domingo, maio 07, 2006

Pode ser uma ideia bem saudável:).

Conheça o Clube das Mães Más
2006/05/07 | 12:01
Farta-se de pôr os filhos a ver televisão? «Esquece-se» de dar banho às crianças quando está demasiado cansada? É uma «super mãe» ou nem por isso? Veja o site das mães politicamente incorrectas

Bebe um copo de vinho enquanto dá o biberão ao seu bebé? «Esquece-se» de dar banho às crianças quando está demasiado cansada? Fuma ao lado da sua filha apesar de saber que lhe faz mal? Se não consegue ser uma «super mãe», junte-se ao «Clube das Mães Más».
Uma reportagem da revista Notícias Magazine do Diário de Notícias/Jornal de Notícias, conta como é que o clube nasceu. Stephanie Calman, uma britânica que nunca quis ser mãe, acabou por engravidar e resolveu escrever um livro: «Confessions of a Bad Mother»(Confissões de uma Má Mãe), que há meses que se mantém no top ten dos livros mais vendidos na Grã-Bretanha. O sucesso do livro politicamente incorrecto sobre uma mãe tudo menos perfeita levou à criação de um site chamado «Bad Mothers Club» (Clube das Mães Más): www.badmothersclub.co.uk.
O objectivo fundamental deste clube, lê-se no site, é pôr as mães a rir, em vez de chorar. Ou seja, é um espaço onde as mulheres podem desabafar, onde podem admitir as «asneiras» que fazem sem serem censuradas. O site tem um fórum de discussão que aborda todos os temas à volta da maternidade, desde alimentação dos filhos aos vícios das mães. O clube atrai mães à beira de um ataque de nervos, mas que ainda consegue conciliar a vida profissional com a maternidade. Quem precisa mesmo de apoio profissional encontra uma lista de contactos telefónicos de várias organizações e associações que lidam com problemas associados à maternidade.
E você? É uma super mãe ou nem por isso? O que pensa deste clube? É uma má mãe? A sociedade exige demais das mães? Quer desabafar? Partilhe com o PortugalDiário!

27 comentários:

Fora-de-Lei disse...

É um facto que ninguém nasce ensinado para ser mãe ou para ser pai. Mas, como em tudo na vida, as pessoas só não aprendem se não quiserem. Por isso, este site não deveria chamar-se o "Clube das Mães Más" mas o "Clube das Mulheres Desmazeladas".

E o resto são fait divers...

TsiWari disse...

Se a ideia é desmistificar as "super_mães" / "super_pais" é bem-vinda!

Nem sempre somos perfeitos.

Se fazemos da imperfeição regra, tb me parece menos bem...

yulunga disse...

Bom dia maralhal.

E um Feliiiiiiiz Dia da Mãe para todas as mães: boas e menos boas. As muito más que se lixem.

Acho eu que tratar/cuidar duma criança é instintivo.
Educar, sim, necessita de aprendizagem e cada vez mais.

mentecalma disse...

PORTO, em Junho
Almoço de bloguistas
visitem:
http://www.porto.letrascomgarfos.net/?p=8#comments

yulunga disse...

Dr. Murcon
Não li o site como deve de ser (sinceramente não tive lá muita paciência), mas dei uma vista de olhos.
Exageros tanto em desleixo como em protecção são nefastos.
Não tenho filhos, mas tenho sobrinhos e sempre vivi rodeada de crianças. Comecei ainda muito novita a tratar de bebés. Sempre fui, e sou, completamente contra o desleixo em relação a alguns cuidados com crianças, mas sou-o ainda mais em relação a crianças que são criadas dentro duma redoma de vidro.

Julio Machado Vaz disse...

Yulunga,
Pode ser saudável no sentido que lhe dá tsiwari. Longe de mim celebrar o desleixo, fui um pai permanentemente angustiado:))).

AQUILES disse...

Criar e educar filhos é uma tarefa grandiloquente. É instintivo, mas onde se aprende diáriamente. Mas pode ser uma tarefa árdua, sobretudo se se tiver de conciliar com trabalho. Eu e a minha mulher, que temos horários irregulares e desfazados, Somos testemunho dessa dificuldade. Felizmente, julgo, quecorreu bem. E agora vou trabalhar. Bom fim de semana para vcs. O meu começa amanhã.

Angie disse...

