quarta-feira, abril 27, 2005

A propósito de um comentário da Elisa.

Também acho que aqui falamos muito mais de política(s) do que possa parecer à primeira vista, as relações humanas estão cheias dela(s):). Neste momento leio o livro coordenado pela Lígia Amâncio sobre "Aprender a ser homem - construindo masculinidades". Cito: "... Com efeito, a masculinidade não constitui um atributo dos seres homens, tal como a feminilidade não é um traço das mulheres. Masculinidade e feminilidade constituem formas de pensar, dizer e fazer, socialmente construídas em diversos planos da vida em sociedade, incluindo os das relações entre homens, entre mulheres e entre homens e mulheres".
Sem negar diferenças entre os sexos ao nível biológico/comportamental (área bem mais invocada do que definitivamente(?) estudada), estou de acordo. E construção social implica política, na medida em que verificamos e aceitamos ou contestamos assimetrias, relações de poder, marginalidades, processos de normalização. Longe vai o tempo em que pensávamos afectos e sexo como ilhotas impávidas, ao abrigo das marés culturais. Pelo contrário, a sexualidade é um espelho privilegiado de sociedades que, em diversos tempos e espaços, organizaram políticas sexuais de modo a solidificarem e protegerem as ideologias dominantes. Basta comparar a chaveta heterossexual/homossexual, que nos hipnotizou nos últimos 150 anos, com a activo/passivo que preocupava Gregos e Romanos. Não são de modo algum sobreponíveis. A primeira faz depender a "normalidade aliviada" de alguém do sexo ("correcto") do parceiro; a segunda do seu comportamento e estatuto na relação sexual, seja qual for o sexo do outro.
Ups!, tenho de ir trabalhar, gente:)

130 comentários:

Rosa disse...

Até porque em todas essas questões que menciona (masculinidade, feminilidade, afectos, sexo...) acaba por se incontornável o tão em voga "politicamente correcto" ;)

lobices disse...

"...Basta comparar a chaveta heterossexual/homossexual, que nos hipnotizou nos últimos 150 anos, com a activo/passivo que preocupava Gregos e Romanos. Não são de modo algum sobreponíveis. A primeira faz depender a "normalidade aliviada" de alguém do sexo ("correcto") do parceiro; a segunda do seu comportamento e estatuto na relação sexual, seja qual for o sexo do outro..."
...
...permito-me subscrever
abraço

Elisa disse...

JMV
O trabalho da Lígia Amâncio sobre as questões de género tem sido notável. O dela e de outras sociólogas (é curioso (ou sintomático?)... a análise das questões de genéro tem sido essencialmente desenvolvida por mulheres...)como a Karin Wall (ICS), a Virgínia Ferreira (CES), a Anália Torres (ISCTE), a Sílvia portugal (CES)... por exemplo. O antropólogo Miguel Vale de Almeida creio que também escreveu uma tese (que a Celta publicou) sobre as questões da construção da masculinidade. Como eu e a maior parte de nós que por aqui andamos, o Júlio deve ter livo o Segundo Sexo da Beauvoir... lá se dizia o que a Lígia Amâncio agora reforça: 'uma pessoa não nasce mulher, torna-se mulher. É a sociedade que produz esse ser'. empre subscrevi esta frase, crendo que a mesma se aplicaria aos homens também. O género (mais que o sexo) tem condicionado a condição dos seres humanos a todos os níveis... socialmente, económicamente, culturalmente e sim, também políticamente.

Anónimo disse...

Discordo do livro coordenado pela Lígia Amâncio ao afirmar que "Masculinidade e feminilidade constituem formas de pensar, dizer e fazer, socialmente construídas em diversos planos da vida". Isso é algo muito pobre para se dizer sobre homens e mulheres. Está cientificamente provado que os dois hemisférios cerebrais são diferentes nos homens e nas mulheres. Mais "espesso" um nos homens (mais virados para as ciências exactas) mais "espesso" o outro nas mulheres ( mais viradas para a sensibilidade e para a linguagem). Por isso fala-se tanto e tenta-se pôr em prática pedagogias diferenciadas não só ao nível dos diferentes estádios de aprendizagem como também da diferente capacidade de apreensão e aplicação de conhecimentos por parte de homens e mulheres. Acredito que o ser humano é um ser andrógino mas também penso que há nos homens mais caracteristicas ditas "masculinas" e nas mulheres caracteristicas ditas "femininas" e que não se deve apenas ao modelo de sociedade em que estão inseridos mas essencialmente a algo que nasce com cada um.

Maite

Elisa disse...

E bolas, Júlio!!! Foi pior a emenda que o soneto... agora sim, arranjou pano para mangas e sarna para nos coçarmos. Diferenças de género? Ui... eu nem quero começar a falar, sendo uma feminista dedicada e tendo fama de ciclone, ainda colho algumas tempestades :)

Elisa disse...

Maite
O professor salvaguardou essas diferenças... e a Lígia Amâncio tenho a certeza que as conhece. O género é amplamente socialmente constituído. Veja a situação das mulheres em todo o mundo... é só por serem do sexo feminino que ainda são tão descriminadas?

Anónimo disse...

Cara Elisa
Uma coisa nada tem a ver com outra.
Uma coisa é dizer que as mulheres vivem num mundo sob o poder dos homens e outra é afirmar que mulheres e homens são essencialmente iguais. Em relação ao 1º caso também eu sou a favor da igualdade de oportunidades na nossa sociedade mas com isso não quero dizer que eu queira precer-me com os homens. Aliás penso que as mulheres ainda não venceram essa batalha (há tão poucas em cargos de chefia) porque precisamente querem jogar o jogo dos homens e não se afirmam na sua feminilidade como algo que é tão "potente" como o "poder dos homens".

Maite

Julio Machado Vaz disse...

Então não me lembro, Elisa?:) Tenho saudades dela e do velho Sartre! Os homens "masculinos" também não nascem, tornam-se...

Elisa disse...

Maite
Estamos em acordo absoluto. Só não entendi bem é o que é que não tinha a ver com o quê...

Julio Machado Vaz disse...

E claro que não me passa pela cabeça que homens e mulheres sejam "essencialmente" iguais, Maite. Não faria sentido com cérebros diferentes!

madeira disse...

Maite, concordo contigo.
A forma de pensar/agir/reagir diferenciam-se entre masculino e feminino desde o momento em que são seres independentes, quiçá ainda dentro da mãe.
Como diz o povo, há coisas que estão no sangue.
Só posso concordar com a Elisa se admitirmos que uma pessoa, também, não nasce homem, faz-se homem. Para além das influências do meio em seu redor há um programa genético que irá ditar muito da sua forma de ser.
Posso ensinar um canhoto a escrever com a mão direita, mas este será sempre um canhoto.
Da mesma forma, um indivíduo que seja homossexual, por muita educação heterossexual que tenha será sempre um homossexual. E por aí adiante...

Elisa disse...

Júlio
Nem mais! E pondo mais uma acha na fogueira... não será que também as mulheres reproduzem essa 'masculinidade' desses homens 'masculinos'? Não apenas por não terem capacidade ou oportunidade ou mesmo vontade de se imporem num mundo com (como disse a Maite) um tão potente poder dos homens... mas por, sobretudo pela via da educação, perpetuarem esses modelos de masculinidade (e de feminilidade)?

andorinha disse...

Mais uma vez sou obrigada :) a concordar com a Elisa.
"Uma pessoa não nasce mulher, TORNA-SE mulher. É a sociedade que produz esse ser." Claro que sim.
Desde cedo que existem "normas" diferentes estabelecidas logo no seio da família para meninas e para meninos. O que a mim me entristece é que estes valores sejam normalmente transmitidos por mulheres, os seja, pelas mães.
"O género tem condicionado a condição dos seres humanos a todos os níveis..." - mais uma vez subscrevo.

Elisa disse...

Andorinha...
ao mesmo tempo e em perfeita sintonia. :-))))
Mas foi a Beauvoir quem escreveu aquela frase, não eu.

andorinha disse...

