sábado, novembro 05, 2005

Agradecimento mais do que merecido.

Aqui vos deixo o texto que escrevi para o Expresso de hoje sobre a obra do meu filho Guilherme em Cantelães. Porque ele merece, a casa roubou-lhe um par de anos de vida, mas tornou-se realmente o refúgio dos Machado Vaz.


O ramo que semeia raízes


Cantelães é hoje um lar. O facto não traduz infidelidade arquitectónica ou afectiva à casa portuense. Vivemos juntos há vinte anos e juro, sem remorsos da alma ou figas dos dedos, que por mim não haverá divórcio. Devo-lhe muito: foi sala de trabalho caótica, testemunha discreta de amores felizes e rupturas dolorosas, colo silencioso em noites de música e livros.
Mas eu sonhara mais. E se sonho é palavra respeitável, embora tantas vezes resignada ao poder dos cifrões nesta sociedade, o sentimento que o gerou nem por sombras. A inveja. Eu, pecador, me confesso - rebolei-me nela em pequeno, ouvindo as descrições da Quinta em Paredes de Coura. Caçula da minha geração, fui o único a não conhecer a casa, a mesa cheia, o bilhar onde dormia meu Pai, o caramanchão. Tanta inveja, semeada no terreno fértil da solidão de filho único, transformou-se em nostalgia reconstrutiva: inventar para os meus as raízes que não me tinham erguido, levar os citadinos de regresso à terra, ao menos de Sexta a Domingo. Cantelães nasceu desse vazio, com anos de atraso que não perdoo a mim próprio.
Covil escolhido, pus o leme nas mãos do Guilherme. Sabia-o talentoso, percorri algumas das suas obras. Mas sabia mais: alguém que depois da morte de uma criança, - intolerável absurdo! -, lhe desenha campa rasa ascética que reflecte o brilho do sol e a dança das nuvens, pensa a arquitectura a partir das pessoas e a elas regressando. Tal inspiração, na sua tristeza, não jorrou apenas de mão hábil e inteligência aguda, bebeu antes de enorme coração.
Ingénuo, decretei-lhe o imaginário de braço dado com o meu – casa de pedra, varanda rústica à volta. Quando vi o projecto, gelei: um estilizado meteorito paralelepipédico em Cantelães? Lembrei o Eduardo Souto Moura na SIC-Notícias: “se fizesse uma casa de que não gostasse, ela ficaria mal de certeza”; previ o futuro dos Machados, juntos numa obra que não satisfizera o autor, mas o pai; gozei o olhar brilhante do Guilherme, o voo das mãos que tentavam ajudar-me a imaginar a casa. E não hesitei: abdicar de parte do meu sonho era um preço baixo para ver o seu partir à rédea solta.
Erro crasso, Guilherme desenhara exactamente o que lhe pedira, eu é que confundia materiais e arquitectura, forma e vida. Cantelães lembra o título de um dos meus blues favoritos – A Room with a View. Porque os quartos, no seu recato, recebem o abraço da sala, do corredor, da cozinha, num anel envidraçado que se derrama sobre a paisagem. Que burrice minha! – o rapaz trouxera a varanda para dentro da casa…
Que me acolheu bem, mas à experiência. Compreendo-a, os amores á primeira vista são tórridos e frágeis. Um ano decorrido, é um lar. Quando me deito e lanço um olhar aos meus, emoldurados na mesa-de-cabeceira, distribuo o carinho em partes iguais. Mas reservo um obrigado ao Guilherme, por nos presentear com um acolhedor pingo de talento.
Estranha árvore familiar, em que um ramo semeia as raízes…

86 comentários:

fora-de-lei disse...

Tentando realçar o quão importantes são os contornos arquitectónicos de um espaço para o bem estar emocional de quem o frequenta, Frank Lloyd Wright disse um dia qualquer coisa deste estilo: "no limite, sou capaz de desenhar uma casa de modo a que o casal que lá vive se separe ao fim de muito pouco tempo".

A avaliar pelo estado de espírito de JMV em relação à sua casa de Cantelães, a obra do seu filho Guilherme é - pela positiva - uma comprovação muito clara da citação de Frank Lloyd Wright...!

Julio Machado Vaz disse...

Fdl,
Nunca tinha pensado na coisa assim, mas se o oposto é verdade, por que não admitir que uma casa possa "desunir" a família?

Ameninadalua disse...

Professor
Que bom! que bom!
A possibilidade de se ter um lar verdadeiro em que o divórcio nunca exista é mesmo muito gratificante...e ainda por cima em que a beleza arquitectónica teve espaço para ser... e principalmente para para ser vivida.
Muitos parabens... quem sabe os deuses não o acham merecedor:))))

fora-de-lei disse...

Julio Machado Vaz 5:36 PM

No meu entendimento, foi isso mesmo que FLW quis dizer. Mas claro que ele se referia apenas aos aspectos estritamente arquitectónicos de um espaço...

Mas quantas "pequenas" chatices não surgem dentro de casa, no seio de um casal, só por causa do layout dessa casa ? Aquele biblot com que o marido embirra sistematicamente por estar onde está, talvez pudesse estar noutro lado qualquer se o mobiliário pudesse estar disposto de uma outra forma.

Ou será que o marido nunca embirraria com a porcaria do biblot se, a um outro nível, estivesse tudo relativamente bem resolvido nesse casal ? Ou seja, uma casa não é apenas arquitectura; uma casa também é feita por que lá vive !

Lembrei-me desta citação de FLW porque a minha mulher, "extremando" a sua posição, a usou na sua tese de Mestrado, numa tentativa científica (?) de comprovar que a arquitectura dos espaços escolares é deveras importante para o comportamento dos alunos e, por consequência, para o seu aproveitamento escolar.

viv disse...

Um texto belíssimo!

zm disse...

Professor,
Já lhe tinha perguntado por detalhes da casa. Percebi pelas outras pequenas fotos que era um projecto de génio. Vejo agora que não me enganei. Eu também sofro de inveja. A inveja desse talento fantástico que tem o seu "ramo". Inveja positiva esta, que me faz curvar de admiração e empatia, pelo fruto do talento a primeira, pelo desgosto a segunda. Tenho hoje uma filha e um projecto a caminho, mas já antes de ser pai tinha entendido que não há sofrimento mais profundo que o de perder um filho. Adorei o seu texto. Adorei a sua varanda feita casa. Fez-me chorar, nem sei bem porquê.
Obrigado por ter partilhado (mais uma vez) as suas paixões.
Um grande abraço ao talentoso Guilherme.
ZM

moon disse...

