sexta-feira, março 02, 2007

Sem estruturas de apoio vai acontecer mais vezes...

Matou a mulher doente e suicidou-se a seguir
Virgilio Rodrigues
Os corpos foram removidos ao fim da noite de ontem pelos bombeiros para a morgueMarisa RodriguesManuel Santana, 75 anos, esteve sempre ao lado da mulher, portadora de Alzheimer. Mas a doença agravou-se e as noites sem dormir deixaram-no à beira do desespero. Pediu ajuda para interná-la, mas o apelo não surtiu efeito. Ontem decidiu acabar com o sofrimento. Matou a companheira a tiros de caçadeira, na casa de ambos, em Loulé, e suicidou-se. A triste história do casal, que depois de uma vida de trabalho em França escolheu viver a reforma no sítio de Soalheira, freguesia de São Sebastião (Loulé), deixou todos em estado de choque. A doença de Olívia Nunes, de 72 anos, era conhecida, mas ninguém esperava este desfecho.Manuel era conhecido pela dedicação à companheira. "Fazia-lhe todas as vontades, ia a Loulé passeá-la, davam-se muito bem", comentavam os vizinhos. A aparente calma que se sentia à porta da moradia do casal, palco da tragédia, quebrou-se quando os corpos foram removidos pelos bombeiros. Deu lugar a muito choro e lamentos. "Ainda estou meio zonzo. Como é que o meu primo foi capaz de fazer uma coisa destas?", questionava-se Artur Mendes. "Ela de há uns tempos para cá não o deixava dormir. Passava a noite a conversar como se fosse uma criança. Ele era um santo e tinha muita paciência, mas com certeza que perdeu o tino, depois de passar muitas noites de seguida sem dormir", acredita. Olívia sofria de Alzheimer há cerca de sete anos. A doença foi piorando e as noites sem dormir levaram Manuel a pedir ajuda. Na passada sexta-feira, foi à junta de freguesia de São Sebastião. Chorava muito e os funcionários decidiram telefonar ao presidente, Horácio Piedade. "Estava desesperado que até metia dó. Disse que não aguentava mais. Queria interná-la", contou. "Contactei a acção social da câmara de Loulé e pedimos uma ambulância, que os levou ao hospital de Faro", acrescentou o autarca. No dia seguinte, ao cruzar-se com Manuel, soube que Olívia "teve alta horas depois de chegado ao hospital. Disse-me que foi medicado e já tinha conseguido dormir melhor". Ontem Manuel telefonou ao filho (o único do casal) que reside em França. Contou-lhe que ia pôr termo ao sofrimento. O filho telefonou de imediato a uma vizinha, que se deslocou à moradia do casal. Encontrou Olívia morta, deitada no sofá, e Manuel, também já sem vida, tombado entre a porta das traseiras e o quintal. A GNR recebeu o alerta às 16.30 horas, mas os militares, ao constatarem ter sido utilizada uma arma de fogo, informaram a Polícia Judiciária (PJ) de Faro, com competência para investigar este tipo de crimes. Mal os inspectores da PJ deixaram a casa, com sacos com indícios recolhidos na moradia, um familiar, um vizinho e o presidente da junta, apressaram-se a limpar o sangue com vassouras, detergentes e baldes de água. "É para evitar que o filho que vem de França sofra ainda mais ao ver isto", diziam.

39 comentários:

maria estrela disse...

Num país em que tudo parece destinado a encerrar (hospitais, urgências, escolas,postos da GNR)estas soluções dramáticas devem fazer-nos pensar e exigir, a quem de direito, mudança de práticas na área da assistência social.
Uma sociedade que não sabe cuidar dos seus não é democrática e muito menos civilizada.

Kato disse...

