Bigmaia, desculpe.me o equívoco:]

Fiury, lool teve graça essa das fraldas ;] mas olhe que não estava a falar nesse contexto!;]]] mas tão simplesmente no ideológico. "Gafe" sua, portanto.;]

Andorinha, já que levas treino... bora lá a iniciar uma revolução. O hino até poderia ser: "Uma andorinha voava, voava..." Cantada pelo professor já que ainda não perdi a esperança de o ouvir cantar. ;]]]

Thora (obrigada ;])


Bom fds gente!;]

JFR disse...

Aspásia:

Obrigado pelas suas palavras.

Sou amador. Divirto-me a cantar com e para os amigos quando surge a oportunidade.

Bom FDS para si, também.

fiury disse...

cêtê

não foi bem gafe, parece-me uma mulher séria:))))mas não quis deixar de a animar com a ideia das fraldas....(a mim não me engana voçê:))))))
deixe-me levar primeiro a besta ao veterinário para ouvir o prof a cantar,em primeira mão: por defeito vejo logo se a besta funciona ou não:)))

Aspásia disse...

MIGMAIA

CREIO QUE GRASSA AQUI, NALGUMAS MENTES, UMA CONFUSÃO SOBRE O SEU NOME.

ESPERO Q NÃO LEVE A MAL ESTA PEQUENA EXPLANAÇÃO SOBRE A DIFERENÇA ENTRE MIG E BIG.

EU SOU UMA DEFENSORA DE QUE SE CHAMEM OS "BOYS" PELOS NOMES CORRECTOS.

a) MIG

Mikoyan-Gurevich MiG-29
Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mikoyan-Gurevich MiG-29

'
Descrição
Fabricante
Primeiro vôo 6 de Outubro de 1977
Entrada ao serviço 1983
Missão
Tripulação 1
Dimensões
Comprimento 17,32 m
Envergadura 11,36 m
Altura 4,73 m
Área (asas) 38,12 m²
Peso
Tara kg
Peso total kg
Peso bruto máximo ' kg
Propulsão
Motores 2 turbofan Klimov/Sarkisov RD-33
Força(por motor) kN
Performance
Velocidade
máxima 2815 km/h (Mach: )
Alcance bélico km
Alcance km
Tecto
máximo m
Relação de subida m/min
Armamento
Metralhadoras {{{metralhadoras}}}
Mísseis/
Bombas

O Mikoyan MiG-29 (nome de código da NATO Fulcrum ) é um caça utilizado em combate aéreo avançado. Desenvolvido no início da década de 1970, entrou ao serviço da União Soviética em 1983 e manteve-se operacional até aos dias de hoje na Força Aérea Russa, bem como nos países para onde foi exportado.

b) BIG

"GRANDE" EM INGLÊS.

BIG BOA NOITE A TODOS.

thorazine disse...

Aquiles,
tem razão. Foi redutor dizer que só existia uma única explicação. Obviamente que todo o contexto que a rodeava a influenciou..e realmente eu não tenho muito bem a noção desse contexto. Obrigado pela dica...foi procurar por isso..

migmaia,
Velhice..
E uma velharia adaptada:
"And did they get you trade your heroes for ghosts?
Hot ashes for trees? Hot air for a cool breeze?
Cold comfort for change? And did you exchange
a walk on part in the war for a lead role in a cage?"

;)))

Ou até a Breathe...!

Andorinha,
uiiiiii...até tremo! :P

JFR,
Gostei muito!! Uma voz que não fica muito aquém do original. Parabéns! ;))

andorinha disse...

Thora,
Tremes de emoção???
Não é preciso exagerares:))))))))))

CêTê disse...

LOOOL- ok ok MIGMaia.
Eu explico: Maia abelha, taróloga- mulher; Que seja comentador deste blog só pode ser grande.


Fiquei impressionada com o MIG. Que BIG tara!;]

Não volto a enganar-me, sorry

(aspásia: as abelhas também têm asitas!)

fiquem bem

(ainda bem que não é CIAMAIA);P

fiury ;]]

JFR disse...

thora:

Obrigado pelo seu comentário. Muito simpático mas ... exagerado. Apesar da enorme emoção que sempre sinto quando ouço ou canto aquelas palavras.