:))))
Parabéns Papá babado.

P.S. Finalmente consegui chorar...:)))

fora-de-lei disse...

Falando uma vez mais de arquitectos, deixem-me só dizer que o arquitecto Siza Vieira desenhou, recentemente, a “Medalha dos 100 Anos” do Sport Lisboa e Benfica. Esta obra de arte, em prata, foi concebida por este arquitecto para homenagear o clube do seu coração.

Pamina disse...

Gostei do post. É um agradecimento muito bonito e terno ao filho por ter realizado o sonho do pai, com aquela pontinha de orgulho que todos os que têm filhos sentem com os seus sucessos.
Relativamente à arquitectura, acho que teria tido a mesma reacção inicial ao ver os primeiros esboços, mas, como todos vimos nas fotos, a tal área envidraçada, onde os ramos das árvores se reflectem, realmente parece ter resultado muito bem.

O comentário do Fora de lei (5.58) menciona alguns pontos interessantes. Claro que escolas/salas de aula bem desenhadas são muito importantes para o sucesso escolar. Também concordo com as observações sobre o bibelot. Embora esse género de irritação seja realmente muitas vezes o sintoma de que algo não está bem na relação e não a causa do mal, acho que um deficiente planeamento do espaço, ou a falta dele, poderão realmente originar atritos evitáveis. Quando se pensa nisto, vem logo à cabeça aquela cena típica da bicha matinal para usar a casa de banho que nos filmes é muito hilariante, mas que na vida real não tem piada nenhuma.

Durmam bem (eventualmente depois duma farrazita de sábado à noite) e bom domingo para todos.

Anónimo disse...

Lendo os seus "blogs" vejo o poeta que não aparece na televisão. Já tinha lido o texto no "Expresso" e fiquei emocionada com o AMOR DE PAI que ele revela.

andorinha disse...

Júlio,
Gostei imenso do post. Mais um daqueles que me deixou comovida.
O texto tem frases lindíssimas, mas desta vez não destaco nenhuma:); todo ele é um doce.
Obrigada por continuar a partilhar connosco o que lhe vai na alma.
Estranha (e bela) árvore familiar, em que um ramo semeia as raízes...
Não é preciso dizer mais nada, todas as palavras serão supérfluas.

P.S. Eu é que vou ficar com o pecado da inveja.:)))

andorinha disse...

Fora de lei (5.58)

"...a arquitectura dos espaços escolares é deveras importante para o comportamento dos alunos e, por consequência, para o seu aproveitamento escolar."

Se é, eu que o diga.:)
Mas muitos espaços são concebidos sem terem isso em conta, com os (maus) resultados que daí advêm.
Os mesmo alunos em salas concebidas e dimensionadas de forma diferente têm comportamentos diferentes.

marakoka disse...

gostei de lê-lo, pq essas palavras parece q tem mãos e braços que transformam-se em sentimentos...
... não chorei, nem ri, mas tb não me ficou indiferente, fiquei com a varanda aqui dentro
jocas maradas pelas palavras escritas

D.Manuel disse...

Júlio
Que comentário se pode fazer depois da leitura deste seu texto ?
Fez-me lutar com as lágrimas.
Obriga-me a admirá-lo ainda mais.
É, de facto, nas pequenas ca(u)sas, que se percebem os grandes homens.
Obrigado por existir e escrever dessa forma.

Paulo Pisco disse...

A memória e a tradição são (sempre) pura re-invensão!!
Viva o talento de o conseguir.
E, já agora, bons fins de semana.

AJFRM disse...

" N'oublions pas que les enfants suivent les exemples mieux qu'ils n'écoutent les conseils."
Roy L. Smith

" Les pères nobles ont des enfants nobles."
Euripide


para mim é gratificante ver q nem tudo mudou no Mundo.
ainda há boas coisas q permanecem...

félicitations JMV

-Stardust- disse...

Professor,

nunca vi fotos da casa, mas este texto cheira a família, e uma "casa-mãe" é quase essencial... o porto seguro a que todos voltamos, aquele que aparece no fim de tantos filmes. Parabéns ao Guilherme pelo grande objectivo!

Ao lê-lo e ao comover-me, porque felizmente na minha família existe "o nosso sítio", lembrei-me de algo que li em pequena e me ficou sempre:

"Em casa. Onde pertenço. Onde o céu é como o recordo, e o ar é meu amigo."

Obrigada por partilhar um pouco da sua felicidade connosco.

andorinha disse...

ajfrm,

Belíssimas citações.:)

leitora do expresso disse...

"INVENTAR PARA OS MEUS AS RAÍZES QUE NÃO ME TINHAM ERGUIDO"

é a frase que eu elejo, pela sua universalidade e inter-subjectividade. Qualquer ser humano de qualquer classe social, poderá subscrever este sonho e cumprir este desígnio. Arquitectando, às vezes, uma vida.

Lembro-me de um fado da Amália, apesar da minha pouca "fé" nacionalista:

....
Mas por mistério divino
Há quem nasça pequenino,
Para cumprir grande Fado.

Felicitações sinceras.

Débora disse...

Prof. JMV,

Bela, ternurenta e meritória homenagem a um filho, de um pai orgulhoso! Obrigada por a partilhar connosco.

“Estranha árvore familiar, em que um ramo semeia as raízes…”

A este comentário, tenho vontade de responder as seguintes palavras, atribuídas a Cristo:

“ … Porventura colhem-se uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos?
Assim, toda a árvore boa produz bons frutos, e toda a árvore má produz frutos maus. Não pode a árvore boa dar maus frutos; nem a árvore má dar frutos bons. (…) Portanto, pelos seus frutos os conhecereis “(Mateus 7:15-20).

“…levar os citadinos de regresso à terra, ao menos de Sexta a Domingo…”

Também eu tenho inveja. É que não tenho terra. Quis o infortúnio que nascesse em Lisboa, que não serve de refúgio a ninguém – pelo contrário. Se quiser uma terra, terei que a “criar”, mas sem raízes ou referências, é talvez inóspito. É um desabafo!

Saudações,
Débora

Anónimo disse...

"O Mário é um monarca caprichoso e arrogante, que sacrificou amizades, princípios, valores, lealdades, coerência, o partido e os interesses do País, à sua ambição longamente calculada de vir a ser Presidente da República" – Quitéria Barbuda

Portugal é definitivamente um país do Terceiro Mundo, que tem Leis que permitem que um fora-da-lei se candidate à eleição para o mais alto cargo da Nação.