Eu acho que tenho uma ideia. E que tal encerrar o próprio país? Ficava só uma espécie de parque pago à beira-mar. Quem quisesse visitar pagava. Podia viajar de jipaço e observar as ruinas, qual Machu picchu, do que já esteve quase a ser uma nação a sério. Podia-se até completar o quadro com figurantes, a fazer de conta que eram habitantes, para não desiludir os senhores turístas que deixariam a sua contribuição para pagar o ordenado aos dez milhões de falsos habitantes, deste falso país.
Em alternativa revoltem-se. Armas para o povo!

fiury disse...

e continua-se a construir rotundas,a remodelar praças, a alargar passeios...porque nós permitimos!

Klatuu o embuçado disse...

Enfim... «Portugal profundo»!

Abraço.

peciscas disse...

...e a contruir-se uma Ota megalómana e um TGV para Europa ver, enquanto, se vão riscando do mapa das despesas as verbas relativas a "privilégios", tais como a assistência social,o apoio psicológico, os serviços de saúde.
Não se esqueça que as décimas de redução dos défices têm que ser conseguidas, para se embelezarem discursos e se acrescentarem gloriosas páginas à história da política nacional.
As lágrimas, o desespero e os sofrimentos, não ficarão para a história nem farão parte das estatísticas.

Su disse...

enfim..o país que muitos sentem na pele............

emfim..ambos em paz


jocas maradas

MJ disse...

Boa noite, Professor :-)

Permita-me que discorde do título do post...

Que o nosso país carece de estruturas de apoio a diversos (muitos!) níveis, ninguém duvida.
No presente caso, porém, não me parece que essa lacuna tivesse estado na origem do triste desfecho.
Vivi o "pesadelo" de ter tido a mãe portadora de Alzheimer. Sofri e assisti ao sofrimento do meu pai que era a pessoa que, dia e noite, convivia com ela. Pacientemente... resignadamente. Com a calma aparente, em tudo semelhante à demonstrada pelo marido a que o post se refere : "Fazia-lhe todas as vontades, ia a Loulé passeá-la, davam-se muito bem".
Não creio que, ainda que lhe fossem facultadas todas as estruturas de apoio, eles (o meu pai ou este senhor) as aceitassem...
Nestes casos, os familiares acreditam que o amor que sentem pelos seus entes queridos enfermos lhes confere a "coragem" suficiente para suportarem sozinhos a sua "cruz".
Obviamente que nem o amor faz milagres destes e, inesperadamente, é-se traído pela impotência, pelo cansaço, pelo desespero.:-(

Um abraço.

Ameninadalua disse...

Boa noite

Oh Professor que história triste:(

MJ

"Obviamente que nem o amor faz milagres destes e, inesperadamente, é-se traído pela impotência, pelo cansaço, pelo desespero.:-("

Penso que isso tambem é um pouco verdade; entre família,pelo menos nas tradicionais, existe um certo orgulho em se aguentar estoicamente todas as responsabilidades inerentes à vida das pessoas que lhes são próximas e por vezes o sentido de obrigação é superior às forças e à própria resistência moral e física de cada um.

Mas tudo pode ser diferente se houver condições e vontades...

Este abandono em que certos idosos estão sujeitos é bem sintoma da nossa pobreza mas e principalmente da nossa irresponsabilidade social que não deve ser só apontada aos governantes mas a nós próprios no âmbito da nossa intervenção pessoal.

Há dias vi um documentário sobre o elevado número de suicídios na zona alentejana e muitos deles são praticados por pessoas idosas que em completo abandono se recusam a continuar a viver.

É um quadro muito triste sim...sem dúvida.

Julio Machado Vaz disse...

Gente,
Também há uma coisa chamamada apoio domiciliário...

andorinha disse...

Boa noite.

Notícias destas chocam-me imenso.
Não consigo sequer imaginar o que terá sido o sofrimento deste homem.
Raio de país este, em que realmente quase tudo falta:(
Perdeu-se a noção das prioridades.
Preocupações sociais?
Cada um que se desenrasque...
Como já disse o Peciscas, o dinheiro vai para o TGV, para a Ota, é preciso é impressionar o "pagode" e mostrar que temos tão boas estruturas como os nossos parceiros da UE.
E o investimento em áreas prioritárias como a educação e a saúde continua por fazer e casos destes continuarão a existir.

