quarta-feira, novembro 23, 2005

Vinho velho em barris novos.

Não percebi o frenesim discursivo de hoje sobre a directiva papal relativa à ordenação de homossexuais. É mais do mesmo. Apenas uma nuance me despertou a atenção: se ouvi bem, aqueles que tenham conseguido contrariar as suas tendências há pelo menos três anos serão aceites. Não percebi se estávamos a falar do mero comportamento ou também do desejo. Por outro lado, o Padre Carreira das Neves disse na SIC-Notícias que isso não seria provável - cito de memória - em homens cujas tendências fossem de origem genética. Se a primeira afirmação pressupõe uma nostalgia de "cura" por alteração da orientação sexual que é já raríssimo encontrar na Ciência, a segunda parece ressuscitar uma velha chaveta: perversos/pervertidos. Os primeiros apresentando uma condição constitucional, desculpabilizante mas fixa; os segundos responsáveis pelo desenvolvimento de um "vício", mas dele podendo sair. A Psiquiatria e a Sexologia do século XIX assinariam por baixo. Mas, como digo, todo este barulho me parece injustificado. A instituição tem as suas regras, ponto final. Cada um tem a sua opinião acerca delas, ponto final. Quem pertence à instituição e não está de acordo, sai, bate-se ou decide as regras que acata. Quanto à comparação inter-religiosa e inter-cultural feita pelo Padre Carreira das Neves, ao afirmar o total respeito da Igreja Católica por outras que não permitem aos seus fiéis comer carne de porco, nada me permite duvidar dela ou da sua aplicação ao caso dos homossexuais.

43 comentários:

noiseformind disse...

Deixa de ouvir o fórum TSF ; )

noiseformind disse...

Eu ouvi lá um cidadão respeitável dizer, e passo a citar de memória: "estou farto de ser tolerante, é ladrões, é drogados, é homossexuais. A solução, eu digo qual é, era exterminá-los a todos"

No fórum Mulher da tarde mandaram-me uma sms a dizer que uma ouvinte ao participar disse que era professora e não sabia pq é que não havia nenhuma lei que impedisse os homossexuais de dar aulas pois podem ser péssimos exemplos para os alunos ; )

noiseformind disse...

Quanto à comparação entre a Carne de Porco e a homossexualidade, nunca mais conseguirei comer uns Rojões com o mesmo entusiasmo Boss ;((((((((((((((

Pamina disse...

JMV,

A propósito do prazo de 3 anos, pode ler-se no Público on-line: "A "Instrução" admite que, a homossexualidade como "mera expressão de um problema transitório, por exemplo no caso de uma adolescência por terminar, deve ainda assim ser claramente ultrapassada pelo menos três anos antes da sua ordenação como diácono", um estatuto que precede a ordenação em cerca de um ano."

Também pensei se se estão a referir à prática ou também aos sentimentos e como é que esta avaliação irá ser feita. Não é algo verificável, portanto presumo que o candidato tenha que fazer um compromisso de honra. Um jovem poderá considerar-se heterossexual e depois descobrir que afinal não o é, já a meio do seu curso. Segundo este regulamento, se isto acontecer, será ele expulso? Parece-me que poderão ocorrer situações muito dolorosas.
Relativamente à diferença perversos/pervertidos, vimos aqui no fim-de-semana posições semelhantes. Lembro-me, por ex., de um comentário que ressalvava o caso dos homossexuais genéticos e demonstrava preocupação por os jovens poderem ser recrutados para uma falsa homossexualidade. Só podemos interpretar esta opinião como considerando a homossexualidade um vício do tipo álcool, drogas ou jogo.

Deste post, gostaria de destacar as seguintes frases:
"A instituição tem as suas regras, ponto final."
e
"Quem pertence à instituição e não está de acordo, sai, bate-se ou decide as regras que acata."
Concordo inteiramente.

já que estou aqui disse...

Há uma coisa que sinceramente me intriga. Se os padres estão obrigados ao celibato, porque é que se põe sequer essa questao?

rodrigo disse...

É melhor não irmos atrás na história pois não?

Estou para ver como é que vão conseguir perceber se um determinado padre têm têndências homossexuais...mas pronto...

E se a voz de deus for mais alta do que a voz do "não te podes ordenar padre pois és homossexual"?

