quarta-feira, junho 25, 2014

Never say never. Mas com a asma, vai ser o caos, ele toca e eu choro:(.


16 comentários:

Impio Blasfemo disse...

Boa, muito boa mesmo!
Esta era para o post do andar abaixo, pois entre tiros na TV do hotel e uma soneca, a escolha não deixa dúvidas.Durma, quero dizer "Durme"

http://www.youtube.com/watch?v=ioWEA9bcHsc
João Paulo Esteves da Silva "Durme"


Abraço
IMPIO

andorinha disse...


Nem sei que dizer, Júlio:))))))


Impio,

A ouvir João Paulo Esteves.
Uma delícia! Não conhecia...:(
Abençoado Murcon que me tem dado a conhecer tanta gente boa, bonita e talentosa.

O Pedro Costa mencionou-o também no post anterior.
Obrigada aos dois:)

João Pedro Barbosa disse...

Irmão Júlio, não se preocupem. É o efeito! Da? objectiva...

andorinha disse...



Para já é no Japão, qualquer dia nunca se sabe onde poderá ser...

http://www.publico.pt/tecnologia/noticia/kodomoroid-e-otonaroid-sao-quase-humanas-e-vao-trabalhar-num-museu-1660426

João Pedro Barbosa disse...

Andorinha, esperemos? Que seja! Já. Amanhã...

Caidê disse...

Professor

A Conferência de hoje correu muito bem. Parabéns! Gostei muito do texto, do ponto de vista histórico e antropológico. E depois há sempre um convite à visita ao presente e aos paradigmas dos seus pensamentos tão culturalmente estruturados.

A assembleia também interrogou de forma muito fulcral, mas a sua arte de resposta é fantástica - ora faz uma pequena viagem reflexiva sobre algo novo e volta à questão depois da ansiedade de quem pergunta ter sido apaziguada e de todos apurarem ouvidos para a escuta atenta, ou brinca, dá a sorrir e dirige-se à questão do interlocutor que a todos interessa habitualmente se não pela pertinência da pergunta, por certo pela sageza do orador.

Apenas resta fazer-lhe um pedido de desculpas pelo meu cumprimento.

Também não me perdoaria se o não cumprimentasse, é claro!

..........
Já agora, abraço para uns, beijómetros para uns mais.

Este ano letivo está ligado às Duracell. Mas ainda vou respirando :))).

Em breve reaparecerei, pois não se foi o gosto pela partilha aqui. De todo.



João Pedro Barbosa disse...

Caidê, se isto, é contra feito! Para quê? Ouvir. O "Amor é..."...

julio vaz disse...

Caidê,

Essa agora?! Se não viesse ter comigo era uma traição murcónica:))))).

Anfitrite disse...

Caidê,

O ano lectivo é como as pilhas duracell, mas você deve estar sempre ligada ao carregador para ter forças para tudo.

Não a julgava tão insignificante que tivesse de pedir desculpa a alguém por a ter cumprimentado.
E mais estranho não lhe terem dado resposta. Deve ser porque ainda está nas lonas...

Agradeço os abraços e os beijinhos porque preciso de todos.

Biépi

Caidê disse...

Professor
Convenhamos que o meu cumprimento foi bem tonificado pelo vício profissional de quem lida com infantes dos 10 aos 12 pelo menos 8 horas por dia.
Foi um "sustinho" de mansinho, mas continha em si um "olá" rechonchudinho.
Perdoe, que eu vou cursar "competências sociais" asap ("as soon as possible" ) :)))
O professor estava cansadito, reparei. E se tivéssemos juizinho com os ritmos e a saúde???? :)))

Anfy
Eu tenho o péssimo defeito de estar a 100% no que ando a fazer de prioritário. Euzinha até deixo de ser prioritária quando calha. Os amigos, acho-os tão fiéis eternos e compreensivos que creio que os tenho sempre lá e faço-lhes cada raspante de ausência física, que balha-me Deus!
E vossas mercês já entraram no meu rol de amigos - ou me aturam ou...
No outro dia recebi um telefonema do filhote: "Tás zangada!". E eu, sem perceber, respondi " Zangada? Com quê?" E ele "Não telefonas ao teu filho, deves estar zangada, ou não?". Puxa! Não me passaria pela cabeça! E lá ficámos a recordar quem tinha sido o último a ligar :))). Mas como estou convicta de que se alguém precisar de mim sabe que estou sempre e aqui, vivo com isto sem culpabilidade.
Mas isso não me desobriga de pedir desculpas, não é?
Mas Anfy a Parede fica muito perto daqui desta minha fábrica de concentrações - é só dizer e bora lá a um cafezinho de tagarelice :))).

