quinta-feira, março 29, 2007

Separar os "bons" dos "maus" à luz dos ensinamentos de Le Pen. Tranquilizador...

PNR quer ter mesma força que Le Pen
2007/03/29 12:20- Pedro Sales Dias

Partido deseja ter voz no parlamento com eleição de deputados

«Queremos ter a mesma força que a Frente Nacional de Jean-Marie Le Pen tem em França», referiu o presidente do Partido Nacional Renovador (PNR), José Pinto Coelho ao PDiário, que voltou a ganhar destaque nesta quinta-feira devido ao lançamento de uma campanha contra a imigração.
A declaração é tanto única como polémica no momento actual de «ressurgimento do nacionalismo». O líder do PNR quer que o partido tenha voz e que venha pelo menos a eleger um deputado à Assembleia da República. Há «milhares de portugueses» que se identificam com o partido, mas não o conhecem. Esse é o nosso drama», frisou.
Le Pen ganha força em França
Nas presidenciais de 2002, Le Pen passou à segunda volta com Jacques Chirac. Cinco anos depois, as sondagens colocam Nicolas Sarkozy na frente da corrida, mas o candidato da extrema-direita ocupa o quarto lugar e reúne 14 por cento das intenções de voto dos franceses.
O PNR encetou na quarta-feira uma «pequena provocação», quando instalou um cartaz em pleno centro de Lisboa, onde apela à expulsão dos imigrantes. «Basta de imigração. Nacionalismo é a solução», regista o outdoor ao mesmo tempo que lhes deseja «boa viagem».
O cartaz, que já suscitou imensa polémica na imprensa diária, já foi alvo de vandalismo, segundo o presidente do PNR que «naturalmente» atribui a sua autoria a «elementos de esquerda» num «claro acto de cobardia».
Caso o sucedido venha a gerar violência, à semelhança do que aconteceu em França contra Le Pen, José Pinto Coelho adverte que o PNR não vai incitar à violência, mas está pronto para se defender.
Expulsar apenas imigrantes «maus», porque também há os «bons e os simpáticos»
A iniciativa visa «reavivar a pasmaceira em que este país está mergulhado», salientou o líder que faz questão de referir que o cartaz serve apenas para chamar à atenção das pessoas para o PNR e que, na verdade, não quer expulsar todos os imigrantes. Apenas os «maus, os marginais e os ilegais», porque diz, também há os «bons e os simpáticos». Aliás o líder já foi emigrante no Brasil durante três anos.
A crítica do PNR é lançada à «política de imigração cega» e o seu presidente lança o «dedo acusador» à outra face da história: os «600 mil desempregados portugueses, a não promoção da natalidade e a corrupção crescente. Os portugueses estão a sofrer. Portugal é uma mãe que trata muito mal os seus filhos», aponta.
Em resposta às reacções de alguns responsáveis do Governo que condenaram o cartaz, José Pinto Coelho é assertivo em considerar que «esses irresponsáveis não podem acusar de violar coisa nenhuma. A hostilidade é mútua», disse acrescentando que as ameaças de estarem a incorrer em crime são «escandalosas e ridículas».
Governos democráticos têm sido «ditatoriais»
O PNR considera ainda que os «sucessivos governos» têm sido ditatoriais e têm discriminado a opinião das pessoas defendendo a ideia de um pensamento único». «Aceitam o lobby Gay, aprovam a uma lei criminosa (referendo ao aborto) e aceitam os partidos de esquerda, mas não os de extrema-direita», acusa José Pinto Coelho que define o seu partido como nacionalista e não fascista, mas com o lema «Família, vida e pátria».

51 comentários:

lobices disse...

..."Família, vida e pátria"???
...no meu tempo, era:
..."Deus, Pátria e Família"
...será que voltamos ao mesmo?
...agora estou a ver porque ficou o Salazar em primeiro
...por falar nisso: a apologia do fascismo não é anticonstitucional?

Maroska disse...

Começo a ficar assustada...

thorazine disse...

carlos ii,
é um partido legal porque o PNR
foi "comprado" à direcção anterior. Este partido é o antigo PRD (Partido Renovador Democrata) fundado nos anos 80 pelo General Ramalho Eanes, mas quando este foi à falência foi comprado e o programa renovado. O buraco na lei!

A constituição portuguesa não permite criação de partidos com ideais fascistas! :|

thorazine disse...

upsss..mal formatado e no sitio errado! Sorry! ;(

disse...

afinal não era só um concurso...
e além disso estão a roubar o discurso ao próximo PP...

andorinha disse...

Boa tarde.

Lobices,
A ordem dos factores é arbitrária, Pátria, Deus e Família também serve:)))

Enfim...é "normal" que apareçam estes idiotas a quererem capitalizar o descontentamento justificado que invade este país.

"Há milhares de portugueses que se identificam com o partido, mas não o conhecem."
Que frase linda!!!:)

Eu também me identifico com muita coisa que não conheço.:))))))))))))))))))

thorazine disse...