O senhor pediu, implorou por ajuda, bolas!
Não consigo pôr-me na pele dele e imaginar o seu sofrimento e desespero.

Mj,

"Não creio que, ainda que lhe fossem facultadas todas as estruturas de apoio, eles (o meu pai ou este senhor) as aceitassem..."

Como é que tiras essa conclusão???!!!
O teu pai não sei, agora este senhor, ele pediu, ele foi à Junta a chorar, se isso não é pedir apoio é o quê???

andorinha disse...

Júlio,
E o apoio domiciliário é eficaz?
Estas pessoas saberiam que ele existe?
Por que não são então aconselhadas nesse sentido?
E será acessível a todas as bolsas?

Continua a haver muita coisa a falhar e muitas vezes as pessoas no seu desespero já nem sabem a quem se dirigir, tantas as portas que se fecham:(

Fora-de-Lei disse...

Numa lógica algo reaccionária, poder-se-ia dizer que os suícidios no Sul são como o trabalho infantil no Norte... é uma questão cultural. Para além disso, a Santa Madre Igreja diria ainda que ao Sul, principalmente no Algarve, a evangelização não foi cabalmente conseguida.

Portugal - um país de sofrimento e de sofredores !

Fora-de-Lei disse...

andorinha 11:30 PM

Apoio domiciliário ? E o que é que isso interessa ? Tu não vês que isto é a MISÉRIA em toda a sua plenitude...?!

andorinha disse...

Mj,
Ainda voltando à carga...
"No presente caso, porém, não me parece que essa lacuna tivesse estado na origem do triste desfecho."

Ou não lemos a mesma notícia ou então não entendo mesmo.
Este é um caso gritante e exemplificativo da falta de estruturas de apoio.
Se ele tivesse tido apoio, que pediu, o desfecho teria, muito provavelmente, sido outro.
Aí sim, ele poderia ter continuado a acompanhar e a amar a mulher.
O amor, só por si, não faz milagres.
Uma coisa é querer e outra é poder.
Ignorar isto é escamotear a realidade...e não se consegue nada ignorando-a.

andorinha disse...

Fora de lei (11.37)
Claro que é a miséria em toda a sua plenitude e quantas situações não haverá como esta...
Mas essas são as pessoas que mais precisam de ser ajudadas, ou não?

Aspásia disse...

PORTUGAL

UM PAÍS CRIMINOSO, QUE PROVOCA A MORTE DOS QUE CONTRIBUÍRAM PARA O ALIMENTAR... ENFIM PARA ALIMENTAR A GULA INSACÍÁVEL E VORAGINOSA DOS VAMPIROS QUE, JÁ TENDO CHUPADO O MAIS QUE PUDERAM DOS TRABALHADORES QUE NÃO TÊM CONHECIMENTOS LÁ NAS JUNTAS DE FREGUESIA OU NAS CÂMARAS MUNICIPAIS E VIVERAM UMA VIDA DE PURGATÓRIO, QUANDO, AO CHEGAREM AOS SEUS ÚLTIMOS ANOS E DEVIDO À VELHICE E À DOENÇA SE ADICIONAREM, POTENCIANDO-OS AOS MALES DE QUE JÁ PADECIAM, PREFEREM A MORTE A CONTINUAR A "SER PORTUGUESES".

MEU PAI E EU TEMOS VERGONHA DE SER PORTUGUESES.

TALVEZ EU AINDA UM DIA PEÇA O ESTATUTO DE APÁTRIDA.

thorazine disse...

