terça-feira, janeiro 16, 2007

Bom tema de discussão.

Mulher pode engravidar de soldado morto

2007/01/15 22:36

Que nunca conheceu. Pais de militares fizeram pedido formal

Um tribunal israelita aprovou esta segunda-feira, numa decisão sem precedente, a utilização do esperma de um soldado morto para inseminar uma mulher que ele nunca conheceu, depois de um pedido formal formulado pelos pais do militar, noticia a agência Lusa.
A família do soldado Keivin Cohen, morto em 2002 por um tiro de palestinianos, apresentou ao tribunal de Telavive um pedido dando conta do «desejo (do soldado) de poder fundar uma família», indicou fonte judicial.
Uma amostra do esperma do militar de 20 anos foi conservada pela mãe depois da sua morte e esta iniciou os processos judiciais para poder inseminá-lo, embora o soldado nunca tenha manifestado essa intenção.
«Todas as vezes que eu visito a sua campa e lhe toco, recordo como é maravilhoso poder pegar numa criança», declarou a mãe, Rachel Cohen, à cadeia de televisão Channel 10.
Cohen contou que a família lançou um apelo às mulheres e mais de 200 candidatas comunicaram que aceitavam ser inseminadas.
«Há ano e meio que estamos em contacto com uma linda mulher», que deverá ser a mãe de aluguer, salientou.

54 comentários:

disse...

deve ser complicado nascer já orfão...

Mais Vale Só Que Mal Acompanhado... disse...

Uma notícia surrealista mas que traduz o desespero de muitas famílias pelas perdas devastadoras provocadas pela estupidez das guerras.

Não posso dizer bem nem mal. Não fui eu que perdi um filho de 20 anos.
Se houver acordos entre pessoas adultas e responsáveis, nada tenho a contrapôr.

A facção violentada da Humanidade tenta resistir como pode à facção agressora.

A espécie humana tenta resistir por qualquer meio à sua própria autodestruição.

Um bom dia para todos.

Álex disse...

se o soldado não deixou escrita a intenção de querer ser pai, para qué congelou ele o seu esperma? sería para o caso de não morrer e um dia precisar?...
"Sempre quis formar uma familia" - diz a Mãe, mas sería em vida não? E com uma mulher que amasse, não?
Agora vai nascer uma criança duns pais sem vínculo e o pai já falecido... e tudo para que uma avó tenha "a continuação do seu filho" com ela... Não me parece que seja motivo para um ser vir ao mundo, não desta forma. (assim vai valer muita mais coisa estranha)

Mais Vale Só Que Mal Acompanhado... disse...



Essa criança nascerá órfã de pai, sim, mas não de mãe e avós. De certeza vai ter uma família que a vai amar.
Além disso poderá conhecer a vida do seu falecido pai e perpetuar a sua memória.
Ele terá um pai para amar, não fisicamente, mas interiormente. Isso poderá até enriquecê-lo.
E creio que essa criança não virá a odiar os assassinos do pai.

PS - Ainda está Só? Eu felizmente já estou bem acompanhado. O mesmo lhe desejo, amigo!

alquimista disse...

Finalmente a vitória da vida sobre a morte!!!

disse...

criado pelos avós? com que idade? é como a outra que foi mãe aos 64 ...
mas o que é isto?
possivelmente quando tinha a idade para isso não quiz "estragar o corpinho" e agora ...
haja paciência!

Ameninadalua disse...

Bom dia!

É de facto um bom tema de discussão:)

Aqui o problema da orfandade põe-se pouco pois parece-me que a criança quando nascer vai ter direito a vários pais; a mãe biológica e os avós que provavelmente se encarregarão ainda de dar na educação, uma forte referencia ao pai.

Casos destes já aconteceram mas com outra nuance; não se trata, como neste caso, da vontade de pais pelo ressuscitar do filho através dum neto mas sim doutra situação, da vontade duma mulher viúva poder ter o filho do homem que amava.

São duas situações que se enquadram de formas diferentes no contexto social e moral de criação de família, em que o critério de decisão é sempre e apenas entre os dois pais progenitores ou pelo menos por um deles quando feita por doação de esperma completamente anónimo ou não.


Depois de descobertas estas novas técnicas de reprodução "in vitro", são possíveis várias combinações e penso que ainda "a procissão vai no adro".

O desejo desta avó seria bem maior de concretização se a colonagem fosse possivel o que me perturba um pouco mas admito que o cuidado com que ela parece assumir ao longo do processo de escolha da voluntária futura mãe do neto, dá garantias de que esse neto possa crescer em familia, rodeado de cuidados, amor e carinho tão necessários ao desenvolvimento da vida humana.

MJ disse...

