quinta-feira, janeiro 18, 2007

Como há mais de um telemóvel por cada português, é só fazer as contas...

Referendo ao aborto
César das Neves diz que Sim tornará o aborto banal como o telemóvel
O economista João César das Neves vaticinou hoje que, se o aborto for despenalizado, este passará a ser uma coisa «tão normal como um telemóvel»


João César das Neves falava durante uma conferência de imprensa com o tema «a liberalização do aborto e aumento do número de abortos», a menos de um mês da realização do referendo sobre a despenalização da interrupção voluntária da gravidez até às 10 semanas.
No encontro com a comunicação social, o economista apresentou dados europeus (Eurostat) sobre o crescimento do número de abortos após a sua «liberalização» em países europeus, Estados Unidos e Canadá.
De acordo com estes dados, citados pelo economista, a liberalização conduziu a um «aumento generalizado do número de abortos».
As taxas de crescimento do aborto nos primeiros anos após a liberalização quase triplicaram, disse João César das Neves, acrescentando que «esse crescimento manteve-se até à actualidade, embora a um ritmo mais brando».
Para o economista, este fenómeno «tem um paralelo económico»: a chegada de um produto novo ao mercado.
Tal como aconteceu com os telemóveis, João César das Neves prevê que exista um aumento exponencial do número de abortos, como com os telemóveis adquiridos pelos portugueses.
A «liberalização» do aborto é seguida de «uma cultura abortista, em que este passa a ser uma coisa normal, como um telemóvel».
O economista denunciou ainda que, caso o aborto venha a ser despenalizado até às dez semanas, «muitos médicos que aleguem objecção da consciência para não realizar a intervenção serão prejudicados».
Quando questionado sobre a origem destas informações, João César das Neves disse que chegou a esta conclusão «pensando» e disse recear que «os hospitais - actualmente locais de vida - , passem a ser espaços de morte».
A propósito do financiamento da campanha do Não à despenalização do aborto, a jurista Isilda Pegada disse que estão previstos 400 mil euros, provenientes de donativos dos apoiantes do não.
O novo cartaz da Plataforma Não Obrigada, hoje apresentado, é novamente uma pergunta: «Contribuir com o meu voto para aumentar o número de abortos?».
Lusa / SOL

24 comentários:

Aspásia disse...

BOA TARDE PROF.

DESCULPE NÃO TER A VER C/ O POST.

DENTRO DE MOMENTOS - 17:20 NA ANTENA 1 VAI SER LIDA UMA "HISTÓRIA DEVIDA" DA NOSSA AMIGA MJ.

TAMBÉM JÁ ESTÁ DISPONÍVEL AQUI

APROVEITO PARA FELICITAR A MINHA AMIGA EPOR ISSO E POR SER UMA PESSOA COMO SE ENCONTRAM POUCAS NA VIDA, QUER NO MUNDO REAL QUER NO VIRTUAL.

UM BEIJO PARA TI MJ.

UM ABRAÇO PARA SI PROF. E PARA TODO O RESTANTE MARALHAL.

Aspásia disse...

CORRECÇÃO DO LINK

AQUI

Insano disse...

Desculpem a sinceridade do meu post... e talvez algum rudeza:

Mas este senhor, o JCN parece, como se costuma dizer, "de dar uma...", eu não sei para que ele usa o telemóvel... mas eu para comunicar.
Em França onde a liberalização existe há 3 décadas, o País apresenta a 3ª taxa mais alta de natalidade e deixaram de existir "casos clínicos", mas há pessoas que continuam achar que abortar é mesma coisa que assoar o nariz.... Haja paciência..

CêTê disse...

A triste analogia tem água no bico? Há patrocinio de qual das campanhas pela "PT"? Terá a "Opa" um cariz religioso?;))))))

Just Kidding.;P

lobices disse...

...o exemplo dado pelo JCN é, no mínimo, absurdo!...
...enfim

Elsa disse...

E eu agora pergunto: Onde está na lei a obrigação de alguém fazer?
Onde está na lei a punição para quem não quer fazer?


Se o sim for aprovado, naturalmente os números vão aumentar mas não é porque agora se façam mais, simplesmente os números não eram conhecidos... Mas isto é tão "lógica da batata" que até assusta que usem argumentos destes!

Eu espero contribuir com o meu voto para dar melhores condições a quem acha que o deve fazer e dar-lhe essa liberdade de escolha.

E já agora porque é que não aproveitam o dinheiro das campanhas e fazem planeamento familiar como deve ser, distribuindo pílulas e preservativos gratuitamente??!!