Uiii...um lapso freudiano. Será?
;))

Em relação ao post,
penso que não existe é apoio especializado para estes casos. Num casos destes, não é o apoio domiciliário comum que resolverá o problema de duas pessoas idosas viverem sozinhas estando uma delas com uma doença deste género. Não bastará a visita de uma enfermeira uma vez ao dia, talvez só mesmo com internamento.

É ridículo serem encaminhados para um hospital e receitarem ao senhor comprimidos para dormir. Como se o problema estivesse nele e ficasse resolvido com hipnoticos. ;((


Mas já que se fala de desgraças...hoje até me deu um arrepio quando li a notícia da mãe belga que matou os 5 filhos! ;((((

Lembro-me de ler em qlq lado que é fenómeno que acontece por todo mundo, em membros de todas as religiões e que é uma manobra (?) qlq de protecção das crianças pois os pais pintam um cenário negro para o futuro. Não sei se é bem assim, mas é o que me lembro..

Ainda há pouco tempo aconteceu o mesmo aqui no porto: uma mãe mergulhou o carro no rio com os dois filhos de 8 anos lá dentro. ;((

Ameninadalua disse...

Fora-de-lei

"Numa lógica algo reaccionária, poder-se-ia dizer que os suícidios no Sul são como o trabalho infantil no Norte... é uma questão cultural."

Não é com certeza uma questão Cultural...mas a pobreza não explica tudo, parece-me ser essencialmente abandono, tristeza e pouca vontade de viver...

Professor

A intervenção domiciliária se bem que ainda bastante limitada é uma solução louvável sim pois o idoso não necessita de sair do ambiente normal em que sempre viveu...

Quanto ao apoio institucional privado com o mínimo de condições é de tal maneira caro que não há orçamento familiar que aguente mesmo que razoavelmente elevado.

Mas o apoio familiar é sempre imprescindível, quanto mais não seja para garantir o enquadramento e o acompanhamento dos idosos dentro das poucas possibilidades que o sistema social permite...

Aspásia disse...

HOJE POR COINCIDÊNCIA ESTIVE PELA PRIMEIRA VEZ PERTO DE UMA SENHORA IDOSA COM ALZHEIMER, AINDA QUE LIGEIRO. NO LAR DE IDOSOS DO SAMS, AONDE MEU PAI TINHA SIDO CONVIDADO A IR RECEBER UMA RECORDAÇÃO DEVIDO ATER PARTICIPADO NUM CONCURSO DE POESIA.

MEU PAI NÃO VIA ESSA SUA COLEGA DO ORFEÃO DE SETÚBAL HÁ... 70 ANOS.

LEVÁMOS ALGUMAS FOTOS ONDE ELA ESTAVA COM MEU PAI EM 1940 DE Q A SENHORA AINDA SE LEMBROU.

ALI HÁ DE TUDO, DO BOM E DO MELHOR, DESDE ESTRUTURAS A DISTRACÇÕES PARA 100 IDOSOS, FISIOTERAPIA, ENFERMARIA, BELOS JARDINS E BOM AR, VISTO SE LOCALIZAR EM AZEITÃO, EMBORA UM POUCO À BEIRA DA ESTRADA. ENFIM TUDO O NECESSÁRIO PARA TORNAR O MAIS AMENOS POSSÍVEL OS ÚLTIMOS ANOS DE QUEM TRABALHOU, OU ALI ESTÁ POR DOENÇA.

PORQUE NÃO É O ESTADO QUE PAGA TUDO ISTO CLARO, MAS O SINDICATO DOS BANCÁRIOS.

SÓ OS QUE OU SÃO MUITO RICOS OU TRABALHARAM EM GRANDES EMPRESAS, PODEM ASPIRAR A TER SERVIÇOS DE SAÚDE E ASSISTÊNCIA PARA SI, SEUS FILHOS E SEUS PAIS, CONDIGNOS.

ESTES (DES)GOVERNOS SUCESSIVOS QUE SE NOS SUCEDEM NAS ALTAS ESFERAS DO PODER, NADA FAZEM... OU MUITO POUCO.

