quarta-feira, novembro 09, 2005

Oh, Lord!, os lordes a debruçarem-se sobre um tema destes? Que mais iremos ver?:).

Mundo



Reino Unido: Câmara dos Lordes aprova eutanásia a doentes terminais
A Câmara dos Lordes britânica aprovou esta quarta-feira uma proposta para permitir que os médicos apliquem a morte assistida a doentes terminais que queiram deixar de viver.

Ao abrigo do novo projecto, os médicos podem prescrever uma dose letal de medicação a pacientes terminais que considerem intolerável a dor que enfrentam.
No entanto, o projecto não legaliza a eutanásia voluntária, realizada sem o consentimento do paciente.
A decisão provocou grande oposição por parte da Igreja Anglicana e de grupos defensores dos direitos humanos. A lei ainda terá de passar pela Câmara dos Comuns.
A nova lei permite que um paciente terminal se automedique com doses letais prescritas por médicos.
Caso o projecto seja aprovado, o paciente terminal que deseja por fim à própria vida nos seis meses seguintes deverá ser examinado por dois médicos, que ratificarão ou não a decisão. Também serão necessárias duas declarações diferentes do paciente, inclusivamente uma assinada por um advogado.

59 comentários:

-Stardust- disse...

"...eutanásia voluntária, realizada sem o consentimento do paciente"???
Isso é um conceito de eutanásia?

-Stardust- disse...

E Professor,

1. Boa tarde, que nem disse nada! :)

2. Isso dos seis meses são o tempo para a burocracia? Se sim... não é tempo a mais para um doente terminal... tempo a mais para angustiar sobre vida/morte... tempo a mais até para os familiares/amigos sofrerem com ele?

Moira disse...

Sempre imaginei a morte como um poço fresco e espelhante dos céus do meu sul. O poço da casa onde em memória ainda me encanto. Desejaria que fosse um acto voluntário e sem dor. O ramalhete dos rostos amados e o partir em paz.
Até aceito a mediação de um médico embora isso me inspire alguns cuidados. Burocratizá-la? Pois não devia ser um puro (e talvez único)acto de de liberdade?

Beijos cor de mel

Julio Machado Vaz disse...

Stardust,
Tem razão:), suponho que seja proibido os médicos tomarem a decisão..., sem o consentimento do doente! Fico mais descansado:).

Julio Machado Vaz disse...

Moira,
E é, se a pessoa em causa pode dispensar ajuda médica para morrer em condições dignas e sem sofrimento.

Moira disse...

Nada contra a ajuda médica, contudo na minha zona há uma lista de espera de 500 pessoas para os médicos de família. Abre-se mais um guiché para a eutanásia? ( ainda não percebi a técnica dos pontinhos mas aqui leia-se sorriso).

River disse...

O Professor viu o filme "Mar Adentro"???... Intrigante, incomodativo talvez... Mas ajudou-me a interiorizar que a Morte pode trazer Felicidade (por mais estranho que isso me pareça...)
Beijos pra si, sempre c/ mt admiração!

Angie disse...

ò Professor! Já pensou que se vivesse no Reino Unido de certezinha que já era ''Lord'' (Sir Júlio Vaz) pelos serviços prestados à colectividade?!!!
Não tenho dúvidas! (a monarquia tem coisas simpáticas...)
Mas olhe: se passou nos Lorses vai passar nos Comuns, é certo e sabido.
O sistema de dupla câmara também tem algumas coisas previsíveis!!

andorinha disse...

Boa tarde a todos.

O projecto em si parece-me positivo, mas penso que tem algumas lacunas.
Os doentes terminais devem poder decidir se querem deixar de viver, acima de tudo há o direito a uma morte digna, portanto parece-me positivo que os médicos os ajudem nesse sentido.
No entanto levanto uma questão: qual a atitude a adoptar perante aqueles que não estejam em condições de tomar uma decisão?
Presumo que nenhuma, será? Deixam-se as coisas seguirem o seu curso?
Não é reconhecido à família o direito de tomar essa decisão?