Já não sem quem dizia (e o meu Pai repetia):

-Antigamente não tinha nenhum filho, mas tinha três ou quatro teorias sobre a forma de os educar
-Hoje que já sou pai tenho quatro filhos, mas já não tenho nenhuma teoria...
....
C'est la vie! Nada como a experiência.
Educar dá um trabalhão e a vida não está para grandes encargos pós-laborais...Mas tem de ser.
De qualquer maneira, uma coisa é certa:
- Não podemos deixar os filhos em crú...
Temos de os "cozinhar"...
E seguir com eles uma boa "receita", pelo menos aquela em que acreditamos. E ir temperando a gosto, sempre vigilante, fugindo aqui e ali do manual.
Ainda que se desconheça, durante o processo culinário, o resultado final, um segredo há para que ele seja sempre um produto bem sucedido: todos os ingredientes devem marinar horas e horas em muito, muito amor e ternura.

É a minha opinião: não sei se concordam...

Um bom dia da Mãe para TODAS!
Eu vou passear-nos ao som da Callas(oferta dos meus filhotes para o Ipod, pois claro!) porque finalmente hoje a cidade fez uma trégua na Queima...Foi tudo para os toiros ( ou garraios!) na Figueira. Já se respira! Ufff...

yulunga disse...

Dr. Murcon
Referia-se a esse "estatuto" (tsiwari) que é adquirido se a super protecção não se fizer sentir, ou será que se referia a ele quando o abandono é total?
Não entendi muito bem.

matahary disse...

Há mulheres que de facto não têm "jeitinho" nenhum para serem mães. E depois? Onde está escrito que têm de o ser? Não se nasce mãe. A maternidade desenvolve-se. Há por aí muitos pais (homens) que dariam uns bons, excelentes, pais, mas por pressão da sociedade, acaba-se por remeter essa responsabilidade maioritariamente para a mãe. Não me parece justo.

Sou uma péssima mãe, não tenho jeito nenhum para isso. Nem quero! Quero sim, ser a melhor amiga da minha filha. Aprender com ela, partilhar com ela, amá-la, respeitá-la.

Infelizmente, vejo muitas mães a fazerem aos filhos coisas que eu não faria nem ao meu pior inimigo! E, infelizmente também, a maior parte dessas atitudes são facilmente aceites e bem vistas pela sociedade. Se isso é ser mãe, não obrigada.

Lusco_Fusco disse...

Nós, as mães, muitas vezes, mesmo muitas, cometemos erros, ás vezes inconscientemente outras por comodismo que se tornam muitas vezes farpas (deixa-los comer o que querem para não os ouvirmos, entre outras coisas).
Viver angustiado, Professor, é natural. Os medos da vida lá fora sem a nossa protecção parecem medonhos; as doenças que os assaltam terríveis, por resfriado que seja; a distância dilacerante, mas necessárias, aumenta esses medos.
Mas é gratificante :))) a amizade, a conivência, o riso que surge nos rostos por telepatia sem palavras ou olhares... Não há nada que pague esta ligação :))))
Somos o porto seguro que muitas vezes estremece mas se mostra firme e atento a desabafos que muitas vezes dilaceram, mas para os quais sempre se arranjam soluções e afagos e porque não ralhetes?...
Somos acima de tudo os melhores amigos. Que prenda maior se espera?!
Saúde, nada mais.
Um abraço
MJ

PS Ah! Já esquecia somos babadas(os). Hoje tive direito a paparoca na mesa "Bacalhau à Zé do Pipo" e aquela espera de aprovação ;-) – aquele “hummm que delícia!” e a alegria “Ta igual ao teu não está?!”, a prenda duradoura um trabalho manual (dela) em fimo.

Lusco_Fusco disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
yulunga disse...

