quinta-feira, janeiro 11, 2007

Velharia incriminatória:).

Calimero em férias (I)



A auto-piedade goza de péssima reputação. Uma das razões para esse olhar de través parece-me de índole religiosa – a comiseração deve ser monopólio do Senhor, made in Heaven. Buscar refúgio sob um manto de pena e infortúnio tecido pelas nossas próprias mãos assume foros de pecaminosa arrogância. Como se um pedinte embolsasse esmola por artes mágicas e não fosse obrigado a solicitar a compreensão do transeunte, assim reduzido à impotência anónima. (Veja-se o brando orgulho com que algumas benfeitoras do antigamente falavam dos “seus” pobres). Mas outro factor acirra os ânimos, neste mundo que cultiva a preguiça consumista, disfarçada de agitação frenética – a tonalidade estática do sentimento, o seu imobilismo complacente. A contemplação piedosa das nossas feridas – e umbigo! - horroriza igualmente a tradição judaico-cristã e a laica sociedade pós-moderna: a primeira por recusar a salvação através do arrependimento humilde; a segunda por se oferecer o luxo de abandonar por momentos a pista da vida e o acelerador (lá diziam Lennon e MacCartney: “step on the gas and wipe that tear away”). Somos culpados de soberba imóvel!
Perdoem o plural, é seguramente injusto; eu!, sou dado a episódios de irresistível megalomania infeliz. Megalómanos sim, pois não me basta lamber amorosamente as cicatrizes - decido que o mundo se absteve de girar e todo se dedicou à volúpia de me infernizar a vida. Triste e revoltado, se pusesse uma casca de ovo na cabeça, à laia de boina basca, seria capaz de dizer como Calimero: “It’s an injustice; it is”. Para cúmulo, à mania das grandezas junto a superstição. Não a tradicional, que tempo e povo legitimam - gatos pretos, sete anos de casamento, espelhos quebrados, pedir o campeonato para o Benfica, etc... -, mas a decorrente da minha estrutura mental - católica, embora vazia de Deus. Assim, quando o mundo parece disposto a conceder-me o gozo, adivinho-o ameaçador, pronto a fazer-me pagar pelo prazer que não mereço. Exemplo desse receio de pecador clandestino? A partida para férias.
A idade foi-me tornando meticuloso. Melhor: desconfiado de mim mesmo e do destino; da capacidade para fintar os imprevistos e iludir os caprichos do acaso que transformamos em fado, nesta imensa nostalgia de pôr alguma ordem no universo. Procuro, por isso, reduzir as hipóteses de surpresas desagradáveis. Faço as malas de véspera e durmo em casa como se pernoitasse em hotel de beira-estrada; mesmo as totémicas fotografias da tribo deixam a mesa de cabeceira e já passam a noite dentro do saco. De manhã distribuo saudades antecipadas e hop!, venha a estrada.

26 comentários:

noiseformind disse...

Boa Noite,

É do Programa do Professor Murcon "Viajando na Noite"? Eu sou o Noiseformind, de Tuxedo e gostava que passassem How Long dos Dire Straits, se fosse possível ; )

AQUILES disse...

«nesta imensa nostalgia de pôr alguma ordem no universo.»

Já chegámos àquela idade em que sabiamente percebemos que não pomos ordem no universo, e que este continuará, inexoravelmente, para além de nós?

andorinha disse...

Boa noite.

Não me lembro mesmo nada desta velharia.
E se é velharia é fácil, não precisa de se incriminar; basta-lhe dizer que já está desactualizada:)

andorinha disse...

Aquiles,
Se só agora tivéssemos percebido isso...seria um pouco estranho.

Julio Machado Vaz disse...

Noise,
Para ti, sai o Money for Nothing and...:).

blogico disse...

"De manhã distribuo saudades antecipadas e hop!, venha a estrada."