TODOS DIZEM, DESDE QUE ME CONHEÇO QUE QUEREM O MELHOR PARA O PAÍS, MAS "O PAÍS"... SÃO ELES MESMOS.

OS RESTANTES SÃO, NOMEADAMENTE QUANDO VELHOS E DOENTES, O LIXO QUE SE VARRE PARA BAIXO DOS GRANDES RELVADOS DOS CAMPOS DE GOLFE ONDE O JET SET VAI JOGAR AOS FINS DE SEMANA PARA ESPAIRECER DO GRANDE ESFORÇO QUE DESPENDEU DURANTE OS DIAS ÚTEIS A "QUERER MELHORAR AS CONDIÇÕES DE VIDA DOS PORTUGUESES".

BOA NOITE (?)

Rita Lemos disse...

Parece-me haver aqui outra questão.

Como é que ninguém, no hospital de FAro, se apercebe da angústia desse senhor? Aparentemente ele já não dormia bem há algum tempo, devia evidenciar cansaço. Aparentemente chorava muito quando foi pedir ajuda na junta de Freguesia, terá chegado diferente ao hospital?
A mim, o que me incomoda mais nesta notícia é a certeza de que nos alheamos cada vez mais dos outros.

JFR disse...

Somos um país sem uma adequada definição de prioridades. Porque falta planeamento. Se tivéssemos uma lista exaustiva de tarefas, nas várias áreas de governo, seria possível escaloná-las e, sabendo-se da impossibilidade de as realizar todas ao mesmo tempo, seria exequível a sua ordenação por prioridade. Planear a sua realização e a definição dos recursos necessários. Muitas vezes, pela forma como as decisões vão sendo tomadas, parece que se delibera casuisticamente. De acordo com a sugestão do primeiro que abriu a porta do gabinete do primeiro ministro (este ou qualquer outro).

Já aqui referi, há largos meses, a obscenidade que representa o apoio do estado à colocação de bandas gástricas. Quando o estado não tem condições de realizar a cirurgia, o doente (em muitos dos casos a palavra deveria estar entre aspas) pode recorrer a clínicas privadas. Ao que se dizia na altura o custo era de 8 500 € por intervenção.

Entretanto, os 46 mil doentes de Alzheimer sem qualquer tipo de assistência (dos 70 mil existentes em Portugal) - conforme foi publicado aqui no Murcon -, continuam a não ter as condições de acompanhamento necessário. Aqueles que por necessidade contactam, ao longo deste país, as entidades oficiais, identificam uma enorme ausência de instalações para acolher este tipo de doentes.

E, se é verdade que durante um certo período os familiares que tratam deste tipo de doentes, procuram encarregar-se dessa tarefa sós, há muitos que, depois de dias e noites sem descanso, soçobram. São esses que desesperam quando não encontram vagas nas poucas portas que encontram abertas. Resta-lhes o seu próprio bolso (se ainda lá tiverem alguma coisa) para encontrarem (o que nem assim é fácil), o lar pago e nem sempre em razoáveis condições, ou o apoio domiciliário pago utilizado de forma intermitente, para que nos intervalos se possam recuperar as forças.

Sabe-se que um dos melhores negócios de hoje e do futuro é o que se liga à velhice. Como é habitual, o estado alheia-se da análise das causas que propiciam o negócio. Se o fizesse, saberia para onde deveriam ir as suas prioridades. E planearia a intervenção.

andorinha disse...

Mais uma para o anedotário nacional.

Acabei de ler no Público online o seguinte: PSD propõe aconselhamento dissuasor, ou seja, a existência de uma consulta destinada a dissuadir a mulher de interromper a gravidez.!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Andamos a brincar ou quê?
Mas esta gente enlouqueceu de vez?
Perderam e não sabem aceitar a derrota?
Vou ficar por aqui porque tenho que moderar o palavreado. Se fosse a escrever o que me vai na mente...teria que ter bolinha.

