terça-feira, novembro 15, 2005

Na minha vida.

Foi por um triz que não vim embora do concerto de Bill Frisell na Casa da Música ontem à noite. O dia fora pesadão e o homem começou a dedilhar uma caixinha infernal que, por sua vez, me torturava os (duros) ouvidos de amante de jazz suave. Pensei para os meus botões: "vou direitinho para a cama e os experts que se danem, de qualquer forma estão carecas de saber que não sou um deles". Estava eu neste monólogo interior feito de sono, neurónios arrepiados e inveja mesquinha quando acordes velhos conhecidos invadiram a sala. Frisell estendia-me um ramo de oliveira - tocava Across the Universe de John Lennon. E eu preparei os ouvidos para tudo e mais alguma coisa, há fidelidades que não se traem. Fui recompensado, o trio - porque Bill Frisell recusa protagonismos - passeou-se por memórias muito queridas, permitirão que destaque In my Life e Julia. O último encore foi um Please, Please Me tocado já em ambiente de jam session descontraída. E eu vim-me embora a esfregar as mãos de contente numa lâmpada de Aladino. Da qual se escapava, sem mercê, a imensa saudade do homem do piano branco que imaginava um mundo melhor:).

29 comentários:

Anónimo disse...

Daylight Savings and the Pro Blogger Rhythm
Daylight Savings has had a significant impact upon my blogging activities. A few weeks ago we put our clocks backward forward an hour to get an extra hour of daylight over our upcoming Summer.
Find out how to buy and sell anything, like things related to company construction mn road on interest free credit and pay back whenever you want! Exchange FREE ads on any topic, like company construction mn road!

lobices disse...

...saudades do homem do piano branco...
...é, é verdade
...e...perdeu-se o imaginário de um mundo melhor...
...será que só nos resta a saudade?
...tento "fugir" e refugio-me no amor e as saudades do homem do piano branco que imaginava um mundo melhor dilui-se com menor dor
...fica assim (e ainda) a esperança de que ele exista
...um abraço

descontraído disse...

"já em ambiente de jam session descontraída. E eu vim-me embora a esfregar as mãos de contente numa lâmpada de Aladino. Da qual se escapava, sem mercê, a imensa saudade do homem do piano branco que imaginava um mundo melhor:)"

Que gozo quando se vê aqui JMV assim.
Já me posso ir embora esfregando as mãos de contente.

fora-de-lei disse...

Two, one two three four
Ev'rybody's talking about
Bagism, Shagism, Dragism, Madism, Ragism, Tagism
This-ism, that-ism, is-m, is-m, is-m.

All we are saying is give peace a chance
All we are saying is give peace a chance

C'mon
Ev'rybody's talking about Ministers,
Sinisters, Banisters and Canisters
Bishops and Fishops and Rabbis and Pop eyes,
And bye bye, bye byes.

All we are saying is give peace a chance
All we are saying is give peace a chance

Let me tell you now
Ev'rybody's talking about
Revolution, evolution, masturbation,
flagellation, regulation, integrations,
meditations, United Nations,
Congratulations.

All we are saying is give peace a chance
All we are saying is give peace a chance

Ev'rybody's talking about
John and Yoko, Timmy Leary, Rosemary,
Tommy Smothers, Bobby Dylan, Tommy Cooper,
Derek Taylor, Norman Mailer,
Alan Ginsberg, Hare Krishna,
Hare, Hare Krishna

All we are saying is give peace a chance
All we are saying is give peace a chance

-Stardust- disse...

Ooooh... :)

Até eu, que era tão mínima quando levaram o senhor do piano branco, tenho saudades dele. Das pessoas que, como ele, acreditavam no que os demais teimam em chamar utopias... em fazer delas utopias... :(

Ameninadalua disse...

Sem dúvida...sem dúvida...professor
Muitas saudades do homem do piano branco, o tal que imaginava um mumdo melhor...
Gosta mesmo de música:)))
O seu entusiasmo torna-se quase contagioso:)))

smooth_word disse...

Olá Prof.

e o bom da vida é isso mesmo, quando achamos que já não podemos esperar mais nada, subitamente tudo se transforma...:)

do DN disse...