Andorinha, Rain, murcõezinhos mais proxémicos
Bora passar uns dias ao meu Monte? Julho! Podem estar nas lonas que por ali é-se rei com pouca monetarização (eu incluída).

Beijómetros!

Anfitrite disse...

Afinal eu tinha razão!

Só que já tinha a página aberta e entretanto não vi que foi publicado o comentário que era devido, apesar de tardio.

Caidê,
Só se pedem desculpas quando reconhecemos ou pensamos que errámos em qualquer coisa. Caso contrário parece-me que é hipocrisia ou fingimento. Será que estou errada?

Abraço

Unknown disse...

[ Agora só falta o CD...;)]

CT

Caidê disse...

ANFY
Não estás errada - pedimos desculpa porque sabemos que não nos portámos suficientemente bem como gostaríamos. :)))
E às vezes peço desculpa por ter atuado de forma desajeitada. Como vivo muito para dentro, às vezes para fora saio-me mal. :))) Brrrrrrrrr!

Brrrrrrrrrrr! Brrrrrrrrrrr! Detesto hipócritas, sonsos, fingidos . Obrigam-nos a pôr uns óculos para míopes para podermos ver mais ao longe. E como eu já sou míope, detesto ter de usar lentes ainda mais pesadas.

É bom ter leveza na vida, não é?

Anfitrite disse...

Caidê,

Como eu a entendo. Quantas vezes fico a pensar naquilo que disse ou fiz! Às vezes venho retirar um comentário, porque pode ser mal interpretado, apesar de eu pensar que está correcto, de acordo com o que sinto. Mas como não tirei nenhum curso de competências sociais, apesar de ter um livro sobre etiqueta e boas maneiras e de ter falado bastante com uma amiga que publicou um, enorme, sobre o assunto, até porque o meu livro é muito mais antigo, mas como sou muito franca, gosto muito de dizer aquilo que penso e não me importo de passar por casca grossa. Só que no frente a frente acabo por ser o bobo da corte (antes até era convidada mais por causa disso), mas aqui ao ser lida posso ser alvo de várias interpretações. E como estou na casa dos outros devo conter-me. Imagine que hoje até me senti condicionada, por causa do vídeo que pus, em virtude dum desabafo do professor. Mas o coração e o que sofri e sofro falou mais
forte, ao ver uma grande notícia na tv, com os nomes de alguns. Isso condicionou toda a minha vida. Como não tem andado aqui não deve perceber nada do que estou a dizer, mas está dito.

Míope não sou, mas já tenho a vista cansada de tantos kms que os meus olhos já deram à volta da terra.
É bom ter leveza na vida, mas olhe que levar a porca da vida não está a ser uma tarefa nada leve. Que ao menos a consciência esteja levezinha!

Anfitrite disse...

Acabaram de voltar a dar a reportagem e eu que já tinha dado por encerradas as minhas viagens, fiquei tão impressionada, porque apesar de já ter estado lá perto quando fui a Jersey, não sabia, na altura, (também não havia internet), da existência deste cemitério, porque só dois dirigentes o visitaram no espaço de 100 anos. DETESTO CEMITÉRIOS MAS ESTA É UMA MÁGOA TÃO GRANDE e não sei se terei forças para percorrer milhares de campas à procura de um nome, que não sei se lá estará. Agora lembrei-me de Lima Duarte que uma vez disse numa entrevista que sempre que ia a Paris ia ao Père-Lachaise para ver as campas de Jim Morrison e Alain Kardec.

Bartolomeu disse...

Aquele que disse, disse bem. Grave, profundo, como convém a um poeta (Fernando Pessoa). Aquele que "pianou", fê-lo de uma forma tão elevada que o não consegui alcançar. Mas adoro escuta-lo a interpretar o "Barco Negro" de Amália. Aí, sinto as fímbrias do meu ser vibrar e retenir acompanhando as cordas do instrumento (até os pelos do corpo se me eriçam).