Vejamos o seu Currículo:

- Papa Doc quando era Primeiro-Ministro teve ligações perigosas com Kadhafi.
- Alpeida Santos foi o impulsionador e accionista das sociedades anónimas que receberam "donativos" e "contribuições" de mafiosos.
- Papa Doc só se exilou em Paris depois de garantida a sobrevivência como consultor do Banco d’Outre de Manuel Bullosa.
- "Papa Doc comentou que os que estivessem com ele nunca teriam razão para se arrependerem desse apoio, enquanto que os outros se 'lixassem' " – Rui.
- Papa Doc só não aceitou o convite do director de campanha de Marcello Caetano, Guilherme de Mello e Castro, para integrar as listas da ANP, em 1969, porque pretendia a garantia de um lugar no Governo.
- "O Papa Doc é um pobre vaidoso sem uma verdadeira noção dos acontecimentos históricos em que participava" – Tony Benn, Londres, 1994.
- Na madrugada do dia 25 de Novembro, enquanto as forças democráticas se preparavam para o confronto com os sial-fascistas, o Mário pirou-se com a família para o Porto. Quando as forças patrióticas declararam vitória, o Papa Doc veio a correr para Lisboa reclamar os louros e declarar-se líder da Democracia.
- Soares sempre nutriu um indesfarçável embirração por Guterres.
- Quando foi Primeiro Ministro e fez um ano de Governo, o Mário ordenou a publicação de um livro intitulado "Vencer a Crise, Preparar o Futuro", com 50 mil exemplares, pagos pelo erário público. Foi um livro revelador das tendências absolutistas de Soares, que tinha muitas semelhanças com as publicações dos regimes despóticos, com elogios ao chefe, acompanhado de inúmeras fotos do Mário, revelando a sua avassaladora e imodéstia omnipresença.

"Papa Doc foi sempre obcecado pelo poder, e por isso nunca o descentralizará" – Quitéria Barbuda in "O regresso do Patife", Revista "Espírito", nº 16, 2005.

Este artigo teve a aprovação do Exmo. Comandante Guélas
Viva o Comandante Guélas
www.riapa.pt.to

noctívago disse...

Mas quem serão estes psicopatas que andam aqui a entupir a caixa?

Mas, certos comentários "inteligentes" ao post do prof. MV são de uma ignorância e inconsciência atroz!
Há imensos génios da humanidade, heróis, santos, que nasceram fihos de pais pobres, alcoólicos, ou que tiveram nascimento ilegítimo. E o professor sabe disso muito bem. Acabem lá com as ladaínhas parvalhonas! Que me conste o famigerado Cristo, nasceu numas palhas e era filho de um carpinteiro.

náutica disse...

Pusemos o leme nas suas mãos... você pos o leme nas do Guilherme ...
arquitecturas.
parabéns para os dois
e para nós

náutica disse...

... mas serão precisas estas amarras para nos sentirmos acolhidos pela vida?
parece que sim, afinal.
não basta o mar bravio e a constante luta com as ondas, o constante desafio da desinstalação e do efémero.
JMV, desejo-lhe 'felicidade' nesse lugar de eleição!

noiseformind disse...

Eh pá... ; )
Só tenho a ficar admirado não com o trabalho do Guilherme nem com a qualidade do texto do Éme mas o que me admira é o trabalho do António José Saraiva. Pegou um raspanete ás miúdas que fizeram aquela reportagem insultuosa sobre o Jú e depois teve este "golpe de asa" ao fazer esta reportagem sobre o projecto do filho mas colocando o texto do Pai no fim de tudo, ficando assim mais que claro para os leitores regulares do EXPRESSO (não sou um deles, cravei a um Tio a revista Linha ; ) ) que está tudo bem entre o Boss e o EXPRESSO. Ou seja, pega-se num trabalho de arquitectura de qualidade, junta-se uma polémica recente, convida-se o pai do arquitecto para "dizer umas palavras", colocam-se essas palavras de forma autónoma no corpo da revista et violá, diante do público do jornal está o assunto sanado. E atenção, não estou aqui a exercer nenhuma crítica. Tudo feito ás claras e sem truques de alquimia, indirectamente e de forma totalmente despretenciosa ; )))))))))))))

Por acaso, depois da polémica
Por acaso, como destaque
Por acaso, no EXPRESSO
Por acaso, com texto do Jú

Muito elegante este António José Saraiva, vou ter saudades dele quando deixar o EXPRESSO. Parece-me um cavalheiro de tempos idos, um sobrevivente estético da organização de um Jornal. Não tem medo de dar trela solta aos seus jornalistas, mas sabe quando agiu mal e emenda os seus erros de acordo com os leitores, protegendo a imagem do Jornal e das pessoas que foram agredidas.

Imagino o Jú a olhar para a alegria do destaque dado à obra do filho e a pensar "pois, é merecido, mas tinha de ser logo ali no Expresso? E ainda por cima o convite para eu dizer umas "palavras", informal e inocente? Como me recusar? Não posso, o puto merece, a casa merece, a minha bílis ainda não está tão acidamente envelhecida para julgar o todo pela parte, nem sequer é no mesmo caderno onde fui vilipendiado, entre a Linha e esse Caderno estarão pelo menos 3 suplementos de publicidade e 2 revistas de sociedade, e se eu insistir até metem a Golfe como muro ecológico" : ))))))))))))))

Quanto ao texto, está uma delícia, afinal gerações podem conviver muito para além do tecto. Como o Jú gosta de dizer, agora são 3 amigos partilhando muito mais do que as teias da genética ou feitios herdados por simpatia. Quanto ao ramo dar raízes, é muito fácil e não é mistério nenhum da natureza: enfiando um ramo na terra passados poucos meses já estará ele cheio de raízes. Deixando ao vento crescerá e dará folhas. Um ramo é apenas um ponto de interrogação geográfico ; )))))))))))))))))))) pode crescer para o Sol e acentuar a sua independência e singularidade ou pode enterrar-se na terra nutridora e alimentar-se dela nas suas formas e texturas. A força que está em nós manisfesta-se de muitas formas, quase tantas como a nossa fraqueza ; )))))))))

Beijinhos a todos Maralhal

E NADA DE FALTAR DIA 12 NOVEMBRO AO SJSM. MANDAR MAIL PARA JANTARDOMURCON@GMAIL.COM. AO CONTRÁRIO DE CERTOS GAJOS QUE FAZEM CONGRESSOS COM O NOME DO JU NÓS AVISÁMOS LOGO: ELE NÃO VEM!!!!!!!!!! ; ))))))))))))))) SÓ MESMO PPL AQUI DA CAIXA DE COMENTÁRIOS!!!!!!!!!!!!!

noiseformind disse...

