segunda-feira, março 26, 2007

Vieira.

Sempre me pareceu um home doce. Quando eu entrava na Mindinha, a mulher abria braços e coração com uma jovialidade que me fazia sentir seu pai! Ele não. Continuava a sorver a sopa e esperava o fim das "comemorações", para depois saudar com um daqueles acenos sorridentes mas contidos que sempre trazem pela mão a memória de meu Pai. Quando o encontrava à porta da sua loja, o registo era idêntico: suave, acolhedor, familiar sem ser intrusivo. Partiu, palavra de Mindinha. E eu, às voltas com a minha asma alérgica, que desta vez se ofereceu o capricho de tomar de assalto o termómetro, penso que já nada falta para que seja um vieirense legítimo, nem sequer fantasmas recordados com carinho.

46 comentários:

Fora-de-Lei disse...

Como assim ? Morreu ?

Julio Machado Vaz disse...

fdl,
Sim.

Julio Machado Vaz disse...

fdl,
Sim.

Fora-de-Lei disse...

Então ao recordá-lo, está - de facto - a dar um passo em frente nessa jornada que o acabará por levar a tornar-se um legítimo vieirense.

MJ disse...

"Minho" rima com "carinho" :-)

O Minho
(...)
Eu queria ser madrugada,
O galo a cantar no poleiro,
O chilreio da andorinha,
Ser povoação, ser um largo,
Ser aquele vilarejo,
Ser todas as casas branqueadas,
Um gato a dormir no colo,
A cortina da janela,
Ser caminho,
Ser um passeio.
Eu queria ser um ano,
Ser um mês,
Ser só um dia,
Ser uma hora ou um minuto,
Ou ainda que por menos tempo,
Ser vida a andar com vagar,
Bordada a mil e uma cor,
Na barra de um avental!

Blog "Os Meus Encantos"

Abraço*

andorinha disse...

Boa noite.

Júlio,
Subscrevo o que diz o FDl, já não é mais um forasteiro, mas sim um vieirense legítimo, que vive e partilha com eles alegrias e tristezas.
E olhe que isto de se ser portuense e vieirense simultaneamente não é para todos:)

thorazine disse...

"..para depois saudar com um daqueles acenos sorridentes mas contidos que sempre trazem pela mão a memória de meu Pai."

:)

Imagino. A expressão vale mais do que qualquer palavra. Faz-me pensar também no meu velho..

andorinha disse...

Thora,

:)

"A expressão vale mais do que qualquer palavra."
Concordo, as palavras podem ser enganosas...

thorazine disse...

Ontem vi a final d'Os Grandes Portugueses. Sei que a maioria dos "defensores" partilha da opinião de que roça no ridículo estar a comparar chefes de estado com poetas, mas porque não aproveitar o espaço para injectar um pouco de cultura? :)

Por mim só Camões, Pessoa e Aristides é que ganhavam; são os únicos que os defeitos não afectavam terceiros! Isto é se não tivermos por prática entrar em devaneios poéticos!:)))

Mas no programa gostei muito da intervenção do Prof. Helder Macedo. Hoje, numas voltas ai pela net encontrei um texto em que fala do seu livro:
"Tal como nos livros anteriores, procuro fazer um resumo dos temas principais do livro através da escolha de epígrafes. Neste caso há uma justaposição irónica: temos a citação do Camilo Castelo Branco "Deixaremos este mundo tolo e mau tal qual era quando cá entrámos" e se você depois de dizer isto ler imediatamente em sequência "Já vês, pois, que podemos viver juntos, nos mesmos aposentos confortáveis, comer dos mesmos bolos e presuntos, e rir dos miseráveis" do Cesário Verde e terminar com este verso quase definitivo do Carlos Drummond de Andrade "Não morres satisfeito, morres desinformado". Todos morremos desinformados. Podemos lidar com o passado, mas estamos sempre a prever as possibilidades do futuro. Todos morremos desinformados em relação ao futuro."