Até amanhã, malta.
Curtam o fds:)

fiury disse...

eu continuo a não entender como alguns autarcas têm verba para subsidiar operações às cataratas aos idosos, outros para subsidiar os livros da crianças do 1º ciclo e outros nem para o essencial têm.

rosarinho disse...

cá ( espanha) ,matam + de 1 mulher por semana - sempre por "amor" dos companheiro (que se suicida ou nao ,depois) - em todas elas sinto uma enorme responsabilidade.
Quando falha o sistema é por todos "nós" falhamos.

ominona disse...

Senhor professor, pode ler-se no seu blog, dia 23 de Fevereiro de 2005:
"Corrijo pontos de exame. Nhac:(, montes deles! Durante a prova um aluno queixou-se de não estar habituado a perguntas de desenvolvimento, cercado como vive por exames de escolha múltipla. Não creio que a razão seja apenas essa, a "garotada" não adquiriu o hábito de elaborar o pensamento de uma forma própria, única, "original". O resultado é este: uma sucessão deprimente de respostas quase milimetricamente iguais umas às outras, produtos óbvios de marranço virgem de elaboração posterior. E assim se adquire - quando muito... - conhecimentos e se perde a oportunidade de ensaiar o bailado de neurónios que um dia, com muita vida em cima!, conduziria ao "grand final" da sageza nas cabecinhas das elites da Nação. Oremos..."



Não será altura de fazer uma rectificação? Chega a ser insultuoso, nomeadamente: "a "garotada" não adquiriu o hábito de elaborar o pensamento de uma forma única e "original" ".
Quando a garotada o faz, encontra um R na classificação.

Apreciei a reflexão moral das últimas frases. Deixe-me, com o devido respeito, elucidá-lo: o mal não está na juventude, mas sim nas referências socio-culturais. A faculdade também é uma referência (científica claro) sociocultural. E com professores assim, que, ao invés de apelarem ao pensamento criativo, que se pensa a si mesmo e ao mundo (que aliás, valida e cria um mundo), apelam a "marranços", "decoranços" de 24 horas anteriores, que não reflectem sobre a profundidade e clareza de o pensamento de alguém.

Senti-me atingido com o post inusitado de 2005. Talvez seja altura, por imperativo categórico de consciência, de o professor rectificar, para que mentes eruditas, criativas, com capacidade de reflexão (que é precisamente um romper com o status quo dogmático, e estabelecer novas ordens ontológicas) naõ caiam no erro de esplanar pensamentos profundos nos seus exames.

A sociologia é dinâmica. Não é dogmática, nem é um saber pré-estabelecido. O Kant rir-se-ia se alguém lhe mostrasse uma ciência definitiva. Nem a lógica e a matema´tica o são, axiomáticas, mas não definitivas. Em permanente devir, e a evolução faz-se por espíritos que compreendem esse devir histórico e enfrentam com tenacidade as mentes dogmáticas, que se enraízaram demasiado na pasmaceira ideológica, ou antes, pseudo-ideológica.



Cumprimentos

Aspásia disse...

ECLIPSE DA LUA EM DIRECTO

(Nem só de pão vive o Homem,
mas também de olhar para o Céu...)

Lusco_Fusco disse...

Boa noite!
Professor existe o apoio domiciliário (de nome?... ), quando se precisa são mil e uma dificuldades, excesso de domicílios, listas de espera, e quejandos. Farsas!
Um abraço
MJ

Migmaia disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Migmaia disse...

Bom dia,

Há momentos em que o choque é inevitável.
Na passada quinta-feira, foi a enterrar um Conhecido de 27 anos. Na sexta, ao iniciar a jornada laboral, tive conhecimento da morte de 1 Colega. Ambos optaram pela mesma solução. A diferença em relação ao Casal de Loulé, foi a da técnica utilizada, o enforcamento.
Do conflito de sentimentos, destacaria a impotência e uma enorme revolta. Com o tempo, vem a resignação.
Não era meu propósito, com este lamentável exemplo, contrariar a teoria do sócio-cultural do fora-de-lei que, até me parece algo pertinente.