Elisa,
" E bolas, Júlio!!! Foi pior a emenda que o soneto..." Foi nada; eu acho que foi o post ideal para comentarmos depois de toda aquela discussão democracia vs ditadura.
Ele sabe bem o que faz.:)

Elisa disse...

Andorinha
há pouco tive vontade de dizer que este foi o melhor post do JMV... mas como tem o meu nome 'on it' isso poderia parecer hum... suspeito. Mas que dá pano para mangas, lá isso dá.

Anónimo disse...

Caro Profesor, nada como um pouco de controvérsia para o fazer juntar-se a nós ;) E gostei imenso da sua ironia... ;)
Cara Elisa a menina é tão tolerante!!!! será que a tolerância não acaba por ser uma relação oblíqua???? ;)

Maite

andorinha disse...

Eu sei, Elisa, também eu li a Beauvoir e o Sartre há muito, muito tempo.

Júlio,
Desta vez tenho que concordar consigo.:) - " Os homens "masculinos" também não nascem, tornam-se." Se a mulher é um ser "construído", o mesmo se aplica ao homem.

andorinha disse...

Júlio,
Folgo muito em o ver tão interventivo.:) Assim é que se junta mesmo ao maralhal, senão nós é que partilhamos as nossas ruminações consigo, enquanto que o contrário pouco se verificava.

Elisa disse...

Maite
ui... como devo entender esse comentário que, de repente, não me parece isento?
Sou tolerante? De facto... ou melhor, creio ser aberta a todos os pontos de vista... Não é uma relação oblíqua... mais uma (de)formação profissional que veio cimentar a educação e os valores de respeito pelos outros que os meus pais entenderam transmitir-me... Não creio que mereça que a discussão se volte para o meu carácter... ou para o carácter e a personalidade de qualquer dos intervenientes...

andorinha disse...

Eu também acho que foi, Elisa e no momento adequado. Mas aí está também toda a inteligência e perspicácia do Júlio.
E o ter o teu nome o que é que tem?
Nada de falsas modéstias.:)))

Elisa disse...

Andorinha
Não deve ter sido assim há tantooo tempo :)

lobices disse...

...o que eu aprendo com todas as vossas intervenções!...
...bravo!...
...estou a gostar
...a sério
...continuem; eu cá não intervenho porque não sei como intervir; eu penso que se nasce macho ou fêmea porque essa é a única forma de preservar a espécie; o "resto" deriva de muitas coisas que eu não domino...
...a única diferença entre todos os animais existentes à face do planeta é que o Homem é o único que "discute" esse problema (se é que é um problema...)
...simplista?
...talvez
...desculpem lá...
...

Anónimo disse...

Andorinha
Às vezes a ingenuidade "mata"

Maite

andorinha disse...

Elisa,
"...não será que também as mulheres reproduzem essa "masculinidade" desses homens masculinos...?"
Penso que sim, sobretudo algumas mulheres em cargos de chefia
, mas não só....
Pensam que só conseguem (ou será mais fácil) singrar e construir uma carreira profissional de sucesso se agirem como os homens, abdicando muitas vezes, se calhar, de se mostrarem tal como são, com medo que isso as desvalorize. Tentam "abafar" a sua parte feminina e agir como pensam que agiria um homem naquela situação.
Isto para mim continua a ser um indicador de que ainda nos valorizamos muito pouco. Quando é que perceberemos que mulheres e homens são diferentes, mas que diferença não significa inferioridade?

andorinha disse...

Elisa,
Foi mesmo há muito tempo, a sério.
Li-o quando tinha 20 anos porque já nessa altura estes temas me interessavam imenso, "absorvi" avidamente essa leitura. Foi, sem dúvida, dos livros que mais me marcaram! Como já tenho 51, já vês, foi há uma eternidade.:)

andorinha disse...

Maite,
"Ás vezes a ingenuidade "mata".
Essa não percebi, não percebi mesmo.

Elisa disse...

eternidade? Não. Foi ontem ;-)

Anónimo disse...

Bolas, hoje devo estar muito hermética :))))) tenho dias....
Peço desculpa se pareci de alguma forma agressiva mas há certas relações ambíguas que não consigo
encaixar. (Será intolerância?)

Maite

lobices disse...

...ontem?
...foi hoje
...o tempo não existe
:)

andorinha disse...

Maite,
Se fui ingénua podias-me dizer em quê. Assim, como já te disse, fico sem perceber.

Elisa,
É simpático da tua parte dizer que foi ontem, quem dera:)
Mas foi um livro que me fez tomar pela primeira vez consciência de muitas coisas que na altura dificilmente eram faladas e que contribuíu imenso para a minha construção enquanto mulher.

Já reparaste que os homens estão com medo de "entrar"?

tataranha disse...

Bem, a minha intervenção irá ser muito simplista para este tema, mas cá vai. Não acredito em atitudes "masculinas e femininas", "homem e mulher" respectivamente. A sociedade tem têndencia a nos restringir, e ainda antes de nascermos destina-nos uma série de acontecimentos consoante o nosso sexo. E carregamos esse peso connosco, de uma maneira ou de outra.

Elisa disse...

Não sei se será medo... Mas é pena que não entrem na conversa... assim a mesma fica 'desigual' rs

lobices disse...

...to Andorinha:
...eu sou homem mas não estou com medo de entrar; simplesmente não consigo entrar...
...é um tema "estéril" para mim
...só isso
...lamento
:)

lobices disse...

...to Elisa:
...exacto
...fica "desigual"
...porque somos "desiguais"
...porque tentar fazer crer que somos iguais?

lobices disse...

...to All:
...mas que grande sensaboria não seria se não houvesse género...

andorinha disse...

Maite,
"Devo estar muito hermética". Para mim, estás. Não estou a perceber rigorosamente nada do que estás a dizer.
Não é questão de estares a ser agressiva ou não.
"...mas há certas relações ambíguas que não consigo encaixar."
Relações ambíguas de quem com quem?!!!
Olha, Maite, se quiseres ser mais clara tudo bem, agora fazer com que as pessoas leiam nas entrelinhas essa não é a minha especialidade, confesso

lobices disse...

...há que aceitar que existe masculinidade e feminilidade
...há que aceitar que um ser humano do género masculino possa ter atitudes que "pertencem" ao género feminino como o contrário
...há que entender que não é o meio que faz um homem ser masculino ou uma mulher ser feminina: eles já o são!...
...machismo e feminismo são outros conceitos
...que não os do género
...

Elisa disse...

sexo... Lobices... sexo...
Claro que não somos iguais... mas em termos de condição social (direitos humanos sobretudo) não deveríamos sê-lo? Eu acredito que sim.

Elisa disse...

Lobices, com certeza
Falava eu que isso não pode é estar na base da discriminação das pessoas, como recorrentemente tem estado.

Anónimo disse...

Andorinha mas a grande capacidade das mulheres é precisamente saber ler nas entrelinhas.
Não me deixes ficar mal ;)

Concordo em absoluto lobices.
Quando se começa a confundir uma coisa com outra dá o que se vê.
Personalidades com dificuldade de se afirmar.

Maite

andorinha disse...

Lobices,

Eu nunca disse que homens e mulheres são iguais; disse apenas que diferença não deve ser encarada como sinónimo de inferioridade por parte das mulheres.

A todo o maralhal,
Uma vez que a Maite não responde, alguém é capaz de me explicar(se souber) a que é que ela se está a referir?
Devo ser mesmo ingénua, mas confesso que ainda não percebi.:(

lobices disse...