Tema polémico, sem dúvida...
Mas quem somos nós para, objectivamente, podermos avaliar esta decisão?
Como foi dito em comentários anteriores, presumo que amor não lhe vai faltar. Provavelmente muito mais do que é hoje manifestado pelos pais fisicamente presentes mas "esquecidos" dos gestos de ternura e da atenção imprescindível que deveriam dispensar aos filhos.

Marx disse...

Pois! Eis um caso complicado. As analogias com aquilo que estamos a discutir na IVG a referendar são claras. «...se realizada por opção da mulher...» Neste caso, também deveria ser por opção do homem. Creio que os pais não podem optar por ele. Não só humanamente. Ou seja, lá como cá, certas fronteiras só poderão ser estabelecidas formalmente. Independentemente da justeza ou verdade que encerrem.

moon disse...

Hello!

Bem... Agora que acabei de ler.
A minha primeira reacção seria de "vetar" tal pedido. Parece-me um desejo egoísta por parte dos pais do soldado. A perda de um filho deve ser horrível mas isso não justifica todas as atitudes subsequentes.
Também o facto de o filho ter o desejo de construir família em vida não significa que fosse querer ter um filho depois de morto. Tudo isto é complicado, mas tratar de uma criança como se duma coisa se tratasse...:((((
Mais confusão ainda me faz essa coisa de "mãe de aluguer"... Que dirá/pensará este(a) menino(a) quando crescer?
Não sei a idade dos avós e a respectiva esperança de vida mas pode acontecer até a criança vir a ser orfão não só de pai (da mãe nem se fala - "de aluguer"(?!) -como também dos avós ou mesmo ainda jovem, ficar com o pesado encargo de virar cuidador de idosos. Parece-me complicado.
Defende-se tanto o direito à vida e então o direito à dignidade?
Enfim....

andorinha disse...

Bom dia

Não vejo nada de bizarro ou perverso nesta notícia, se as coisas forem feitas de uma forma sensata.
Como já aqui foi referido, essa criança nascerá e, em princípio, viverá, rodeada de amor e carinho por parte da mãe, dos avós e de outros familiares.
Só estranhei uma coisa: a família dizer que está em contacto com uma linda mulher, que deverá ser a mãe de aluguer.
Não sei se o critério da beleza será o melhor; então se for o único, acho perigoso.Penso que aqui,tal como acontece em casos de adopção, deveria ser feita uma rigorosa entrevista e análise psicológica a todas as candidatas no sentido de averiguar as suas motivações e o seu desejo genuíno de terem um filho nestas condições.
Se isso não for feito, não sei se o futuro desta criança será tão risonho assim...

Essa mulher poderá no futuro vir a encontrar um companheiro e como ficam depois as coisas? Ou será que a avó a vai proibir de ter uma vida normal? Terá essa mulher de viver eternamente dedicada à memória de um homem que ela nem sequer conheceu?
Será esse o preço que a irão fazer pagar?

São interrogações que ficam...e muita coisa dependerá da resposta que tiverem.

Até mais logo, gente:)

thorazine disse...

Será a Maria Laurinda?

Prof. José Pardal Diabrete Jr. disse...

ORA MUNTO BOUAS NOUTES!!! SANTA RITA DE CÁÇIA SEJA NESTA CAZA !!!

OOOOOHHHHH!!!

SESSE TUDO O QUE A MUZA ANTIGA PIA,
QUE OUTRA MUZA MAIS ALTA ME ARREPIA!!!


MMMMMJJJJJJJJÓÓÓÓÓÓÓTTAAAAAAAAA!!!!
QUERIDAAAAAA!!! TU ÉS A MINHA NOVA MUZA!!! ESQUESSI TODAS AS OUTRAS 63.549, FORA OS AM(E)ASSOS… QUE TIVE AO LONGO DA VIDA!!!

ATÉ JÁ PUZ O PÓS TITE NO MEU ÇONOTÓNE A PITROL !!!

MAS EIS AQUI A MÁIOR PROVA DA MINHA DEVUSSÃO!!!

UM RÁDIO NOVINHO EM FÔLHA JÁ PRÉ-SINTONISADO PARA A TUA ISTÓRIA!!!

CLARO QUE ISPERO A TUA VIZITA NA MINHA XÓSSA NA 5ª À ÓRA DA CÉSTA!!! JÁ ENGRÁCHEI AS ÇANDÁLIAS!!! I VOU FAZER 10 LITROS DE XÁ DE PUEJO !!!

GRANDES BEIJUS FOFINHA!!!

ARRIVEDERCI BAMBINA!!!

PIÙ PIÙÙÙ PIÙÙÙÙÙÙ, PER FAVORE NO MAI PIÙÙÙÙÙÙ.... LA RA LA LA… ANDA CÁ VANEÇA, NÃO ME INTORNES O CANDIEIRO A PITROL EM SIMA DA BRASEIRA COMO NO ANO NOVO!!