Não é texto propriamente dele. É uma compilação. Tipo Dj. Professor Helder Macedo! :))))))))

thorazine disse...

Andorinha,
ás vezes as palavras são uma cabala para o ser humano! :)

E por falar em jovialidade vejam esta techno old lady : http://www.youtube.com/watch?v=x5OCsi7qzD0 ;))

CasadaPonte disse...

Pois acontece a qualquer um e principalmente a quem regista e está atento ao seu redor. Desde que estou em Cantelães já aconteceu pelo menos 4 vezes. A 1ª uma solidariedade com a dôr mas à distância pela morte do jovem que morava ali no cruzeiro depois da Igreja (amante de cavalos e motos)
num acidente de mota...depois a vizinha que durante as obras me dizia preocupada que a casa parecia ter sido bombardeada, mas ansiosa por ver a obra final e que não chegou a fazê-lo com grande pena minha. O 3º por acaso marido desta meu vizinho também e que no 1º. dia deste ano teve uma trombose que o deixou sòzinho, caído no terraço. E pensar que estávamos ali ao lado e não démos por nada. Não fôra o ter combinado ir à missa das 17h e encontrar-se com um dos filhos que o traria a casa, ninguém teria dado pela sua ausência nesse dia. E o último,o do café Primavera, pela violência do repentino -enfarte!Por ser tão novo, pela mulher e filhos, mas também os Pais. Em relação a este caso cheguei a pensar pedir ao Doutor que lhes desse umas palavras de conforto ...todos os Domingos as irmãs da Mãe do "defunto" descem do outro lado da encosta, vestidas de negro e vêm confortar a irmã!...
Um abraço e as melhoras dessa asma alérgica...estou a ver agora com as mimosas a florir por tudo quanto é sítio e principalmente no Turio!...
M.Dores

JFR disse...

Na beleza provinciana a morte não passa despercebida. Quão diferente da cidade!

andorinha disse...

Thora,


"Ontem vi a final d'Os Grandes Portugueses. Sei que a maioria dos "defensores" partilha da opinião de que roça no ridículo estar a comparar chefes de estado com poetas, mas porque não aproveitar o espaço para injectar um pouco de cultura? :)"

Não percebo a frase. Dos "defensores" de quê?

Nunca vi nenhum dos programas nem a final. Acho ridículo um concurso deste tipo.
Como se podem comparar políticos, com poetas, escultores, pintores, investigadores, etc?

Também acho descabido todo o alarido em relação à vitória de salazar.
Vi agora no Público online perto de 300 comentários referindo-se ao facto, uns satisfeitíssimos e a maioria extremamente revoltados.
Porquê? Por causa dum concurso?
Não entendo...

Ameninadalua disse...

JFR

"Na beleza provinciana a morte não passa despercebida. Quão diferente da cidade!"

Pois na província tudo é mais próximo ao equilíbrio da condição humano; a dimensão dos espaços, a salutar influência da natureza no passar do tempo e a relação de vizinhança que com sorte,conseguimos alargar com ela a noção de familiaridade que estará connosco para o bem e tambem para o mal...

Ameninadalua disse...

Professor

Gostaria de lhe desejar as melhoras mas temo que a Primavera queira permanecer caprichosamente durante muitos mais dias...

Salva-se com certeza a oportunidade de poder olhar os bonitos campos que naturalmente verá nas suas janelas em Cantelães.

maiaToRga disse...

Andorinha, por causa de um concurso em que quase 64 mil pessoas votaram em Salazar... Se para si isto é descabido... Só gostava de saber como é que se explica a uma criança este triste facto!

Professor, lamento imenso a sua perda...

Pamina disse...

Boa noite.