E quando descobrirem que um padre é homossexual (confissão). Que vão fazer?

E outro cisma, não pode ser equacionado? O "lobby gay" está aí forte e para durar

Acho que a Igreja devia repensar muito bem as suas regras... Não ponho em causa a atitude, pois baseia-se naquilo que acreditam (não sou católico)... mas será que tomaram a decisão mais acertada?

Colocar em causa o acesso á igreja por causa da sexualidade não é no minimo estranho? que eu saiba os padre não podem ter relações sexuais. Celibato?

A Igreja hoje fez História, vamos ver o que o futuro reserva

hummm...tanta pergunta...

Anónimo disse...

"Por isso é que és tao visceralmente contra a Igreja, nao é paneleirote?
Querias ser padre mas, como tens mais vocação para levantares a batina e fazeres o "bend over".

andorinha disse...

Se os padres estão obrigados ao celibato, todas estas questões não fazem muito sentido. Qual a diferença entre ser-se homo ou hetero se não se pode ter qualquer actividade sexual? É isto para a Igreja uma questão de princípio ou é o assumir de que a prática não corresponde ao que é teorizado e que portanto os padres têm uma vida sexual activa?
Ou para a Igreja a homossexualidade é um "vício" e um "pecado" e portanto pessoas pecadoras não podem ser admitidas como membros dessa mesma Igreja independentemente de terem vida sexual ou não?

fora-de-lei disse...

Quem não quiser ser católico, não lhe vista a pele !

fad disse...

Francamente...è uma medida que me parece apenas de fachada, de cosmética...e os que são há muitos anos...
3 anos sem tendencias...
Francamente só podia lembrar ao papa...

Tita - Uma mulher, Um blog, algumas palavras disse...

Pergunto eu:
Não é suposto os padres serem castos, praticarem o celibato?
Então porque é importante a sua orientação sexual, senão vão poder praticá-la?
E como sabe o júri disso antes de serem ordenados? ´E um inquérito que lhes fazem?
E se o Sr. PAdre até admite que a homosexualidade pode ser genética, então como pode a Igreja proibir a ordenação destes homens? Não é o mesmo que privarem um cego?
E isso dos 3 anos, é para animar não é? Condicionar o pessoal?
Será que acham que a homosexualidade é uma doença? E que esta tem ou pode ter cura? E que após 3 anos desta cura, não há recaidas?
Desculpem a minha ignorância, mas a Igreja sempre teve o dom de me confundir... baralhar.

Nuno disse...

Nestas questões eu gosto é das datas, e se for no dia 364 do segundo ano e de tarde, já estará curado??:):):)

Lusco_Fusco disse...

Sou católica mas á minha maneira. Há coisas que não consigo perceber. No início que nos dão para existirmos, a bíblia fala que nascemos de Adão e Eva (um dogma sem tamanho).Ainda bem que nasceu Darwin!!!! Se assim era ou ainda é para os fanáticos da religião porquê tanta coisa contra a homossexualidade?!!!
Adão e Eva supostamente tiveram filhos e foi a partir deles que a humanidade se criou. Incesto e todo o tipo de perversidades se deram desde o início da criação na biblia
“Eva ficou grávida e, ao dar à luz um menino, disse: "O Senhor me deu um filho homem". Ela deu à criança o nome de Caim.(…)” “…Depois Eva teve outro filho, Abel. Abel decidiu ser pastor de ovelhas, e Caim escolheu ser lavrador.” (…)
“Mas Adão e Eva tiveram muitos outros filhos e filhas.”
Onde estão as mulheres?! A continuação da espécie por este prisma deu-se por incesto. Terá nascido aí a homossexualidade também?... :)
Neste início de religião vemos tudo aquilo que condenamos pelos valores que possuímos: incesto, homossexualidade (entrelinhada) e crime.
Ser católico não é ser cego. Percursores de tamanhas barbaridades não podem condenar ninguem. Tive o azar de andar num colégio de padres, sei o que a casa gasta :( Só sermões! Aparências e atitudes balofas. SE a homossexualidade parte dos seminários para quê tanta fachada? !!! Enfim! N era Hitler judeu?! Que cabeça a minha!
Somos humanos com os erros e virtudes que sabemos. Há que tolerá-los, não digo aceitá-los isso é outro senão…
Prefiro acreditar num Homem cheio de qualidades, que gostava de mulheres ;-), que pregou o que verdadeiramente acreditava. Exemplo para qualquer ser humano com valores a defender e que morreu na defesa desses ideais para dar exemplo à cobardia, egocentrismo, comodismo e sede de poder, com todos os defeitos que lhes são inerentes. Ele sabia que esses eram os piores vírus do ser humano.
A Bíblia foi feita posteriormente como tal quem conta um conto cresce-lhe um ponto. Constantino e a igreja católica fabularam a história, conveniencias de poderes (como agora há as trocas de favores)denegriram a mulher e foram, apoiados nesse livro, os maiores tiranos da história.
Pouco credíveis a meu ver.
MJ