(;>

Prof. José Pardal Diabrete Jr. disse...

Quanto ao tema do poste, concordo!!!

Eu se não tivesse nascido de qualquer maneira não tinha hoje estes belos 101 anos, que é vê-las atrás de mim à bicha! À biiiichaaaaa!!!!

Beijinhos ricos/as, remediados/as e pobres!!!

Vou para o meu curcinho de Muzeolujia !!!

(;>

Prof. José Pardal Diabrete Jr. disse...

Ex.mo Senhor Baxarel Mestre Prufeçor Doutôr Murcõ

Ó Colega, ispero que não cimporte queu tenha pôsto o anunssio assima aqui mu ceu placarde!!!

É que a noça Amiga MJ tem uma Istória Devida que ela estava a pagar a prestassões i que vai ser lida na ANTENA 1 onde eu também o ousso todos os dias enquanto dou banho à minha hiena Vaneça !!!

O Prufeçôr çabe lá u que eu tenho aprendido concigo i com a Aninhas do Mosquito !!! E tenho posto tudo em prática com grandes rezultados!!

Fique bem ó Culega !!!

Um abrasso deste ceu atentu, venérea-dor e obrigadu...

Porfeçor Juzé Pardáli di Abrete & Juninho (E VIVÓVELHOOOO !!!!)

8;>

noiseformind disse...

Génesis, 19

"30 E subiu Ló de Zoar, e habitou no monte, e as suas duas filhas com ele; porque temia habitar em Zoar; e habitou numa caverna, ele e as suas duas filhas.
31 Entäo a primogênita disse à menor: Nosso pai já é velho, e näo há homem na terra que entre a nós, segundo o costume de toda a terra;
32 Vem, demos de beber vinho a nosso pai, e deitemo-nos com ele, para que em vida conservemos a descendência de nosso pai.
33 E deram de beber vinho a seu pai naquela noite; e veio a primogênita e deitou-se com seu pai, e näo sentiu ele quando ela se deitou, nem quando se levantou.
34 E sucedeu, no outro dia, que a primogênita disse à menor: Vês aqui, eu já ontem à noite me deitei com meu pai; demos-lhe de beber vinho também esta noite, e entäo entra tu, deita-te com ele, para que em vida conservemos a descendência de nosso pai.
35 E deram de beber vinho a seu pai também naquela noite; e levantou-se a menor, e deitou-se com ele; e näo sentiu ele quando ela se deitou, nem quando se levantou."

Esta é a mentalidade seminal de resistência que leva a que esta situação, no contexto israelita, seja perfeitamente aceitável. O soldado deixou o esperma congelado no seguimento da ida para o conflito do Líbano, portanto há aqui uma ideia-estandarte associada à decisão do tribunal: podem matar os nossos homens mas não matarão a nossa tribo.

No entanto não deixou mais nenhuma disposição. Em termos jurídicos penso que é uma questão de direito familiar sucessório. Terão os pais de alguém direito a dispôr do seu material genético tendo em vista a perpetuação de uma família, que é um direito dos respectivos pais dessa pessoa, mas sem uma geração? Imaginemos que o "filho" desse soldado morto morre na infância? O direito mantém-se? Ou que é alguém violento e desagradável? arranja-se outro? E sendo que os avós não são directamente associados à criança será que a mãe de aluguer tem os mesmos direitos de uma mãe de aluguer para uma situação de descendência directa? E até que ponto estámos aqui a lidar com um mecanismo de remedeio de perda e de um escape ao luto? Diz a mãe do falecido soldado ao Haaretz:

"he family wrote in its petition that it would have been the wish of their dead son to use his sperm to impregnate the woman and said that it was their right as potential grandparents to carry out the insemination. They promised that they would keep to their role as grandparents and would not interfere in the life of the child."

Ora se a mãe é de aluguer e portanto será eliminada como agente presente na vida do miúdo como é que os avós vão cumprir a promessa de se manterem apenas "avós"? Arranjam-lhe tb uma "família de aluguer"?

Além disso atentem nas declarações da avó-futura-tutora à televisão israelita:

"Every time I go to his grave and touch his cold tombstone I tell myself how wonderful it would be to hold a warm child in my arms instead," Rachel Cohen told

Não me parece que estas declarações sejam isentas de uma forte componente de luto, de vazio, e mesmo de maternidade.