"Caso o projecto seja aprovado, o paciente terminal que deseja por fim à própria vida nos seis meses seguintes deverá ser examinado por dois médicos, que ratificarão ou não a decisão."

E se a decisão não for ratificada?
Não bastam os seis meses de angústia, para ele e para os familiares,( como já disse a stardust) ainda "corre o risco" de não lhe permitirem realizar a sua vontade?
Isto parece-me de uma desumanidade atroz.

Julio Machado Vaz disse...

Angie,
Bela canção dos Stones:). Eu, Lord? Assim vestido? Lá se ia a Câmara:).

Julio Machado Vaz disse...

Angie,
Bela canção dos Stones:). Eu, Lord? Assim vestido? Lá se ia a Câmara:).

-Stardust- disse...

É linda, não é Prof?

(obrigadinha pai pelas músicas que ouvias/ouves!) Aqui deixo a letra!


Angie, angie, when will those clouds all disappear?
Angie, angie, where will it lead us from here?
With no loving in our souls and no money in our coats
You can’t say we’re satisfied
But angie, angie, you can’t say we never tried
Angie, you’re beautiful, but ain’t it time we said good-bye?
Angie, I still love you, remember all those nights we cried?
All the dreams we held so close seemed to all go up in smoke
Let me whisper in your ear:
Angie, angie, where will it lead us from here?
Oh, angie, don’t you weep, all your kisses still taste sweet
I hate that sadness in your eyes
But angie, angie, ain’t it time we said good-bye?
With no loving in our souls and no money in our coats
You can’t say we’re satisfied
But angie, I still love you, baby
Ev’rywhere I look I see your eyes
There ain’t a woman that comes close to you
Come on baby, dry your eyes
But angie, angie, ain’t it good to be alive?
Angie, angie, they can’t say we never tried

Rolling Stones

andorinha disse...

Júlio (6.52)

Loooooool.

Angie disse...

Professor: eu estava a brincar... e até não estava. A distinção de ''Sir'' tem mesmo essa lógica, e aqui colhia plenamente, pelo que tenho observado.
Claro que podia sempre rejeitar a distinção, como fez a Ferreirinha...Mas os ingleses são tããão simpáticos e marados que era 1 pena dizer que não! E já pensou: sentar-se ao lado do Paul McCartney ..de Lawrwncw Olivier (ai, acho que este já se foi!) e da Thatcher?! (apoveitava para lhe fazer 1 análise que depois publicava...)
Os trajos? Ora essa, que é que tinha de mudar? Nada. Eles não querem as pessoas para as formatar, querem é que as pessoas os formatem a eles! Logo: look sempre coerente.
Mas també, diga-nos lá: também não tem de vestir a vestimenta nas efemérides da UP?
Às vezes é preciso.
Mas, desde que não fizesse como o José Cid há uns anos (que posou como Deus o criou) ninguém reparava no seu estilo ''negligé BCBG''!!!
Em Inglaterra, quem repara em quê?!

andorinha disse...

stardust,
Beautiful, indeed!:)

Julio Machado Vaz disse...

Angie,
Junto ao Macca???:)))). Aceito!!!!!

Julio Machado Vaz disse...

Stardust,
Muiot fixe. Em Muros usei o nome. Como não tinha nenhuma inglesa à mão..., usei-o numa cadela, imagine o desplante:)....

Angie disse...

Professor: 'Tá ajudicado!
Aquilo é que vai ser bater na cabeça dos tories!!! Depois, trazia o Paul a um dos jantares do blog (em Portugal não falamos 1 inglês sheakspeareano?)e fazia-nos um favor: ele ficava ao pé cá do mulherio, e a si deixavamo-lo com a cara metade do Paul: satisfeito? Ele já deve 'tar farto:
''Everyday she takes her morning bath, she wets her hair, wraps a towell around her and she's heading for the bedroom chair...It´s just another day!''
asim também eu ia direitinha ao ''nuorte'', catano!

Julio Machado Vaz disse...