Fugindo um bocadinho ao assunto vou postar aqui uma estória que li hoje num fórum:

"Conto, aliás, uma história que ouvi recentemente. Um cidadão português, que
sempre desejou ter uma casa com vista para o Tejo, descobriu finalmente umas
águas-furtadas algures numa das colinas de Lisboa que cumpria essa condição.
No entanto, uma das assoalhadas não tinha janela.

Falou então com um arquitecto amigo para que ele fizesse o projecto e o
entregasse à câmara de Lisboa, para obter a respectiva autorização para a
obra. O amigo dissuadiu-o logo: demoraria meses ou mesmo anos a obter uma
resposta e que, no final, ela seria negativa. No entanto, acrescentou, ele
resolveria o problema.

Assim, numa sexta-feira ao fim da tarde, uma equipa de pedreiros entrou na
referida casa, abriu a janela, colocou os vidros e pintou a fachada. O
arquitecto tirou então fotos do exterior, onde se via a nova janela e
endereçou um pedido à CML, solicitando que fosse permitido ao proprietário
fechar a dita cuja janela.

Passados alguns meses, a resposta chegou e era avassaladora: invocando um
extenso número de artigos dos mais diversos códigos, os serviços da câmara
davam um rotundo não à pretensão do proprietário de fechar a dita cuja
janela."


;)))))))))

JFR disse...

Não me apercebi deste post e coloquei o seguinte comentário no post anterior:

Nota 1

Não será mais acertado ignorar o que essa gente (PNR) faz e diz? O que eles pretendem não é provocar, para terem tempo de antena?

Nota 2

O ciclo “melhor educação / maior desenvolvimento / expectativas crescentes” será compatível com emprego para todos? Não terá, por isso, o trabalho menos qualificado de ficar para os imigrantes, como aconteceu, anteriormente, noutros países europeus?

Nota 3

A melhor luta contra os ideais dessa gente (PNR), não será lutar, seriamente, pela criação de emprego qualificado diminuindo, por essa via, muito do público-alvo das suas frases populistas?

Nota 4

Será que as entidades oficiais têm feito tudo para a integração plena dos imigrantes na vida do país, em termos de trabalho, em termos de educação, em termos sociais? Ou seja, pode um imigrante sentir-se protegido pela Constituição Portuguesa?

Nota 5

Será que ainda se devem chamar imigrantes a cidadãos provenientes da União Europeia?

Nota 6

Será que ainda se devem chamar imigrantes a cidadãos provenientes dos países da CPLP?

Nota 7

Não estará na hora de os partidos políticos registados como tal, terem de fazer nova prova de vida? Não será que o número de assinaturas deveria ser claramente maior, para serem aceites?

Fora-de-Lei disse...

É giro de constatar como este cartaz - e toda a subsquente polémica em torno dos ideais fascistas - surge tão ligada à vitória de Salazar no concurso da RTP, ao centésimo aniversário da Irmã Lúcia e, muito cuidado, nas vésperas de um jogo (SLB-FCP) onde a probabilidade de problemas entre as respectivas claques é sempre muito elevada.

E todos sabemos muito bem como as claques dos principais clubes, sem excepção, estão minadas por este tipo de artistas da extrema-direita...

Ameninadalua disse...

Olá boa noite

" The Rust Never Sleep" já dizia o Neil Young...

Estes movimentos de extrema direita não são novos, sempre existiram só que ganham força e notoriedade de acordo com alguns circunstancialismos. Talvez o resultado deste deste programa lhes desse maior animação e dinamismo...

Eu lembro-me que em Berlim, ao domingo de manhã assiste-se a manifestações de extrema direita que controladamente se manisfestam e se desmobilizam de seguida sem grandes alaridos...

Vivemos em estado de direito e estas opiniões tambem existem, infelizmente. Reprimi-las ou dar-les grande promoção, pode não ser a melhor solução.

Esperemos que as sociedades democráticas estejam à altura de não lhes dar razão e se possível que saibam igualmente resolver alguns dos argumentos por eles sustentados de modo que eles possam naturalmente esvaziarem-se por si...

Contudo todo o cuidado é pouco...

maiaToRga disse...

Ah e tal, é só um concurso... Não significa nada... Nota-se...

fiury disse...

a indignação com a extrema direita nasce quando esta se auto-denomina. pena...contra os sinais escondidos e escandalosamente extremistas (e não assim tanto camufelados) por uma esquerda dita moderada ninguém se preocupa.agarramo-nos demasiado ás siglas e aos partidarismos e cegamos ou não damos o braço a torcer por mais evidentes que as coisas se nos apresentem.

andorinha disse...

Thora,
Loooooooooooooooooooooooooooooooool
Está o máximo essa estória!

Xanuca B disse...

Não, não vou falar de racismo e de xenofobia. Não, não vou tecer qualquer comentário ao inenarrável. Não, não vou falar da nossa história, passada nem recente. Não , não vou escrever sobre o facto de na família de qualquer um de nós existir pelo menos um emigrante. Não, não vou falar daqueles que amo e que nasceram noutros espaços, rodeados por outras fronteiras. Não, não vou gastar nem mais uma linha com energúmenos!