rodrigo disse...

A Igreja Católica é uma instituição que têm uma forte presença institucional na nossa sociedade.

É uma lider de opinião e como tal, não podemos ouvir estas coisas e fingir que nada se passou.

Esta questão têm impacto na tugólândia...têm sim...

a disse...

Vindo da Igreja católica já nada me surpreende, desde que li, num catecismo, que masturbação é pecado!!!!

As crianças são umas pecadoras!


Por isso este nonsense não me espanta, aliás para mim, é só isso, NONSENSE!

J M Eça de Queirós disse...

Com essa dos padres rabêtas, lixam-me a história do "Amaro". Vou-vos levantar um processo.

Nuno disse...

a,


" Vindo da Igreja católica já nada me surpreende, desde que li, num catecismo, que masturbação é pecado!!!!

As crianças são umas pecadoras!"


Então só as crianças é que se masturbam?!?!?!
Ora aí está uma coisa que me surpreendeu mais do que esta estória dos padres, além de não poderem tocar em mulheres, agora também não podem tocar em homens, não vai faltar muito para a tarefa da higiene pessoal dos padres ser de dificil execução!

Lusco_Fusco disse...

Há padres e padres!
Há-os como os do "padre Amaro" Abençoados sejam! Se assim não fosse muitas beatas iriam ficar desiludidas :)

Manolo Heredia disse...

É que nos seminários os homosexuais sofrem muito... quantas tentações...
è para evitar esse sofrimento que também é proibido seminaristas hetero em conventos de freiras, certamente.
Eté acho que tem lógica!

rodrigo disse...

Bem...Acho que também existem lésbicas...Acho...

Manolo Heredia disse...

Matilde,
Ser homo ou hetero não tem nada a ver com a prática de sexo. A castidade é obrigatória nos padres. Só que se torna muito mais fácil pecar para um homo num seminário (local de homens), e portanto muito mais difícil a castidade. Além de ser um mau exemplo, se for descoberto, apresentar um duplo pecador como representante de Deus.
O pecado "quebra de castidade" é muito mais grave num homossexual porque acumula sempre com o pacado "contra natura".
É assim parecido com o julgamento que um homem faz quando a mulher foge com outra! (ou vice-versa)

rodrigo disse...

manolo heredia,

Mas não é o seminário uma etapa de preparação para uma vida inteira dedicada a Deus?.

Realmente aos "olhos" da Igreja Católica a homossexualidade é "contra natura" tal como diz. A igreja acaba aqui de jogar mais uma peça na sua luta contra a homossexualidade.

É legitimo? sim. É consensual? Não. Deverá ser analisado pela sociedade? Deveras.

A mensagem que acabam de passar é forte...

Anónimo disse...

VIva o Papa!

Sical disse...

Eu acho que o maior flagelo da humanidade é a estupidez.

Luis M. Jorge disse...

Eu também não percebi. Desde logo, porque acho absurdo que um homossexual queira ir para um seminário católico (a não ser por motivos, como direi, práticos e oportunistas). Lembra-me aquele meu colega de liceu que, embora fosse negro, ansiava ser skinhead. Um pouco de orgulho, e um abundante desprezo pela instituição, era o que eu aconselharia a um gay com o mínimo de respeito por sí próprio.

Luis M. Jorge disse...

E por falar em coisas divertidas:

Brevemente no "Expresso": uma entrevista exclusiva com Stanislaw, o ursinho de Maria Cavaco Silva.

Um olhar rigoroso e independente sobre os anseios, as expectativas, as angústias de quem não abandona a esposa do candidato, numa campanha em que a familia está proibida de participar.