Os alemães têm uma expressão, que acho bonita, para indicar a naturalidade que não é a do local do nascimento, mas que se refere ao sítio onde se vive e que se sente como "home". Assim, diz-se "Wahl-Berliner", "Wahl-Hamburger", etc. Como já referi acima, agrada-me a expressão, pois a palavra "Wahl" remete-me psicologicamente para a noção de escolha (é a mesma que designa eleições). Não podemos escolher o sítio onde nascemos, mas podemos escolher "ser" de determinado sítio.
Neste caso, teremos uma combinação talvez um pouco mais complexa:)). Será "Portuenso-(Wahl)vieirense"? Não é a gozar, mas veio-me agora à ideia a letra "eu tenho dois amores". O que, diga-se de passagem, neste contexto, é uma grande felicidade: milhares de pessoas não se sentem afectivamente ligadas a lado nenhum, o que lhes dará uma certa independência, mas também causará com certeza um triste vazio. Assim, felicidade sim, apesar do lado doloroso de momentos como este. One can't have it both ways. E ficará para sempre a recordação.

JFR disse...

Nota 1:

Não são 64 mil pessoas. São 64 mil contactos, por telefone e julgo por internet (até determinada altura). Logo, muitos serão repetidos. Bastava querer gastar algum dinheiro.

Nota 2:

Como diz a Andorinha é apenas um concurso. Infeliz concurso. Que retracta essa triste necessidade de se procurar O MELHOR. A melhor maravilha. O melhor futebolista. O melhor português, o melhor escritor, o melhor filme, etc. Infelizmente, realizado pela estação de TV que se ufana de prestar serviço público!

Nota 3:

Os ditadores ou candidatos estavam bem representados na lista. Espero que isso não constitua um exemplo para os mais novos. "Se quiseres a glória futura, aprende a ser ditador"

andorinha disse...

Maiatorga,
Para mim é descabido porque isso é apenas um concurso.
Não há nada para explicar a uma criança!
E não sou salazarista, digo-lhe já:)

E como bem frisou JFR, as pessoas podiam telefonar milhentas vezes, desde que tivessem pachorra para isso e não tivessem mais nada que fazer.
Mas para mim nem é isso o principal.
Nem que tivessem votado nele 100 mil pessoas, eu diria a mesma coisa.

Até amanhã, malta:)

isabel victor disse...

Lá pelo " Caderno ... " o assunto é a solidão.

Rima ...

Abraços apertados à afável comunidade murcónica

*****
da isabel

Aspásia disse...

PROF.

DECERTO ERA UM HOMEM BOM SIMPLES E FRANCO, SEGUNDO DESCREVE.
É SEMPRE CEDO PARA AS PARTIDASDE PESSOAS - AMIGOS - ASSIM, E QUE NO CASO JÁ ERA UM "CONTERRÂNEO" SEU, RESPIRAVA O MESMO AR E OLHAVA O MESMO CÉU AÍ EM VIEIRA...

VAI ESCREVER TALVEZ MAIS SOBRE ESSE SEU ANÓNIMO AMIGO...

BEIJINHO.

Fora-de-Lei disse...

andorinha 8:19 PM

"E olhe que isto de se ser portuense e vieirense simultaneamente não é para todos."

Andorinha, olha que ser-se simultaneamente portuense e benfiquista também é só para os eleitos... ;-)

Fortunata Godinho disse...

Peço desculpa Julio, por entrar de rompante assim a meio - e sem ser convidada, mas não resisto.
Que prazer sabe-lo por aqui!
Não consgi contudo evitar uma pergunta (perdoe-me a ignorância):
- que é feito daquele programa da RTP que fazia a horas tardias na 2?
aliás, atrevo mais uma:
- Onde o posso ver/ouvir, além deste sitio..

Fora-de-Lei disse...

JFR 11:07 PM

"Na beleza provinciana a morte não passa despercebida. Quão diferente da cidade!"

Mas o pior é quando nessa "beleza" de província, nomeadamente a Norte, se matam à sacholada por causa de um riacho de água...

Maroska disse...