Angie,
Nem pensar, quero pelo menos metade dele!:).

Carlos Sampaio disse...

Acho que já se falou disto aqui...
a minha proposta é "Eutanásia por opção do próprio".. enquanto tem tempo...
http://glosa-crua.blogspot.com/2005/08/eutansia-por-opo-prpria.html

Anónimo disse...

Boa noite:

Estas questões despertam-me perplexidades várias. São difíceis e, contudo, perante os casos concretos e desesperados parecem fáceis. Definitivamente não sei discutir isto e não tenho tendência para pensar sobre estes assuntos. Mas é necessário quem pense!!! Eu sei.
Não sei a que (des)propósito, veio-me à ideia a experiência do túnel que experienciei durante uma operação a que fui submetida há uns anos. Até essa altura nunca tinha ouvido falar de tal possibilidade. Não liguei muito ao caso, mas, também nunca procurei aprofundar o assunto. Lembro-me de uma vez ter tomado mais atenção a um programa de televisão que abordava esse tema e em que um dos testemunhos era o F. Dacosta. Falo disso quando calha, (raramente me lembro). Não acho que me tenha mudado o modo de encarar o dia a dia. Mas, já agora... que me senti muito bem, disso não tenho a mínima dúvida. Táva-se bem! Táva...
Saudações
Mariadosol

fernando dias disse...

Prof.
è com gosto que comento este texto no nosso blog...
Penso que a dor faz parte da vida pelo que não sou por natureza defensor da eutanásia,excepto em casos de grande sofrimento, com retorno hipoteticamente impossivel...
Portugal ainda está longe de aceitar a eutanásia...è necesario passar mais uma geração...
Não concorda comigo?

Ameninadalua disse...

Boa noite!

Oh professor!

Reformas e reformados seguida de Eutanásia, digamos que não está nada animador! :)))mas compreendo a sua pertinência tendo em conta a aprovação da lei pela camara dos lordes...
Quanto à sua nomeação para lorde e se o problema é não ter a casaca ou fraque...arranja-se já uma comissão para providenciar o assunto...:))))

amok_she disse...

...bem, tenho duas dúvidas, sim q eu apesar de tudo o q afirmam [:->] tb tenho dúvidas:

1) queria saber qual é q colectividade q vai atribuir o grau de lord ao Prof!??? ...é daí, do norte, ou é sulista e elitista...???

2) é preciso chegar ao ponto terminal para o doente optar pela eutanásia? não se pode dispôr dessa opção, tipo "testamento" enquanto ainda se está perfeitamente lúcido(a), tanto qt é possível estar-se lucido num mundo destes...???

...eu sou defensora da eutanásia...sem concordar q essa medida possa ser tomada sem o conhecimento/ consentimento do doente!...ñ faltaria pr'ai uma corja enorme de abutres a dar picadinhas nos velhinhos pra lhes "colher" as heranças mais depressa...:->

Pamina disse...

Boa noite a todos,

Seis meses também me parecem demasiado.
Por acaso, não sei quanto tempo demora o processo na Holanda. Como devem saber, em 2002 (a lei já fora publicada em 2001), a Holanda tornou-se o primeiro país do mundo a permitir a eutanásia.
Acho a solução encontrada algo curiosa. Assim, segundo esta lei, a eutanásia continua a ser um crime punido com uma pena de prisão que pode ir até 12 anos, CONTUDO, não constitui crime se o médico cumprir 6 requisitos que estão consignados na lei:
1-Tem que haver um pedido voluntário, bem ponderado e duradouro do doente.
2-O médico tem que estar convencido que há um sofrimento irremediável e insuportável.
3-O doente tem que ser bem informado.
4-Não deverá existir outra solução razoável (como um tratamento).
5-O médico tem que ouvir a opinião de um colega que examine também o doente.
6-O acto tem que ser executado de um modo medicamente cuidadoso.

O médico tem que declarar na certidão de óbito "morte por causas não naturais", justificar as razões e participar ao médico legista do concelho.
Comissões, da qual fazem parte um jurista, um médico e um ético (não sei exactamente quais as qualificações para ético), avaliam se o médico procedeu correctamente.