Carlos II disse...

lobices
A Constituição diz que, é proíbido partidos políticos que perfilhem a ideologia fascista. Não fala que seja interdito organizações de extrema~direita.

Thorazine
Com a sua explicação, que eu conhecia, não deixa de o PNR ser um partido legal.

fora-de-lei
Não há nenhuma polémica em torno dos ideais fascistas. Poderá ter sido coincidência o facto de Salazar ser o mais votado no tal concurso da RTP e aparecer agora esse cartaz.
Também faço notar que o PNR já participou nas eleições anteriores e concorreu para as autárquicas.
Finalmente chamo a atenção que o regime de Salazar não era fascista.

CMorais disse...

Ta na altura do preto, perdao, julio machado vaz, ir para fora do país? Com medo, professor? Cuide-se, o PNR anda por aí... cada vez mais forte. Tente não andar por Lisboa à noite, n vá aparecer um skinhead e atacá-lo por parecer um Indiano frustrado (daí o cabelo enorme ahah)

maiaToRga disse...

O regime de Salazar não era fascista?!?!?!?!
Estamos sempre a aprender... Então e fascizóide já pode ser?

mp disse...

será que alguem pensa no que passa um emigrante , será que as pessoas se apercebem do que é estar longe daquilo que sempre amamos , será que é proibido tentar ter uma vida melhor , será que é proibido sonhar , será que é proibido passear conhecer um país gostar de lá ficar a morar uns tempos e acabar por aí se radicar, será ,será será?tantos milhares de razoões que se podem invocar para se mudar de terra e estar numas outra a trabalhar, é uma vergonha que penssem que por se ser português se é melhor que um croata que só veio tentar a sua sorte
espero que no NORTE se pense nos seres humanos e não na palavra imigrante , que somos nós senão um povo de emigrantes de gente que deu novos mundos ao mundo, que nos propagamos por todo o lado, nunca pense

Fora-de-Lei disse...

Carlos II 11:02 PM

"Finalmente chamo a atenção que o regime de Salazar não era fascista."

Ok... tá bem... já todos sabemos que fascista era o Mussolini. E agora vai-te esconder...

Biossexualidade disse...

Olá...Sou uma aluna do 12º ano da Escola Secundária Francisco de Holanda (Guimarães)e estou a desenvolver um projecto, na discplina de Área de Projecto, com o título "Biossexualidade".

Neste sentido, gostava de poder entrar em contacto consigo e assim solicitar-lhe a realizaçao de uma pequena exposiçao de ideias na escola que frequento no âmbito do projecto que está a ser desenvolvido.

O nosso contacto é: bio_sexualidade@hotmail.com.

Espero que dispense um pouco da sua atenção ao nosso projecto, era importante para nós. :)

mp disse...

nunca pensei que os lisboetas fossem tão xenofobos , mas enfim , esquecem-se que são filhos de uma grande amalgama de povos , com lots de sangue africano , quem eram os mouros senão africanos do norte, isto é uma vergonha , um país que se orgulha de ter dado novos mundos ao mundo , só nos faltava esta agora , será que o governo civil de lisboa está a dormir será que lá só trabalham arianos eu graças a deus de ariana tenho pouco , viva a diversidade e todos os povos do mundo que nos queiram visitar e conhecer , é sinal de que somos boas pessoas e gostamos de confraternizar , haja respeito

maiaToRga disse...

A extrema direita continua na mesma... Que cambada de cobardes... Agora chegam ao ponto de fazer ameaças pela net?!
Acham que têm as costas quentes só porque meia dúzia de milhares de pessoas neste país votaram em Salazar naquele concurso estúpido?!
Que cambada de frustrados! Só se defendem com navalhas e em manadas... Que ridículo!

Pamina disse...

Boa noite.

Depois de ler as declarações do presidente deste partido (no texto do post), pensei o mesmo que o Lobices diz no 1ºcomentário. Por outras palavras: gato escondido com o rabo (muuuuuito) de fora.

A propósito de discriminação rácica, um dos textos mais eficientes que li na internet foi ecrito pelo Aisse ti, a propósito dos acontecimentos na praia de Carcavelos.
Já aqui me referi a ele e disse também que, ao ler, tinha ficado com um bocado de medo que o texto fosse mal interpretado: tenho ouvido muitos estrangeiros, de várias nacionalidades, queixarem-se de que normalmente os portugueses não entendem a ironia. No entanto, se outras provas não houvesse, a popularidade dos sketches do Gato Fedorento (com realce para um certo sketch também eficientissimo, visto pelo menos por 100 mil pessoas) demonstram que os portugueses entendem e apreciam esse tipo de humor sim senhor e muito bem. Assim, vou transcrever o texto desse post do Aisse ti (da outra vez tinha posto apenas o link simples):

Manifesto de extrema direita

A cidade de Lisboa parece ter sido invadida por manifestações das chamadas minorias...