Matahari

Acho eu que ser má mãe, é quem não cuida, não trata, não se preocupa e por vezes negligencia de tal forma que pode ser prejudicial, isto para já não falar dos maus tratos que julgo ser outra coisa que não as situações referenciadas nesse tal site, bem como a outra forma de ser prejudicial, que é a de querer ser uma “super mãe” de tal forma exagerada que fazem mal aos filhos para depois os tratar – trata-se de uma doença que agora não me ocorre o nome.
Não ter jeito? Não me parece que isso seja ser má mãe. Não se tem jeito, mas vai-se dando um jeito, não é? :-)

Uma coisa que não concordo no teu comentário, é pretenderes ser a melhor amiga da tua filha. Julgo, e aqui o Dr. Murcon podia dar uma palavra mas julgo não estar errada, que para além de impossível pode ser prejudicial para a relação entre ambos. Acho que se pode ser uma mãe/ou pai compincha, mas a vertente materna/paterna tem que estar sempre presente. Uma mãe/ou pai não ocupa o lugar de um amigo e vice-versa e penso que acima de tudo porque não deverão ser os amigos a educar-nos e porque dentro de uma hierarquia de respeito eles estarão sempre ao mesmo nível do que nós.

Não leves a mal este comentário, não tendo eu a experiência de ser mãe. Falo apenas pela experiência de filha.

andorinha disse...

Boa tarde.

Também acho.:)
Pode ser uma forma de desdramatizar situações da vida diária, que de outra forma talvez levassem as mães a sentirem-se culpadas.

Confesso que ainda não fui ao site, mas se é um espaço onde as mulheres podem desabafar e admitir as "asneiras" que fazem, partilhando-as com outras mulheres acho óptimo.
Concordo com Tsiwari, a perfeição não existe, e é saudável que toda a gente tenha consciência disso sem sentimentos de culpa.
Sabendo isso, até as "más" mães passarão, provavelmente a ser melhores.

Até mais logo, gente:)

CêTê disse...

Bom dia para tod@s @s filh@s!

Sou a mãe que sou. ;] - Não me revejo na minha (que além de profissionalmente activa e dedicada era também uma excelente dona de casa)mas nem por isso me penalizo. Contam ,os meus filhos, (e eu) com a colaboração efectiva do pai. Completamo-nos e no mutável somatório afectivo dos dois não faltará muito, decerto.
Muitas vezes azedo sim com a falta de disponibilidade interior para eles. Sou obcecada pelo trabalho e isso prende-me mais do que deveria à ne. Mas que raio, outras mães e pais terão outras ocupações que os afastam dos filhos (ou os afastam com ocupações que lhe arranjam!).
Ao invés de me questionar se sou ou não boa mãe- preferi acreditar no que eles me dizem e na forma como lidam comigo e com a vida. Um dia, como eu, perceberão que não sou a mãe melhor do universo que eles acham que eu sou mas sou a sua.
E amo-os tanto mas tanto que seria capaz de morrer ou matar por eles. È feio admiti-lo? É revelador de algum tipo de patologia? Que seja- prefiro acreditar que é um sintoma de recapitulação filogenética. ;]

Ameninadalua disse...

Boa tarde a todas as mães e não só:)

Professor
Mas que giro este seu post no dia da mãe...:)

Não somos de facto as melhores mâes do mundo ( aliás nunca seríamos) mas que tenhamos pelo menos consciência disso; das nossas fragilidades e das razões que nos levam a isso...

Por outro lado é bom saber que apesar disso, os nossos filhos nos mimam e nos amam:- que bom!

Tratar dum filho até que é fácil; haja meios porque o resto traz-nos a maternidade e a natureza de o sermos mas educar um filho parece-me ser bem diferente e será mesmo um grande desafio de vida...pela dedicação, pela vontade, pela sabedoria que só se entende quando, como disse o José Cardoso Pires "um filho quando nasce e nos agarra o dedo com a mão, nós é que ficamos presos para o resto da vida" :)

Lusco_Fusco disse...

Claro que não somos as mães perfeitas. Nunca nenhuma se gabará disso. Dámos o nosso melhor, e o nosso melhor não é o melhor de cada individuo, a apreciação fá-la--ão eles. E, como nós, terão algo a apontar, mas na globalidade o resultado não será mau :)))))
Um beijo a todas e a todos de tamanho igual. Neste universo de progenitores, devemos ser a dualidade (mãe/pai, versus também pai/mãe, em muitas ocasiões).
Conheço homens muito mais "mães galinhas" que nós ;-)))
Um beijo aos mães/pais e pais/mães.

MJ

E esperemos que os tempos não mudem para tal egoismo que os futuros filhos passem do berçário para um lar de infância e daí para a vida. Será que no futuro nos vão ver como vemos os homens das cavernas? Com o rumo que a vida leva já nada me espanta.

yulunga disse...