Outros aspectos interessantes da lei:
Se o doente não puder expressar o seu desejo (por ex. coma, demência), são admitidas declarações assinadas quando este ainda estava na posse das suas faculdades mentais e a idade mínima para efectuar uma declaração destas é de 12 anos.

Ainda relativamente ao desejo das crianças a partir dos 12 anos. Se uma criança maior de 12 anos, considerada pelo médico capaz de avaliar razoavelmente os seus interesses, o pedir e os pais concordarem (a expressão traduzida à letra é "se os pais se conformarem"), o médico poderá aceder a este desejo, desde que respeite os tais seis requisitos já mencionados.

Parecem-me estes os pontos mais importantes. E é assim na Holanda.
O Fernando Dias(10.22) diz que só na próxima geração haverá algo perecido em Portugal. Provavelmente tem razão.

Ameninadalua disse...

Eu compreendo a preocupação de alguma salvaguarda, cuidado e rigor que o legislador possa ter ao elalorar uma lei que tenha a ver com a Eutanásia. Existem algumas determinantes que o obrigam a isso; possíveis pressões,interesses, uma eventual possibilidade de cura e principalmente não deixar margem legal para dúvida ou equívoco ao profissional, o médico ou enfermeira, que irá dar sequência ao acto da eutanásia.
Pessoalmente é uma realidade que me é dificil de aceitar assim como manter a vida artificialmente durante muito tempo, é como estarmos a contrariar um pouco o destino... não sei bem explicar!

andorinha disse...

Pamina (10.31)

Boa achega para o debate. É bom termos uma "holandesa" por cá.:)))
Essa lei parece-me, assim numa leitura rápida, muito razoável.
A situação das crianças é que me suscita algumas dúvidas. Doze anos parece-me muito cedo para se poder tomar uma decisão dessas, não sei...

fora-de-lei disse...

E se, em vez da morte (por eutanásia ou fosse lá por que modo fosse), o maralhal vivesse para sempre ?

Neste seu último desafio literário, José Saramago é - mais do que nunca - um autêntico "judeu" para a Igreja Católica...

Julio Machado Vaz disse...

Pamina,
Sofrimento parece-me bem mais adequado do que dor.

AJFRM disse...

Eutanásia,

casamentos gays,

direitos iguais para os gay,

tudo virá a seu tempo.

é uma questao de bom senso,

e de geraçoes.

ja nao falta muito para q ocorra uma inversao de mentalidades.
inversao essa imposta pelo 'debandar' das geraçoes mais velhas,
e menos voltadas a aceitar como normal estas 'modernices' ( para eles).

Tarda mas nao faltará!

easy coming.
já ta perto.

Anónimo disse...

"Também serão necessárias duas declarações diferentes do paciente, inclusivamente uma assinada por um advogado."

Aqui se levantam questões de direito. E como as leis em Portugal são autênticas "mantas de retalhos": Leis, Decretos, portarias e afins; adiatamentos e mais aditamentos... Lá estão os juristas à nora, ou talvez não...Terreno fértil para os habilidosos: o lucro à custa do sofrimento.
Já para não falar que a jurisprudência quanto a este assunto em Portugal é preticamente omissa.

Boa noite

Pamina disse...

JMV(11.57),
A palavra holandesa usada é "lijden", equivalente ao alemão "leiden". Dor é "pijn", equivalente, claro, ao inglês "pain". Portanto, acho que realmente pensaram mesmo em termos de sofrimento e não só de dor.

Andorinha(11.13),
Também acho 12 anos um bocado cedo, mas claro que depende da criança. Como a situação será vista caso a caso, o médico julgará se a criança é "capaz de avaliar razoavelmente os seus interesses". Claro que a interpretação da frase será sempre subjectiva.
De qualquer modo, para o processo se completar (que eufemismos estou a usar) os pais têm que aceitar e o médico tem que pedir a opinião do colega, tal como para os adultos.