E estou com a mesma pergunta que a Moon fez a matraquear-me na cabeça: como será explicar àquela criança a sua génese? O avô e a avó gostavam muito do pai e quando o pai morreu o avô e a avó fizeram a vontade ao pai de ter um filho, mas o menino nasceu depois da morte do pai e depois de 40 senhoras se terem oferecido para serem mães por um preço? Pode alguém deixar em testamento a sua sucessão? Imaginem este caso quase perfeitamente análogo: fulano morre e deixa em testamento que o seu esperma deve ser usado de 50 em 50 anos para fertilizar uma mulher. Desta forma os seus bens nunca são herdados dado que todos os filhos são pelo menos meio-irmãos (nem estou a meter a ideia de que a mulher tb congelou óvulos e faz parte do testamento!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!). E os filhos não poderão ter filhos? É que excisando o elemento "afecto" e apondo a superioridade do primado biológico temos que qq pessoa pode invocar o seu direito à reprodução para obter o direito de procriar a solo. Aliás, como muitas mulheres já fazem e que considero uma espécie de gadjetização da maternidade e da paternidade. Que depois implica mentiras para esconder o lado consumista da coisa. Eu próprio pessoalmente já cedi o meu esperma para uma maternidade a solo e hoje não o faria (felizmente essa maternidade tornou-se numa família de duas mães durante a gravidez). Queremos e obtemos, assim é o futuro da célula familiar. Quem tem dinheiro para pagar um bébé, irá tê-lo. No Estado da Califórnia já há diversos casos pendentes de mulheres que querem ser mães sem passarem por aqueles inconvenientes 9 meses. E há vários casos de pais a solo que só precisaram de fazer a doacção de esperma e passados 9 meses ir buscar a "sua" criança. A clonagem irá apenas reforçar os laivos de egoísmo destas histórias, deixando de haver um incómodo ser humano que é pago para o transporte do feto por 9 meses e com imensas vantagens em termos de obtenção de orgãos. Ter um filho clone é garantir um rim, fontes imediatas de sangue e plasma, doacção de medula. Um verdadeiro bónus. Os casais até devem, por esta lógica, ter um clone dele e um dela. Assim garante-se não só igualitário fornecimento de peças suplentes como uma potencial obtenção de filhos-netos, fazendo dos netos um laço muito mais próximo. Admirável mundo novo, sempre a mostrar as piores facetas da Humanidade ;(

Na minha humilde opinião esta situação não devia ser permitida e deveria estar estritamente regulamentada. Sentem saudades do filho? O marido que doe esperma e arranjem uma mãe de aluguer. Esta ditadura biologista da paternidade (esta solução é a única em que o património genético de ambos é perpetuado) é uma vergonha e um recuo civizacional. Imagino o que será com a vulgarização destas técnicas. A adopção será uma recordação anacrónica ou exercício exibicionista de pessoas de altos rendimentos.

Mas, como disse ao início, no contexto israelita não me surpreende nem me admira que seja assim... as versões americanas e europeias é que não terão histórias de filhos militares mortos por trás.

lobices disse...

...demasiada areia para a minha camioneta

compilas disse...

http://www.surrenderedwife.com/
- Para as casadas: submetam-se aos vossos maridos para serdes felizes! O que vale é que não sou casada. Bolotas!

Ameninadalua disse...

Noise

"Mas, como disse ao início, no contexto israelita não me surpreende nem me admira que seja assim..."

Tens toda a razão, aqui a questão cultural pesa muito. Eu própria tive outra flexibilidade, quando tentei analisar a questão; vi-me e à semelhança da possível decisão jurídica, a aceitar um pouco a situação tendo em conta o contexto deste povo...

Por outro lado, as consequências futuras para a criança, estão longe de serem mensuráveis em termos sociais e psicológicos.

Contudo e sem querermos entrar em realidades do tipo "Admirável Mundo Novo", penso que o futuro irá trazer-nos situações de organização social bem mais diferentes do que aquelas que actualmente vivemos, mesmo tendo em conta as presentes heterogeneidades culturais...

AQUILES disse...

Em termos de "engenharia" biológica, é algo que, hoje em dia é corriqueiro.
Agora ... no plano da ética, da filosofia, da psicologia, etc., etc., levantam-se muitas questões.
O ser órfão à nascença não é nada invulgar, infelizmente. Ou são órfãos por morte precoce do pai, ou, mais dramático, por indiferença absoluta do pai. Tendo em referência o post, não abordo a orfandade materna.
A grande questão é a de não sendo fruto de uma gravidez indesejada, atentarmos bem quem é que tem o desejo do nascimento de uma criança. E porque é que esse desejo surge? Será a criança um simples analgésico para lenitivo de qualquer uma dor? A razão de cada um de nós vir a este mundo passou a ser um capricho de alguém, um acidente de outro alguém, um bamburrio indesejado?
Sinceramente começo a ficar com muitas dúvidas sobre os valores da prossecução da espécie. Já é determinante o termos abolido a selecção natural. Começa a ser determinante a manipulação dos desejos. E em mim adensam-se as dúvidas.

andorinha disse...