Comparar um aborto com um telemóvel???
Afinal quem é que está a desrespeitar a vida?

MJ disse...

Aspásia:

Fiquei emocionada :-)

Tu é que és um ser muito especial.
Poucas pessoas teriam gesto (ainda que pareça insignificante), tão nobre.
Mereces o melhor do mundo.

Obrigada, amiga :-)

Ness Xpress disse...

Caro Professor,

Fiz hoje referência ao seu nome num post que escrevi. Não sendo o meu objectivo com este comentário a divulgação das linhas que escrevo, pretendia enviar-lho por correio electrónico mas não encontrei o endereço, pelo que deixo estas linhas, juntamente com toda a minha gratidão pelo que me continua a dar.

thorazine disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
thorazine disse...

Aliás, já se pensa em criar um cartão "aborto plus" em que vão ser gratuitos* os abortos feitos após as 22h e vai haver descontos em abortos internacionais**.

*válido apartir do 10º aborto bem sucedido.
**pelo menos um dos gâmetas terá de ter ascêndencia estrangeira.

:))))))))))

Julio Machado Vaz disse...

ness,
O meu mail é o drjmv@netcabo.pt
Li o post, obrigado pela gentileza:).

andorinha disse...

Boa noite.

Estou a precisar de um telemóvel novo e a seguir a isso, por que não?...se calhar a minha próxima prioridade é fazer um aborto....

Já não suporto ouvir estes gajos:(

Thora,
Looooooooooooooooooooooooool
Loooooooool Loooooooooooooooool
Não costumo brincar com assuntos sérios, mas com este é a única forma de eu não perder as estribeiras:)))

lobices disse...

...thora:
...LOLOL

Paulo disse...

Esta comparação parece-me no mínimo infeliz, era quase como dizer que quase todas as mulheres portugueses iriam fazer abortos e algumas mais do que uma vez... Como é natural haverá algumas mulheres a abortar mais do que uma vez, mas ainda acredito que a maioria o não fará mais do que uma... Agora o número de abortos superar o número de habitantes isso seria muito grave e quase uma questão de saúde pública (psíquica e física)...

[Elsa said...
"... E já agora porque é que não aproveitam o dinheiro das campanhas e fazem planeamento familiar como deve ser, distribuindo pílulas e preservativos gratuitamente??!!"]
Refere-se a que dinheiro??? Às das campanhas do Não ou às do Sim??? Ou a ambas??? Como já disse num comentário a um “post” deste mesmo blogge, à luz dos conhecimentos actuais, é tão justo fazer campanha a favor do sim como do não... Logo, e citando-me: “... votar Sim pode significar, num determinado período, concordar que um ser humano pode cometer homicídio e ser despenalizado por ele, votar Não pode significar impedir alguém de atempadamente (ou seja, num período que não atente contra a vida de nenhum Ser Humano) por fim a algo que lhe dará/trará vários problemas...”
No que respeita à contracepção e tal como referi no mesmo comentário ao “post” que atrás referi, a atitude deste governo é altamente lamentável ao excluir dos contraceptivos a serem comparticipados, alguns dos melhores contraceptivos no que à Saúde da mulher diz respeito, mas antes só incluir nessa lista os que economicamente seriam “melhores” para os “orçamento de estado”... Este governo que diz estar a tomar esta medida de promover este referendo a fim de “proteger” as mulheres é exactamente o mesmo que não comparticipa nas farmácias nem fornece nos centros de saúde, alguns dos contraceptivos menos agressivos e com menos efeitos secundários para a mulher (logo melhores para a saúde de Todas as mulheres), como por exemplo o Anel Vaginal (que tem exactamente a mesma segurança que pílula, mas com muito menos efeitos secundários)... Mas como é? Por um lado diz-se uma coisa e por outro faz-se outra?!?!?!...

Cumprimentos...
Paulo

noiseformind disse...

"E eu agora pergunto: Onde está na lei a obrigação de alguém fazer?
Onde está na lei a punição para quem não quer fazer?"

Elsa!!! Você não conhece as mulheres, são umas complicadas. Bastou juntar uma mulher, uma maçã e uma mulher ao Paraíso para o homem perder logo direito de pernoita por aquelas bandas ; ))))

noiseformind disse...

E pegando nessa metáfora tão bem jizada por esse luminar que é JCN cá fica outra. Se a ejaculação precoce passar a legal para os homens portugueses fazer sexo vai ser como tomar um café: mais do que uma vez ao dia mas em cada vez não se perdem nem 5 minutos... pensem nisto... pensem nisto...

Marx disse...