Anónimo disse...

Então, aqui todos contentes a falar do Paul e não me chamavam?!
Desgraçados!
Tenha lá paciência professor, mas o Paul eu só tive o privilégio de ver (e ouvir)pela primeira vez (e ainda por cima à distância) no Rock in Rio. E só deu para aguçar mais o "apetite": QUE VIDA, QUE ENERGIA! Por isso, se garantem a presença do mesmo no jantar, EU VOU! E é para reservar um lugarzinho lá ao pé. Perfeito mesmo só no meio dos dois (Paul e Professor): mas desconfio que não há coração que aguente......loooolllllllll
Agora não façam é publicidade enganosa, o homem tem mesmo de lá estar!

Nighty, night

Sandra Feliciano disse...

Essa dos seis meses está de morte (ou neste caso, de vida, que é precisamente aquilo que o paciente não deseja!!!).

E porque será que não se adopta uma formula simples, que é qualquer cidadão deixar especificado que forma legal, enquanto saudável e consciente, quais os seus desejos relativamente a esta questão em caso de doença terminal? Se se faz isso realtivamente à doação de órgãos, porque não fazê-lo também relativamente à eutanásia?

Oh gente complicada!...

De bradar aos céus é a "oposição" dos grupos (supostamente) defensores dos direitos humanos! Há cada paradoxo!!!

Pamina disse...

Desculpem lá mais um bocado de "holandice", mas, já agora, poderá ter um certo interesse saber quem é que votou a lei.
A 2ª Câmara tem 150 deputados e esta lei foi aprovada por 104 votos a favor e só 40 contra.
Votaram a favor:
PvdA- Partido socialista que estava então no governo (coligado), excepto um deputado que alegou razões de consciência.
VVD- Liberais de centro-direita (julgo que estavam na coligação).
D66- Partido um bocado esquisito, umas vezes vão p/a direita, outras mais p/a esquerda.
GroenLinks- Verdes.

Votaram contra:
CDA, SPG, RPF, GPV- Partidos cristãos.
SP- Partido socialista pequeno. Não é "the" Partido Socialista holandês (=PvdA).

No comments.

IsaMar disse...

sou a favor pela decisão da pessoa, de querer partir,com dignidade, quando a dor física ou psicológica lhes é definitiva. essa opção é da pessoa. Se ela necessita de ajuda médica, deve ser dada, mas só nesses caso. A decisaõ será sempre da pessoa.

noiseformind disse...

OS BONS FILHOS

Ora boas maralhal.
Penso que não estámos tão longe da legalização da eutanásia como estámos da do aborto. Infelizmente os deputados têm pais e mães, e como tal, tendo pais, e sendo alguns deles até ex-deputados, e sendo que alguns deles serão acometidos de doenças graves e provocadoras de constante sofrimento certamente que dirão aos dilectos filhos para "tratarem disso". E eles, bons filhos, certamento o farão. Pq ás mulheres é dito para suportar, as mulheres suportam. Suportam a ausência de vida social no casamento, 3 horas por dia na cozinha a preparar refeições ou a limpa-la (Estudo da IKEA, divulgado ontem nas páginas do PUBLICO), suportam financeiramente com as suas reformas e ordenados muitos filhos que se recusam a estudar ou trabalhar. Portanto, as autoridades "to be" não terão tantos problemas em autorizar uma lei para homens e mulheres como para lidar com questões puramente fêmeas, como o aborto.
Sei que é uma triste realidade, ao nível da escumalha, mas é o país que vocês têm (como me soube bem dizer isto) ; ))))))) looooooooool looooooooooooooool loooooooooooool looooooooooooooool loooooooooooooooool loooooooooooool

Anica disse...

Noisinho, és um daqueles casos que prova que a verdade sai, não infrequentemente, da boca das crianças. Totalmente de acordo com as tuas palavras ;)

noiseformind disse...

Pamina, dado que a Route 66 atravessa todos os EUA, é natural que dêem para os 2 lados ; ) (por dois lados, suas mentes homófobas, entenda-se esquerda e direita looooooooooooooool)

Conselho disse...