Aspásia:
Muito bonito o exemplo do lar que visitou. Pena é, como disse, que não seja extensível a todos. Aliás, veja-se a importância da Geriatria no nosso panorama da Saúde. É o País que temos, como alguém outro dia por aqui dizia, o preço de vivermos neste tempo. Portugal precisa de si e do seu Pai. Gente com espírito crítico. Só assim, e subscrevendo também o jfr na “adequada definição de prioridades”, conseguiremos evoluir no sentido de minimizarmos situações como as aqui citadas.
Quanto ao duplo sentido do Andrade, como me parece já ter decifrado, tem a ver com o meu sangue azul. Não por ser monárquico, mas Dragão de coração

Aspásia disse...

MIGMAIA

NÃO ME PARECE Q AS PALAVRAS DOS QUE COMO NÓS NÃO DETÊM O PODER SIRVAM DE ALGO A NÃO SER PARA AINDA VIRMOS NÓS MESMO A SER ALVOS DE CRIMINOSOS... OU AFAZERMOS COMO ESSES 2 JOVENS SEUS CONHECIDOS QUE REFERIU.

AS PALAVRAS NADA MANDAM MEU AMIGO.

O ÚNICO SENHOR DE TODO O MUNDO E NINGUÉM... É O SENHOR DINHEIRO.

NADA PERCEBO DE FUTEBOL NEM SEI NOMES DE JOGADORES, JA AGORA EXPLIQUE ME ISSO DO ANDRADE.

É UMA GRANDE LACUNA NA MINHA CULTURA GERAL.

RELACIONADO COM ESSE TEMA DO FUTEBAL E INFELIZMENTE COM ESTE MESMO POST DO PROF., VEJA O POST DE OUTRO DRAGAO COM QUEM SE CALHAR JA SE TERA CRUZADO AÍ NO ESTADIO ~ O ALQUIMISTA QUE TEM COMO SIMBOLO NO PERFIL UMA ESPECIE DE PAI NATAL.

VOU TENTAR POR O LINK

Aspásia disse...

O Q SUCEDEU NO ESTADIO DO DRAGAO - O ALQUIMISTA

ALQUIMISTA ACHO ESTE TEU POST MUITO IMPORTANTE PARA O PROF JMV, E TODOS.



PORTUGAL ESTÁ EM ECLIPSE TOTAL E NÃO SE ANTEVê QUE SAIA DO CONE DE SOMBRA TÃO DEPRESSA....

Aspásia disse...

E SOBRE A MORTE E DADAS TAO RECENTES PERDAS A QUE ASSISTIU,
RECOMENDO Q VA AO BLOG DA MARIA VELHO - METADIÁLOGOS - ONDE ESTA UM POST SOBRE A INJUSTIÇA DA MORTE.

Migmaia disse...

Aspásia:

Obrigado pela sugestão dos blogs. Já li o do Alquimista, e achei excelente.
Quanto aos Andrades, não sabia da história, mas é vulgar chamar aos adeptos do FCP. Aqui fica o resultado da pesquisa:
O Ameal, o Lima e a história dos «andrades»

Nos anos 30, o F.C. Porto tinha já alguma projecção em termos nacionais e recebia frequentemente a visita de equipas estrangeiras. Os jogos com o Benfica, por exemplo, eram sinónimo de grandes receitas, mas o campo da Constituição revelava-se exíguo para a grandiosidade destes eventos.
Em 1937, em Assembleia-geral, foi feita a proposta para que o clube contraísse um empréstimo para a construção de um estádio próprio. Para o efeito, os sócios teriam de subscrever obrigações. No entanto, a procura não correu como o previsto e o sonho foi adiado.