SÓ LEMBRAR QUE O SJSM, COMO TODAS AS COISAS NESTE PAÍS QUE TÊM ORÇAMENTOS COLOSSAIS E NÃO SERVEM PARA NADA, REALIZA-SE EM LISBOA, EM TASCO AINDA A DESIGNAR : ))))))

Anónimo disse...

Este Noise é mortal, dá vontade de mexer o rabo da poltrona e ir ao SJSM só para o conhecer. Se não nascesse antes de ser abortado tinha de ser inventado por algum Dr. Moreau

fora-de-lei disse...

noiseformind 3:32 PM

Só te podes estar a referir à CM ou ao "metro" de superfície. Mas enganaste-te quanto à localização geográfica... ;-))

Juliana disse...

Professor...estou sem palavras. Estão todas no seu texto.

Obrigada por existir!

Esses sentimentos de filho único conseguem, por vezes, ser muito crueis...ainda bem que a vida nos vai dando oportunidades de fazer as pazes com o "resto do mundo".

Um beijo muito especial hoje...

Julio Machado Vaz disse...

Noise,
Essa cabecinha, sempre a trabalhar:))))). O suplemento é da responsabilidade do arquitecto José Mateus, que já tinha mostrado a casa na SIC-Notícias.

Juliana,
Os filhos únicos são horríveis, toda a gente sabe:).

RAM disse...

Carissimo Anfitriao,

"Estranha árvore familiar, em que um ramo semeia as raízes…"...
... mas nao sera esse o sentimento que todos gostariamos de viver um dia?
Estranha?
Nao creio.
Somente bela...
Bem haja(m)...

Anónimo disse...

Noise, Viktor: a música (moderna) está divinal!!!!!!
:))))

Ameninadalua disse...

Noise

"Quanto ao ramo dar raízes, é muito fácil e não é mistério nenhum da natureza: enfiando um ramo na terra passados poucos meses já estará ele cheio de raízes. Deixando ao vento crescerá e dará folhas. Um ramo é apenas um ponto de interrogação geográfico ; )))))))))))))))))))) pode crescer para o Sol e acentuar a sua independência e singularidade ou pode enterrar-se na terra nutridora e alimentar-se dela nas suas formas e texturas. A força que está em nós manisfesta-se de muitas formas, quase tantas como a nossa fraqueza ; )))))))))"


Para alem de teres a "tua cabecinha sempre a trabalhar", como diz e muito bem o professor e porventura teres sido menos exacto na tua análise, devo dizer-te que gostei particularmente deste teu post; mostra claramente aquela capacidade que por vezes tens de pensar, em que os pensamentos transbordam em muito a tua cabeça e o teu coração...ou seja são como aquelas ideias únicas que por isso mesmo calam fundo dentro de nós...:)))

Lusco_Fusco disse...

Mahatma
O senhor é um poeta.
Obrigado pela obra de arte com que descobre o íntimo conjugado com o refúgio. É lindo o amor que o inunda conjugado com a paisagem que o cerca, funde-se.
Nos dias que correm, possui bens raros.
O amor familiar e a natureza... Bonito.
Bem haja!

inês costa disse...

olhei a revista ainda antes de ver este post, ao que desfolhei com alguma curiosidade o artigo relativo à casa. bonito projecto este, em que a habitação não se descola cruamente da paisagem, ou o contrário.
acredito que o arquitecto seu filho tenha achado, logo de princípio, de uma facilidade extraordinária desenhar um sítio lindíssimo perante tal moldura natural. a facilidade terá vindo a diminuir à medida que o facto de a futura casa pretender concorrer a lar do pai começou a pesar...

um bem-haja pela partilha de um espaço que não diz apenas de si mas da família de quem tanto orgulho tem (o que é claro pelas estórias que deliciosamente nos conta).

Nina disse...

«Estranha árvore familiar, em que um ramo semeia as raízes…»


Estranha seria a árvore familiar, em que um ramo não se tornasse flor... fruto... árvore... floresta... Primavera....Outono...

Carinho. Bom Domingo para todos.

Nina

azulcereja disse...

Querido professor!
Num final de tarde de domingo resolvia eu tentar forma de lhe conseguir escrever algumas palavras ( duvidas e comentários a programas seus que vi ou que ouvi), e heis que encontro o seu blog e não consegui parar de "vasculhar" em todas as frestas que consegui entrar, extasiada por me sentir "da familia".
Provavelmente não se lembrará duma leitora sua, que numa biblioteca onde foi promovido o seu livro, da altura (Estes Difíceis Amores), lhe dirigiu palavras de agradecimento por partilhar comigo, e com os restantes que o poderiam ler, a sua partilha de sentimentos e vivências, incluindo as familiares. E que ainda o considerou um poeta quando, reportando-se a passagens desse mesmo livro, ilustrou que o texto em prosa me parecia poesia...
Não se lembra, pois não?
Retenho dessa tarde um recíproco agradecimento seu ao me dizer que nunca ninguém lhe tinha falado com tanta ternura do que escrevia como eu o terei feito.
Hoje, depois do que li do seu texto e dos comentários que acabei de ler de tantos outros admiradores seus, fico com uma satisfação imensa por saber que há outras almas como a minha que sintonizam o mesmo de si e sobre si.
Não me consigo lembrar onde terei lido sobre a vossa casa, ilustrada por comentários seus e imagens soberbas de recantos e perspectivas de fazerem ter uma inveja saudável (no sentido de se invejar o que, ou quem, gostamos).
Pode crer, que esta inveja me deixa feliz, por si, pelos seus.
Obrigada, mais uma vez, pela forma cristalina e tão rebelde com que sempre se exprime, e ainda assim tão sensível.
Se o tivesse que associar a alguma imagem, sabe a que é que o faria parecer? A um riacho de águas cristalinas, como na canção da Elis Regina e Tom Jobim ( Está Chovendo na Roseira): "... e o riachinho de águas espertas se lança em vasto rio de águas calmas..."
Deste lado recebemos de si o seu conhecimento e sensibilidade, tornando-nos num mar mais rico e vivo de novas e para novas emoções.
Com sincera amizade me despeço, formulando votos de muitas felicidades nesse vosso ninho familiar.
Ana Paula

P.S. Acabei de me inscrever como "blogger" para fazer parte desta "tribo"...tudo por culpa sua (risos).

r. do expresso disse...