Oops!
Ao almoço li a notícia a correr e não me apercebi da referência a "mãe de aluguer".
Sendo assim, o meu post dessa hora não faz qualquer sentido.
Mea Culpa...tenho que passar a ler com mais atenção.

Só agora ao ler o post do Noise é que me apercebi disso; a Moon também faz referência a isso, mas ao almoço não li.
Sendo assim, o caso para mim, muda totalmente de figura.
Sou totalmente contra, brinca-se à maternidade...
E causa-me imensa repulsa que haja tipas que por dinheiro fazem qualquer coisa.

Mas os avós dizem isto: "They promised that they would keep to their role as grandparents and would not interfere in the life of the child."
Então a criança vai ser criada por quem?
À distância é muito difícil pronunciarmo-nos de uma forma cabal sobre temas tão complexos; haverá sempre dados que nos escapam.

Noise,
Esta situação não é de modo nenhum comparável à de uma mulher que deseja ter um filho a solo.
Ela tem TODO o direito a isso; se não encontra com quem valha a pena fazê-lo, é a única solução.:)))
Não há nada de "condenável" nisso, assim como também não o há no facto de uma mulher ou homem casados ou com uma relação estável não os quererem ter.
São opções tão válidas uma quanto a outra.
Por que tendemos sempre a fazer juízos de valor sobre os comportamentos/atitudes dos outros?
Desde que as pessoas ajam de forma pensada e consciente...

Marx disse...

Li, no último Expresso, que uma tendência actual nos States é a participação "comentarista" em blogues como forma de captar a atenção dos autores. Na notícia em questão, infuentes directores de empresas, que se prestariam a contratar os mais entusiastas. Ora, suspeito que esta moda já cá terá chegado...

CD disse...

Da minha parte só receio uma coisa.
Como as candidatas são 200 e os pais estão a escolher a melhor, poderá dar-se o caso, que o pai vendo mulheres tão disponíveis diga que o esperma do filho já passou de prazo, mas que não haverá problema porque ele tem para dar e vender e, além disso os genes são práticamente os mesmos (ou muito parecidos).
Assim, a mãe teria um filho novo para acarinhar e o pai alguém para treinar. :-(

CD disse...

Da minha parte só receio uma coisa.
Como as candidatas são 200 e os pais estão a escolher a melhor, poderá dar-se o caso, que o pai vendo mulheres tão disponíveis diga que o esperma do filho já passou de prazo, mas que não haverá problema porque ele tem para dar e vender e, além disso os genes são práticamente os mesmos (ou muito parecidos).
Assim, a mãe teria um filho novo para acarinhar e o pai alguém para treinar. :-(

APC disse...

Mulher engravida de pais de soldado morto! ;-)

Um abraço! :-)

noiseformind disse...

Andorinha,
Não penso que uma pessoa tenha "TODO" o direito a ser progenitor a solo como projecto de vida para uma criança nessa postura maiúscula. Pelo mesmo motivo que não apoiei o uso do esperma do soldado lá atrás quando a coisa passa para a Europa e América como trademark. Aliás, nos países em que é aceite há um conjunto de pressupostos bem elevados em termos de garantias da criança e vigilância acrescida da parte do Estado. E se é esse "TODO" todo, então pq é que um homem não pode em país nenhum do mundo requerer uma barriga de aluguer? Se é esse "TODO" todo, deveria ter esse direito. Aliás, "TODO" o direito! Ou a mãe é mais importante que o pai? O pai pode ser uma vareta de laboratório e a mãe não pode ser um útero alugado? Pois... o tal "TODO" por partes...

A ser-se deve ser uma situação claramente regulamentada e portanto não será uma situação com "TODO" o direito até pq por definição não poderá ser acessível a "TODOS" os que a queiram. Aliás, idealmente seria acessível até a muito poucos. Bastava aplicar a regra canadiana: a aplicante ("TODOS" os homens canadianos não se podem candidatar, portanto logo aí ficam metade dos potenciais candidatos de fora) tem de ter um rendimento que equivala a 70% do rendimento de um casal médio canadiano com 2 filhos. Logo aí ficam de fora muitas desse enorme "TODO". Mas se para ti é assim esse "TODO" todo... quem sou eu para te julgar...

E não concordando não quer dizer que queira a situação ilegalizada. Au contraire, por ver tantos riscos a desejo mais regulamentada, como disse no meu comentário...