...o post original do Profe versa uma questão inserta num determinado contexto, o de um livro da Lígia Amâncio... depois de o lermos na sua totalidade, talvez haja lá matéria para se dissecar; o que o Profe escreve é um excerto...
..."...a masculinidade não constitui um atributo dos seres homens... mas sim formas de pensar, agir...etc..."
...não estou de acordo
...para mim
...a masculinidade é um atributo do macho como a feminilidade é um atributo da fêmea
...que, depois, a sociedade em que se inserem lhes "atribua" outros conceitos e deles nasçam novos atributos de masculinidade e/ou feminilidade, isso já é outra coisa
...o belo do ser humano, o belo do Homem, é existirem como uma Dualidade para formarem o Par
...é este, o PAR que constitui a base do sistema da preservação da sua própria espécie
...os "enfeites" são outras coisas, outros conceitos, outras analogias, outros atributos, outras formas de ser e de estar, de agir, de pensar, etc...
...como eu adoro a mulher não só como a minha parte dual com a qual eu posso formar o par mas também pelo facto de ela ser fêmea...
...

Elisa disse...

Maite
eu costumo escrever sem pó nas entrelinhas. Parece-me sempre a melhor solução. A si não? Não sei porquê mas parece-me que toda essa conversa tem a ver comigo... e não com o post do JMV onde, aliás, a questão das assimetrias de género e não só estavam presentes.
Mais ainda, não tenho muitas dificuldades em afirmar pontos de vista, mesmo porque não passam disso mesmo: pontos de vista. Têm o valor que têm, à semelhança dos seus e dos de qualquer outra pessoa. Se tem alguma coisa a dizer-me, diga directamente... sem entrelinhas nem pó nas ditas. Acredite que eu faço-o sempre. Mas deve ser, evidentemente, por ter dificuldades de afirmação.

andorinha disse...

Maite,

É a última vez que abordo este assunto.
As mulheres terão uma enorme capacidade de ler nas entrelinhas, mas eu, apesar de ser mulher, não tenho.
E se não percebo uma coisa gostava que me explicassem. Não tenho a presunção de perceber tudo.
E não te preocupes, se a "deficiência" é minha e só minha, como iria eu deixar ficar mal as mulheres?

andorinha disse...

Elisa,
BOA, é isso mesmo.
Também não consegues ler nas entrelinhas?
Somos a "vergonha" das mulheres.:)

lobices disse...

...to Elisa:
...to Andorinha:
...
...somos todos iguais excepto por causa do sexo?...
...não, não somos todos iguais e apenas diferentes por causa do sexo
...existem muitas outras diferenças e ainda bem...
...o que vocês começaram a discutir foi a desigualdade entre os sexos... e isso não está implícito no post do Profe
...porém
...a desigualdade já vem desde a nascença e nos génes: a fêmea pressupõe desde logo e, por natureza, a submissão no acto sexual da procriação; o macho pressupõe a imposição pela força, pela necessidade da erecção como símbolo de um poder dado como natural ao macho mas tão somente como forma física do "animal" poder penetrar...
...isso, desde os primórdios foi sempre assim
...e é apenas isso que distingue o homem da mulher
...porém, ao longo da sua evolução nenhum macho deixou de actuar como aquele que "põe" e a fêmea nunca deixou de actuar como aquela que se coloca numa posição de deixar ser "posta"...
...ainda faltam muitos milénios para a evolução final
...ainda estamos nos primórdios da maturidade que ainda não temos
...estamos ainda a gatinhar
...quando entendermos que a entidade que conta é o PAR, aí sim, aí acabarão os conceitos das diferenças entre os sexos
...

Elisa disse...

Andorinha
Creio que a Maite deve ter alguma coisa para me dizer... desde o comentário 'elisa a menina etc etc...' que tenho essa sensação. Costumo ser desempoeirada, nas entrelinhas e em tudo o mais... deve ser por isso que quando o pó se acumula entre as linhas tenho dificuldade em compreender. De qualquer forma, que é que isso interessa?

Anónimo disse...

Cara Elisa
Nem tanto (não seja tão egocêntrica ;) )
Mas já é a segunda vez que leio um comentário seu deste género neste blog. Porque será?
Por mim pode pensar o que quiser a meu respeito. Tem toda a liberdade de o fazer ;)

Maite

Elisa disse...

Lobices
fizemos interpretações diversas do post do JMV. Eu entendi que era também das desigualdades de genéro, motivadas pelo facto de nascermos com sexos diferentes, que se tratava. Daí a questão da construção social da condição feminina e da condição masculina.

Elisa disse...

Maite
um comentário, de que género? Não percebi a que se referia concretamente... se quiser ter a bondade de me esclarecer, agradeço, se não quiser agradeço também. Ora pois.
Não penso nada de si Maite, que haveria eu de pensar de alguém de quem desconheço tudo? Sou egocentrica, de facto, mas não sou completamente estúpida para ajizar sobre os outros num cenário de quase total ausência de dados sobre eles. Lamento desapontá-la cara Maite, mas sou de opinião que os juízos de valor e os julgamentos apressados sobre os outros e sobre as coisas, apenas nos conduzem à cegueira. A liberdade de o fazer tenho-a, efectivamente, mas escolho livremente não o fazer.

Anónimo disse...

Estou a adorar estas conversas herméticas de mulheres lol

Andorinha não me peças isso.

E agora vou retirar-me

Boa tarde
(Ah, não vou fugir, que nem vos passe pela cabeça :))) mas tenho mais que fazer obviamente.

Maite

Elisa disse...

Antes de me 'meter para dentro e fachar a janela', deixo um endereço de um site, relativamente insuspeito e feito por pessoas nada egocêntricas, em que se podem ver vários exemplos (que podem chocar os mais sensíveis) sobre o modo como as diferenças biológicas (de sexo) afectam a condição social (de género) das pessoas.
http://www.amnistia-internacional.pt/

Elisa disse...

Antes de FECHAR a janela por hoje, definitivamente (que a minha vida não é só isto, embora às vezes pareça)gostava de dizer que não encaro o espaço dos comentários como um espaço de competição. Creio que este espaço serve para trocar pontos de vista e que com eles podemos aprender... tenho aprendido bastante com quem costuma por aqui andar. Recuso-me a desaprender o respeito e a aprender a escrever com pó nas entrelinhas. É tudo.

andorinha disse...

Maite,

Não tenho a subtileza nem se calhar a elegância da Elisa a dizer as coisas, mas digo-o de outra forma.
Os teus comentários hoje estão a ser totalmente descabidos e terei que depreender que, ou te falta coragem para dares os nomes às coisas ou às pessoas,ou então pretendes criar um clima de suspeição e por aí, minha cara, apesar de ser ingénua , não vou.
Por mim, esta polémica termina aqui; quanto mais "tempo de antena", pior.

andorinha disse...

Elisa,
Posso assinar também o teu comentário das 7.10? É que mais uma vez é exactamente isso que eu penso. Isto para mim também não é nenhuma competição, não se trata de ver quem é , supostamente mais inteligente ou quem tem a melhor resposta ou quem é o detentor da verdade. É tão só um espaço que eu gosto de partilhar com quem também escreve sem pó nas entrelinhas.
É pena que um assunto que dava "pano para mangas" e que estava longe de estar esgotado tenha sido relegado quase para 2º plano por causa destas "alfinetadas". Mas enfim, se é isso que algumas pessoas pretendem da tertúlia, o que poderemos nós fazer?

Ale (mestressan) disse...

Fiz em meu blog uma pequena homenagem a todos vocês, artistas do cotidiano! Obrigado por existirem na Blogosfera!

Anónimo disse...

Ao encontro do ‘Murcon’, dou com um fórum invadido pelo variado, inquieto e continuamente circulante oceano da sede de comunicação. E mergulho.

Às duas questões oceânicas que foram colocadas no post de JMV: “Masculinidade e feminilidade constituem formas de pensar, dizer e fazer, socialmente construídas (...)”

e “(...) a sexualidade é um espelho privilegiado de sociedades que, em diversos tempos e espaços, organizaram políticas sexuais de modo a solidificarem e protegerem as ideologias dominantes”,

contraporia as questões de N. Hanson em Patterns of Discovery, 1958, para quem os factos são tão impregnados de teoria quanto nós esperamos que as nossas teorias sejam impregnadas de factos – ou, os factos são pequenas teorias e as verdadeiras teorias são grandes factos.