Há contribuições, para o debate da IVG a referendar, que poderão ser muitas coisas menos contributos. É o caso deste exemplo de JCN. Ao utilizar a teoria económica, de que é professor, para analisar as reacções do mercado à entrada de um novo produto. Considerar que o que os portugueses vão proximamente referendar é um novo produto é, no mínimo, de desbocado. Que me parece ser algo que já terá demonstrado antes. Designadamente quando, no televisivo Prós & Contras de há meses atrás, se mostrou compreensivo quanto aos "fundamentos" do terrorismo árabe.

De todo o modo, parece-me ser mais um exemplo do trôpego protagonismo que se percebe haver na "sociedade civil" que vai integrando os movimentos referendários. Afinal, não há almoços grátis...

Manel disse...

Este sr. das Neves deve estar a carregar o frete a quem meteu cunhas para estar onde está!
Só pode.

Migmaia disse...

Bom dia,

O Prof. JCN tem, por vezes, tiques excêntricos na sua argumentação. Penso que se trata de uma forma de abanar consciências, de não deixar ninguém indiferente. Se lhe reconheço esse mérito, também me repugnam (por vezes) os argumentos utilizados. Comparar a vida a um produto é inconcebível, e vindo de alguém com uma formação e percurso tão próximo da Igreja Católica, aliás um dos seus mais ilustres representantes na dita sociedade civil, é para mim uma aberração. Tal como a compreensão, já aqui citada, para com os terroristas suicidas.

Em relação às sugestões aqui publicadas sobre políticas de saúde, e passe a redundância, parecem-me politicamente correctas. No entanto, e na minha modesta perspectiva, seria muito mais importante investir na educação, OBRIGAR as pessoas a pensar e a reflectir sobre o acto e as suas consequências. O que significa fazer um aborto.

Pelas campanhas e seus “esclarecimentos”, parece-me tratar-se de um referendo à ignorância. Algo que este governo, tão hábil no que diz respeito à utilização das técnicas de marketing, chamou de IVG. Como lhes convêm.

xando disse...

«(…)E o venerável cardeal
que vê tanto espírito no feto
e nenhum no marginal..»
Caetano Veloso & Gilberto Gil