Ameninadalua,
Precisamente por ser de difícil mensurabilidade penso que devem estar ao dispôr dos nasciturnos nestas situações um conjunto de protecções especiais para que do seu acompanhamento resultem considerações mais fundadas do que as que temos hoje. Agora, instituir a parentalidade como um exercício consumista isso não nem nunca, pq cai no âmbito da eugenia e eu por aí não vou. A reprodução humana deve fundear-se no afecto e não no biologismo. Por isso mesmo respeito igualmente quer os pais que optam pelo aborto de uma criança deficiente quer os que optam por tê-la. Mas a partir do momento em que aceitam tê-la tb aceitam a responsabilidade acrescida. E é do interesse da criança que só os pais mais capazes sejam permitidos terem esse direito, não todos nem, muito menos, "TODOS". Como acontece, por exemplo, nos processos de adopção. Os pais queixam-se todos dos processos que demoram muito mas depois querem todos um bébé branco recém-nascido e vão recusando miúdos ano após ano...

CêTê disse...

Quando as coisas doem... aparece forte o humor (vou-me tentar conter;))))
Dizem os Psiquiatras que a perda de um filho é a que pode ser mais díficil de superar. Tenho todos os motivos para achar que sim. Compreendo perfeitamente o que devem sentir- o não poderem ter netos dele. Felizmente não sei o que se vive na primeira pessoa mas sei a dor de não se poder ter sobrinhos de sangue e dos desejos/fantasias de num dia descobrir um!
Preocupa.me sobretudo o tipo de nichos em que estas situações se tornam possíveis- religiosos, económicos, políticos,...- que acrescentarão à criança um estigma ainda maior.
Quanto a ter um filho... começa a ser cada vez menos natura e mais fruto de um desejo- a um, a dois- envolvendo um ou os dois progenitores ou nenhum deles.
Os argumentos a favor desta ou daquela gravidez não natural acabam por se esbater no mesmo plano.
Entre criar uma situação articifial acho mais humano a adopção de um verdadeiro órfão.
Aferir em termos internacionais as questões da adopção seria uma boa estratégia- talvez mais fácil do que outras que levantam questões éticas mais complexas...
(penso eu de que)

CêTê disse...

Será que o Sadam, depois desta notícia, ficou com os "tintins"? Ainda por cima por enforcamento...
;P

lobices disse...

...desculpem o àparte:
...um condutor foi fotografado por um dos novos radares na via radial de benfica em lisboa, a 218 Kms!...
...como não sou lisboeta e conhecendo pouco essa via, per~gunto apenas:
...é possível circular a essa velocidade nessa zona????????? (se a via estiver vazia, sei que sim...)

JFR disse...

Ainda bem que há notícias destas. Ajudam a encarar-se melhor a futura morte. É que não consigo encontrar forma de me enquadrar (daqui por 30 anos, por exemplo) numa sociedade em que os conceitos de ética, família, pais, filhos, ou não existem ou são substancialmente diferentes dos actuais.

Andorinha (5:41 pm):

É um pouco "esfarrapada" a desculpa que dá ao Noise de que

"li a notícia a correr e não me apercebi da referência a "mãe de aluguer""

É que, no seu primeiro comentário (12:48 pm), diz:

"Só estranhei uma coisa: a família dizer que está em contacto com uma linda mulher, que deverá ser a mãe de aluguer"

É apenas a necessidade de rigor na argumentação que me motiva a comentar isto. E, porque o Noise não o fez.

Fora-de-Lei disse...

andorinha 12:48 PM

"Essa mulher poderá no futuro vir a encontrar um companheiro e como ficam depois as coisas? Ou será que a avó a vai proibir de ter uma vida normal? Terá essa mulher de viver eternamente dedicada à memória de um homem que ela nem sequer conheceu? Será esse o preço que a irão fazer pagar?"

Fica descansada que a rapariga vai orientar-se valentemente. Não tenhas pena dela. Ainda se ela fosse um mostrengo do caraças...

andorinha disse...

Vamos por partes.

Jfr(8.58)

Não sabia que agora a sinceridade é entendida como desculpa "esfarrapada"; já não é a primeira vez que me acusam disto, tem uma certa piada...as pessoas devem querer desculpas elaboradas, embora falsas, isso não importa:(

Cito essa frase, sim, mas como estava concentrada no aspecto que queria focar, não interiorizei a referência à mãe de aluguer.
Interiorizas à primeira tudo o que lês? Parabéns!
Eu não e muito menos se leio à pressa.

E para repor a verdade, como parece tanto prezares, eu não dou uma desculpa ao Noise. A que propósito o faria????!!!!
Não me dirigi só a ele, mas sim a todos os murcónicos, falei portanto para todos.
O Noise não reagiu porque percebeu que o comentário não era para ele.

Aliás, seria mais cómodo e fácil para mim deixar tudo como estava no meu primeiro comentário, mas acima de tudo para mim está a sinceridade e ao aperceber-me de que tinha interpretado mal, limitei-me a corrigir a minha opinião.