Júlio,

Estás lixado copm o mulherio..Elas o que mais gostam é de brincar às casinhas e do papá Édipo!

Noise:
O António José Saraiva foi um enorme ensaista, que já morreu,e que era irmão do José Hermano Saraiva. O sr. do Expresso chama-se: Jodsé António Saraiva.
Que confusões!

r. do expresso disse...

leia-se: José António Saraiva

amok_she disse...

...pois, confusões!:->, ñ sabem usar super-cola-tudo - daquela q cola cientistas ao tecto - e depois dá nisto!:->

insideZ disse...

Júlio.

Homem, vc descanse, olhe que quando os seus textos forem modestos de qualidade, coisa que não imagino possível, os comentadores estão à altura...
( Sorrisinho satânico )
É certo que por vezes lhes sobra em quantidade e disparates o que lhes falta em conteúdo ( mirem em mim o exemplo ), mas, apesar de tudo, deve ser um privilégio ter esta plateia aos pés.

Obrigada por nos acolher e faça-me o especial obséquio de me crer seu
admirador.

ramos disse...

RAMOS ILEGÍTIMOS

Eça de Queirós, Camilo Pessanha, Eugénio de Andrade,Camilo Castelo Branco, Florbela Espanca,Irene Lisboa, Sá de Miranda,etc, foram filhos ilegítimos, em época em que isso era um grande estigma. Filósofos e artistas, músicos, etc, o foram também.
Essa histeria pseudo-carinhosa e palerma, das boas cepas e dos bons ramos, não tem nada a ver com a VIDA, nem com a ARTE.

osserpxe od .r disse...

José António Saraiva, ex-director de redacção do Expresso, é filho de António José Saraiva. Este último, irmão de José Hermano Saraiva, sempre considerou este seu irmão como o irmão predilecto (aparte as divergências políticas, pois António José Saraiva, seria militante do Partido Comunista Português e José Hermano Saraiva, Ministro da Educação do Estado Novo salazarista).

Anónimo disse...

É estranho verificar a facilidade com que alguns criticam os outros.
As mulheres por norma são mais suaves, tolerantes, direi eu. Mesmo ouvindo algumas bestas proferir os mais variados insultos elas mantêm uma postura compreensiva.
Alguns (muitos) homens por sua vez, e algumas mulheres, vêm para aqui, sem acrescentar algo de verdadeiramente inteligente ou criativo, debitar nada mais do que fel e eu fico sem saber ao certo o que eles vêm aqui fazer. Não será o mesmo que todos?
Insurgem-se contra a lamechice mas não largam o tasco.
Estarão a tentar encontrar-se com o seu lado feminino?

Anónimo disse...

Anda por aí muita besta, anda anda!

amok_she disse...

'tás feito, ramos, 'tás feito!:->

...q a histeria aconteça, enfim...gaja q'é gaja 'tá fadada pra isso, mas...q, aparentemente, o Prof se deleite a banhar-se nela...isso já são outros rosários...enfim, ninguém é perfeito, né!?:->

[uoopsss, parece q ando a tentar encontrar-me com o meu lado feminino ...segundo o último comentarista ...ou...ou...ou...pois!:->]

amok_she disse...

«(...)e eu fico sem saber ao certo o que eles vêm aqui fazer.

...mas...

1º precisas saber?

2º quem te disse q, nós as bestas, queriamos q soubesses?

:->

osserpxe od .r disse...

Anonymous 10:52 PM

Nunca ouviste falar dos efeitos nefastos da menopausa ???

noiseformind disse...

Boss,
Isto de pensar é mesmo assim, não pára. Pior que o HIV ; )))))))))))))) E que disse eu? Tudo muito indirecto... tudo muito pelo lado ; ) e muito elegante.

Fora-de-lei,
Nisso só mostrámos merecer mais interesse nacional, se até já temos elefantes branquinhos. E olha que te esqueceste do mais absurdo. Chama-se Edifício Transparente, custou 8 milhões de euros e está pura e simplesmente meio-acabado e a apodrecer rodeado de vedações ; ))))))))))) ora isto é muito mais do que o Estado actual do CCB, até pelo pormenor das vedações ; )))))))))))) looooooooool looooooooooool loooooooooooooooool

ameninadalua,
Nem poderia ser de outra forma : ) afinal isto é para comentar no momento, não com régua e esquadro. É óbvio que na espontaneadade corre-se sempre o risco do erro ; ) mas se para ter a primeira têm de me ocorrer alguns segundos seja , venham eles, estou pronto, força lol ; ))))))))))))


Quanto a trocas de de pronomes nada danosa ao texto que escrevi. Mas parece-me que o pessoal é assim. Rejubilam com uma letra trocada, fazem uma tese da troca da ordem de dois nomes. À falta de algo para dizerem eles próprios e pq sabem que nunca terão ensejo de escrever por si seja o que fôr que interesse a alguém (e aqui, louvo-lhes a honestidade intelectual) sabem que o caminho mais rápido, e porventura único, para terem alguma atenção é serem o corrector ortográfico de outréns seres humanos ; ))))))))) Já existem quase há tanto tempo como esta caixa de comentários e vão continuar a existir. Mas fica-me o lamento: não têm dia de repouso nem ao Domingo? É que são úteis, mas assim fica ao Maralhal num balúrdio o pagamento destas horas extras looooooool looooooool loooooooooool looooooooooool loooooooooool looooooooooooool

Amok_she,
No próximo Jantar do Murcon devia-se oferecer umas máscaras para ver se alguns dos anónimos lhes dava para darem não a cara mas pelo menos o corpo ao manifesto ; ))))))))))))) tás lá no SJSM não estás? Ooooooooooolha que não tens desculpa e podes até trazer o amor do vértice mais distante do triÂngulo ; )))))))))))))

Anónimo disse...

Bonito texto.

Saudações
Mariadosol



(PS: Sou anónima porque não atino com a maneira de me registar com este nick. Possivelmente já fiz asneira e bloquei-o... ora bem... lerdinha... mas assumida eheheh)

Anónimo disse...