Aqui.

Anónimo disse...

ESPAÇO X / Y
Artur Casaca
Sejam bem vindos a este espaço que pretende não só reconhecer os apoios que o Professor Cavaco Silva recolhe dentro de áreas: como os desportos de acção, moda, música, arte e cultura urbana, como mostrar e reconhecer o valor dos que nestas áreas e outras similares fazem Portugal Maior.

A memória que tenho da época em que o Professor Cavaco Silva foi primeiro-ministro é de progresso. Algo que nas minhas diversas actividades seja a andar de skate, organizar eventos, deejaying ou na direcção da revista DIFERE que fundei sempre adoptei e valorizei.

Como cidadão, acima de qualquer partido político, tenho a certeza que o Professor Cavaco Silva é o melhor candidato para Presidir à nossa República, dando novamente ao nosso país um rumo de progresso de que nunca deveríamos ter saído e que é digno de um país como este cheio de potencialidades. Como cidadão é com muita honra que sou vosso anfitrião neste espaço dando como bem vindo os vossos contactos, conteúdos, opiniões e tudo mais que queiram partilhar e assim fazer este espaço Maior.

Endereço para correio electrónico e Hi5: arturcasaca@arturcasaca.com
Também arturcasaca@cavacosilva.pt que estará acessível no Messenger.

Estamos juntos a levar Portugal para a frente. Participem. Mantenham contacto.

Artur Casaca

noiseformind disse...

O Sermão do Padre Alemão




Minhrras carríssimos Irrmöns. Quem crriou o mundô fô Deu. Ontem fô dia de Alegrria, fô dia de satisfaçom. No semana que fem terremos um prrocessóm. Mas non serrá como o da ano passado, que os molherres se menstruavam com as omens. Ela serrá combosta de trrêis filas: um fila combosta de omens, otrro combosta de molherres e o último combosta de crrianzas. Os molherres deferróm fir festidos de brranco. Se non tiferrem festidos brrancos, fodem virr cú da mäe, cú da tia ou cú da fó. Os molherres deferróm trrazer felas. Os cassadas que chá tem eksperriência lefarróm os felas no frente. Os solterras que nunca lefárram felas, lefárrom atráz. Os velhinas, coitadinhas, que chá lefárram muitoa felas no su vida non prrecessam lefar felas. Uma afizo parra as omens: Elas non deferróm amarrar as cavalas seus na pau enfrente pigrêcha, porrque aquela pau non serr do igrêcha, aquela pau ser meu. Outrra afizo, parra as vaqueirros: Non deferron entrrar com seus eksporras no igrêcha, porrque já se viu, eksporras aqui, eksporras alí, aí acabam eksporrando em todo o chente. Farremos também um campanha parra cerrcar a cemitérrio, parra as cavalas non entrarrem lá, porrque... piça aqui, piça alí, piça em todo lugar, e quando focês morrem... piça em focês também. No fim do procissóm, terremos um chupada no frrente do igrêcha, o serrá do seguinte maneirra: esticarremos uma pau, e colocarremos uma parril em cada punta da pau. Da lado dirreita ficarróm as omens, da lado oksquerrdo ficarróm os molherres. Quando eu contá até trrêis, fäo todos parra a punta do parril. Minharras querridos Irrmäos, na prróksimo sápato terrá um festinha no igrêcha. Quem quisser cunfite, passa no putarria do igrêcha. Focês precizam prestichiá o pirróquia do figárrio. Parra qualquerr otrro informaçóm, estarrei à disposiçóm no putarria da frente.

Foi-me enviado pela SU ; ))))))))

suíno disse...

"Quanto à comparação entre a Carne de Porco e a homossexualidade, nunca mais conseguirei comer uns Rojões com o mesmo entusiasmo Boss"

porquê tens alguma coisa contra o porco ?

noiseformind disse...