Ora aqui está um tema que serve para confundir muita gente.
Já assisti à morte de familiares que quer desejavam a morte quer ficavam contentes por estar vivo.

E isto com dias de intervalo.

É facil admitir que alguém com um sofrimento muito grande e sem qualquer possibilidade de recuperação seja auxiliado a morrer com a dignidade merecida a um ser humano (já as autênticas olimpíadas da sobrevivência assistida exercitadas na medicina actual não considero que estejam a contribuir para qualquer melhoramento da qualidade de vida/morte).

O problema complica-se quando a situação clínica não é tão "explícita" e outros factores que qualquer médico saberá melhor do que eu (depressões, conselhos de "amigos", parentes, etc)entram a pesar na balança.

Sical disse...

Estou aqui a ler e a reler. Já fui reler outras coisas por causa deste post de JMV. Luta-se tanto pela vida, e depois luta-se por finalizá-la, também. Não tenho respostas. Posso ter um entendimento moral sobre a vida. Mas se fosse eu? E nem para mim tenho respostas. Nem perguntas. Vou até à varanda olhar para o mar que hoje está cinzento.

Sical disse...

E já agora,uma questão. Que tipo de eutanásia é a dos bombistas suicidas?

sofialisboa disse...

e porque não? a vida não é nossa, não somos livres de fazer o que queremos desde que não magoamos o próximo? se é este o desejo que então se cumpra, pode ser também uma morte digna. ainda ontem li um artigo sobre uma mulher americana de descêndencia grega, que já tem essa receita passar, pode levantar os remédios quando quiser. concordo e assino.sofialisboa

Conserto disse...

Cara sofialisboa:
Aqui o Prf. é que podia dar uma ideia de quantas pessoas (doentes) passaram por ele desejando morrer, será que estão livres de fazer o que querem?

Anónimo disse...

Deixemo-nos de lérias. Quando é que é o jantar do maralhal?

Manolo Heredia disse...

Para mim, para começar, seria legal fornecer um "kit" de suicídio aos doentes terminais (injecção letal de fácil aplicação), e era-lhes dada oportunidade de o usar sem a presença de ninguém.
A morte é um acto solitário.

Bin Ladeiro disse...

A morte é um acto solitário. Não sei se é. Ainda ontem foram despachados por atacado 50 bicos na Jordânia

Angie disse...

´Tou a ver que as minhas fantasiosas piadas acerca do nosso professor ser um candidato potencial à distinção de HONOURABLE LORD acabaram por dar 1 nota de humor fútil pelo meio de assunto tão sério como o da eutanásia. Bom, sobre isso nem me pronuncio, senão não parava de escrever e de massacrar este igualmente honorável fórum...Além disso, ando muito bem disposta...e é por isso me apetece dizer disparates!
Bom, continuando então com a fantasia...´tá visto que o professor tem todos os requisitos para a distinção. Não fosse isto ser um país sem ''Sirs''(somos mais o 10 de Junho. Tudo à molhada!), estava garantido à certa!
Mas também podemos fundar 1 nova ordem honorífica: dar-lhe o nome de uma rua imaginária (aquela que ele nos abriu..) ou melhor ainda: de uma praia (aquela praia que cada um sabe, porque ele merecia!) ou mesmo de uma estrela: é questão de escolher uma de entre as tantas disponíveis, se as conseguirmos descortinar pelo meio dos néons. Ele, sim, vê-la-ia bem lá em Cantelães, onde tem casa, tem terra, e tem CÉU!
Quanto ao jantarito com o Paul, paciência, ele não o quer largar e não se contenta com a mulher, portanto 'tamos feitAs.
Amok (10.27): eu não vejo menos do que uma confraria nacional a conceder o grau.
Bem sei que isto é o ''Murcón''. Mas eu não sei se sou nortenha se sou sulista, elitista e liberal. Como eu, deve haver mais pessoal...
Porque sou daquela zona que os nortenhos chamam sul e os sulistas chamam norte, 'tão a ver?
Bom, D. Afonso Henriques por aqui se ficou antes de tomar alento para investir sobre a moirama! E só foi mesmo mais abaixo, até ao Liz, para melhor defender este seu reduto .
Logo, prefiro pensar que sou do Norte: os calores sulistas só me vêm ao decimo quando oiço os manos PC ou o suserano de Gaia...
Portanto, ´tá decidido nada menos que um movimento nacional para o nosso Sir!!!!
Podemos propô-lo à Tia Elisabeth (Windsor), a par com um ou dois notáveis do vinho do Porto, que até já mereciam esse reconhecimento por parte dos seus maiores consumidores.
Vamos à obra: ele é Lord, ele é rua, ele é praia, ele é estrela!
Mas com jantar.