Dr. Murcon

Engraçado que li o comentário de Tsiwari, mas sem prestar atenção ao nick. Só agora ao reler todos os comentários vi que se tratava de um murcónico.
Existe um documentário com esse nome e que significa valente ou sem medo, daí ter perguntado se pela não presença de uma super mãe se conseguir o estatuto de valente, por não se ser super protegido, por se crescer um pouco por si próprio.
No entanto como o documentário visa também situações de abandono e miséria de meios de uma tribo, daí ter perguntado se essa valentia seria obtida por uma total autonomia ou seja abandono.
Achei que o Dr. estaria a usar tsiwari em sentido figurativo e não entendia em qual das situações.
Não é tão gira esta coincidência? No rol de comentários sobre este post o murcónico Tsiwari é a cereja em cima do bolo, sem duvida.

yulunga disse...

Olhe Dr. uma vez mais estou encantada com esta coisa maravilhosa (nem sempre, infelizmente) que é a net, que são os blogs e a forma como de um assunto se passa a outro por associação mesmo que um aparentemente não tenha nada a ver com o outro. Uns mantêm o tema, outros saem dele e iniciam um novo, outros só brincam e tudo a par uns dos outros.
E para quem diz que a caixa de comentários do Murcon é má: Vão-se mas é lixar!!!
O que não falta aqui é riqueza de gente, de feitios, de vozes, de sons, de sentimentos e de tanta coisa.
Esta caixa é rica em vida.

andorinha disse...

Fora de lei(3.14)
Não tens nada que dar palpites. Este post é só para mulheres.:)

Fora-de-Lei disse...

andorinha 9:22 PM

Ai isso é que tenho...! A vida ensinou-me que só há uma coisa que eu, como homem, não conseguiria dar a um(a) filho(a), em comparação com uma mulher / mãe: mama !

Por isso não suporto a ideia de - em tribunal - a custódia dos filhos ser sempre dada à mãe, por mais "mula" que ela seja...

Atenção que considero a minha amada mulher uma excelente mãe, atenção que hoje almocei com a minha mãe e ofereci-lhe um bonito ramo de flores e atenção que acho que o mundo sem mulheres / mães seria uma coisa completamente inóspita. Mas isso não me impede de pensar assim...

Su disse...

eu sou irritantemente normal....e como tal vivo com os restantes normais..............entendendo por normal alguem que está bem longe da perfeição, ou melhor a milhas do socilamente correcto
barrrccckkkkkk
tanta treta, para tantos defeitos/feitios que são simplesmente humanos

jocas maradas

andorinha disse...

Fora de lei( 9.40)
Claro que tens.

Gostei do teu comentário, dos mais ternurentos que tenho lido de ti.
Eu bem sabia que lá no fundo és um tipo porreiro, estou-me a repetir, já sei, mas mereces ouvir.:)))

E estou totalmente de acordo contigo, essa ideia de que a custódia dos filhos deve ser sempre dada à mãe é um perfeito disparate.

AQUILES disse...

Esqueci-me de dar os parabéns às mães. Elas são cruciais para os filhos e para os pais.

al disse...

Teci algumas considerações sobre o assunto, mas... não vejo aqui o comentário, ter-se-á perdido?
Cumprimentos!

TsiWari disse...

Nesse dia da mãe, ofereci-lhe um belíssimo ramo de astromélias, colhidas do meu jardim.

Ao meu pai, dei-lhe uma rosa. Pisquei-lhe o olho e disse-lhe :
- Afinal, só temos mãe porque há pai!

O que ele gostou foi visível no sorriso estampado de imediato...

:)

noiseformind disse...

Piada à parte, eu diria que as super-mães o são por via de muita pala nos olhinhos. Compram o SUV, deixam o emprego, apoiam incondicionalmente o "maridão", do qual dependem financeiramente. Se tratam bem ou mal dos filhos, se se alinham por um ou outro clube isso pouco interessa, é uma necessidade delas ; )))))))))
Quanto ao que diz a

Mathary,
Eu diria que não é uma questão de jeito, é uma questão de realismo. Pq o mundo real não é cor de rosa nem azul-bébé, o mundo real é um murro no estômago. Mas claro, imagino que aqui discordemos plenamente do que seja educar um rebento e não ponho em causa a sua experiência, como não acho que a minha esteja errada ; )))))))))