Neste contexto, Goodman (1978) acrescentou que começamos, em qualquer ocasião, com alguma velha versão, ou mundo, que tenhamos à mão com a qual ficamos encravados até termos a determinação e a habilidade para a refazermos numa nova. A feitura do mundo começa com uma versão e termina com outra.

Diria que, este forum, que começou com a masculinidade e a feminilidade como formas de ‘construir socialmente o estar’, prosseguiu com a “organização das políticas sexuais de modo a solidificarem e protegerem as ideologias dominantes” e preparava-se para terminar com o conceito de que “a masculinidade é um atributo do macho como a feminilidade é um atributo da fêmea”.

Mas, puro engano, no debate destas magnas questões surgiu um atalho pertinente para “o modo como as diferenças biológicas (de sexo) afectam a condição social (de género) das pessoas” o que pode ser explorado no site da amnistia-internacional.

Efectivamente, a feitura do mundo começa com uma versão e termina com outra.

Esoen, agradecendo a permissão de anonimato

Tão só, um pai disse...

... Caramba! Mas, afinal, o que é isso de ser masculino e ser feminino? O que é isso de ser macho e ser fêmea? O que é isso, a masculinidade e a feminilidade? Não somos machos e fêmeas desde os tempos mais remotos? E se hoje voltassemos à estaca zero, e tivessemos de fazer pela vida como caçadores em tribos nómadas, o que mudava "socialmente" na produção do macho e da fêmea? Ah, mas aí, o socialmente talvez fosse a natureza ... ou não?

PortoCroft disse...

Boa tarde consulentes e 'consuladas',

Duplamente impedido de meter bedelho mais cedo, dada uma consulta médica primeiro, e o Blogger depois - desde as 19 horas que não me franqueia a entrada nos comentários -, ainda assim aqui vai o meu bitaite.

Li o 'post' e dei comigo a pensar nos meus miúdos quando eram pequenos. E, na realidade, que me recorde, desde muito cedo, as miúdas sempre se fascinaram por bonecas e trapos e os miúdos por bolas e carros.

Pelo meu lado, nunca tive a preocupação de os fazer o que quer que seja. A preocupação maior sempre foi a de deixá-los, e apoiá-los no que quizessem, ser. Mas, como é evidente, a partir do momento em que tomam consciência de si próprios, eles deixam de ser nossos. Passam a ser do mundo. E é esse mundo que, ainda que connosco por perto, os vai modelando de acordo com os conceitos sociais vigentes.

Nesse sentido, o que o Prof., a sua citada, a andorinha e o meu ciclone de eleição: elise escreveram, parece-me correcto. Um homem e uma mulher, não nascem, fazem-se. São o produto das interacções da sociedade em que estão inseridos. Para o bem e para o mal. Isto segundo os meus próprios conceitos de bem e mal, claro.

Mas, apesar dos conceitos e exigências sociais mudarem quase tão rápidamente quanto eu despejo as canecas de Guinness, tal não me impede de pensar que há aspectos no carácter dum homem que nunca poderão ser igualados por uma mulher e vice-versa e, nem todos os conceitos sociais juntos os poderão subverter. Carregamo-los e transmitímo-los nos génes.

António Luís disse...

Convido o autor e os prezados frequentadores deste excelente Blog, a visitar o meu em: http://sentidospercebidos.blogspot.com

PortoCroft disse...

A que horas começa a discussão?

Então eu paguei bilhete e tudo. O assunto é espctacular e fica tudo parado?

noiseformind disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
noiseformind disse...

"... Com efeito, a masculinidade não constitui um atributo dos seres homens, tal como a feminilidade não é um traço das mulheres. Masculinidade e feminilidade constituem formas de pensar, dizer e fazer, socialmente construídas em diversos planos da vida em sociedade, incluindo os das relações entre homens, entre mulheres e entre homens e mulheres".

Éme, my dear, parabéns. O livro da Professora Lígia Amâncio chegou ás mesmas conclusões que

Psychoendocrine research on Sexual Orientation: current status and future options (1984)

Como apenas 21 anos separam as duas publicações, gostaria de dizer que é injusto dizermos que Portugal está sempre 30 anos atrasado em relação ao mundo. Conseguimos vencer uma barreira de 9 anos em relação à percepção comum. Nestas alturas que os últimos cravos de Abril são varridos das ruas rumo às respectivas lixeiras municipais são notícias como esta que nos animam: )))))))))))))

Já agora, para não pensarem que isso é o pior, cá fica um link para uma lição a dar a crianças de 14 anos no Canadá!!!!!!!!!!!!!!!!!!

LIGIA AMÂNCIO NO CANADA SERIA UMA BOA... PROFESSORA DE CICLO, INVESTIGADORA É QUE ERA MAIS COMPLICADO...


Em resumo. Temos a Professora Lígia Amâncio a descobrir a pólvora para as populações profissionais ou universitárias aqui de TugaLand e na América lições do programa normal de qualquer escola não sub-financiada que são tão ou mais completas que as conclusões que o nosso Deus tão bem copy pastou ; )))))))))))) o que em Portugal é vendido como Lebre sobre investigação e análise comportamental é Gato para grande parte do Ocidente desenvolvido. Nada contra a senhora, adoro mulheres baixinhas e tudo. : ))))))

25 de Abril para sempre? Não, vou mais pelo post da “Bitch”: “Eu digo que resta muita Democracia por cumprir”.

E tenho dito, maralhal amigo. :))))))))))))))))

AJFRM disse...

Desejo Insaciável

Tudo quanto possuis te parece pequeno; tudo quanto possuo me parece grande. O teu desejo é insaciável, o meu não. Olha a criança enfiando a mão num jarro de gargalo estreito tentando retirar as nozes e os figos ali contidos: se enche a mão, não a pode tirar, e põe-se então a chorar.
- Deixa algumas nozes e poderás tirar as restantes!
Tu também: deixa o teu desejo ir-se embora, não ambiciones muitas coisas, que algo obterás.

Epicteto, in 'O Festival Da Vida'

Não será certamente nenhum de vós, nem entre todos, que enunciará o Graal desta questão.

O que porventura provavelmente mais perto terá andado foi um tal de Darwin... e tudo o que daí decorreu e decorre...

Mr Lobices,
sageja vem com a experiência,
bom caminho.

noiseformind disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
noiseformind disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
circe disse...

Estou baralhada com o meu género
misto, Portocroft!
Pelo que vou ouvindo por aqui - e
lá fora - sou fêmea anatomicamente, mas tenho um cérebro XY, como explicar...
visto saias de preferência - X enveredei pela Matemática, vulgo
ciências exactas - Y
na infância, construía carrinhos de
madeira e trepava às arvores e detestava bonecas - Y
adoro cozinhar e fazer tapetes smirna - X
raspo móveis e paredes e pinto a manta - Y
Sou livre - Y , mas não estou disponível - X
and so on,
será que vocês, amigas, amigos,
e, sobretudo, Júlio, percebem o que eu penso/como vivo os géneros -
masculino/feminino/ ou assim assim,
antes pelo contrário?
Ou seja, nasce-se XY, ok. Mas, perdoem-me os psis, os sociólogos e
antropólogos, não insistam nessa dos "moldes" - bonecas davam-mas aos montes, eu é que gostava de
carros e trotinetes e puzzles!

Mas também, não saí grande peça...:)

noiseformind disse...

Já que estou a ser mauzinho, cá fica um nome e um link, para verem que não é de agora que uma génia se lembrou desta matéria e que de repente passámos para o topo da lista de publicações internacionais:)))))))))))

Ronald F. Levant

noiseformind disse...

Eh pá Portocroft, tirei-te o comment 69. foi sem querer pá, até pq quando me fazem sexo oral gosto de estar a ver e essa posição a isso não ajuda. Os meus pêsames!!! ; )))))))

Peter

PortoCroft disse...

;)))))

Circe,

Esse humor é que me mata. ;)))))))))

PortoCroft disse...