Uma utopia de A. Caldeira:


Diário de Notícias online - 15.11.05
Juíza absolveu autor do blogue que quebrou segredo de justiça
jacinta Romão

O autor do blogue que publicou excertos de peças processuais do julgamento Casa Pia, António Caldeira, foi absolvido ontem no tribunal de Alcobaça do crime de desobediência. A juíza considerou que "a conduta do arguido, ainda que pudesse ser considerada censurável, não integra a prática do crime de que vem acusado", concluindo assim que "o arguido tem que ser absolvido". Recorde-se que os documentos que o arguido divulgou estavam ao abrigo de um despacho do tribunal de Lisboa - onde decorre o referido julgamento -, o qual proibia o acesso dos jornalistas ao processo. António Caldeira não é jornalista, é professor, e alegou desconhecer o referido despacho.

A juíza fundamentou, na leitura da decisão, que "o despacho em causa tem como destinatários jornalistas" e, não obstante entender que um blogue "pode ser já considerado comunicação social", faltou "a comunicação regular" do tribunal ao arguido. A procuradora do Ministério Público não quis dizer se vai recorrer da sentença. Já António Caldeira declarou-se "satisfeito" e considerou-a como "uma vitória da cidadania e da blogosfera".

Manolo Heredia disse...

do dn,
Se alguém me der uma tablete de substância cheirosa e me disser para guardar lá em casa ou para mandar pelo correio para uma dada morada, eu recuso ficar na posse da tablete (quanto mais transmiti-la a seja quem for). Pode ser droga, posso-me lixar!
O mesmo devia acontecer com os textos relacionados com a justiça. Devia ser proibida a posse de informação em segredo de justiça, em qualquer suporte (papel, som, imagem). Acabavam is ingénuos, que não sabem o que têm e, portanto, divulgam!

Anónimo disse...

GALP

Um quadro superior da GALP, admitido em 2002, saiu com uma indemnização de 290.000 euros, em 2004. Tinha entrado na GALP pela mão de António Mexia e saiu de lá para a REFER, quando Mexia passou a ser Ministro das O.P. e Transportes.

O filho de Miguel Horta e Costa, recém licenciado, entrou para lá com 28 anos e a receber, desde logo, 6600 euros mensais.

Freitas do Amaral foi consultor da empresa, entre 2003 e 2005, por 6350 euros / mês, além de gabinete e seguro de vida no valor de 70 meses de ordenado.

Manuel Queiró, do PP, era administrador da área de imobiliário (?) 8.000 euros / mês.

A contratação de um administrador espanhol passou por ser-lhe oferecido 15 anos de antiguidade (é o que receberá na hora da saída). Pagamento da casa e do colégio dos filhos, entre outras regalias.

Guido Albuquerque, cunhado de Morais Sarmento, foi sacado da ESSO para a GALP. Custo: 17 anos de antiguidade, ordenado de 17.400 euros e seguro de vida igual a 70 meses de ordenado.

Ferreira do Amaral, presidente do Conselho de Administração. Um cargo não executivo (?) era remunerado de forma simbólica: três mil euros por mês, pelas presenças. Mas, pouco depois da nomeação, passou a receber PPRs no valor de 10.000 euros, o que dá um ordenado "simbólico" de 13.000 euros.

Outros exemplos avulsos:

- Um engenheiro agrónomo que foi trabalhar para a área financeira a 10.000 euros por mês;

- Uma especialista em Finanças que foi para o Marketing por 9800 euros / mês;

- Neste momento, o presidente da Comissão executiva ganha 30.000 euros e os vogais 17.500;

- Com os novos aumentos, Murteira Nabo passa de 15.000 para 20.000 euros mensais.

A GALP é o que é, não por culpa destes senhores, mas sim dos amigos que ocupam, à vez, a cadeira do poder. É claro que esta atitude, émula do clássico "é fartar, vilanagem", só funciona porque existe uma inenarrável parceria GALP / Governo. Esta dupla, encarregada de "assaltar" o contribuinte português de cada vez que se dirige a uma bomba de gasolina, funciona porque metade do preço de um litro de combustível vai para a empresa e, a outra metade, para o Governo.

Assim, este dream team à moda de Portugal, pode dar cobertura a um bando de sanguessugas que não têm outro mérito senão o cartão de militante. Ou o pagamento de um qualquer favor político... Antes sustentar as gasolineiras espanholas que estão no mercado, do que estes vampiros !

E AINDA DIZEM QUE A CRISE É CULPA DA FUNÇÃO PÚBLICA !!!

Mário Santos disse...