Como é que temos o desplante de apontar o dedo aos países (como, por ex., a Arábia Saudita e o Sudão) em que o fundamentalismo islâmico domina por completo o Estado/a coisa pública, quando vivemos num país que condena à prisão as mulheres que, por força das circunstâncias, decidem abortar?! Este absurdo legal é apenas uma versão polida da velha lei de Moisés que mandava matar à pedrada todas as mulheres que ousem ter o mínimo de vontade própria e liberdade sexual sob o jugo dos machos. As mulheres são feitas para obedecer aos homens e para parir, não é? Mas olhem que a falange dos que defendem a continuidade da criminalização do aborto perderia imensos adeptos se os homens que fecundam as “abortistas” (sinónimo de terroristas asseclas do Anticristo!) também fossem presos por cumplicidade no “crime”…
Todos os papa-hóstias sabem que as mulheres que querem ser donas dos seus corpos são umas levianas… Como se fazer um aborto fosse uma decisão tomada de ânimo leve e que não deixa marcas psicológicas (quando não leva mesmo à morte na clandestinidade miserável). Se o fazem é porque sabem que essa experiência horrível é, de longe, um mal menor. Ainda por cima, estão sujeitas ao anátema na praça pública e nos tribunais! É um absurdo inadmissível!
«Não sejam promíscuos, ou tivessem tomado precauções!» - cospem com azedume preconceituoso os seguidores das religiões abraâmicas. Pois, mas esses são os mesmos que mal podem esperar para que João Paulo II seja integrado no novo catálogo de santos promulgado pelo Vaticano. Não nos esqueçamos que a posição oficial da Igreja Católica continua a ser a proibição do uso do preservativo (que se fodam as doenças sexualmente transmissíveis e as gravidezes indesejadas!) e até torcem o nariz à pílula contraceptiva!... São os mesmos que se têm oposto à implementação de programas de educação sexual nas escolas (e não só).
Talvez o Vaticano seja tão indiferente ao sofrimento das mulheres que têm que passar por esta tragédia ignominiosa por ao longo de muitos séculos os clérigos têm preferido violar rapazinhos e frequentar prostitutas… As escavações arqueológicas realizadas em conventos também têm revelado o que acontecia às crianças indesejadas que se desenvolveram no ventre de freiras sem vocação para o ofício…
É preciso ter descaramento (fruto da ignorância preconceituosa e da prepotência) para “justificar” a criminalização do aborto com base em premissas bíblicas de “defesa da vida”, pois a bíblia está repleta de incestos, violações e sobretudo homicídios e genocídios com o aval de Jeová! Até na boca de Jesus Cristo colocaram sentenças de morte para os que pensavam de modo diferente (Lucas 19:27) !...
Os que sustentam esta repressão hipócrita geram imensa celeuma para reivindicarem o direito “divino-legal” de mandarem sobre os corpos alheios, mas estão-se a cagar que morram de desnutrição uma média de 30 mil crianças todos os dias (mas esses são de outra etnia e de outro credo…); assim como não ligam puto ao facto de as roupinhas que levam à missa e às festas são maioritariamente feitas por pessoas – muitas das quais menores de idade – que não usufruem de quaisquer direitos sociais e que vivem um inferno quotidiano em regimes opressivos que tem estado a enriquecer obscenamente as corporações ocidentais…
Ademais, todos sabemos que as portuguesas endinheiradas vão com frequência fazer abortos a clínicas caras (não apenas no estrangeiro; experimentem ligar para a clínica de Oiã, perto de Aveiro, a fim de marcarem uma consulta de “ginecologia especial”…), com toda a assistência médica de que necessitam para que essa intervenção cirúrgica seja o mais segura possível. Essas certamente que jamais foram ou serão perseguidas pela polícia à conta dos abortos. Eu até conheço um “projecto de tia” que fez isso (e fez muito bem), mas que agora lidera um grupo de beatas-VIP lançando impropérios contra as “porcas/putas” que abortam… (Assim como a actriz porno que ficou famosa pela sua técnica de sexo oral no filme «Garganta Profunda», depois de ter amealhado um bom pecúlio nesse meio, foi acometida por algum género de avatar, passando a liderar uma cruzada contra a imoralidade da indústria pornográfica…Enfim, todos temos direito a mudar de ideias.)
Proíba-se ou não, os abortos vão continuar. A diferença é que, caso a proibição se mantenha, estaremos a fomentar um atentado misógino à saúde pública (as mulheres que são vítimas de abortos mal feitos nem sequer se podem queixar por medo da neoinquisição) e à dignidade das mulheres.
Sobre esta matéria, a actual lei é brandida pelas instituições estatais por forma a amedrontar e a humilhar as mulheres, mas, como temos “brandos costumes”, não é para se cumprir até às suas últimas consequências… e assim continuamos a brincar à “democracia” neste país. A repressão e a consequente clandestinidade dos abortos são as principais causas pela interrupção tardia das gravidezes indesejadas.
Já agora, proíba-se a masturbação (a Igreja há séculos que o tenta incutindo o medo com recurso a mitos, como, por ex., que essa actividade provoca a cegueira e a loucura…), pois trata-se de uma oportunidades perdidas de gerarmos vidas com as quais poderemos povoar a Terra com sectários da nossa fé…
O mal que a tradição judaico-cristã tem feito à mentalidade de um povo ignorante e tacanho!...
Esta é uma das principais razões porque o resto da Europa Comunitária nos olha como se não passássemos de uns energúmenos machistas e atrasadinhos. Provavelmente até têm razão.
Abram os olhos para ver como nos países mais desenvolvidos (não apenas em termos económicos mas sobretudo em mentalidade e literacia) as mulheres são mais respeitadas, além de que se gasta muito menos do erário público a prestar assistência médica às mulheres com graves problemas de saúde como consequência dos abortos clandestinos, tal como acontece por cá.
Se esse economista da Vossa Senhora de Fátima é tão “a favor da vida”, então porque é que ninguém o vê em manifestações contra a guerra? Talvez porque o seu verdadeiro deus é o capital e a sua religião o neoliberalismo…Para esses a guerra é um óptimo negócio.
Xando

Fora-de-Lei disse...

xando 10:09 AM

"As mulheres são feitas para obedecer aos homens e para parir, não é ?"

Este tipo de argumentação só joga a favor dos defensores do NÃO, pois é muito natural que - face a este tipo de lógica - haja muta gente DECENTE que se sinta moralmente hostilizada.

De facto, no entender desta criatura - pretensamente tão livre no seu pensamento - as mulheres deveriam era ser feitas para "afiar o lápis" a torto e a direito e depois cagar para as consequências...

Argumentos destes, não obrigado !

Paulo disse...

xando said...
"… Até na boca de Jesus Cristo colocaram sentenças de morte para os que pensavam de modo diferente (Lucas 19:27) !..."