Há duas semanas, na sequência do "arrastão" de Carcavelos, houve um grupo de extrema direita que aproveitou para fazer das suas: foi para pleno Martim Moniz protestar contra a imigração.

Segue-se um pequeno manifesto com problemas do mundo em que vivemos e respectivas causas, que foi encontrado nessa localização, e que uma fonte anónima, daquelas não identificadas, que se chama Joaquina, tem conta na Caixa Geral de Depósitos com o NIB 0035 00004488763400 55, duas contas na Suíca (por intermédio do sobrinho do tio Isaltino, que é taxista e percebe dessas coisas) e mora na Azinhaga dos Besouros, nº 9, 1º Esquerdo em Alcabideche, me fez chegar...


Problema: Défice orçamental
Causa: Ao invés do despesismo sistemático de sucessivos governos, da falta de continuidade de políticas, em quase todos os quadrantes, da inexistência de combate à fraude e à corrupção, os responsáveis pelo facto de estarmos eventualmente de tanga (ou completamente despidos, segundo algumas previsões) são... os pretos e os ciganos... Afinal de contas, onde é que se usa tanga? Em África, pois claro!


Problema: Portugal não ganha o festival da canção (seja lá o que isso for...)
Causa: Deve haver pretos e ciganos no júri... (Bem me parecia que aquela voz que anunciava "Dénemarque téne pointes" tinha um sotaque à moda da RTP África...)

Problema: 11 de Setembro
Causa: O Papa Gregorio que estabeleceu o calendário que nós usamos...

(Mas esperem, o Papa Gregório não era preto... há alguma coisa que não está aqui bem... Ora faz favor de reformular...)

Problema: Ataques terroristas de 11 de Setembro de 2001

Causa: Bem, para já eles eram Árabes. Isso só por si já é suficientemente mau: um tipo que passa determinadas horas com o rabo virado para o ar ou é amigo do Taveira ou então não bate bem... Mas está-se mesmo a imaginar, numa feira de Carcavelos qualquer lá do sítio os Árabes a comprarem cursos de pilotagem a um ciganito, juntamente com umas Levi's, pela módica quantia de 5 euros...

Problema: Fê Cê Pê não ganha o campeonato
Causa: E quem disse que a culpa é dos árbitros? A culpa é do pessoal da Buraca, que apesar de estar a trezentos quilómetros de distância faz magia negra (lá está!!!) para que o campeonato não vá para a "Inbicta"...

Problema: Apartheid
Causa: A culpa é dos pretos. Eles é que exerceram uma acção marcadamente provocadora junto do governo de Joanesburgo. Pediram para ser separados dos brancos, e para lhes serem negadas certas e determinadas liberdades.

Problema: Fome em África
Causa: Qual fome, qual carapuça...Os pretos são todos uma cambada de anorécticos... Passam fome porque querem. Não têm é dinheiro para ler livros do Prof. Daniel Sampaio, senão até se curavam...

Problema: Listas de espera cirúrgicas
Causa: Os pretos têm os xamãs e tal... Por isso, não precisam de cirurgias... Estão nas listas de espera só para as aumentar...

Problema: Guerra no Iraque
Causa: O petróleo é preto. Por isso a culpa é dos pretos.

Problema: Trânsito na Segunda Circular
Causa: A culpa aqui é dos pretos, que fazem com que a PSP mande efectivos para a Cova da Moura, e não os mande para a Segunda Circular para empatarem ainda mais o tráfego...

Problema: Efeito de estufa
Causa: Os sacanas dos pretos e dos ciganos mandam traques para a atmosfera. Os traques contêm metano e causam, por essa via, efeito de estufa. (Nota do presidente do movimento: os traques dos arianos contém apenas dioxinas e água de rosas... Não são poluentes...)

Problema: Erupções vulcânicas
Causa: Os gases com enxofre libertados pelos vulcões cheiram fortemente a catinga. Está tudo dito, não está?

O manifesto termina com dois slogans: "Todos diferentes, todos iguais, uma pinóia"...
E... "Tens alguma coisa contra os pretos? Não? É que eu tenho um spray!" É assinado por um tal de anónimo, do qual só se sabe que tem a cabeça rapada (é uma boa forma de poupar em pentes e em champô... deve ser do défice) e tem cartão jovem...

E é tudo... espero ter contribuido para a revelação de um documento decisivo para a história contemporânea...


(http://iceteaaddict.blogspot.com)

Penso que esta é uma das via certas para lutar contra a demagogia deste tipo de partidos.

AQUILES disse...

Infelizmente isto não é surpresa nenhuma. Há muito que os sinais vêm sendo dados. E que esperam? Quando o descaramento já impera nos corruptos e nos políticos que os sustentam é correlação directa com o aparecimento de extremismos moralistas. Sempre assim foi. E parece-me que, infelizmente, assim será porque não se aprende nada com as lições do passado.
Todos os sistemas fascistas do início do século XX foram uma reacção a quê? Vão lá atrás rever as coisas e percebem que nada disto é inesperado.