Meus Seios para o Gordinho

Mais uma vez meus seios me obrigando a fazer loucuras, depois de receber vários e mais de um leitor que vou chama-lo de Fofinho, isso porque ele deve pesar um 120 kilos; fora o peso, ele me escrevia coisas que eu adorei ler, e acabei pedindo um foto dele, por incrível que pareça adorei ele na foto, mesmo sendo gordinho.
Numa segunda feira avisei pro meu amor que eu precisaria ir até o banco cancelar uma conta, liguei pro meu amiguinho Fofinho e pedi que ele me pegasse entro de uma praça, eu disse como eu iria estar vestida pra ele não ter dúvidas, eu estava de tenis, calça de goton bem coladinha e um top mostrando minha cinturinha; quando eu vi ele saindo do carro pensei em desistir, pois ele tem 1,85 e é bem fofão, mais resolvi falar com ele que estava vindo em minha direção, ele veio serrindo e me comprimentou com um beijo no rosto, gostei de ouvir a voz dele, isso me deixou bem avontade, então eu disse pra ele que precisava ir ao banco e se ele podia me levar antes da gente conversar mais, ele prontamente me levou, saindo do banco ele estava me esperando no carro, entrei no carro dele e ele suavemente colocou a mão sobre a minha me perguntando se eu queria um sorvete, eu segurei a mão dele e disse que agente não tinha muito tempo, completei dizendo, podemos ir num drive pra voce fazer tudo que voce me disse nos e mails, ele abriu um sorriso e fomos;
Bom o que ele disse que iria fazer e fez eu vou dizer agora: Apos entrarmos no drive ele deixou um espeço na frente do carro, tirou um tapete grande do porta-malas e forrou o chão, então eu pedi que ele ficasse dentro do carro e me assistice tirar algumas peças, tirei o top, tirei a calça de coton e fiquei só de calcinha ele arregalou os olhos e ficou babando esperendo que eu o chamasse, então eu centei na lataria do carro com meu bumbum empinadissimo e cinalizei pra ele vir com meu dedinho, e fiquei esperando, de repente ele já aparece do meu lado nú, com uma barriga enorme e com seios quase do tamanho do meu, por incrível que parece, eu não via a hora dere me tocar, eu embinei meus seios pra ele o máximo que pude, ele se ajoelhou na minha frente, a barriga dele encostou na minha xaninha, e a boca dele ficou na altura dos meus seios, então ele colocou a linha pra fora e começou a lamber um de cada vez, nessa hora eu implorei pra ele mamar igual ele me escreveu, então ele me abraçou toda a cintura e colocou um seio meu todo na boca e sugava fortemente eu disse pra ele que poderia chupar até deixar marca, então louca de tezão e querendo agradecendo o favor eu procurei a rola dele, e pedi que ele ficasse de pé eu realmente estava com muito tezão e comecei a passar a rola dele nos meus seios e olhava pro rosto dele vendo que ele estava com muito tezão, coloquei a rola dele inteira dentro da minha boca, pedi pra ele gozar em cima dos meus seios ele disse que tudo bem, então pedi que ele me avisasse, então eu continuei a chupar a rola do meu fofão de repente ele me empurra a minha cabeça pra traz e eu com meus mamilos duríssimos empinei minhas tetinhas e fiquei esperando sair a porra da dora do Fofãozinho, de repente deram dois jatos muto forte en direção a meu pescoço aí eu amirei direiro e saiu mais dois jatos direto nos meus seios então com aquela sensação de porra escorendo e quentinha nos meus seios eu esfrequei a cabeça da rola do meu fofo nos meus biquinhos e comecei a ter um orgasmo, então completamente loca eu passei a mão por toda a porra e lambusei toda minha barriga e seios com o esparma do meu fofão, daí eu deitei no tapete e ele pegou uma toalha no carro e começou a me limpar, daí eu me vesti e pedi que ele me deixasse na mesma praça que ele havia me pegado. hoje eu tenho o tel dele e sempre que eu tenho um alibe eu ligo pra ele, e ele vem.

The Observer disse...

Noise, you ass-hole:

Porque e que ficas aborrecido quando te fazem uma correccao quando, desde a primeira hora, tu es o maior - para nao dizer o unico - Torquemada que por aqui anda a dissecar as fontes e os erros daqueles que divergem de ti?
Que tal um pouquinho de coerencia.
Just once...

ramos disse...

Mais confusões: O prof. António José Saraiva foi autor com o prof. Óscar Lopes da célebre "História da Literatura Portuguesa", com inúmertas edições e por onde têm estudado sucessivas geração de portugueses. Se foi comunista, deve ter saído do dito Partido, muito cedo, devido ao seu pensamento livre e esapeculatibvo. Óscar Lopes, de resto um homem, felizmente ainda vivo e irmão de Mécia de Sena, viúva de Jorge de Sena, permaneceu sim no PC, o que não lhe tira a extraordinária e lendária sabedoria.Ou ainda andam por aqui anti-comunistas primários?

Nós continuamos a corrigir as vossas ignorâncias e confusões, para honra e proveito da memória de gente que não merece que lhe troquem o nome em vão.
Deviam agradecer.

Amok,

De facto este texto do Prof MV desenquadrado do resto da reportagem, põe a tónica num intimismo doméstico, que se presta a lindinhas comadrices sentimentalonas. Este blog tem muitos leitores que esperam dele não só o registo de "confessionalismos" de papá babado.

Noisel
Você é muito insolente e falacioso e embora tenha genica e "panache", ainda está muito verde.Ainda tem que ouvir e ver muito, antes de pensar que esgotou a realidade...ou a fantasia.

ramos

ramos disse...

Crrijo:
gerações de portugueses
pensamento especulativo

avaliador disse...

PRONTO ... AGORA ELE INFORMA QUE TEM 1,85M ... uummm, é baixote!

Maite disse...

Ao ler a caixa de comentários do Murcon, apenas me ocorre dizer que este blog já teve melhores dias. Talvez os comentários não fossem tão inteligentes e eruditos mas eram, com certeza, mais genuinos.
Enfim...só para dizer que já me senti em casa aqui, contrariamente ao que hoje acontece.
Relativamente à casa, já há muito tempo, num comentário, exprimi a minha opinião sobre ela. Apenas acrescentarei que faço votos que o Professor e a sua família sejam felizes lá.

lobices disse...

...um bom dia à tutti, MARALHAL
...e um abraço fraterno ao Prof, em relação do post...

Maite disse...