Bichinho da floresta disse...

Um coelho estava a correr pela floresta fora, quando viu uma girafa a acender um charro.
Parou e disse:
- Ei girafa! Para de fumar essa merda que te faz mal, e vamos mas é correr pela floresta! Vais ver como te vais sentir muito melhor!!!
A girafa pensou por um segundo, e disse: - Tens razão, coelho, bora nessa!
Assim , jogou o charro fora e foi correr com o coelho.
Pouco mais a frente eles encontraram um urso a cheirar cola.
Eles olharam- se e o coelho saltou logo para a frente do Urso:
- ó Urso, deixa essa merda! Essa treta só te faz mal, vem mas é correr connosco e sentir o ar puro dentro dos teus pulmões!
O urso saltou para a frente e começou a correr com eles.
Então, encontram um elefante a snifar cocaína.
- Ó Elefante, estás maluco! Dás cabo de ti com essas merdas! Vem mas é connosco correr pela floresta!
O elefante pensou um pouco, mas resolveu juntar-se ao grupo, que metros depois encontrou o leão a injectar heroína.
Mais uma vez, o nosso amigo coelho põe-se à sua frente e disse:
- Ó Leão, deixa-te de merdas e vem correr....
Nem terminou de falar e levou uma patada do leão que o fez voar uns bons metros.
Os outros animais revoltados perguntaram:
- Estás maluco? Por que fizeste isso???
O leão respondeu :
- É que sempre que o filho da puta do coelho toma ecstasy, faz-me correr feito um idiota pela floresta fora !!!

pisconight disse...

Sinceramente sou contra a eutanásia, acho que ninguém tem o direito de tirar a vida a ninguém, nem mesmo a nossa própria vida.

É assim que penso!! Sou contra pena de morte, aborto, eutanásia, ..., tudo que ponha fim á vida de um ser humano.

;)

Maria do Céu Costa disse...

Sem dúvida um tema polémico. Acima de tudo defendo o respeito pela vontade do doente (paciente).

Anónimo disse...

É de facto um tema muito polémico. Eu concordo com a eutanásia naqueles casos em que já não há qualquer esperança de vida, não há mesmo nada a fazer. Assisti e sofri horrores com a doença do meu Pai. O meu Pai que sempre defendeu a eutanásia e de um dia para o outro fica sem se poder mexer, falar ou capaz de transmitir todo o sofrimento sentido a não ser através do olhar, esse olhar que me ficará gravado para sempre na minha alma, no meu coração.
É um sentimento de impotência total para quem nos olha e nos tenta transmitir "Deixem-me ir, ajudem-me, sei que não há mais solução, não aguento mais..."
Ora o que fazer com pessoas que se encontram neste estado e incapazes elas próprias de pôr fim à própria vida? Não é justo que se ajude perante um sofrimento atroz?
É um tema muito doloroso para todos os que já passaram por essa situação de impotência perante o sofrimento de pessoas que nos são tão próximas...e não só.
Ninguém merece sofrer assim.

Lusco_Fusco disse...

Leio e penso...
Sinceramente quantos de nós não passaram já por situações de doença, nossa ou alheia, com futuro vácuo (ou duvidoso)? Não me parece que nos lembremos de eutanásia.
A vontade de viver é uma força que se transforma em inércia dessa vida.
Pessoalmente sou a favor da vida.