O F.C. Porto alugou então, para os jogos grandes, o campo do Ameal, um dos melhores estádios de Portugal, que recebeu mesmo alguns encontros da selecção nacional. Mas o Sport Progresso, arrendatário do terreno, reclamou em tribunal por alegadas falhas no pagamento. Os portistas passaram então a jogar no campo do Lima, que era utilizado pelo Académico e cujo aluguer era considerado exorbitante pelos sócios dos «azuis e bancos». Os três clubes envolveram-se então numa guerra de comunicados, que culminou numa série de acontecimentos estranhos: um incêndio destruiu parcialmente as bancadas da Constituição; e as do Ameal foram destruídas a camartelo. Houve quem atribuísse essa demolição ao senhorio, alegadamente portista e que teria pensado que assim poderia mais facilmente vender o campo do Ameal ao seu clube do coração. Houve quem nunca perdoasse ao senhor Andrade tal gesto e por isso os simpatizantes dos «azuis e brancos» começaram a ser conhecidos por «andrades»...

In mais futebol - Da Raínha ao Dragão

Julio Machado Vaz disse...

Ominona,
Não retiro uma vírgula:). A ganapada é assim porque foi educada (?) a ser assim, nunca me ocorreu considerá-la a má da fita num mundo de pensadores!

Aspásia disse...

MIGMAIA

AH ! FAZIA LÁ EU IDEIA DESSA HISTÓRIA SE NEM SEI O NOME DOS TREINADORES DAS 3 MAIORES EQUIPAS DE HOJE EM DIA...

OUTRA HISTÓRIA TRISTE DO FUTEBOL AO QUE VEJO... E POR TRAS DA QUAL ESTEVE OUTAR VEZ O REI DO MUNDO - O OMNIPOTENTE E OMNIPRESENTE MONEY MONEY...
O VERDADEIRO DEUS DE "QUASE TODAS AS COISAS"... AINDA NEM TODAS...

MAS SE CALHAR AS QUE NÃO SE DEIXAREM COMPRAR... SERÃO INCENDIADAS COMO O ESTÁDIO DA CONSTITUIÇÃO...

OBRIGADA PELO FUTESCLARECIMENTO.

:)

Migmaia disse...

Aspásia:

O D. Afonso Henriques também se revoltou contra a Mãe, e não me acredito que seja por aí que se sinta menos confortável como Portuguesa. Mas, como diz outro conjunto cá da terra: "é um pronúcio de morte".

E obrigado Eu, pois tem contribuído para que alargue os meus horizontes!

Ti disse...

Portugal não é pior do que os outros países.

thorazine disse...

"Gracchus: Fear and wonder, a powerful combination.
Gaius: You really think people are going to be seduced by that?
Gracchus: I think he knows what Rome is. Rome is the mob. Conjure magic for them and they'll be distracted. Take away their freedom and still they'll roar. The beating heart of Rome is not the marble of the senate, it's the sand of the coliseum. He'll bring them death - and they will love him for it."

Do filme "Gladiator". ;))

Penso que este tipo de cultura futebolística (que não nasceu agora) deve-se em parte à mensagem que é passada pelos clubes e pelos próprios jogadoresd do que é um jogo. Desde a atitude dentro do campo a fora do campo. Mesmo que muita gente saiba competir de forma saudável outros tantos levam este amor irracional que é o futebol ao extremo.

O povo responde sempre como sabe, como lhe foi ensinado.! ;((

Manolo Heredia disse...

Não matarás! Diz o Livro. E nós interpretamos "não matarás o teu semelhente" isto é "os da tua espécie" porque os outros podes matar à vontade. É o respeito absoluto pela vida humana, pensamos nós. Mas será Viver esse estado vegetativo em que se encontram tantos milhares de idosos que passaram pelos diversos crivos da Medicina Moderna e só lhes resta agora uma doença que ainda é incurável?