Carlos II disse...

maiatorga
Claro que estamos sempre a aprender! Quanto à designação de fascizóide, preste atenção a certos historiadores e pessoas ligadas à intelectualidade que, quando se referem ao regime anterior, dizem ESTADO NOVO.

fora-de-lei
Exactamente, fascista era o regime de Mussolini.
Posso lhe dizer mais. Foi precisamente Salazar que não consentiu que o partido político português fascista de Rolão Preto se "colasse" ao novo regime e náo integrasse a União Nacional.

Ti disse...

Na minha opinião é preciso deixar o PNR expressar-se. Acho também que é muito bom os seus líderes serem os que são; com pessoas desta qualidade a coisa vai manter-se letárgica por muitos e bons anos...

AQUILES disse...

TI
Faz-me lembrar os acordos de Munique

maiaToRga disse...

Carlos II,

Sempre considerei a semântica e a demagogia como armas de gente muito pobre intelectualmente. Já ouvi historiadores e pessoas ligadas à intelectualidade, como disse, utilizar o termo fascismo quando se referem ao Salazarismo. Enfim, essa não é a minha área e deixo isso para quem sabe.
Tenha presente uma coisa, o conhecimento é feito para as pessoas e não para a elite. De certeza que também não acharia piada se um médico se risse na sua cara depois de ouvir de si que tinha um quisto, por se tratar dum abcesso ou dum granuloma.
Às vezes um bocadinho de humildade não nos faz mal nenhum. De qualquer das formas tecer este tipo de comentários despropositados e embirrentos num blog que me parece ser o mais descontraído possível, não lhe fica nada bem. Mas essa é só a minha humilde opinião...

Fora-de-Lei disse...

AQUILES 12:12 AM

"Quando o descaramento já impera nos corruptos e nos políticos que os sustentam é correlação directa com o aparecimento de extremismos moralistas. Sempre assim foi."

Correcto...!

lobices disse...

...a certa altura da entrevista, António Barreto, ontem na Um, dizia sobre a "história" desse cartaz algo que me fez rir: mais ou menos isto:
...
...imaginem ver, um dia, meia dúzia desses partidários do PNR por motivo dum acidente, por exemplo, irem parar a um serviço hospitalar e verem, pela frente, meia dúzia de Médicos e Enfermeiros todos eles de diferentes etnias (imigrantes) para os tratarem
:)))

Filomena disse...

Bom dia a todos!
Acredito que rir ainda é o melhor remédio:

Um coelhinho saía todas as manhãs para fazer jogging e encontrava sempre uma cobra. Ao passar pela cobra, o coelhinho dizia:
- Bom dia, chefe.
De princípio, a cobra nem olhava para o coelhinho. Depois, ela começou a responder com um leve aceno de cabeça. E o cumprimento repetia-se:
- Bom dia, chefe.
E a cobra começou a ficar intrigada com aquilo. Ela não era, nunca tinha sido e não esperava ser chefe daquele coelho. Assim, resolveu perguntar ao coelho o porquê do "chefe”:
- Bom dia, Sr. Coelho. Por que é que me chama chefe todas as manhãs, quando passa?
– É porque, para mim, toda a criatura que não tem tomates e rasteja como um verme é um chefe.

Filomena disse...

E agora a explicação aos “chefes” deste mundo:
Uma anedota com animais porque entre estes não há distinção de cor. Os animais somos nós os “sapiens”, porque mesmo “sapiens”, a alguns, continua a fazer espécie esta questão da cor. Em todos os países, em todas as raças, em todos os credos, há “sapiens” bons e “sapiens” maus. Não nos compete a nós apontar quem é quem.
Somos, ou devíamos ser, todos irmãos neste mundo com cada vez mais problemas. Em vez da cor de cada um de nós, devíamos preocupar-nos com aquilo que andamos cá a fazer e no que podemos fazer para melhorar este mundo que é de todos nós. Nascemos todos da mesma maneira. Iremos todos parar ao mesmo sítio. Dá para conviver em paz, entretanto?

Filomena disse...

ESSE GRANDE PORTUGUÊS, ANTÓNIO GEDEÃO

Encontrei uma preta
que estava a chorar,
pedi-lhe uma lágrima
para a analisar.
Recolhi a lágrima
com todo o cuidado
num tubo de ensaio
bem esterilizado.
Olhei-a de um lado,
do outro e de frente:
tinha um ar de gota
muito transparente.
Mandei vir os ácidos,
as bases e os sais,
as drogas usadas
em casos que tais.
Ensaiei a frio,
experimentei ao lume,
de todas as vezes
deu-me o que é costume:
nem sinais de negro
nem vestígios de ódio.
Água (quase tudo)
e cloreto de sódio.

PaL disse...