Bom dia Lobices
Um abraço para si

Funcionária maltratada no local de trabalho disse...

Professor, andei a pedinchar por amigos e vizinhos o jornal, artigo muito interessante e casa totalmente merecedora do dito artigo ; ))) Pareceu-me uma casa muito horizontal e portanto muito renascentista, aberta para fora, para o mundo, um mundo pacífico e merecedor de ser observado, não o mundo de betão destas nossas cidades ; ))))

Noise,
Você tem aqui um clube de hate-fans que eu vou-lhe contar homem ;) isto de andar a partir corações tem consequências...

futurama disse...

Mestre Julio, descobri agora este seu tabernáculo e só lhe queria agradecer por centenas de horas educativas e estimulantes intelectualmente sobre tantos temas tabu na nossa sociedade, por mais aberta que ela se auto-intitule, e por este manancial de textos, sem dúvida o seu maior livro de sempre. E pelos outros livros também. E por esta gente boa que soube reunir à sua volta, boas pessoas encontram sempre boas companhias não é?
E... pela música!
Que adorei. Você realmente embrenhou-se a sério nestas coisas da Internet. Conheço poucas pessoas que consigam meter música nos blogs, quanto mais uma rádio do Cotonete. E você meteu várias com uma excelente selecção musical, dá gosto ouvir, especialmente a Gene Pitney que ainda agora aqui tocou ou Gilbert Becaud que está a tocar agora com a sua Solitude! E depois ainda dizem que as pessoas mais maduras não se conseguem adaptar à sociedade da informação, que falácia.

Julio Machado Vaz disse...

Futurama,
Eu não pus uma única música!!!!!!! Sou um analfabeto nestas coisas:).
A música é da responsabilidade do Noise e do Viktor.

Anónimo disse...

Que pena! O Porty podia ter levado a música mas deixado a foto, era tão gira!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

yulunga disse...

Bom dia maralhal.
Dr. Murcon não sei se está recordado de ter falado aqui dum Tio que não é tio, o Alfredo?
Pois parece-me que vocês já estiveram em "amena cavaqueira" num colóquio, faz uns bons anos (tomei todas as notas num papelinho), organizado por um Dr. Albino Airoso e onde estavam presentes o Dr. Afonso de Albuquerque e o Dr. Allan Gomes, que segundo o Tio é o guru da sexualidade em Portugal.
E lá terei que dizer: como o mundo é pequeno.

yulunga disse...

Sobre o post de hoje.
Um texto absolutamente legitimo de um pai.
Transmitiu-me carinho, orgulho e vaidade naquilo que parece ser uma relação pai/filho desejável num seio familiar estruturado.
Se lágrimas aos olhos me viessem seria por pensar que nem todas as familias são assim, e que por esse mundo há muito filho/a que nunca sentiu nem sentirá esses sentimentos por parte dum pai.

Olhar disse...

Não me apetece resistir aos dedos:)
Sem dúvida seu filho Guilherme deve gostar muito de saber o orgulho que tem nele.:)
Ás vezes, e quantas das vezes!?, passam dias e dias em que não nos lembramos de dizer um simples; - gosto muito de ti - a quem amamos.
Pois. Benditos sejam todos os Pais babados que fazem questão de o dizer aos seus miúdos muitas e muitas vezes a alto e bom som! ou, pronto, pronto, nada de exageros!, pode ser ao ouvido, como se fora segredo nosso:)
Soubessem todos como nos estrutura por dentro, encanta e delícia a nós, os filhos, de o escutar...

Olhar disse...

Yulunga. 2.02PM

Há pais que não sabem como dizer o amor aos filhos. Com todas a excepções que possamos conhecer..., se calhar a alguns deles também seus pais nunca ensinaram essas palavras..., conheço alguns..., o carinho anda lá por dentro e, mais tarde transforma-os nuns óptimos e ternurentos avós!!!!:))))

Anónimo disse...

Relendo...
Deus meu,não é que o diabo do Homem escreve tão bem?!!!
E depois não querem que elas estejam "todas" a seus pés...
Mas se ele tem tudo...!!!!!!!!!!!!

andorinha disse...

Boa tarde.

olhar (3.36)
E fizeste tu muito bem.:)

Noise,

"À falta de algo para dizerem eles próprios e porque sabem que nunca terão ensejo de escrever por si seja o que for que interesse a alguém (e aqui, louvo-lhes a honestidade intelectual) sabem que o caminho mais rápido, e porventura único, para terem alguma atenção é serem o corrector ortográfico de outros seres humanos."

Acertaste em cheio, miúdo.:)
É por estas e por outras que depois não te gramam.
As pessoas dificilmente gostam de ouvir as verdades...
Não estou a falar só deste caso concreto; há pessoas que baseiam os seus comentários apenas nos comentários dos outros, normalmente denegrindo-os, o que eu acho curiosíssimo(isto para não usar outra palavra porque hoje estou muito pacífica) :)))

Angie disse...

Lindo o seu testemunho... Parabéns pela consumação da obra (é tão bom quando se chega ao fim, depois de todos os ''cabos Bojadores'' que 1 construção implica, apesar do sonho que nos empurra a frágil caravela, sempre agarradinha à costa..)
Como 1 casa é importante, se assim for entendida: pedras agregadoras, memórias que renascem com força redobrada, apesar do retraçado do espaço!
Mas é assim mesmo que tudo faz sentido: ninguém se vira na campa por causa da inovação, e esta á a marca da nossa apropriação afectiva.
Também o ''invejo''!
Não conhecia a frase de FLW, mas acho-a de uma autenticidade tremenda e...perturbadora.
Infelizmente, cá vou ceder à tentação da nota lamurienta: Assim vale a pena! Uma casa a sério para uma família a sério é mordomia que se merece sem regateios.
Triste é quando as pedras se tornam mis importantes do que as pessoas e estes projectos nascem tortos, consomem cabedais e atrás destes o sentido da medida, acabando por entrar de rompante pelo país dos afectos, levando tudo à sua frente...
Devia ter sabido desta frase de FLW há uns anos atrás!!! Assim não teria umas pedras amargas atravessdas na garganta!
Parabéns, professor, obviamente este não é o seu caso e a sua casa está um verdadeiro mimo, com a mais valia do envolvimento que só a paisagem do Norte pode dar...
Merece desfrutá-la e os seus manes estão-lhe de certeza agradecidos e orgulhosos da continuidade.

iuri disse...