Parece-me uma questão muito simples de perceber (chamem-me gaja convencida)
O ano passado a Igreja Anglicana quase se dividiu em dois por causa da ordenação de um Bispo Homossexual. Portanto, a Igreja entrou simplesmente em pânico, e toca a passar esta regra para poder dar-lhe o poder de distituir qq padre que revele estas tendências ou impossibilitar a candidatura de alguém a Bispo. Num quadro em que "ser homossexual" se torna cada vez mais algo que é exposto e não escondido (problema a que Portugal parece ainda em grande medida imune) a Igreja católica conta com uma grande sul-americanização e africanização dos seus quadros (em África foram ordenados 30 vezes mais sacerdotes que na Europa e na Ásia juntos), sendo esses novos operários muito mais intolerantes para com as questões da sexualidade. Assim, é natural que o temor associado À intolerância de membros sem a experiÊncia de comunidades gays abertas nos seus países faça com que a Igreja procure evitar a insatisfação nas suas fileiras.

Além disso em breve o casamento gay será legalizado, o que faz com que muito homossexuais actualmente padres nos próximos anos deixem a seara loooooooooooooool looooooooooooooooool looooooooooooooool looooooooooooooooool looooooooooooooool looooooooooooooool looooooooooooooool looooooooooooool looooooooooooooool looooooooooooooooooool

Outra coisa que nunca percebi foi isto. O divórcio é legal, e a Igreja não o aceita. Para quando uma lei que obrigue a Igreja a aceitar os divorciados como pessoas "normais" e não como enjeitados só com meios-direitos????????????

É que se formos a ver estámos aqui a lidar com primados de direito e não de fé ou de Moral. E Igreja pode muito bem legislar no que é a fé mas não no que é a Moral, aí está ao alcance do poder secular. E digo isto com total consciência de cristão praticante ; ))))))))))))))))

noiseformind disse...

RISCOS DA NOVA MEDIDA APRESENTADA PELA IGREJA

lobices disse...

...IF
...os padres não podem casar, logo celibatários, logo heterossexuais, mesmo tendo a tendência hetero...podem ser ordenados padres
...mas
...os padres não podem casar, logo celibatários, ainda que homossexuais por tendência ou não, não podem ser ordenados??????
...com tendência hetero, podem
...com tendência homo, não podem
...
...há cada uma nesta Igreja Católica que nem lembra ao diabo LOL
...
...bom dia MARALHALLLLLLLLLLLLLLLL

loooooooooooooool looooooooooooooooool looooooooooooooool looooooooooooooooool looooooooooooooool lo disse...

E digo isto com total consciência de cristão praticante ; ))))))))))))))))
loooooooooooooool looooooooooooooooool looooooooooooooool looooooooooooooooool looooooooooooooool looooooooooooooool looooooooooooooool looooooooooooool looooooooooooooool looooooooooooooooooool

lobices disse...

...
Teimosamente, os representantes de Cristo na Terra, mesmo com 2000 anos já passados, como que ainda estando escondidos nas catacumbas de Roma, dizia eu que, teimosamente esses representantes continuam a esconder Cristo dos Homens, através de atitudes que a Igreja Mãe, Católica Apostólica Romana, continua a ter ao não permitir que Cristo seja visto por todos os Homens, como Alguém que está sempre ao nosso lado, sempre presente em todos os actos da nossa vida, dando-nos a Sua mão, dando-nos o Seu amor de paz, dando-se Ele próprio como numa catarse de unidade e amor global.
Os representantes de Cristo na Terra continuam a fazer separações no seu rebanho, por vezes não procurando recuperar as tresmalhadas, por vezes não procurando amar as que verdadeiramente precisam de amor, por vezes dando atenção às hipocrisias no templo e ficando desatentos aos que, temerosos, não sentem a coragem de pedir ajuda.
Teimosamente, continuam a não deixar vir a Mim as "criancinhas" cabendo nesta classificação todos aqueles que ainda são "novos" nos caminhos para Deus...
Teimosamente, continuam a tapar Cristo dentro dum Sacrário, dum Cofre, para que Ele não saia por aí dando o Seu amor a toda a gente; teimosamente, continuam a abrir o Sacrário apenas àqueles que muitas vezes brancos por fora se encontram escuros por dentro; teimosamente, continuam a abrir o Sacrário apenas quando entendem que o devem abrir e não quando lhes pedem para que o abram: "Eu sei, meu Deus, que não sou digno que entreis na minha morada, mas também sei que uma só palavra Tua e a minha Alma será salva!"
Teimosamente, continuam a não dar ouvidos àqueles que ávidos de Amor Divino, lhes pedem tão somente uma palavra de conforto, um ouvir duma lamentação, uma confissão para que o coração se purifique, um pouco do Corpo de Cristo para que as suas Almas sejam salvas...
Teimosamente...continuam a esconder Cristo ao Homem...

lobices disse...

