quarta-feira, março 21, 2007

O refúgio.

"Muita coisa começa a bater contra os muros do meu poema".

Herberto Helder, A Colher na Boca.

33 comentários:

andorinha disse...

Boa noite.

Nenhum refúgio é totalmente impenetrável. Felizmente, atrevo-me a dizer:)

andorinha disse...

Já que não está aqui mais ninguém, falo com o Herberto:)
Seria um acto de puro egoísmo o poema ser murado.
E então e nós, os leitores?
Ficaríamos sem o bálsamo da poesia?
A solução? Partilhar o refúgio connosco:).

JFR disse...

Andorinha

Não estás só. Por isso aí vai um pouco do lado de lá do muro. Feito bálsamo.
-----------------
Não sei como dizer-te que minha voz te
procura
e a atenção começa a florir, quando
sucede a noite
esplêndida e vasta.
Não sei o que dizer, quando longamente
teus pulsos
se enchem de um brilho precioso
e estremeces como um pensamento
chegado. Quando,
iniciado o campo, o centeio imaturo
ondula tocado
pelo pressentir de um tempo distante,
e na terra crescida os homens entoam a
vindima

- eu não sei como dizer-te que cem idéias,
dentro de mim, te procuram.

Quando as folhas da melancolia arrefecem
como astros
ao lado do espaço
e o coração é uma semente inventada
em seu escuro fundo e em seu turbilhão
de um dia,
tu arrebatas os caminhos da minha solidão
como se toda a casa ardesse pousada na
noite.

- E então não sei o que dizer
junto à taça de pedra do teu tão jovem
silêncio.

Quando as crianças acordam nas luas
espantadas
que às vezes se despenham no meio do
tempo

- não sei como dizer-te que a pureza,
dentro de mim, te procura.

Durante a primavera inteira aprendo
os trevos, a água sobrenatural, o leve e
abstracto
correr do espaço
- e penso que vou dizer algo cheio de
razão,

mas quando a sombra cai da curva sôfrega
dos meus lábios, sinto que me faltam
um girassol, uma pedra, uma ave -
qualquer
coisa extraordinária.

Porque não sei como dizer-te sem
milagres
que dentro de mim é o sol, o fruto,
a criança, a água, o deus, o leite, a mãe,
o amor, que te procuram.

Herberto Helder - Excerto do poema Tríptico, publicado em A Colher na Boca, 1961

JFR disse...

Nota 1 - Porquê, precisamente, este verso retirado do poema?

andorinha disse...

Jfr,
Obrigada pelo bálsamo.:)
Esse poema é belíssimo!

Fora-de-Lei disse...

Herberto Helder, o judeu madeirense que nunca deu uma entrevista...

Aspásia disse...

JFR

1- PARABÉNS POR TER COLOCADO O ICEBERG DE O PROF. APENAS TINHA COLOCADO A PONTA.

ICEBERGS DESTE GÉNERO, AO INVÊS DE AFUNDAREM, SALVAM DAS ÁGUAS.

2 - DICA: TERÁ O PROF. RETIRADO ESSE PRECISO VERSO POR TER UM LIVRO CHAMADO "MUROS"??

BOA NOITE A TODOS.

Aspásia disse...

"DE QUE O PROF."

Klatuu o embuçado disse...

Bom refúgio... só longe do Porto...
:)

Venha até à minha masmorra para perceber de vez que, mais do que parafilia, a BDSM é mesmo idiotia e fealdade!

Abraço!

Julio Machado Vaz disse...

jfr,
Porque não sei para onde me virar com trabalho:). É claro que não tenho o refúgio de um poema:(.

Ameninadalua disse...

Bom dia

Professor

"É claro que não tenho o refúgio de um poema:(."

Pode sempre optar por uma boa noite de jazz:)) ou ir até ao fundo do seu riacho em Cantelães:)

De qualquer modo o refúgio seria sempre temporário...a vida espera-nos.

E ainda bem:)

JFR disse...

Prof Júlio:

Fico satisfeito por saber que é o excesso de trabalho. Este, enquanto prosa, pode sempre ver cortado uns capítulos sem que se perca o fundamental. E ser substituído por um poema:)

Maroska disse...

Dr. JMV
Pode sempre pedir "assistentes voluntários" aqui no murcon...nunca se sabe!

Ameninadalua disse...