P.S. Já não é a primeira vez que implicas comigo e não percebo porquê. Penso nunca ter implicado ou ter sido incorrecta contigo, mas tu lá saberás de onde te vem essa "embirração"

Fora-de-Lei disse...

Isto é giro: há aqui pessoas que, por certo, aceitam facilmente que há cerca de 2000 anos atrás tenha havido uma mulher que concebeu um filho (JC) por obra e graça do ES, ou seja, sem a necessidade de praticar qualquer acto "pecaminoso" conducente à procriação do ser humano.

No entanto, já não aceitam que - lá para as bandas da Judeia - ande uma mãe, desgostosa pela morte do seu jovem filho, à procura de uma qualquer gaja bonita e boazona que se preste a dar continuidade aos genes do infeliz falecido.

Afinal, esta malta quer é acreditar em milagres. Vá-se lá saber porquê...

Fora-de-Lei disse...

noiseformind 6:37 PM

"Como acontece, por exemplo, nos processos de adopção. Os pais queixam-se todos dos processos que demoram muito mas depois querem todos um bébé branco recém-nascido e vão recusando miúdos ano após ano..."

Desculpa lá, mas tens que admitir que hajam pessoas que pensem que já lá vai o tempo em que o maralhal tinha, por hábito, trazer um macaquinho da Guerra Colonial... ;-)

Fora-de-Lei disse...

CêTê 6:58 PM

Olha que é uma ideia algo errada pensar-se que os homens que morrem enforcados ficam todos eles em estado genitalmente preparado para o "salto à vara"...

Fora-de-Lei disse...

noiseformind 6:37 PM

"Por isso mesmo respeito igualmente quer os pais que optam pelo aborto de uma criança deficiente quer os que optam por tê-la. Mas a partir do momento em que aceitam tê-la também aceitam a responsabilidade acrescida. E é do interesse da criança que só os pais mais capazes sejam permitidos terem esse direito, não todos nem, muito menos, "TODOS"."

Noise, vou interceder junto das special connections que tenho no Vaticano para que seja promovida, em breve, a tua Beatificação. Aleluia, companheiro !

andorinha disse...

Noise,
Não deturpes o que eu disse, miúdo:)
Eu disse que as duas situações não eram comparáveis, nem são, muito longe disso e afirmei que uma mulher tem todo (fica assim, se são as maiúsculas que te incomodam) :))))) o direito a ter um filho a solo se o projecto de vida dela for esse.
É evidente que essa situação deverá ser regulamentada e também analisada caso a caso.
Tal como em todos os casos de adopção, como afirmei em cima, é sempre necessário prever tanto quanto possível as condições físicas, psicológicas e sociais que uma mulher terá para levar a cabo esse projecto.
Por um filho no mundo continua a ser algo que deve ser muito bem pensado.

Marx (6.08)
"Li, no último Expresso, que uma tendência actual nos States é a participação "comentarista" em blogues como forma de captar a atenção dos autores."

É preciso ler no Expresso???:)
E é claro que essa moda já cá chegou há uns tempinhos...ou tens andado distraído?:))))

andorinha disse...

Fora de lei (10.25)

Eu não, não tenho pena da rapariga; a minha solidariedade feminina não chega a tanto:))))))

JFR disse...

Andorinha:

A humildade de reconhecimento do erro faz-se sem subterfúgios.

Sempre entendi e entenderei este espaço (porque é do Prof JMV) como um local onde a divergência não deve ser confundida com "embirração".

Por outro lado, por saber que o seu comentário - como qualquer outro que aqui se publique - se estende a todos os Murcónicos é que repliquei (o que não faria, se o Noise ou outro o tivesse feito). Não sou dado a redundâncias críticas.

andorinha disse...

Jfr,
Vamos lá a ver se nos entendemos.

Este ( e não só porque é do Prof JMV) e qualquer outro espaço do género, devem ser espaços de diálogo, onde a divergência é possível e saudável.
Acontece que no teu post não manifestas nenhuma divergência em relação ao meu; frisas, apenas, que a minha desculpa é "esfarrapada".

Não gostei porque a desculpa é a pura verdade.
Se quiseres eu posso passar a inventar outras mais elaboradas; dou a verdadeira e depois invento uma especial para ti, está bem assim?:)

Como já não é a primeira vez que fazes este tipo de reparo, senti-me no direito de reagir.

E tu é que falas na "desculpa que dou ao Noise", não fui eu.
Que tal se começarmos por nós próprios a repor a verdade?

"A humildade de reconhecimento do erro faz-se sem subterfúgios."
Olha que frase linda!!!
Vê se a interiorizas para ti, tá?