Já que é assim, prefiro a Telegraph Road... e sempre dá para entreter durante uns 15 minutos. :)

boa noite a todos

Lusco_Fusco disse...

oa noite!
Todos nós temos metade da casca do ovo na cabeça. Uns encolhem-se nela; outros usam-na, na tempestade, para navegar nas vagas raivosas da vida; e outros como capa e como arma de arremesso. Maneiras, inatas, de estar, agir e reagir. O tempo ajuda a limá-las mas a essência resiste.
Auto piedade é um sentimento que temos de combater. Mas, quem nunca o sentiu, ainda que fracção de segundos?!...Li algures que cada obstáculo devia ser visto, por nós, como um degrau a subir, porque nos fortalece e nos ensina. Já que a vida é uma escola vamos adquirir, em cada ano que passa, conhecimentos para o próximo.
Fosse a vida uma pauta musical para podermos saltitar como as notas de som em som, com clave de sol... sem dó.
Um abraço
MJ

Ameninadalua disse...

Boa noite!

Em primeiro lugar devo dizer que este post vem um pouco ao encontro da minha propria reflexão actual e ao lê-lo, esbocei um sorriso de uma certa cumplicidade...:)

Claro que existem particularidades aqui referidas que não são minhas mas o que interessa mesmo é a capacidade que o professor tem de as referir duma forma assertiva e profunda mas igualmente com uma subtileza que nos toca...

"Buscar refúgio sob um manto de pena e infortúnio tecido pelas nossas próprias mãos assume foros de pecaminosa arrogância"

Será? Ao assumirmos isso, não estaremos a ser demasiado exigentes connosco proprios?

O erro (nosso ou dos outros) tambem faz parte da vida e nem sempre estamos à altura de aceitar as consequências; pois aceitemo-nos pelo menos a nós próprios; sejamos momentaneamente "calimeros" até que os ventos da coragem e da força nos visitem e nos levem de novo para outras andanças...:)

thorazine disse...

"O remorso crônico, e com isto todos os moralistas estão de acordo, é um sentimento bastante indesejável. " AH

"A auto-piedade goza de péssima reputação" JMV


Se "aqueles" franceses lerem isto há já processo a decorrer! ;))))))))))

PS - A ordem foi aleatória! (Isto é um elogio!) ;))

thorazine disse...

Curiosidade: Dr. Albert hofmann, o homem que mudou uma geração com a descoberta do LSD (é vero, ainda hoje se vendem "fantasias" de hippie do Lidl:) fez ontem (dia 11) 101 anos! É verdade, ainda é vivo! E diz que de quando em vez ainda toma "his little medicine"! ;)))

Marés disse...

Prof.

"It would be an injustice"... não gostar deste texto ternurento.

Boas marés sempre o conduzam.

Bjs :)

Prof. José Pardal Diabrete Jr. disse...

Boa noite Professor!

Velharias é comigo!!!
É bom recordar estas suas relíquias onde sempre se plasmam os sentimentos mais ocultos, ainda que quotidianos.

Devido a grandes obras que tive de fazer na minha choça, semi-destruída na noite de Ano Novo pela minha hiena Vanessa Marisa que apanhou uma piela de sangria,
só agora passo para desejar Bom Ano a todos!!!

Thorazine

Meu menino... meu trineto adoptivo!!! Então cá o velhadas também tem 101 anitos de fresco, pois nasci em Dezembro de 1905.. mas tu em mim não falas, não!
Olha vai é à minha choça para conheceres a Vanessa Marisa e lermos algumas passagens dos meus livros de poleiro... vais gostar! aliás estou contando fazer-te meu herdeiro espiritual!

Fiquem numa óptima,
ricos/as!!!
Não disparatem muito noite fora... ou dentro!!!

Beijinhos pa todos!!!

(:>

PAH, nã sei! disse...

Chefinho... superstições à parte... nada como seguir um conselho de um amigo: faça-se à vida!!! Sem medos!!

Afinal, quem ajuda quem??? :)))

Prof. José Pardal Diabrete Jr. disse...

Thorazinio

E eu não tomo medicinazinha alguma a não ser chá de poejos... tenho é uma enfermeira psiquiátrica muito boa que me enche de carinho!!!

Dorme bem, filho, não te levantes antes do pôr-do -sol...

Prof. José Pardal Diabrete Jr. disse...

Óoooooohhhhhh Dona Pááááááhhhh!!!!

Eu já ia de cavanço no andarilho... mas ver aqui uma rouxinola como a menina a esta horas!!! Até me veio uma alma nova!!!

Olhe... se eu náo fosse já desta idade e fosse mais cedo, convidava-a já lá para a choça...
mas eu sou um homem de muito respeito!
Pasee amanhã à hora da sesta para todos verem que nada fazemos de oculto!!!