Carta aberta à Igreja:
Nascido e criado sob a educação cristã da Igreja Católica, nunca pus em causa os seus Dogmas ou sequer as profissões de Fé. Fui ensinado nesse sentido, como era norma de família (e não só), e como tal, abracei a religião católica como minha e segui os seus Mandamentos, não só os Mandamentos da Lei de Deus como os Mandamentos da Santa Madre Igreja. Como norma, aos 9 anos fiz a chamada Comunhão Solene e pratiquei os actos religiosos até à idade da adolescência, onde, por norma também, começam a surgir as primeiras dúvidas sobre o que é, na sua essência, a verdade cristã e a verdade católica, ou seja, sobre o que é Deus, sobre o que é Cristo, sobre o que é ser católico ou cristão. Sobre o que são os Santos Sacramentos, sobre enfim uma infinidade de coisas que a minha inteligência de então começava já a fervilhar de interesse e de dúvidas sobre o que me ensinaram ou, simplesmente, sobre o que aprendi.
Hoje, passados que são mais de 45 anos sobre aqueles tempos de alegres brincadeiras e poucas aprofundadas incursões sobre tema tão acutilante, ainda me restam algumas dúvidas. É sobre essas dúvidas que resolvi escrever hoje, aqui e agora esta carta à Igreja que me viu crescer... mas não amadurecer.

Não discuto a existência de Deus nem sequer a aceito como dogma: para mim, Deus é verdade, é real, é amor, Deus é o tudo e o nada, Deus é o próprio Universo em si mesmo, é tudo o que nos rodeia, ao fim e ao cabo, Deus é o que existe.
Não posso crer que tudo o que nos rodeia ande cá por andar ou por ver andar os carros eléctricos; tudo cumpre uma missão, bem delineada e bem programada: Já nascemos com o caminho traçado, não como destino forçosamente a cumprir mas sim como um caminho a percorrer consoante a nossa vontade, pois Deus deu-nos a opção da escolha, só que, no meu entender a escolha que eu fizer está condicionada pelas "leis" do Universo vivo e como parte dele cumpro apenas a minha "caminhada" sem deixar de ter a consciência plena daquilo que estou a fazer: Por isso sei o que é o mal e sei o que é o bem; daí, a minha capacidade de escolher o caminho, daí a minha capacidade de opção que, à Luz da Lei Divina, me torna um ser livre.

Deus é amor! E esse amor traduz-se na vida que seu Filho Jesus deu por nós, para nos salvar, morrendo na cruz para que daí o seu "renascimento" fosse como que um alerta de paz, amor e bondade suprema por todos nós Filhos de Deus Pai e Irmãos de Jesus.
Deus é amor! Não acredito no castigo; creio no Perdão.
Deus é vida contínua! Não acredito na morte; creio na vida eterna. A nossa passagem física por este mundo físico é apenas uma das muitas passagens que fazemos por toda a eternidade da existência do Universo.
Deus é energia pura! Tudo é energia. Tudo "gira" à volta de tudo numa existência sem princípio nem fim, onde o começo se iniciou no fim e cujo fim dará início a novo começo, onde a verdade está à frente dos nossos olhos; nós é que não queremos ver!
Deus é a Luz e a Vida; Deus é o sim e o não; Deus é a saciedade e a fome; Deus é tudo o que Dele fizermos; ao ferir o planeta estou a "sangrar" uma parte do Universo, logo estou a ferir Deus; ao plantar uma árvore estou a "criar" vida no Universo, logo estou a aumentar a existência de Deus.
Deus não é uma palavra, é um sentir, é um estar, é um existir, é um "eu sou".