Noise,

Eu sou mais pelo partilhar. ;))))

circe disse...

Conclusão minha: o meu cérebro, com
as duas metades já aqui referidas,
é bué de espesso...
looooool loooooool looooool

grrrrr.....que ainda não sei fazer
bold, negrito, destaque, ou isso

(problemas de espessura, tão a ver?) :(

noiseformind disse...

Oh Portocroft, eu bem tentei espevitar isto, até "insultei" intelectualmente a Ligiazita. Oh pá, mas se calhar exagerei, fundamentei demasiado bem e agora não há volta dar-lhe, hábito ganho em anos de congressos com 70 nacionalidades ao barulho, verdadeiras "Torres de Babel" onde só há tempo para um ataque directo, bem fundamentado e feroz. Mas pronto man, antes isso que estar aqui a puxar dos galões, como pretendia aquele(a) aqui há uns dias loooooooooooooooooool

E além disso isto sem gajas prós quinquagenários (Éme incluido) não puxa loooooool looooooool looooool loooooooooool looooooooooooooool looooooooooooool

Man, o trabalho chama. Se aparecer por aí alguém com uma ideia de jeito envia sinal de fumo, que é como quem diz, pega Fogo à Roda do Milénio looooool

Abraço a todos, over and out,



Peter

PortoCroft disse...

Circe,

Mas, olha que tu não fiques chateada com o que os psis e os sociólogos e antropólogos dizem.

Eu, por exemplo, quando era miúdo gostava muito de bonecas.

E ainda gosto. ;))))))))))))))))

noiseformind disse...

Circe... não suporto ver uma mulher a dizer que não sabe uma coisa. Seja no sexo anal, seja nas tags, gosto de ajudar; )))))))

COMO TAGAR

andorinha disse...

Circe e Portocroft,

Elejo-os aos dois como os reis do humor nesta tertúlia. Merecem-no, sem sombra de dúvidas, palavra de andorinha.:)

PortoCroft disse...

Andorinha,

A Circe é impagável. Já chorei de riso. ;))))))))

andorinha disse...

Noise,
Até que enfim que fizeste alguma coisa de útil por outro ser humano.:)

circe disse...

Pois eu, man, dei no oposto:
adorava "conduzir" os carritos que
"gamava" aos putos, e agora, ando
de bicicleta...;))))))))))

Então diz-me, como faço o bold?
Apetece-me um despique com o Lobices...

andorinha disse...

Portocroft,
Mas agora que já foram eleitos, têm que justificar essa eleição todos os dias, ou seja, têm que nos deliciar sempre com esse vosso belo humor.
Até para que as coisas não fiquem tão cinzentas.

PortoCroft disse...

Circe,

A porção de texto que queres que apareça a negrito, colocas assim:

< a letra B e >aqui colocas o texto < depois /B>

PortoCroft disse...

Andorinha,

Hoje tive pena de não ter podido comentar mais cedo. Mas, tinha uma consulta marcada e depois o Blogger estava com problemas.

Mas, pela minha parte, está sempre tudo bem. Desde que não hajam arrogâncias.

O importante é que se discutam os assuntos e que se esteja de mente aberta. Ninguém sabe tudo. Sejamos humildes para aprender.

noiseformind disse...

Andorinha sabes que eu sou assim… um verdadeiro chulo , ou seja lá como chamam a essas pessoas altruístas que ajudam as mulheres desinteressadamente

circe disse...

Safa, Noise, espero que não cobres
esta lição, que eu já estou tesa,
as propinas levam-me o guito todo,
e além disso, Ich vershteen népia de inglês, ragazzo mio, ando a fazer a 4ªclasse à noite. Mas mais
vale à tarde que nunca, né?

Vou levar o cão à rua, volto já

noiseformind disse...

Circe, jeg håper at De betaler i gjennomtrengningssamleie. Kanskje oral kjønn er ikke en dårlig start. Hva gjør De tror?

E mais não digo,mas ficou bem claro como se pode perceber pelo que disse logo no início do comentário q as minhas lições até são baratinhas:)))))))

andorinha disse...

Portocroft,
Vou aproveitar também essa tua explicação sobre o negrito; tenho que aprender alguma coisa.:)
Bons sonhos, maralhal.

circe disse...

Noise,
bons sonhos para ti também.

Andorinha,
estou a ver aqui grandes obstáculos
a essa eleição:

a) o PtCroft já é membro honorário
do Núcleo Duro, logo não pode acumular cargos (ainda ontem se
falava aqui no Estado de Direito...
b) não posso aceitar tal responsabilidade, pois que o poder
traz solidão e cria expectativas
no eleitorado. Diz-me lá como iria
eu desempenhar tais funções nos
dias em que acordo com "os azeites"
loooool looooool looooool

Lyra disse...

Bolas! Não sei como tem tempo para isto. Mas ainda bem :-)

H. Blayer disse...

Bem... Isto está ao rubro... Saí há pouco duma conferência com o Dr. Mário Bettencourt Resendes e com o Prof. Paquete de Oliveira...
Nos Açores, tivemos a sorte de termos um Ministro da República capaz (Laborinho Lúcio) de organizar um "Congresso da Cidadania" em que se fala (e falou) da "Cidadania Activa", em todas as ilhas dos Açores, mas mesmo todas, Corvo (com os seus 400 habitantes, +/-) incluídos. Nem vos passa quantas pessoas anónimas participaram ao longo destas últimas semanas em tudo o que se passou englobado neste Congresso, tudo o que se discutiu...
E conversar e debater e trocar argumentações é tão bom. Afinal, é disso que se trata. É por isso que venho aqui, ao blog do "Murcon" que me irrita pela simplicidade com que fala da complexidade dos outros. Mas que me irrita de forma positiva. Eu, abaixo assinado, exijo POST's DIÁRIOS, sem interrupção. Quem assina por baixo? :)

Anónimo disse...

Isso é comigo, Lyra?
Saiba que, além de dormir 4 horas por noite, desde os 5 anos, também "I can´t take my eyes off of
this blog and many others". :-))))
Um abraço, DamienLyra.

Circe

Anónimo disse...

Bolas Circe, 4 horas por noite??? Os seus pais devem ter passado as "passinhas do algarve" consigo.
Mas voltando ao ponto da situação de ontem.
Na minha opinião, masculinidade e feminilidade é um aspecto congénito(claro que há desvios, mas isso nem vou comentar) e ninguém me convenceu do contrário (aliás nem a mim, nem a outros). A prova desta minha opinião está bem patente nas atitudes reveladas nos comentários. É só repararem nas conversas das mulheres e dos homens e especialmente neste post isso é bem evidente (assim como noutros anteriores a este).
Aqui nos comentários confundiu-se género com carácter, e este dito num deles(como há outros) é sintomático disso mesmo: “não será que também as mulheres reproduzem essa 'masculinidade' desses homens 'masculinos'? Não apenas por não terem capacidade ou oportunidade ou mesmo vontade de se imporem num mundo com (como disse a Maite) um tão potente poder dos homens... mas por, sobretudo pela via da educação, perpetuarem esses modelos de masculinidade (e de feminilidade)?”. O carácter constrói-se, é moldado pelos modelos da sociedade onde vivemos e principalmente pela família onde crescemos....o género não. E no carácter não há distinção de sexo porque ou se é vertical, integro, se tem espírito de liderança, se é frontal etc...ou não.
Cara Elisa não se deve ser precipitado nem demasiado lento na descodificação da personalidade dos outros, sob pena de perdermos a oportunidade de interagir convenientemente com eles.
Eu não gosto de citar muitos autores, não porque não os conheça ou a sua obra, mas porque isso tirar-me-ia o prazer de dizer as coisas à minha maneira.

Um bom dia para todos

Maite

amok_she disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
lobices disse...

...só para vos desejar um bom dia a todos...
...

Anónimo disse...

Cá estamos, trocando matéria. Os blogs cansam mas não são inúteis.

Qq q seja a configuração, dão. E dão. E dão.