Desculpem voltar ao tema de ontem, mas também fiquei arrepiado. E lembrei de outro arguido que está a ser julgado e que já passou um ano na prisão: Carlos Cruz. Confiando na justiça (e desconfiando do que leio e ouço na comunicação social) tenho evitado formar opinião sobre a inocência ou culpa dos envolvidos. Depois desta monumental barracada não posso evitá-lo. Pelo que percebi até agora, o ministério público não conseguiu produzir (e nem sei se tentou) prova que corroborasse o testemunho das vítimas. Parece algo do mais elementar bom senso.

Isto está mais parecido com um conto do Perry Mason do que com um episódio do CSI.

Estou claramente com a sensação de que se um juiz se convencer de que sou culpado de alguma coisa, então estou tramado, não posso contar com uma investigação justa em que são verificadas todas as hipóteses.

Estou arrepiado...

Manolo Heredia disse...

mário santos,
Vasco Polido Valente também sente o mesmo, a julgar pela crónica em que dizia que "vivemos num país perigoso".
E que garantia temos nós que o esquema montado na C.Pia foi desmantelado? Leia-se organização das camaratas e habitos de iniciar os muidos na homosexualidade feita pelos + velhos (também eles deserdados da sorte). Naturalmente para preparar a rede de prostituição, com chantagens à mistura junto dos viciados que a frequentavam.

Conselho disse...

Caro Mário Santos
"Isto está mais parecido com um conto do Perry Mason do que com um episódio do CSI". Finalmente encontrei alguém que se lembra do Perry Mason, conto consigo para fazer lobi para que voltem a pôr essa série. É sempre agradável vêr os criminosos castigados (nem que seja em ficção). :-)

Olhar disse...

Uff!!!!, sossegou-me, a mim e penso que quase de certeza também aos miúdos..., a continuação do trabalho de Catalina Pestana, por ela própria! No meio de tantos pés pelas mãos mal contados..., caramba!!!, tava a ver que não...
Quanto ao Post Professor, para lá das "nossas" (para muitos), já confortáveis rotinas, parece-me sem dúvida um prazer sermos surpreendidos por um momento mágico, que por instantes nos levanta os pés do chão, nem que seja para nos levar direitinhos para a saudade que temos deles:))))
Acontece que as poucas vezes que por aqui passo ponho-me a ler tudo o atrazado e, não sendo estas poucas vezes compatíveis com a manutenção de uma conversa...:( gostaria se possível desta vez rectificar um pouco isso, assim:
Agradeço a sombra da asa da Andorinha de 5 do corrente 6.21PM:)))))
E gostava de dizer-lhe Yulunga do mesmo dia 2.02PM que entendi à primeira que era por outros motivos..., queria animá-la mas não correu lá muito bem...:(

Pamina disse...

Boa noite

Moral da história: por vezes compensa aguentar os entretantos até chegarem os finalmentes ou "se soubesse tinha ido só à segunda parte". Através do entusiasmo da descrição podemos nós Imagine a satisfação por este desfecho.:)

Angie disse...

Toda a razão, Prof. JMV.
Jazz sem "swing" é absolutamente insuportável.
Só ruído e publicidade enganosa.
Afinal, o jazz é como as pessoas...
Tantas vezes me ocorre que afinal gosto ou não gosto dos outros consoante têm ou não têm aquela "qualquer coisa" intraduzível ... Mais que terem defeitos ou virtudes, beleza ou fealdade, opiniões afins ou não afins, quando se gosta mesmo (pelo menos eu) é quando afinal têm certo "it" indefinível (mesmo para nós):
- Ter ou não ter swing, eis a questão!
Não concorda que a vida é um pouco como a música?!

fad disse...

Prof:
Todos nós no enganamos e vamos a sitios que não gostamos de ficar...
tomou uma decisão corajosa...Saltar fora.
BOa-

Anónimo disse...

julio

Anónimo disse...

como eu gostaria de ir consigo aos seus blogues favoritos...pode dar-me o endereço que eu vou la ter?seria uma experiencia mais professor.on y va? catarina

catarina disse...

como estabelecer contacto se sei mal comunicar via net?só por e´mail

Caínha disse...

Eu fiquei deliciada com o concerto :) Ok, algums experimentalismos mais dissonantes não me cativam, mas mesmo pesando isso, foi um bom concerto.
Até me esqueci da dor de joelho com que de lá sai, que aquelas cadeiras exigem algum equilibrio para permanecer sentada.

marigold disse...