E agora acalma-te, não stresses que não vale a pena:)

CêTê disse...

loooool
O Fora-de-Lei não me diga que tem um irmão no processo do apito dourado?!;P

CêTê disse...

Andorinha, essa tua crispação faz-te parecer uma Águia!;))))))





Just Kidding.;p

andorinha disse...

Cêtê,
Loooooooooooooooooooooooooool
Águia com muito gosto:))))

Crispação? Que queres?:)
Irrita-me que as pessoas impliquem com ninharias em vez de darem um contributo válido para a tertúlia.

Bjs.

JFR disse...

Andorinha:

Lamento o seu comentário.

thorazine disse...

Acho um caso complicado. Apesar da grande vontade do filho de constituir família em vida, não se pode admitir que ele quisesse constituir família partilhando o seu património genético com alguém que nem conhece. Se existisse previamente uma mulher o teria talvez uma opinião diferente já que ao manifestar a vontade de ter um filho e ao existir uma mulher, só faltava mesmo a fecundação.

Noisem
quanto À situação legal penso que isso não vai ser o maior problema da engenharia genética, vai ter de forçosamente de se adaptar.

O que eu mais anseio da Eng. Genética é meterem o ser humano a fazer fotosíntese!Basta apanhares sol para ganhares o pão...vida simples, ein? :)))

a disse...

incrível! eu n faria! se eles fazem ou n, n é a minha opinião que os vai influenciar, portanto n interessa para nada.

hoje em dia fazem-se coisas incríveis, mas quem somos nós para as julgar e dizer se está certo ou errado? julgamos só pelos nossos valores, e esses só são válidos para nós...

tenho de responder ao lobices.... é verdade sim sr, a radial de benfica, ainda que pequena é excelente para atingir velocidades proporcionais aos 100m. sprints brutais! autêntico troço de uma auto-estrada alemã... n pela qualidade do piso, obviamente, mas pelas velocidades praticadas!

só n ouve notícia antes porque nunca se tinham dado ao trabalho de medir... nem eu cumpro os 80km/h!

Fora-de-Lei disse...

CêTê 12:12 AM

"Fora-de-Lei, não me diga que tem um irmão no processo do apito dourado?!"

Essa agora não percebi... O que é que isso tem a ver com "salto à vara" ?

De qualquer forma, deixe-me dizer-lhe que - caso eu não fosse filho único - o meu hipotético irmão (ou irmã) dificilmente sonharia em tons de azul-e-branco (só se fosse camisola azul e calção branco). Portanto, mesmo no reino do virtual, reafirmo-lhe que o meu irmão nada tem a ver com o processo do "apito dourado"... ;-)

lobices disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
lobices disse...

...para a "a" das 1:07 am
...obrigado pela resposta sobre a questão da radial de benfica :)
(houve)

CêTê disse...

Fora-de-Lei é um nome que sugere transgressão, certo?
Depois sobre o enforcamento pareceu-me conhecer excepções à regra da "vara"... pensei pois ter acesso a conhecimentos de Medicina Legal...

Foi só uma provocação

O Sr. Pinto da Costa tem um irmão que é da área (aquele distinto senhor que parece ter dois coelhos pendurados ao pesoço- gfedorento)

Quanto a sonhar a azul e branco... mais vale sonhar do que ter pesadelos a vermelhão.

;))))

noiseformind disse...

jfr,
Aqui tenho de atestar e certificar as distracções da Andorinha. Ela é esquecida por natureza e eu próprio já me apanhei nessa situação de não perceber o quão sem querer ela faz estas confusões. Quanto a si realmente poderia ter trazido algo mais suculento ao debate, mas imagino que esteja ali com o marx, tem medo de mostrar demasiado entusiasmo ser sinal de querer chamar a atenção ; )))) livre-se desses complexos e traga aqui à praça o seu melhor opinanço...

andorinha disse...

Cêtê,

"...mais vale sonhar do que ter pesadelos a vermelhão."

Relações cortadas a partir de hoje...

Noise,
Quanto às minhas confusões, esquecimentos e distracções...ninguém é perfeito, miúdo:)

Já dizia um amigo meu:"Nobody's perfect, but who wants to be a nobody?"

me disse...

- eu percebo bem aqueles pais, é uma forma de dar continuidade ao filho,
- ser criado pelos avós pode ser uma coisa muito boa;
- o soldado também não iria importar-se decerto;
- a barriga de aluguer também não;
- são todos felizes!

ps: só me pergunto como a mãe recolheu o epserma do filho morto....
:)

Olimac disse...

Há sempre um amigo na jogada
Ouço diariamente seu programa de rádio, como já vi (e revi seus programas de TV). Como Courense meus parabéns