Bom dia,
antes de mais, as melhoras dr.JMV. Mande a sua asma fazer companhia à minha rinite que teima em aparecer com o desabrochar das flores...
Ao ler o seu post lembrei-me da minha já perdida avó, ela que me acompanhou em gestos e cheiros durante a minha infância. Ainda sinto o cheiro da naftalina dos baús que eu gostava de revirar em busca sabe-se lá do quê...e ela, paciente, dizendo para não lhe virar a casa do avesso mas nunca impedindo a minha demanda pelo Santo Graal dos baús. Tenho uma dor muito forte porque o meu filho nasceu já ela tinha falecido. Gostava tanto que ela o tivesse conhecido...ía adorar a irreverência daquela mini gente. Às vezes a partida de alguém deixa um fosso profundo na alma, mesmo sem ser família, porque a experiência diz-me que há a família que temos e há a família que escolhemos.
A dualidade portuense-vieirense até nem é má, agora eu sou algarvia-portuense...imagine, isto sim é grave, sou uma marroquina que de vez em quando se escapa para terras do Douro...

Fora-de-Lei disse...

Maroska 10:26 AM

Algarvios e cães-de-caça... ;-)

Julio Machado Vaz disse...

Fortunata,
O Estes Difíceis Amores acabou em Dezembro ed 2005, mas não me admira que de vez em quando ainda surja em horário pornográfico para "encher chouriços":). Agora só aqui e na Antena 1, em O Amor é...

Maroska disse...

FDL,

Olha se mordo...lool

Maroska disse...

Ah, e sou benfiquista, acho que isto me dá um estatuto qualquer, não?

JFR disse...

fora-de-lei (10:09)

O princípio básico é o mesmo! Nada é remetido para a indiferença, tão comum nas maiores metrópoles.

Fora-de-Lei disse...

Maroska 10:50 AM

Então como és benfiquista, já podes morder à vontade... ;-)

Maroska disse...

Se te deixas morder por tudo o k é benfiquista deves estar em pedacinhos...

andorinha disse...

Bom dia.

Fora de lei(9.53)
"... olha que ser-se simultaneamente portuense e benfiquista também é só para os eleitos... ;-)"

Tá bem, homem! Mas são esferas diferentes, apesar de tudo:)

Maroska (11.21)
Looooooooooooooooooooooool
Loooooooooooooooooooooooooooooool
Agora deixaste-o sem resposta:)

Filomena disse...

Bom dia a todos!
Andorinha,
Permite-me discordar. Claro que há que explicar a uma criança. Especialmente quando a criança pede explicações. O meu filho em tom de gozão de serviço (não sei a quem terá saído…) foi o primeiro a levantar a questão de S. ter ganho se era assim tão mau como o pinto. Tentei explicar-lhe que todas as pessoas têm opiniões diferentes e que muitas pessoas têm memória curta e até que aquilo não passava de um concurso onde votou quem quis. E disse-lhe, uma vez mais que a indiferença das pessoas é o que me preocupa mais porque é quando não queremos saber dos outros que se criam as condições para que apareçam os “ditadores”. E aqui ele percebe e bem porque esta é uma característica que se manifesta bem cedo, até nas crianças. Felizmente que palavras como “altruísmo” me têm aparecido nos boletins de avaliação dele desde bem cedo. Daqui já fico um pouco mais aliviada.
Quanto ao resto, muito preocupada porque todas as ditaduras são sustentadas por cidadãos passivos e por aqueles que gostam de subir na vida sem olhar a meios, pelos que fazem vénias aos senhores doutores e que pisam em quem está “por baixo”. O País é formado pelos seus cidadãos. Por isso me preocupa a abstenção nas urnas e a afluência por sms.
E por isso me preocupa um serviço que devia ser público e que não é. O Aristides Sousa Mendes é mais elogiado fora do País do que em Portugal. O meu filho nunca tinha ouvido falar dele até que lhe expliquei que era alguém tão bom tão bom que nunca por hipótese nenhuma devia ter ser posto na mesma balança que o velho botas. Até cartazes se deram ao luxo de fazer e de afixar com um ao lado do outro!! Alguém se lembra de como morreu Aristides de Sousa Mendes, ma miséria, e por culpa de quem? Como se sentirá a família dele ao ver isto?