A doação é perigosa mas agradece-se. E grata. E grata.

Esoen

lobices disse...

...é maralhal: a Circe quer um despique comigo em "grosso" vulgo bold...
...já estou a ficar aflito
...acho que me vou dedicar mais ao itálico ou será melhor o sublinhado?...
...quem majudaaaaaa???...

Anónimo disse...

Ah, e aos tretapeutas infecto-cosmopolitas que aqui nos acolhem e ajudam, gratuitamente.

Um grande bem-hajam

Esoen

lobices disse...

...to AJFRM das 11.46 PM:
...
...terminou o seu comentário com um interessante:
"...Mr Lobices,
sageja vem com a experiência,
bom caminho..."

...
...meu querido amigo de Viseu: boa terra, boa terra...
...pois, mas não queria deixar de te agradecer o "inaceitável" Mr já que de treinador nada tenho (apesar de admirar o meu amigo Mourinho)
...por outro lado, e na verdade, a sageja vem com a experiência; nesse aspecto a verdade aí impera pois ela existe na minha já longa caminhada...
...agradeço, por fim, o teu desejo de um bom caminho para mim;
...porém, não estou muito preocupado com o caminho; limito-me a caminhar; isso é que é o importante...
...

andorinha disse...

Só dois comentários breves:) antes de ir ao trabalho.

Amok_she,
Tal como tu referes, tambem nós divergimos em muitas coisas, mas isso não me impede de dizer que concordo quando tu dizes que aqui às vezes perpassa a imagem que não corresponde à verdade do " faz de conta que somos todos amigos de longa data".
Não somos, pessoalmente nunca assumi aqui essa postura, agora o que eu penso é que se vai encontrando aqui pessoas com as quais achamos que temos mais afinidade. Isso não quer dizer que a opinião das outras não conte. Mas isto é como na vida real - há sempre pessoas com quem partilhamos pontos de vista e talvez conversemos mais com essas.

Já tenho que manifestar a minha total discordância quando referes que o que se passou foi um reflexo de "discussões de gajas."
Não aceito de forma nenhuma que as discussões de gajas sejam menos interessantes que as discussões de gajos.
Porque nos desvalorizamos constantemente?!
Já basta alguns homens pensarem isso, ainda lhes vamos reforçar esse argumento de mão-beijada?

Maite,
Aqui ninguém (pelo menos por mim falo) pretende "convencer" ninguém. Exprimem-se livremente opiniões e ainda bem que muitas vezes elas são divergentes senão seria tudo uma sensaboria.
"Aqui confundiu-se género com carácter. No carácter não há distinção de sexo, ou se é vertical, íntegro, frontal, etc ou não..."
Uma tal evidência nem sequer vou contestar.
Agora quem tentou levar a conversa para as questões de carácter, Maite?
Pensa bem. Fui eu? Foi a Elisa? Parece-me bem que não.
E quanto à questão de se ser frontal e directo mantenho tudo o que disse ontem.

Tenham todos um bom dia

madeira disse...

"amor é"
AA: Homem
RR: Mulher


Ainda sobre o tema feminino vs masculino, mulher vs homem; activo/passivo... Alguém ouviu a rubrica de hoje do "amor é" na Antena 1 ?
Não resisti a comentá-lo no meu post de hoje.
Há casos muito duvidosos...
A mim (homem) custa-me a crer que eu tenha uma "sessão" de sexo com uma mulher sem eu desejar... enfim...
O que dizem sobre o assunto?
Muito bom dia para o maralhal (é assim, não é? :) )

Anónimo disse...

Tantos comentárias da mesma pessoa, ainda por cima com foto, já cansa! Guardem as fotos para o álbum de família!!!

TS

lobices disse...

...to the Anonymous TS das 12.28 PM:
...que tens contra as fotos?
...estamos apenas a dar a cara e não como tu a esconder o que queres dizer sob um manto ignóbil do anonimato...
...gostaria, isso sim, de ver a tua cara aqui escarrapachada com toda as identificações possíveis e imaginárias dizer isso mesmo: "guardem as fotos para os álbuns de família"...
...isso seria, no mínimo, honesto
...agora dessa forma... bahh... a minha vai continuar... para além de que a foto não é colocada, ela faz parte da própria assinatura; logo não é vaidade, é apenas e só, verdade!...
...

lobices disse...

...ahh, outra coisa: se te cansa, porque te dás ao trabalho de vires aqui olhar para elas?...
...

Ale (mestressan) disse...

Bom dia a todos! Quem ainda não viu diante da rapidez com que os comentários são postados aqui, informo que fiz uma pequena homenagem a quase todos vocês em meu blog, se quiserem dar uma passadinha lá e lerem, ficarei feliz por ter dado minha mensagem! Um abraço!

AJFRM disse...

Mr Lobices,
não me terei expressado da melhor maneira.
Bom caminho é aquele q acho q percorre.
De uma certa maneira admiro-o, o caminho e a si que o consegue percorrer.
Podendo, quem sabe, servir de exemplo e talvez 'treinar' alguém.
Daí tbm a sageja.
Mr 'soa-me' algo melhor do q o nosso Sr, mas não me ocorreu essa correlação de ideias.
até breve.

yulunga disse...

Lobices, mal ou bem, interessa é que falem de nós ;-)

yulunga disse...

Visto a concidência de temas, deixo este endereço (sem querer roubar comentários aqui ao Dr.)
http://o-microbio.blogspot.com
Dêem uma vista de olhos.

Anónimo disse...

Para «Lobices»

Reitero o que afirmei no comentário anterior: guarde a foto para o álbum de família! E a Elisa, idem idem... Não se trata de dar a cara, antes de discutir ideias. E a ideia que fica é que são (os dois) muito «exibicionistas». É a minha opinião.
Quanto ao facto de vir aqui... Sou livre de ir onde quiser e me apetecer e, até, de zurzir nuns tantos «exibicionistas». Ponto final.
Quanto à minha identificação? Assino com as iniciais (TS), faço o mesmo que a maioria dos cibernautas... Não lhe chega? Se quiser envio uma cópia do BI, da carteira profissional, do cartão de utente... Também quer uma foto? Para quê? Ainda se fosse uma miúda gira!!!
Adiante! E siga o baile!

PS - Apesar deste comentário (não suporto «exibicionistas» e estas (2) caras já cansam...), declaro solenemente, por minha honra, que gosto imenso do Murcon, do seu inspirador e da maioria dos temas aqui discutidos. Sou e serei leitor atento (apenas isso...), mas tenho receio de um dia me passar com estas caras egotistas, exibicionistas e mais uns tantos «istas»...

Até sempre. Força!

(desculpe qualquer coisinha, JMV)

Anónimo disse...

yulunga said...

Lobices, mal ou bem, interessa é que falem de nós ;-)
1:52 PM
...............

Onde é que eu já ouvi isto?! Então e a foto, pra gente ver essa carinha?!

yulunga disse...

Anónimo, se me disseres como posso colocar uma foto sem ter blog no blospot, é já a seguir, é que é já a seguir

PortoCroft disse...

Boa tarde consulentes e 'consuladas',

Contínuo chateado. Tudo porque o Noise roubou o comentário inerente ao Lord of the number. ;)))

Maite,

Não sei se referi a mim nisto mas...

Então a moçoila acha que cada género não tem atributos biológicos próprios? Eu acho que sim. E não vejo que a referência as essas caracteristícas seja um erro ou que haja confusão da minha parte em referi-los. :)

Elisa

Como é que alguém que gosta de poesia e textos herméticos tem tanta dificuldade em ler nas entrelinhas, hein? ;)))

TS

As fotos identificam as pessoas no perfil do Blogger e em todos os comentários que fizerem dentro do sistema (se assim optarem por fazer). Qual é o seu problema? A cara das pessoas ou a sua própria falta de frontalidade?

A sua liberdade também lhe permite não olhar as fotos. Exerça-a!

yulunga

Já te ensino como hás-de fazer. Estou 'em pulgas' por te ver a fronha. ;)))))))))))))))))

Ale (mestressan) disse...