Jesus veio ao Mundo para nos salvar!
Ao aceitar a vontade de Seu Pai (apesar de ainda Lhe ter pedido: "Pai, afasta de mim este cálice"), Jesus não fez mais do que cumprir com a missão que O trouxe à Terra: Dar a Sua vida por todos nós no mais supremo acto de amor que se pode conceber. Que maior acto de amor pode um Homem demonstrar do que dando a sua vida para salvar um seu irmão, um seu filho, um seu pai...
Daí que Jesus demonstrou a todos o quanto nos amava, nos ama e nos amará.
Somos TODOS filhos de Deus e irmãos de Jesus Cristo. Neste Mundo físico não há filhos de primeira nem filhos de segunda. Perguntareis então porquê uns sofrem e outros não, uns são ricos e outros são pobres, uns têm de comer e outros passam fome, uns têm saúde e outros padecem com a doença.
Jesus, FILHO DE DEUS, também não sofreu?
Jesus, FILHO DE DEUS, também não foi chicoteado e crucificado?
Por que razão, Jesus, não evitou esses eventos?
Pura e simplesmente porque aceitou a vontade de Seu e Nosso Pai Divino.
Quem somos nós para contestar a vontade de Deus?
Quem somos nós para nos insurgirmos contra a vontade Suprema de Deus Universo, de Deus Global, de Deus Tudo?
Quem somos nós para colocarmos em causa a essência da energia do Universo que, para existir, tem de ter o polo positivo e o polo negativo?
Como seria um Universo onde apenas existisse o dia (sem a noite), o sim sem o não, o calor sem o frio, a abundância sem a carência, o bem estar sem a dor...
Como seria um Universo sem o fiel da balança, sem o ponto fulcral do equilíbrio...
Como seria um Universo onde apenas existisse uma Ordem...
Como poderia um simples sistema solar existir se o Planeta Mercúrio fosse igual ao Planeta Plutão... teriam ambos a mesma estrutura, a mesma temperatura (estando um tão perto do Sol e o outro tão longe...), o mesmo ciclo de rotação...
Como poderia Deus existir senão na diversidade da Sua própria existência?
E...Jesus, na Sua última ceia, (e não somente) juntou os Seus Apóstolos e disse:
"Comei e bebei TODOS. Este é o Meu corpo e este é o Meu sangue."
"Ide e fazei-o em Meu nome."
"Tudo o que pedirdes ser-vos-á concedido".
Jesus não disse que o Seu Corpo (a hóstia sagrada, o pão) estava vedado aos pecadores. Jesus não disse que aquele Seu corpo era apenas destinado aos "bonzinhos" aos sem mácula (porque estes não existem). Jesus disse: "TODOS".
Porque não posso eu tomar a hóstia na minha mão e participar da "comunhão" em Cristo cumprindo com uma das Suas últimas vontades?
Porquê?
Porque a Igreja "inventou" que certos pecadores não podem comungar?
Como se arroga a Igreja no direito de "inventar" novas frases na boca de Jesus?
Se eu matar e em arrependimento me confessar e receber o perdão, posso comungar; agora, pelo simples facto de que sou divorciado (pequei contra os votos que fiz a Deus no sacramento do matrimónio) não posso pedir perdão, pois a Igreja não mo concede e logo não posso tomar o Corpo de Cristo!
Quem sou eu afinal? Não sou Filho de Deus? Não tenho direito ao Perdão? Sou um ser humano de segunda categoria? Só eu e outros como eu é que somos os maus? Todos os outros são os bons? Todos os outros nunca pecaram? Todos os outros que pedem perdão e o recebem, são Filhos de Deus e podem comungar. Eu...não!
Porquê?

(publicado por mim num jornal em 2000)

atónito disse...

Lobices

Não li todo o seu texto porque a 1ª frase é avassaladora:
'Teimosamente, os representantes de Cristo na Terra, (...)continuam a esconder Cristo dos Homens'

Fico-me por aqui, tal como no 'Pai nosso' em que nunca consigo passar da 1ª frase.

Você foi inspirador, como sempre.

Angie disse...

Prof. JMV
O que admiro em si é a sua atitude compreensiva e inteligente relativamente a quem não perfilha as suas opções.
Daí o seu carisma: acho que se resume mesmo a isso, se é que o seu "it" é resumível...
Em vez de arrumar logo "tal gente" na prateleira, com um rótulo cheio de adjectivos feios e polarizadores da discórdia inconsequente, redutora, promove uma visão aberta e integradora que só pode enriquecer quem a adopta como princípio de vida, actuação e reflexão.

Seria chatíssimo se só compreendêssemos e até, porque não, apreciássemos, quem pensa como nós.
Inclusivamente...porque há quem pense como nós e não nos interesse rigorosamente nada!
Isso é verdadeira liberdade.