Maroska disse...

Andorinha,
o pior é se o encontro nalgum dos jantares murcónicos...aí é que ele vai ver como elas lhe mordem...looool

Filomena,
partilho a indignação, fico triste por a memória colectiva ser tão curta...a propósito, os votos não podiam ser repetidos, cada novo voto anulava o anterior...

JFR disse...

maroska (12:43)

Os votos por sms podiam ser repetidos. Bastava para isso serem efectuados de um número diferente.

Maroska disse...

Bem, eu só tenho dois números, um fixo e um móvel...quantas pessoas têm mais que isso?
Aliás, pensando bem, muitas, vi um estudo no telejornal que dizia que Portugal está no topo da lista no que diz respeito a telemóveis, sendo o número destes superior ao número da popuplação...ou seja, se há pessoas que não têm nenhum, há quem tenha mais que dois concerteza...isto somado aos números fixos...seja lá como for, quantos adeptos salazaristas ferrenhos seriam necessários para inverter um resultado (supostamente) condenado à partida?

goncalo disse...

A propósito da vitória de Salazar no programa da RTP, julgo que vale a pena subliunhar o seguinte:

Durante o programa formou-se uma coligação negativa contra Salazar, suportada com grande dignidade e inteligência por Jaime Nogueira Pinto. A Maria Elisa caucionou tudo isto e ainda se deu ao luxo de discriminar o JNP, permitindo com bonomia todo o tipo de excessos à Odete Santos. Num programa deste, não pode haver inclinações nem parcialidade, mas houve. Desde logo pela exclusão de Salazar da lista incial da RTP, o que na minha opinião acabou por favorecer o resultado final. Depois pela forma muito curisosa como se considerou normal o segundo lugar de Cunhal em contraste com a indignação geral pela vitória de Salazar. Muito diferentes?, Obviamente!, dirá a grande maioria dos anti-fascistas deste país. Num caso, um ditador sanguinário e obsoleto, noutro, alguém que viveu e morreu com as suas convicções, sem teimosia, mas antes com admirável e rara coerência...

Entendamo-nos: Votar em Salazar como protesto não é solução para nada que afecte o país, mas, do mesmo modo, esta fixação neurótica ao anti-fascismo que o eleva à condição de estatuto e que alimenta uma espécie de império cultural de esquerda em que vivemos desde 1974, também não me parece o caminho.

Fora-de-Lei disse...

A vitória esmagadora do “Botas”...

1º António de Oliveira Salazar - 41,0%
2º Álvaro Cunhal - 19,1%
3º Aristides de Sousa Mendes - 13,0%
4º D. Afonso Henriques - 12,4%
5º Luís de Camões - 4,0%
6º D. João II - 3,0%
7º Infante D. Henrique - 2,7%
8º Fernando Pessoa - 2,4%
9º Marquês de Pombal - 1,7%
10º Vasco da Gama - 0,7%

Pessoalmente - embora com algum receio de me estar a pôr a adivinhar - acho que consigo ver um possível lado positivo no resultado desta votação. Goste-se ou não se gosta das personagens, o homem de Santa Cona Badão e o ABC tinham uma personalidade cujo traço fundamental assentava na coerência de princípios e, sobretudo, na seriedade.

É uma verdade insofismável que Salazar foi um ditador sanguinário. Às suas ordens morreram muitos e bons portugueses. E quem disser o contrário ou é ignorante ou é, naturalmente, fascista. Quanto a Álvaro Cunhal ninguém pode - em bom rigor - atribuir-lhe o epíteto de ditador pois este nunca governou o nosso país. É algo que ficará sempre por se saber... O primeiro governou este país durante décadas, tendo acabado a sua vida de forma tão pobre ou tão rica como quando entrou para a governação. O segundo poderia, se quisesse, ter sido um dos melhores e mais ricos advogados deste país, mas de um modo - que eu adjectivaria como heróico - optou por dedicar toda a sua vida a uma causa.