Anonimo TS - Creio que o fato de você vir aqui, no Murcon, chamar de exibicionistas todos estes antigos e assíduos comentadores, apenas por exposição dos pontos de vista, por gostarem de debates e de "concordarem e discordarem" o exibicionismo é de fato somente o seu. Você é um exibicionista! O Fato de expor foto serve apenas para que nos identifiquemos em uma página que permite esse artifício, quanto aos comentários as fotos são automaticamente colocadas...apenas inserimos no Blog uma vez, quando o criamos e toda e qualquer página que comentamos a foto é exibida de forma automátia, como já tive explicando! E qual o problema em eu poder visualizar a simpatia do Lobices, o Lindo sorriso de Rosa, a Segurança trasmitida pelas face de Elisa e Portocroft? A Foto serve para que sintamos o efeito mais presente das palavras e eu gosto de ver a cara de todos. Yulunga, por favor, mude pro Blogspot, quero lhe ver! ;o) - Tenho Dito!!!

yulunga disse...

Portocroft, ai o peso das palavras.
Ale, quem sabe no Brasil...

PortoCroft disse...

yulunga,

Que peso? Tu já andas a ver a minha fronha há uma infinidade de tempo... e, aparentemente, nem te queixas.... (outros há a quem as fotos causa urticária) ;)))))))))))

yulunga disse...

Vão mas é ao blog do Micróbio, juntem o post dele a este e continuem o debate.
Portocroft, mas explica-me mesmo. Manda para o meu mail tudo bem explicado e de forma muito básica, ok?
Volto mais logo.

lobices disse...

...para o Anonimous TS da 1.19 PM:
...abstenho-me de responder à letra pelo simples facto do teu argumentário só ter demonstrado ignorância e aí sim exibicionismo; tal como já foi explicado pelos outros, a foto sai automaticamente pela aposição do comentário; ela sai tantas quantas vezes aqui se comente
...se as nossas fotos te incomodam
vira a página e passa à frente; porém, DECLARO que fico muito triste por ser só a minha cara e a da Elisa que te afrontam; fico triste por saber que as caras, por exemplo, do PortoCroft e do Ale
não te prendam a atenção; isso é discriminação...
...
...quanto ao pedires desculpas ao JMV por qualquer coisinha, não é preciso, ele sabe desculpar!...
...

PortoCroft disse...

Lobices,

Tens que entender que isso não é discriminação. São gostos. Gostos não se discutem.

Afinal, tu já és um lobo velho e eu e o Ale... Estamos aqui na flor do iougurte!... ;))))))))))))))))))

Anónimo disse...

A pedido de vários membros de diversas famílias e sobretudo a pedido das múltiplas personagens que habitam dentro de mim, algumas contraditórias, outras em harmonia perfeita, cumpre-me informar-vos que a partir desta data (mesmo porque posso estar, voluntária e involuntáriamente, em exibição noutros locais que:
- Nem mais um comentário para o blog do JMV, da minha parte. Não estou para ser insultada por ter uma opinião diversa ou por citar autores, ou por ser tolerante ou whatsoever... Tenho mantido, creio, sempre a boa educação e o respeito pelos demais, falando abertamente, como é desde que me conheço meu hábito, donde, basicamente, não estou para isto, com tanta coisa que há para fazer (ler os livros do JMV e ver os Difíceis amores, entre elas)'lá fora'. Se quiserem... eis o meu supremo gesto de intolerância... eu que me afirmo tolerante. Prefiro pensar no meu gesto como de grande generosidade para quem não está para me aturar. Legitimamente, aliás.
- O presente comentário vai sem fotografia, visto que aparentemente a mesma ofende o sentido estético de algumas pessoas. Tenho pena (??) de não ser uma barbie boazona, mas foi o melhor que pude arranjar. Gostaria apenas de reforçar que sem considerar que a imagem só por si nos define, acho que quem nos lê (e eu escrevo habitualmente crónicas em 2 Jornais (vá lá... mais um pouco de exibicionismo da minha parte, eh pá desculpem...é a última vez, sejam pacientes)gosta de ver a face de quem escreve. Eu, pelo menos, gosto de ver a cara dos cronistas que leio habitualmente, para além das palavras que me dão.
- Interessei-me por este blog também pela possibilidade de discussão que os 'post' do JMV permitem. Creio que essa possibilidade se vê frequentemente comprometida pelo facto de nos entretermos a discutir o carácter deste e daquela. Como não sou amiga de ninguém aqui (e nunca tive a pretensão de aqui fazer amigos - porque apesar de nunca serem demais, tenho alguns poucos, que amo profundamente e que me preenchem a vida)sempre considerei que a nossa opinião sobre a personalidade dos que aqui vêm não era relevante para a discussão dos assuntos propostos pelo JMV. Enganei-me. É habitual em mim, como já disse... tenho sempre imensas dúvidas e (felizmente) engano-me com imensa frequência.
- Desejo a todos boas discussões. Gostaria que entendessem a posição que agora assumo como um desejo de tranquilidade. Apenas isso. A vida que tenho vivido tem-me permitido ir aprendendo lentamente que estas guerrilhas de egos não valem a pena. Os laços afectivos que nos ligam a quem amamos e o respeito pelas suas (e as dos outros) opiniões são, mesmo, a única coisa (na minha opinião modesta e pequenina)que importa.
Boa tarde.
Elisa

lobices disse...

...to ELISA:
...deste ao TS a vitória
...apenas lhe fizeste a vontade
...e seja lá quem for, a esta hora está a rir-se da sua vitória
...a tua desistência, na minha opinião, não é uma afirmação, é a negação de nós mesmos, ou seja, que é que eu tenho a ver com o facto de a pessoa TS gostar ou não de ver a minha "fronha" aqui estampada?...
...o que interessa é o que eu penso e não o que os outros pensam de mim
...por isso, todas e todas as vezes que a pessoa TS vier aqui verá sempre a minha "fronha" estampada...
...tu, Elisa, fizeste o que te apeteceu fazer e isso é contigo, mas acabas de lhe dar a vitória
...essa, eu não lha dou
...olha como eu sorrio!...
:)

Anónimo disse...

Elisa! p.f. volta e com fotografia... eu sou uma anónima que gosto imenso de a ler e de a ver :)

Espero que lhe tenha ocorrido que quem não mostra a fronha e desdenha quem o faz merece algum respeito (desculpem mas o respeito todo, merece quem faz por isso respeitando as opções de cada um) mas se calhar tem todos os motivos para a esconder?? :))

Um beijinho

Anónimo disse...

(... post seguinte...)

Continuando a agradecer a permissão de anonimato, justificável se necessário, lamento deveras a desistência da Elisa, que decerto reconsiderará a atitude, como mulher sábia que é.

Esoen

circe disse...

Ilustríssimo sr. TS ,
Lamento desiludi-lo:
FAMÍLIA - não tenho
ÁLBUM - ardeu há 2 anos num incêndio...
loooooool loooooooool

Elisa, Lobices, Ale, que é feito da
vossa sustentável leveza de humor???!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

Ontem foi a LADIES NIGHT, hoje o TS
(será T arado S exual?) manda que
siga o baile, e os artISTAS ameaçam
demitir-se??????

Tenham dó do pobre voyeur...;))))))

andorinha disse...

Elisa,

Acabei de ler agora o teu comentário e deixa-me dizer-te que pessoalmente fico bastante triste por ser tua intenção nunca mais aqui comentares.
Entendo a tua posição quando dizes que pretendes tranquilidade, que não estás para ser agredida ou insultada e que "...GUERRILHAS DE EGOS NÃO VALEM A PENA."
A tua motivação inicial para aqui estares( comentares os posts do Júlio e interagir com gente civilizada está a ser posta em causa por tudo o que referes.
Compreendo-te, Elisa, sinceramente, porque também eu começo a ficar farta deste clima de guerra surda e suja em que parece que passámos a viver.
O que podemos nós fazer se algumas pessoas acham ( e mais uma vez a carapuça é para quem serve) que a melhor forma de aqui participarem é insultarem os outros e ficarem horas a fio com conversas "de chacha", passe a expressão, que não levam a lado nenhum. Refugiam-se nisso por não terem capacidade para comentar, e como precisam de aparecer.....
Coitadas, o que se poderá pedir-lhes mais?!!
O que as faz falar é a inveja de não serem capazes de ser como tu, nem de analisarem as coisas da forma como tu fazes. E aqui tenho que reconhecer que neste aspecto, infelizmente, as mulheres são piores que os homens.