JFR

"Este, enquanto prosa, pode sempre ver cortado uns capítulos sem que se perca o fundamental. E ser substituído por um poema:)"

É sem dúvida um exercício extravagante porem belo de se concretizar:)))

Gostei muito dessa sua imagem...

JFR disse...

Ameninadalua:

Continuando num tom alegórico...

Exercício sobretudo difícil, para aqueles que, como o Prof, JMV, têm qualidades tais que transformam a sua prosa em poemas para os outros.

MJ disse...

Professor:

Se muita coisa começa a bater contra os muros do seu poema, o melhor será fazer-lhe uma aberturazinha para que os muros não caiam de vez. :-)

Abraço

Maroska disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maroska disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maroska disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maroska disse...

Estes muros que ergui
Para me proteger
Para me escudar
Estes muros que escolhi
Impedem-me de ouvir
Tudo o que estás a falar
Estes muros que plantei
Como flores à minha volta
Não deixam que eu sinta
A tua dor, a tua revolta
Infelizmente para mim
Não me deixam ver também
O brilho do teu olhar
O amor que o teu coração me tem
Aqui onde estou
Não entra chuva ou sol
Agitação ou torpor
Sou um ser inanimado
Atrás do meu muro
Aqui sentado
Acabei por me tornar
Num iceberg bem congelado.

Desculpem mas não resisti ;)

andorinha disse...

Boa tarde.

Júlio,
Desse mesmo "mal" me queixo eu e muita malta que conheço:)

Jfr(11.02)
Hoje acordaste inspirado, homem.:)

Até mais logo, malta. Tenho o "mal" à minha espera:)

thorazine disse...

A procrastinação também é um mal..:|

thorazine disse...

No Sociedade Civil, RTP2, fala-se de assédio sexual.. :)

thorazine disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ameninadalua disse...

Maroska:)

Não peça desculpa...Be yourseft:)

E já agora quanto mais depressa "descongelar" melhor:))

Maroska disse...

menina da lua, não estou congelada...quer dizer, não estou porque tenho o casaco em cima das pernas e o ar condicionado ligado pk aqui no escritório tá um frio de congelar mesmo. É da idade...hehehe

thorazine disse...

:)

Dois links para partilhar:

Primeiro esta casa de campo: http://www.simondale.net/house/index.htm

Vejam as plantas da casa, extremamente simples e com um acabamento espectacular! ;)

Segundo este pequeno vídeo da pixar já uma tanto antigo mas muito bom! http://www.youtube.com/watch?v=lYBFIJ_Gp7I

Angie disse...

"Muita coisa começa a bater contra os muros do meu poema".

- E se essa coisa for pessoa... será alguém a bater à porta?

- E se não for pessoa? Será simplesmente o bater do coração?


- E se o poema não for refúgio?

- E se o poema for todo de vidro?


.......E se não for poema?........

Filomena disse...

Alguém falou em Pixar??
:-)
Geri’s Game é um short dos estúdios da Pixar que acompanha o filme “A Bug’s Life” (em Português, “Uma Vida de Insecto”). Faz parte do DVD.
Adoro animação e em especial a animação da Disney / Pixar. Eles amam o que fazem e isso nota-se. Cada filme da Pixar tem sempre um short de animação. O “Monsters Inc” tem o “For the Birds”; “The Incredibles” o “Boundin”, “Cars” o “One Man Band”; “Finding Nemo” o “Knick Knack”. Todos (filmes e shorts) maravilhosos e na maior parte dos casos nomeados e/ou vencedores de Óscares.
Obrigada pela recordação do Geri.

andorinha disse...

Thora,
Quantas vezes me apetece procrastinar...e às vezes procrastino mesmo:)
E tu não?! Confessa, confessa...:)))

JFR disse...

thora,

Assim se engana a solidão GERIátrica. E de maneira inteligente, fortalecendo o ego. Belo vídeo.

thorazine disse...

Andorinha,
claro que procrastino...muitas vezes até em demasia! :|
Esta preguiça às vezes mete-me cá nuns trabalhos..lol

Jfr,
realmente ainda não tinha visto essa perspectiva do nome..ainda não o tinha associado ao prefixo "geri"! hehe

Como referiu Filomena, não se perde mesmo nada em ver os outros vídeos. Basta escrever no youtube "pixar"! ;)

fiury disse...

quando assim acontece, o trabalho não é das piores opções, não senhor:)