"Erro crasso, Guilherme desenhara exactamente o que lhe pedira, eu é que confundia materiais e arquitectura, forma e vida"

amar um arquitecto exige de nós, muitas vezes, um reformular de conceitos e um redimensionar de ambições...mas quase sempre eles nos mostram o sonho realizado, ora na forma, ora na vida!
:)

amok_she disse...

Lá vem a avezita de arribação, mais uma vez...«As pessoas dificilmente gostam de ouvir as verdades...
Não estou a falar só deste caso concreto; há pessoas que baseiam os seus comentários apenas nos comentários dos outros, (...)»


...e tu és uma delas!,esta tua tirada aplica-se-te na perfeição!!!:->... ñ denegrindo - qd não calha!:-> - acabas por dizer...NADA!...nunca aqui te li o q quer q seja q se possa considerar resultante duma qq reflexão tua sobre os assuntos expostos!, limitas-te a repetir, até ao ponto de já te adivinharmos a próxima resposta, q concordas e/ou subscreves e/ou pensas de igual modo(grande novidade, para quem parece nem sequer saber pensar!) e por aí fora!, e por vezes consegues até a proeza de concordar e discordar no mesmo texto, do mesmo assunto e da mesma pessoa...só tu, para um aproeza dessas!:->

...depois apanhaste esse habito muito feio de cuspires para o ar...o q em geral dá nisto: cair-te em cima(!), como esta!...aprende a enfrentar os outros com a coragem de quem defende o q pensa por si, pq mesmo na escrita existe uma forma de se enfrentar, sabias!?...é claro q para gente de pouca convicção fica difícil!:->... ou ingnora-os como prometeste fazê-lo no meu caso... apregoares indiferença/desprezo e depois lançares bojardas indirectas é duma desonestidade intelectual pouco (ou nada, mesmo!) condizente com quem pretende ser professora de jovens em formação...no teu caso a indiferença/desprezo seria uma benção dos céus, tão confrangedora é essa tua forma de estar aqui...

...para rematar e lá terei de me repetir: até q o autor deste blog manifeste o desejo de "limpar" esta caixa de comentários de intervenções discordantes...eu virei cá sempre q me apeteça!...ñ para bajular!, ñ para perseguir, ñ para ensinar nada, mas...de quando em vez ñ me furtarei a desmontar certas parolices bacocas, por mais q isso te meta a nú a tua pobreza intelectual...e de mais uns quantos q se achem acima de qq critica!

...qt ao anonimato...reservo-me o direito de escolher as pessoas q acho dignas de me dar a conhecer...mas aceito que outros usem (para si mesmo!) de outros variadíssimos critérios, como seja o do engate, por exemplo...:->

...e por fim, para ñ fugir à dose diária de afago ao ego do menino_supostamente_prodígio_desta coutada, sempre direi q mt me apraz verificar q o menino me lê com tanta atenção...ao ponto de ainda se lembrar dos meus primeiros comentários ...daquela leva q num acesso de birra ...apaguei!:->

Anónimo disse...

ò amok, tu mesmo só à mocada.
Perdes tempo a justificares tanto a porcaria que fazes. Olha lá não mordas a língua...

Anónimo disse...

"q o menino me lê com tanta atenção...ao ponto de ainda se lembrar dos meus primeiros comentários..."

Vês querida, afinal também és uma carente... E não somos todos?
Escusavas era de ser tão irritante!!!!!

amok_she disse...

..bolas, esqueci uma coisa importantíssima!:->

...tal como uma casa - um lar! - deve ser rodeada de todos os rituais afectivos q nos faça considerar única no mundo, seja ele qual fôr, o mundo...comer com alguém é mais um dos momentos em que o ser humano deve entregar-se de corpo e alma, pelo q só o deve fazer com pessoas de bem!:->

...é claro q, à cautela, devo esclarecer a mente "tabernosa" do faz_barulho_de_serviço q...comer com alguém não é, de todo, o mesmo q comer alguém ...espero q o menino entenda a nuance...embora coloque as minhas dúvidas...embora tb me pareça q, no seu contexto, o menino coma bem menos do q apregoa...:->

amok_she disse...

...eu só ñ perco tempo com os sócios cá do tasco qd os mesmos preferem enfrentar-me com as máscaras de anônimo's...metam lá o nickzinho com q habitualmente debitam as costumeiras parolices bem pensantes q eu depois explico mais qq coisinha...:->

Anónimo disse...

ò querida, explica lá como é que um nick passa a fazer de uma pessoa identificada, se a maior parte dos nicks escondem anónimos?!

amok_she disse...

...olhe, querido(a), eu sei q isso é areia a mais para a sua cabecinha, mas...como anônimo não tem direito a explicações(zinhas)...nem sequer com um nick recém criado!:->

Anónimo disse...

Mázinha...... Snif, Snif.......

amok_she disse...

...é!, assumo-me como sulista e, como se ñ bastasse o snob,tb mt elitista!!!:->

Anónimo disse...

Sabias que os snobs e os elitistas quando genuínos podem bem ser uns "gentleman's"? Não precisam de ser sentir superiores aos outros, nem achincalhar ninguém, são-no naturalmente...
Podes is para a caminha com esta e vai pensando querida, vai pensando que estás mesmo a precisar!
Boa noite

amok_she disse...

...pois...pois...anônimo(a)...:->

...e já agora, partilha lá essa sabedoria..."gentleman's", no feminino equivale a...????:->...é q tb prezo mt a minha condição de fêmea!:->

Anónimo disse...

"Gentlewoman", claro! Era por analogia, t'as a ver?
Para bom entendedor, meia palavra...

ILCO disse...

TÁ PARVA!

yulunga disse...

Olhar
Não me referia aos pais que não sabe transmitir esses sentimentos, que apesar dessa falha isso sente-se, mas aos que não os transmitem por outros motivos que não essa falha mencionaste.

minhoca disse...

Apenas mais um comentário neste mar de palavras:

O texto está maravilhoso, acima de tudo, pelo sentimento de amor que demontra.
É tão bom sentir-mo-nos em Casa...

Felicidades e beijinhos.

Raquel

amok_she disse...

Anônimo disse...

"Gentlewoman", claro! Era por analogia, t'as a ver?
Para bom entendedor, meia palavra...

9:49 AM


...eu vi logo...q pouco mais darias q isso!...'tamos conversados q eu gosto é de gente q dá luta...analogias ainda vá, ag eufemismos de trazer por casa?, bahhhhh:->