Pois... Isso eu acho lamentável... Principalmente quando se colocam palavras e julgamentos na boca de quem nunca o fez, antes pelo contrario… pelo menos pelo pouco que sei…

xando said...
"… A repressão e a consequente clandestinidade dos abortos são as principais causas pela interrupção tardia das gravidezes indesejadas…"

Desculpe mas interrupção “tardia” tem também muito de culpa das pessoas que pretendem abortar, especialmente devido a certas “distracções” e “despreocupações” com o que fazem e/ou vão fazer… O mal não está só de um lado mas de ambos os lados, não vale a pena tentarmos tapar os olhos e os ouvidos e fazer de conta que não sabemos…

xando said...
"… Já agora, proíba-se a masturbação (a Igreja há séculos que o tenta incutindo o medo com recurso a mitos, como, por ex., que essa actividade provoca a cegueira e a loucura…), pois trata-se de uma oportunidades perdidas de gerarmos vidas com as quais poderemos povoar a Terra com sectários da nossa fé…"

Não me faça isso :-)...
Ando eu com um trabalho dos diabos a educar jovens e a dizer-lhes que isso não tem nada de mal, para vir você com isto estragar-me o trabalho todo… :-)
Mas já agora só uma pequena questão científica… Mesmo numa hipotética relação com fins “reprodutivos” o homem em geral no esperma liberta espermatozóides em tal número, que se basta-se só um, dava praticamente para fecundar todas as mulheres da Europa… Por isso imagine o que acontece aos outros… Para alem disso mesmo no corpo do homem quando os espermatozóides “perdem a validade” são “destruídos” e reabsorvidos pelo próprio corpo…

xando said...
"… O mal que a tradição judaico-cristã tem feito à mentalidade de um povo ignorante e tacanho!.."

Desculpe dizer-lhe… Mas essa tradição, não lhe trouxe só coisas más… E ainda assim prefiro essa tradição à existente em certos países muçulmanos e asiáticos (por exemplo)…

xando said...
"… Esta é uma das principais razões porque o resto da Europa Comunitária nos olha como se não passássemos de uns energúmenos machistas e atrasadinhos. Provavelmente até têm razão…"

Desculpe… Mas para o que pensa a maioria da Europa eu estou-me literalmente lixando… Pois é muito graças a isso e à mania de imitar os outros que se têm “importado” para o nosso país politicas erradas e que não têm nada a ver com a nossa realidade…

xando said...
"… Abram os olhos para ver como nos países mais desenvolvidos (não apenas em termos económicos mas sobretudo em mentalidade e literacia) as mulheres são mais respeitadas…"

Como por exemplo a Espanha que é um dos recordista em mortes femininas por violência domestica, não??? Entre outros exemplos que se podem ir buscar por esses “países desenvolvidos”…

xando said...
"… além de que se gasta muito menos do erário público a prestar assistência médica às mulheres com graves problemas de saúde como consequência dos abortos clandestinos, tal como acontece por cá…"

Mas gastar do erário público com abortos “desejados”, já está correcto… Não é???
Tal como eu já disse inclusivamente neste blogge, e cito-me: “Os abortos ao serem inevitáveis, devem ser seguros e raros, desde que feitos num período que não ponham em causa a Vida de um Ser Humano... E claro que se esta minha ultima premissa for cumprida (E Só Se For Cumprida) para serem seguros têm de ser forçosamente legais e enquadrados no actual sistema de saúde em vigor desde que não sejam gratuitos (claro que me refiro aos locais de saúde públicos pois os outros fazem-se pagar mesmo), pois os dinheiros do estado/impostos não tem que ser endereçados para problemas “privados” mas sim para problemas de Saúde e todos nós sabemos que não foi por falta de saúde que a esmagadora maioria destas mulheres engravidou, bem pelo contrário...”

Fora-de-Lei said...
""As mulheres são feitas para obedecer aos homens e para parir, não é ?"
Este tipo de argumentação só joga a favor dos defensores do NÃO, pois é muito natural que - face a este tipo de lógica - haja muta gente DECENTE que se sinta moralmente hostilizada…"

Aqui eu assino em baixo…

Fora-de-Lei said...
"… De facto, no entender desta criatura - pretensamente tão livre no seu pensamento - as mulheres deveriam era ser feitas para "afiar o lápis" a torto e a direito e depois cagar para as consequências..."

Pois… Nem comento…

Cumprimentos...
Paulo

Camisa Azul disse...

porque sou PELA VIDA, voto NÃO

Paulo disse...

"Camisa Azul said...
porque sou PELA VIDA, voto NÃO"

Qual vida??? Vida humana ou vida do Ser Humano???… É que isto não é a mesma coisa…

Cumprimentos...
Paulo