Que ninguém se assuste. Se houvesse em Portugal um referendo sobre um hipotético regresso ao fascismo, pelo menos 80 % dos portugueses votaria “não”. O que acontece é que os portugueses estão fartos desta “democracia” de oportunistas, de corruptos e de novos-ricos. Em 1974, sonhámos todos (uns mais acelerados, outros menos) com um país onde as coisas tivessem forçosamente outro rumo. Só que 33 anos depois há muita gente desiludida com a classe política. E aí, sim... aí reside algum risco. Mas não se culpe as pessoas, chamando-as de estúpidas saudosistas. A única saudade que a esmagadora maioria de portugueses pode ter desse negro passado, é a saudade dos valores e da seriedade que identificam na figura do “Botas”. Nada mais do que isso.

thorazine disse...

FDL,
e o Paulo Portas, talvez pensando (?) que já não estavam no Ar, disse indirectamente que quem vota é o povinho que tem a tv como hobbie..(tentando justificar assim a vitória de Salazar!)

Sinceramente o que mais me preocupa é o pessoal da minha idade que apoia/apoiou Salazar. Sei que se eles tivessem consciência do que era realmente viver sob regime ditatorial não o diriam pois noitadas, carros tunning, cigarros aditivados...acabava tudo. Mas o que me preocupa é isso, a ignorância permitir que eles o digam de forma tão leviana.. :|

Ameninadalua disse...

Olá boa tarde

Voltando ainda "à vaca fria" :)

Devo dizer que independente da importância ou não do tal concurso e da pouca representatividade dos votos e da possivel manipulação em votos duplicados não gostei NADA do resultado...

Incomodou-me ver pessoas darem-se à discussão e à opinião séria para depois serem assim completamente cilindradas perante aquele resultado. Mas mais ainda me incomodou a presença dos familiares que em termos pessoais se devem ter sentido francamente desolados...

Mas para finalizar concordo que toda a atenção dada ao assunto é absolutamente desinteressante e nada significativa em termos de qualquer conotação para a realidade... quanto muito uma brincadeira de muito mau gosto.

Fora-de-Lei disse...

thorazine 2:55 PM

A parte mais chata seria acabarem com os cigarros aditivados... ;-)

thorazine disse...

fdl,
LOL

Para quem os pensamentos aditivados não existem, sim..;)))))))

thorazine disse...

(PS - Disse "pensamento aditivado" pois acho que quem por norma gosta de receber ordens e orientações de "como pensar" está confortável num regime totalitário.)

andorinha disse...

Filomena (11.39)

"Permite-me discordar."
Claro que permito:))))
É para isso que aqui estamos.
Claro que se deve explicar as coisas às crianças, sobretudo se elas fizerem perguntas.
A frase saíu-me de rajada e ficou...

Concordo com todo o teu comentário, continuo só a afirmar que não atribuo importância às "classificações" pelo facto de aquilo ser simplesmente um concurso.
Poderá haver várias explicações para a vitória, algumas já afloradas pelo Gonçalo.
Como não vi nenhum programa não me atrevo a levantar qualquer hipótese.

Maroska (12.43)
Já por isso é que ele não aparece nos jantares murcónicos:)))

Aspásia disse...

QTO À QUESTÃO DOS VOTOS... SERÁ Q SE PODIA MANDAR SMS POR COMPUTADORES?

PERGUNTA PARVA DE QUEM JÁ DEVIA ERA ESTAR A DORMIR...

FORTUNATA

E PODE VER OS VIDEOS DO MURCON A BEIRA MAR...É NOS BOTÕES À DIREITA DE QUEM ENTRA...

BUONA FORTUNA...