Foi a primeira vez que pisei este blog. Em parte devido ao facto de ter estado no referido concerto e pelo facto de o ter visto, Prof. JMV lá no meio de nós e talvez por, sendo também uma "psi", me interessar pelas opiniões de outros "psi". Qt ao concerto, confesso que foi estranho. Para um amante do jazz, acho até que foi enganoso. Alias, a sensação que me deu é que o Bill Frisell deve ter pensado q eramos um país de terceiro mundo a precisar de música dos anos 60. Que eles "curtiram" o concerto, isso pareceu-me. Uma opiniao mais concreta em "www.loving-with-an-open-hand.blogspot.com" Obrigada pelas suas palavras, que achei bastante assertivas.

noiseformind disse...

"Estava eu neste monólogo interior feito de sono, neurónios arrepiados e inveja mesquinha quando acordes velhos conhecidos invadiram a sala"

Meu Deus homem, isso é que são confissões em tom de "Velho da Alfândega" ; )))))))))))))))))))))))))
Os neurónios precisam de lembrança e precisam de memória para se alimentarem, e isso é mau? Então que traição grave é o apego aos sentimentos? Aliás, não será a juventude uma rejeição da memória? Uma depreciação do tempo passado? Terias todo o direito de dar corda aos calcantes e pôr-te a caminho de casa, procurando no CD (ou então, menos comezinho, no MP3) conforto para aplacar o estado de sortilégio em que te encontravas ; )))))))))))) Dou o exemplo de Caetano Veloso. Raramente toda músicas antigas nos concertos, o "Sozinho" num encore e é tudo, de resto vai sempre pelos últimos albuns (dou o exemplo do Noites do Nordeste). Para o público dele mais "antigo" ESSE é o sortilégio, para o público mais recente é motivo para tirar o pé do chão ; )))))))))))

Mas olha que a CCL (COmissão Contra a Lamechiche) anda de olho em ti... anda, anda... que já que vai acabar o programa que tens sobre "Amores" podias muito bem dar um arzinho de sexualidade por estas bandas ; ))))))))))))) do género comentar ESTE estudo. Percepção da sexualidade nos lares de idosos. É tipo emails, mas em vez de irem electronicamente por milhares de quilometros vão calmamente até ao quarto do lado ; ))))))))))

João Gil disse...

Caríssimo amigo
Foi de facto um prazer , ter privado consigo.
Já aqui tinho vindo,porém só agora o comento.
Faz parte das minhas sugestões, convencido eu que,
as ideias por si veiculadas,dão-me/nos , sempre novos horizontes para uma sociedade mais aberta e tolerante.
Deixo aqui o meu abraço e a minha por si admiração.

João Gil disse...

Caríssimo amigo
Foi de facto um prazer , ter privado consigo.
Já aqui tinho vindo,porém só agora o comento.
Faz parte das minhas sugestões, convencido eu que,
as ideias por si veiculadas,dão-me/nos , sempre novos horizontes para uma sociedade mais aberta e tolerante.
Deixo aqui o meu abraço e a minha por si admiração.

João Gil disse...

Em dose dupla ,por nabice minha.
ficam assim dois abraços, como se pode ver.

yulunga disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
yulunga disse...

Boooooom dia maralhal!!!

Dr. Murcon, novamente fui ver quem era o moço, e assim de repente não estou a associar temas à pessoa ou então não conheço mesmo o trabalho do senhor em causa.
Uma coisa de bom têm estes posts sobre música: Dar a conhecer outras sonoridades.
Faz uns anitos numa conversa entre dois estranhos ouvi falar dos Dead Can Dance; tocaram campainhas, fui procurar e fiquei viciada.
Sobre o senhor do post vou procurar com mais tempo.
De qualquer forma ainda bem que o espectáculo acabou de forma exemplar.

Só mesmo por cusquice, quer partilhar connosco os desejos que pediu ao génio da lâmpada? Ele apareceu, não apareceu?

Angie disse...

JOÃO GIL:

-Você é mesmo ''o'' João Gil, não é?

Então, se me ler, saiba aquilo que não precisa: que é uma das poucas boas coisas da música portuguesa actual.
Gosto muito da nova ''Filarmónica Gil'', a voz do Nuno Norte é LINDÍSSIMA, e mandou o ''registo'' da ALA dos Nºs para o pólo diametralmente oposto.
Um pedido bizarro e egoísta: na próxima oportunidade, grave ao menos uma música com o FRANCISCO REBELO DE ANDRADE (ex-OT2): uma voz irrepetível, um talento, com recursos e potencial inesgotável.
Olhe que não estou a brincar...e desde já acrescento que não privo com ele, logo, não estou mandatada para a publicidade...
Parabéns e continue criativo e igual a si próprio, para bem de todos nós.