O estado talvez devesse agir (não é agir mais, pois parece-me que pouco ou nada é feito), de modo a que os patrões, que aproveitam os Imigrantes clandestinos para conseguirem baixar os salários pagos aos trabalhadores, dispensando os Portugueses que já lá trabalhavam, fossem dupla e severamente penalizados. Penalizados por, empregarem Imigrantes não lhes fornecendo contratos que permitam a sua legalização e por, explorarem a situação pagando-lhes salários mais baixos e sem condições de trabalho. Talvez desta forma os patrões Portugueses só contratassem Imigrantes se os mesmos fossem uma mais valia efectiva para a empresa e não uma forma de aumentarem os seus lucros. Desta forma, talvez só viessem para cá Imigrantes que já tivessem promessas de contratos, em que para alem de emprego lhes dessem dignidade sob a forma de um contrato e regalias sociais. Claro está que continuariam a existir os que chegariam à Portela ou a Vilar Formoso em “turismo”, sendo que nos casos em que não arranjassem trabalho, não ficavam por aí a aumentar a taxa de criminalidade nacional.

Acho que qualquer pessoa oriunda de outros paises, que trabalhe, pague os seus impostos e respeite a sociedade em que decidiu habitar, deve ter tantos direitos como qualquer Português.
Tal como diz o provérbio Japonês: Gou ni itte wa, gou ni shitagae - Ao entrar na vila, obedeça aos que nela moram.
O problema é que há muitos que não respeitam a sociedade em que por sua opção, decidiram inserir-se, sendo que nada é feito para, evitar, combater e reprimir essas situações. Havia de ser com em alguns países, em que até à 2ª geração quando desrespeitam as leis locais, são recambiados, mas que o sistema funcionasse.

Filomena disse...

A ESSE GRANDE PORTUGUÊS, AGOSTINHO DA SILVA

"Creio primeiro, que o mundo em nada nos melhora, que nascemos estrelas de ímpar brilho, o que quer dizer, por um lado, que nada na vida vale o homem que somos, por outro lado que homem algum pode substituir a outro homem. Penso, portanto, que a natureza é bela na medida em que reflecte a nossa beleza, que o amor que temos pelos outros é o amor que temos pelo que neles de nós se reflecte, como o ódio que lhes sintamos é o desagrado por nossas próprias deficiências, e que afinal Deus é grande na medida em que somos grandes nós mesmos: o tempo que vivemos, se for mesquinho amesquinha o eterno."

Agostinho da Silva, Educação de Portugal, Ulmeiro, Lisboa, 1990

Mãe&Advogada disse...

cmorais,

li o seu comentário, e lembrei-me deste post que aqui deixo reproduzido !


"

***

O racismo é uma consequência do medo, que o desconhecido provoca numa pessoa...

Ao medo podemos responder de muitas formas...

podemos responder-lhe com a coragem - e a coragem só é verdadeira, quando há medo...

e na falta desta,

podemos responder com a construção de todo o tipo de barreiras protectoras, externas, mas sobretudo, internas...

e o Racismo é uma delas!!!


O Racista não precisa de enfrentar os seus medos, em relação aos indivíduos de outros Países, Culturas ou Religiões...

ele encontrou a forma de não ter de o fazer, tentando acabar com a causa do seu medo... ignorando-a, menosprezando-a, perseguindo-a...


O Racismo é de todas, a mais elementar manifestação de fraqueza humana...

O Racista precisa de um mundo feito à sua medida, para poder sobreviver...

Ele teme os desafios, teme tudo o que não conhece e não é capaz de compreender...

Os gritos e a violência pró-racista são o hino dos que se querem numa redoma, que os proteja de tudo o que os assusta... e incomoda... " o hino dos fracos "...

Um animal que se sente assustado, torna-se ruidoso e agressivo... assim se comporta o homem, quando se sente assustado e ameaçado, pelos seus próprios fantasmas...

Talvez por isso, quando assisto a manifestações de pânico interior, proclamado em voz alta, ou aos gritos, ou pela agitação dos gestos, em manifestações pró-racista, ou funcionando como tal, não consiga sentir revolta, mas apenas pena...

Estas pessoas, tão frágeis, e aparentemente ameaçadoras, vivem sufocadas por fantasmas que as atormentam, e vão para as ruas gritar a sua raiva e o seu desespero, tentando afastar de si, o que só existe na sua imaginação...

Gente que consegue olhar-se no espelho e ver-se branca ( branca é a neve )...

e que consegue, ver gente negra ou gente preta... em gente com um tom de pele diferente da sua...

Gente que não percebe que o preto e o branco, são cores autocolantes, que não se colam à pele de ninguém, porque já nasceram coladas aos fantasmas que habitam as suas almas...

É preciso prevenir o Racismo, como se previne uma doença grave, evitanto que ela se instale na alma e no coração dos fracos... e dos ignorantes...

É preciso dar ao homem, desde cedo, a capacidade de vestir a pele dos outros homens... que nasceram do outro lado do globo, noutra cultura, com outros costumes, outras religiões...