A Lei dos Lords tem pés de barro "o paciente terminal que deseja por fim á própria vida nos seis meses seguintes deverá ser examinado por dois médicos, que ratificarão ou não a decisão" os doentes terminais, a grande maior parte deles, não tem esses seis meses :(...
Em quem irá ser aplicada essa lei? Em pessoas saudáveis a precisar de tratamento do foro psicológico?
Cuidado! Que se alguém "ouve" não acaba com os hospitais psiquiátricos para integrar os doentes nos hospitais concelhios... Vai é tratar de aprovar essa lei para lhes "fazer a folha".

Mahatma, sinto muito, é o que penso!
Conheço pessoas (amigos do peito) que passaram por situações muito difíceis leucemias, carcinoma mamário com mastectomia, fases supostamente terminais e estão BEM VIVOS! E saudáveis. Depois da fase terrível por que ela passou (radioterapias, quimioterapias e tudo o que isto implica) fez reconstrução mamária. Hoje, ninguém diria que passou por essa fase. É uma mulher linda, fisicamente de criar inveja ás outras. Não se sente diminuida, pelo contrário, se antes tinha uma vida apagada hoje vive carpe diem. Diz muitas vezes "Quero tudo a que tenho direito"
Nunca ouvi nenhum deles dizer que queria morrer ou que o matassem. Brincavam até com a desgraça para nos animarem.
São exemplos como estes que nos mostram o quanto somos fracos e cobardes.
MJ

Anónimo disse...

Lusco-fusco

Também conheço casos assim bem próximos.
Refiro-me a doentes mesmo sem qualquer esperança de vida, imobilizados, meses e meses presos a uma cama, muitas vezes atirando-se eles próprios ao chão para tentarem acabar com o sofrimento.
Só nestes casos apenas acho que uma pessoa tem direito a uma morte mais suave, sem agonia, sem chegar ao ponto de não conseguir respirar mais.
Bom, chega de sofrimento. Seja o que Deus quiser.

Su disse...

eu sou a favor da eutanásia, desde q o doente, esteja com uma doença irreversivel e q se irá manter ou piorar, acho q nesse caso deve decidir por si, ele mesmo, estou a falar como é obvio de gente assim, lucida e sem sintomas depressivos, basta o não querer vegetar
jocas maradas
jocas maradas

Lusco_Fusco disse...

Anónimo
Eu não quero com o que escrevi dizer que não ponderaria casos pontuais... Perante situações dessas, entro em conflito interior a pensar se sou egoista (por os querer a qualquer peço) ou cobarde por desanimar...
Mas eu referia-me á lei, como está projectada, "o paciente terminal que deseja por fim à própria vida nos seis meses seguintes deverá ser examinado por dois médicos, que ratificarão ou não a decisão" não servirá os casos realmente dramáticos.
Tem de ser doente terminal e para esse é tempo demais para se pronunciarem. Não me parece poderem aplicar a lei. É quando muito uma lei engodo, sem aplicação prática. Só isso.
Peço desculpas se feri susceptibilidades.
Não era minha intenção :(

Anónimo disse...

Eu é que não me posso lembrar ou relembrar estas situações. Deixam-me muito triste.
São temas difíceis.
Abraços e boa noite

E Lusco-fusco: tu és uma querida, gosto sempre de te ler.
:)

Lusco_Fusco disse...

Obrigada. Também me tocaste.
Tudo de bom. :) beijoka

amok_she disse...

...desculpem lá!, associar o Prof a um qq título duma qq "colectividade" e/ou rua...ainda vá!, mas... praia?????...praia?????oh c'um caraças!...eu q adoro(adoroooooooooooooooooo!) praia, ñ 'tou a ver o Prof associado à imagem de...praia!?!...praia e Prof, desculpem lá...ñ combina!!!...e aposto o q quiserem em como ele concorda comigo!!!:->