Espero sinceramente que repenses a tua decisão e voltes a participar.
O Júlio e outros tertulianos merecem isso. O blog vai ficar claramente mais pobre, é uma pena que algumas pessoas não reconheçam isso. Ou então é isso mesmo que querem...

Não necessitas de conselhos meus, mas mesmo assim dou-tos:). Comentas os posts e "falas" com uma ou outra pessoa quando te apetecer e se te apetecer.
É o que eu vou passar também a fazer, porque isto assim é realmente desgastante e não há pachorra para a burrice e mediocridade.
Vês ao que eu me queria referir quando disse um dia destes que não se devia ser tolerante com tudo? Pessoas pouco inteligentes, mesquinhas e medíocres não tolero!

Isto são palavras sentidas e ditas do fundo do coração não por uma amiga, porque não é neste espaço nem em tão curto tempo que se fazem amizades, mas por alguém que é capaz de reconhecer o valor do outro sem achar que por isso o seu é questionável.
Espero ler-te aqui em breve.

Anónimo disse...

andorinha, cara

O éter dos blogs é fractal e reproduz infinitamente as graçolas da burrice e da sacanagem mas isso parece-me ter uma graça imensa, direi mm descomunal, pq reproduz tb os gestos da cordialidade e mm os da pureza (isso existe, como sabe).

Esteja em guarda para não despistar o carrinho de choque com que se aventurou neste arraial.

Não se aborreça com tão pouca ofensa e creia-me reverentemente ao dispor para uns próximos choques.

Esoen

Anónimo disse...

Carta aberta:

Só agora tive tempo (sou jornalista e professor) para vir aqui espreitar. Li apenas na diagonal, mas a «coisa» está feia... Ora vamos lá a ver...

1 - Quando me insurgi contra as fotos (todas elas...), exerci o direito à crítica, legítimo. Fui corrosivo? Talvez! É o meu estilo e não quis ofender alguém. Trata-se de uma questão estética, de bom gosto – e não uma feira de vaidades, um lugar onde se debita «palha»... (como diria o Eça). Sou grande admirador de Júlio Machado Vaz, li os seus livros, vi os seus programas, por isso vim aqui parar. Apenas como leitor, como já tive oportunidade de referir. A minha área de intervenção é outra...

2 - Confesso que um tal «lobices» irrita-me. Mas uma andorinha não faz a Primavera... Já em relação à Elisa, peço desculpa, mas não quis ofendê-la. Quando critiquei a questão da foto, não comentei se era bonita ou feia, magra ou gorda - limitei-me a dizer que este espaço, que poderia ser de eleição para debater temas interessantes, estava a tornar-se uma feira de vaidades, de exibicionismo, à sombra de uma figura (JMV) que merece todo o respeito, que nos ajudou a ver mais longe.

3 - Obviamente, não respondo a comentários de atrasados mentais. Estão aqui por engano... Adiante!

4 - Ainda em relação à Elisa: por favor, volte! Com foto ou sem foto, mas volte! Até gosto dos seus comentários... Interpretou mal aquela crítica sobre a foto. Só não gosto do «lobices»... É demasiado arrogante.

5 - Anonimato. Não sou cobarde, mas sou dou a cara onde, quando e a quem quero. No jornal, naturalmente; aos meus alunos, às minhas filhas, aos meus amigos... Aqui, nesta floresta virtual, considero que somos mais livres se formos anónimos. É um direito... igual àquele de colocar aqui a carinha laroca...

Boa noite! Sejam felizes!

TS

PortoCroft disse...

TS,

O 'atrasado mental' penitencia-se pelo excesso de brejeirice.

Anónimo disse...

«Brejeiro»? Como diria uma amiga... «vai dar sangue»!
«Penitência»? De quê?
Não perco mais tempo com narcisistas... Prefiro a poesia!

TS (os «atrasados mentais» até adulteraram as iniciais do meu nome, mas devem olhar-se ao espelho... Seguindo em frente, como bem canta a Bethânia...)

«Ando devagar porque já tive pressa
E levo esse sorriso porque já chorei demais.
Hoje me sinto mais forte, mais feliz quem sabe
Eu só levo a certeza de que muito pouco eu sei.
Eu nada sei.
Conhecer as manhas e as manhãs
O sabor das massas e das maçãs.
É preciso amor para poder pulsar
É preciso paz para poder sorrir
É preciso chuva para florir...
Penso que cumprir a vida seja simplesmente
Compreender a marcha, ir tocando em frente
Como um velho boiadeiro levando a boiada
Eu vou tocando os dias pela longa estrada
Eu vou, estrada eu sou...
Todo mundo ama um dia, todo mundo chora
Um dia a gente chega, no outro vai embora.
Cada um de nós compõe a sua história.
Cada ser em si carrega o dom de ser capaz de ser feliz.»

Maria Bethânia

Anónimo disse...

«Brejeiro»? Como diria uma amiga... «vai dar sangue»!
«Penitência»? De quê?
Não perco mais tempo com narcisistas... Prefiro a poesia!

TS (os «atrasados mentais» até adulteraram as iniciais do meu nome, mas devem olhar-se ao espelho... Seguindo em frente, como bem canta a Bethânia...)

«Ando devagar porque já tive pressa
E levo esse sorriso porque já chorei demais.
Hoje me sinto mais forte, mais feliz quem sabe
Eu só levo a certeza de que muito pouco eu sei.
Eu nada sei.
Conhecer as manhas e as manhãs
O sabor das massas e das maçãs.
É preciso amor para poder pulsar
É preciso paz para poder sorrir
É preciso chuva para florir...
Penso que cumprir a vida seja simplesmente
Compreender a marcha, ir tocando em frente
Como um velho boiadeiro levando a boiada
Eu vou tocando os dias pela longa estrada
Eu vou, estrada eu sou...
Todo mundo ama um dia, todo mundo chora
Um dia a gente chega, no outro vai embora.
Cada um de nós compõe a sua história.
Cada ser em si carrega o dom de ser capaz de ser feliz.»

Maria Bethânia

PortoCroft disse...

Pena ser 'narrowminded' e julgar-se o centro de tudo. O comentário que fiz, brejeiro como disse, foi para alguém com quem tenho já uma certa ligação e afinidade para tal e que é o Lobices. Embora, pelo seu comentário anterior, tenha entendido que o possa ter, de alguma forma, atingido.

Não aceitou as desculpas. Deu a resposta que deu e sem sequer identificar, ao menos como TS. De maneira que, tal como a sua amiga, porque os seus propósitos são mais do que claros, embora sejam negativos, sou eu que lhe digo: "Vá dar sangue!". Porque sou eu que não promovo imbecis. Ainda que tenha a escolaridade obrigatória...

Anónimo disse...

Também tu, meu filho Brutus?!

Afinal temos clones... Já esclareci os meus propósitos: sou leitor e admirador de JMV e foi por isso que vim aqui parar, por indicação de pessoa amiga. Não entro em discussões académicas sobre «orgasmos de elite», apenas me insurgi contra os exibicionistas.

«Centro do mundo»? Quando muito da minha rua, como diria o meu saudoso amigo Fernando Assis Pacheco...

Já reparei que tem afinidade com um tal «lobices». Gostos não se discutem... É caso para dizer: também tu, meu filho Brutus?!

«Imbecil»? Quem ofende quem? Estalou-lhe o verniz... Gente sem qualidades! «Tocando em frente»...

TS