É preciso ensinar, formar, promover todo o tipo de experiências que permitam ao homem conviver com realidades muito distintas, sem se deixar vencer pelo medo...

Mas, não é só dos tons diferentes de pele, que o homem tem medo, é tb de outros sinais...

as cores da pobreza, assustam os ricos...
as da riqueza, os pobres...
as dos heteros, assustam os homos e os bis...
e as destes, assustam os heteros...
as do Benfica, os do Porto... etc
as do Norte, os do Sul...
as dos presos, os bem comportados...
as dos drogados,
as dos doentes com HIV
as dos emigrantes
as dos imigrantes
as dos velhos
as dos enfermos
enfim... quando somos fracos... tudo o que seja diferente e nos provoque algum medo, é mau... e deve ficar o mais longe possível.

Este é o caminho dos fracos, que se fazem fortes, mas o Mundo não é dos fracos nem dos fortes, é de todos... e na convivência humana não há lugar para os fantasmas de cada um...

Cabe pois, a cada um de nós, livres de fantasmas, contribuir para essa visão humanista, que tão bem resulta da MESA, posta pelo IPAV ( a mesa mais linda que já vi até hoje :))

UMA MESA COM LUGAR PARA TODOS todos, todos, mas mesmo todos... porque a
a imigração... é apenas, mais uma das faces da convivência humana..."
http://portugalglobal.blogspot.com/2005_07_01_archive.html

Hugo de Sousa Lopes disse...

A grande expressão da votação no programa Grandes Portugueses deve-se essencialmente a dois legados do regime Salazarista:

1- A ainda existente (apesar de pouco falada) e vasta iliteracia dos portugueses (veja-se a dificuldade em interpretar o significado do termo “liderança”).

2- A dificuldade dos portugueses em se libertarem das suas raízes de poder autoritário e absoluto. Em 868 anos de história nem chegamos a ter meio século de democracia. Até os próprios partidos políticos têm uma cultura de poder total ao exigirem constantemente ao eleitorado maiorias absolutas parlamentares, sendo incapazes de estabelecer governos de coligação pós-eleitoral (excepção 83-85 – que foi um fracasso).

carlos ii

Se o Regime da "velha-senhora" não era fascista, então porque é que a mocidade portuguesa fazia a saudação fascista???

Se O PNR não é fascista, então porque é que o seu símbolo é um facho estilizado???

JFR disse...

Filomena (2:00)

"... que o amor que temos pelos outros é o amor que temos pelo que neles de nós se reflecte..."

Não será uma visão excessivamente narcisista?

Carlos II disse...

maiatorga,
Pois é! O conhecimento é feito para as pessoas. Mas esse conhecimento, a verdade histórica, não foi dada aos portugueses após o 25 de Abril de 74. Porque isso não interessava à classe política actual. Basta fazer uma avaliação dos conhecimentos dos nossos jovens sobre a história de Portugal recente. Se calhar, o maiatorga, apanhou em cheio esse processo, ou então analisa a história através de parâmetros meramente ideológicos. O que convenhamos também vem dar ao mesmo. Eu não! Fui educado pelo anterior regime e nele vivi durante 23 anos. Além disso, procurei saber as características do regime de Salazar de uma forma isenta, que é o melhor para se compreender as coisas. Sei do que falo.

Manolo Heredia disse...

O Povo está a aceitar sem refilar a autoridade com que Sócrates está a arrumar o país.
Os fachos o que querem é aproveitar a boleia, acrescentando "Deus" e "Pátria", à espera que os incautos (e os ignorantes)embarquem.

Fora-de-Lei disse...

Carlos II 4:49 PM

Mentira... uma análise política nunca é isenta ! Aliás, quem diz uma coisa dessas, está a ser tudo menos isento !

Angie disse...

Professor:
Please... vire a página, que eles não lhe agradecem a publicidade!
Ou isto é matéria para o sofrimento Pascal?
Afinal, acho que tem 1 pacto secreto com a Santa Madre Igreja.
Ponha lá aqui algo à sua moda, algo - como direi? - mais inspirador, mesmo que em vésperas de domingo de ramos...

Filomena disse...

Jfr,
"... que o amor que temos pelos outros é o amor que temos pelo que neles de nós se reflecte..." são palavras de Agostinho da Silva que não interpreto como narcisistas. Quero eu dizer “na minha”, mas posso estar errada na interpretação, que na amizade, tendemos a escolher alguém que se aproxime de nós, das nossas ideias.
De qualquer forma e com as palavras dele o que eu queria mesmo frisar no contexto de alguns comentários a este post era:
“Como o ódio que lhes sintamos (aos outros) é o desagrado por nossas próprias deficiências” (e isto nada tem de narcisista, certo?) e “o tempo que vivemos, se for mesquinho amesquinha o eterno." (Bingo, grande mestre!). Se ele era narcisista, isso já é outra coisa… mas lá que era g-r-a-n-d-e, isso era.

Filomena disse...