Disse, e muito bem:
«A instituição tem as suas regras, ponto final. Cada um tem a sua opinião acerca delas, ponto final. Quem "pertence" (aspas minhas, cruzes, canhoto com a propriedade) à instituição e não está de acordo (....)ou decide as regras que acata»

Subscrevo integralmente: o senhor é de facto ''the right person in the right place'' (leia-se, não o sítio mas as funções).
Daí as suas audiências!!!

Angie disse...

Prof. JMV
O que admiro em si é a sua atitude compreensiva e inteligente relativamente a quem não perfilha as suas opções.
Daí o seu carisma: acho que se resume mesmo a isso, se é que o seu "it" é resumível...
Em vez de arrumar logo "tal gente" na prateleira, com um rótulo cheio de adjectivos feios e polarizadores da discórdia inconsequente, redutora, promove uma visão aberta e integradora que só pode enriquecer quem a adopta como princípio de vida, actuação e reflexão.

Seria chatíssimo se só compreendêssemos e até, porque não, apreciássemos, quem pensa como nós.
Inclusivamente...porque há quem pense como nós e não nos interesse rigorosamente nada!
Isso é verdadeira liberdade.

Disse, e muito bem:
«A instituição tem as suas regras, ponto final. Cada um tem a sua opinião acerca delas, ponto final. Quem "pertence" (aspas minhas, cruzes, canhoto com a propriedade) à instituição e não está de acordo (....)ou decide as regras que acata»

Subscrevo integralmente: o senhor é de facto ''the right person in the right place'' (leia-se, não o sítio mas as funções).
Daí as suas audiências!!!

andromito disse...

Mas se é suposto haver celibato pq tantas questões sobre a orientação sexual dos padres??
Se calhar estou a ser inocente... :)

Angie disse...

Eh, eh!! Para não ser inocente a pergunta teria de ser feita de outra maneira:
«Se é suposto haver CASTIDADE..........................porquê tantas questões sobre a orientação sexual dos padres?»
A questão está em que se reprime, e ponto, não devendo afinal importar afinal o quê...

Por mim, sem a menor ofensa, acho que um padre potencialmente (?) homossexual seria uma mais valia na fileira dos apóstolos de hoje: a avaliar por alguns dos ''homo'' (não padres...)que conheço, porque têm uma notória aura pacificadora, são excelentes ouvintes, empáticos com o sofrimento, tolerantes com a diferença.

Acrescente-se, entretanto, que sou católica (talvez atípica, pouco exemplar nos formalismos, mas assumida, em definitivo, embora só depois de passadas as crises de rejeição salutares por que se tem de passar) e não concordo com o celibato obrigatório doss padres. Penso com a minha cabeça e sou livre nas opções que faço. Era o que faltava.

Reconheço em toda a linha a liberdade de orientação sexual.

Só há uma única classe de homossexuais que não consigo tolerar, confesso: precisamente os que não se assumem; os que querem viver com a capa de hetero até às últimas consequências; os que vivem 2 vidas porque querem; os que enganam até a própria família, mulher e filhos incluídos; os que querem «o sol na eira e o sol no nabal»; os desonestos.
Essa gente não me inspira o mínimo respeito.
Mas afinal a questão não está em serem homo ou hetero.
Está em ser ou não ser adulto, em ser ou não ser desonesto!!

Angie disse...

Corrijo:
Os ditos que não tolero querem é « o sol na eira e a CHUVA no nabal», claro...
Enganei-me! (Deve ser porque gosto avassaladoramente de sol e odeio chuva!)
Em suma: os ditos querem ter só o «filet mignon» em tudo.
Não dá.

Débora disse...

Olá a todos!

Penso o mesmo que alguns aqui já referiram: se os padres fazem voto de abstinência, parece-me irrelevante a sua orientação sexual - mas isto é o óbvio...
Será que, subjacente a esta decisão existe alguma espécie de punição ou de não aceitação dos "irmãos" diferencidos? Esta postura não será contrária aos princípios do cristinianismo?
Enfim ...
Sudações,
Débora

andorinha disse...

Lobices(11.23)

Ainda bem que apareceste.
O teu texto é realmente avassalador.
Excelente!