Falhei a mais importante :-(

"homem algum pode substituir a outro homem".

mp disse...

bravo filomena, bravo prof. agostinho é mesmo isso homem algum pode substituir outro homem

prof m.vaz gostei muito do amoré de hoje sobre o trabalho infantil gostava que aprofundasse o tema um destes dias li umas coisas sobre os contratos de casamento de crianças de venda de crianças , se penssam que isso é terceiro mundo engano redondo , cá em portugal há pais que vendem as filhas a homens mais velhos , que sabe-se lá o que lhes vão fazer , deve ser desses portugueses que gostariamos que emigrassem para bem longe lá para o quinto dos infernos´, ás tantas o pnr anda enganado e com alta miopia e já confunde escória com gente honrada, eu sou pelos imigrantes , são gente que só procura uma cura para uma doença , " o sonho", os senhores do pnr não sabem o que isso é , ficam-se pelo toys"r"us

Marx disse...

Concordo com a Angie. Esta do PNR parece-se mais com (auto) flagelo pascal...

maiaToRga disse...

Carlos II,
a história como ramo da antropologia e como disciplina científica, não oferece verdades... Oferece teorias e interpretações factuais... Se na sua realidade a tortura, a opressão, o encarceramento, a censura e a falta de liberdade, que são factos, são positivos, lamento muito por si...

Carlos II disse...

maiatorga,
"a história como ramo da antropologia e como disciplina científica, não oferece verdades"
Sim...concordo consigo.
O que nós estamos aqui a dissecar é isso mesmo...interpretações. Então fiquemos por aqui. O maiatorga diz que o anterior regime era fascista. Eu acho que não. Diferentes interpretações, ponto final parágrafo.
Na minha realidade não só a tortura, a opressão, o encarceramento, a censura e a falta de liberdade, não são factos positivos, tanto assim que lutei à minha maneira que isso terminasse em Portugal. Mas acrescente lá mais um facto que mais me aflige na actualidade...a questão do políticamente correcto.

Maria Manuel disse...

Esta é uma questão muito interessante sobretudo se a avaliarmos paralelamente com a tentativa à mais ou menos dois meses da criação de um compendio de história para a Europa. Já que estamos na era da globalização, da Constituição Europeia e outras mais que requerem perdas de individualismos Nacionais no interesse do todo, é inteessante analizar fenómenos destes.
O Ser Humano tem medo do corte umbilical com a sua mãe pátria? Sente-se inseguro?

jose disse...

Não vale a pena perder tempo a comentar o que esses senhores dizem.

Alguns deles, descobriu-se, têm significativos arsenais de armamento em casa.

São um bando de marginais.

Somos um país de emigrantes e de imigrantes, como acontece nesta aldeia global que no momento presente todos habitamos.

Sucede que o mercado de trabalho é uma coisa cada vez mais desregulamentada, há cada vez mais mobilidade, e , infelizmente nem todas as pessoas podem dar-se ao luxo de fazer o que gostariam de fazer, e o que podem fazer no seu país de origem. nos idos anos 90 havia médicos na Rússia a limpar escada para subsistir, depois de sairem dos hospitais.

Acho que só dificuldades económicas muito grandes, ou a ambições profissionais vedadas nos próprios países podem levar pessoas a emigrar.

Os nossos emigrantes vão do Dr. António Damásio, cientista, aos operários que trabalham em Inglaterra, por exemplo.

Acho que esses senhores nem sequer sabem lá muito bem o que é o fascismo, por isso, não vale a pena fazer acusações de fascismo.

Asim como o Salazar também só era um bocado fascista - uma espécie de fascismo pragmático, um bocadinho eclético" à nossa medida...

jose disse...

Acho que esses senhores mais não pretendem do que estabecer ou perpétuar uma cultura de violência.

Salazar tem aspectos curiosos - exercia uma cultura de violência, desde a vigilância de "costumes" até ao assassínio de pessoas, mas sem uma real assumpção de responsabilidade.

O episódio do concurso da tv, exprime um resultado um bocado triste - a amostra não é significativa - eu, por exemplo nunca vi aquele programa, porque acho que logo pela base a proposta era estúpida.

Eleger o melhor português - mas para quê, meu deus, não têm mais que fazer?

Logo pela base o concurso já era um bocado "fascista"

Não sei quem é que teve a ideia para aquele programa se a jornlista Maria Elisa ou outra pessoa qualquer, mas acho que é uma ideia algo disparatada, logo de princípio.

trata-se de escolher o melhor "português" - whatever it means - isso é deixado ao livre arbítrio. Eu digo já que sou um péssimo português.

O que é um bom portugês - Fado e vinho Tinto, a capacidade de miscignazição, o contributo para o desenvolvimento da "pátria"?

Será que nos outros países fazem concursos semelhantes?

E porque não apareceu o nome de outro criador para além de Fernado Pessoa - que me lembre, porque como já disse não vi o programa.

Ser um bom português, que é uma coisa que não me interessa nem um bocadinho é uma coisa sufrajável, para além de não ter interesse nehum?

Enfim...