Beijinhos ricaaaaaaa!!!!

(;>

Prof. José Pardal Diabrete Jr. disse...

Calimero

Irmão, tu estás sempre convidado, claro!!! E deixa de te armar em vítima... já te conhecemos de gingeira!!!

Viva a velha Ginginha da Rua da Palma!!!

Fiquem na Pah... perdão.. na Paz, Irmãos!!!

moon disse...

Bom dia!

Então de férias?!
Mui bien! Vou-me ao trabalho...
Divirta-se aí, sem remorsos...:)))
Bjs

lobices disse...

...o que são férias?
...recordo-me (quando era miúdo) das férias grandes em que íamos para a praia (depois, durante uns anos, para o campo, para aquilo que designávamos como o ir para a aldeia - nós, os citadinos...lol...)... recordo-me das férias de natal em que se comiam rabanadas e vinha o velho de barbas com prendas que vinham pela chaminé (nunca entendi como é que um cavalinho de madeira com rodas para montar conseguiu passar pela maldita chaminé...) recordo-me das férias da páscoa em que se comiam amêndoas e íamos à igreja onde os santos estavama todos tapados (era a semana santa; nunca soube porquê...)
...depois, fugiu do meu caixote das memórias as férias... lembro-me de levar os filhos à praia (mas também sempre, enquanto convivi com eles, viveramos junto ao mar)
...depois, depois tudo se passou num ápice e nunca mais soube o que eram as férias... umas dezenas anos depois, em 2004, fui uma semana com os filhos e os netos à Disneyland a Paris...
...férias?
...mas não estou de férias em contínuo?...
...deixem lá, é por ser sexta feira ou será porque amanhã o sábado será igual a hoje?
...não sei
...talvez esteja errado ou talvez esteja certo
...como saber?
...não, não me vou preocupar
abreijos e um bom fim de semana para todos vós

noiseformind disse...

... chicks for free. Se bem que isso é uma visão muito desapaixonada da sedução humana, especialmente do especialíssimo caso luso. As mulheres, como toda a gente sabe, não são permeáveis a carros, presentes e pagamento de contas de restaurante e outras exibições de riqueza por parte de pretendentes. Procuram apenas o Amor... como mais tarde os próprios Dire Straits admitiram na minha personal fav Planet of New Orleans:

"If she was an ace
And I was just a jack
And the cards were never seen
We could have been the king and the queen"

;)

(se bem que, em abono da verdade, logo a seguir vem em remate final: "But she took me back to her courtyard/Where magnolia perfume screams/Behind the gates and the granite/Of the planet of New Orleans")

CêTê disse...

"Assim, quando o mundo parece disposto a conceder-me o gozo, adivinho-o ameaçador, pronto a fazer-me pagar pelo prazer que não mereço. Exemplo desse receio de pecador clandestino? A partida para férias."- vá-se lá saber pk, sublinharia esta parte.

Resto de um bom dia. ;]

andorinha disse...

Boa noite.

Noise,
Não estejas sempre a dizer mal das mulheres lusas. Mulheres de outras nacionalidades agem da mesmíssima maneira em relação a essas "mordomias".

E se os palermas só têm para oferecer carros, presentes e pagamento de contas de restaurante, etc é porque se têm em fraca conta ou então realmente pouco valem.
Elas aproveitam....acabam por ser mais espertas:)

Não estou a dizer que concordo, acho aliás essa atitude ignóbil, como sempre tenho dito.
Tudo o que disse antes são constatações feitas a partir de uma já longa experiência de vida:)))))))

Cêtê,
Nisto divergimos totalmente, pá!
Só o "cheirinho" que a palavra "férias" tem, me inebria.
Estou aqui em frente ao pc e já me estou a imaginar nos mais diferentes recantos onde gostaria de estar.
E ainda falta tanto para as próximas:( Loooooool

CD disse...

Hit the road Jack...
Ray C.

Su disse...

todos temos ou somos tanta vez calimeros.....

jocas maradas.....meticulosas:))))
ehehe

thorazine disse...

RTP2! ;))))

Quem ainda for a tempo..

thorazine disse...

Achei engraçado o Dr. Antonio Lobo Antunes simpatizar com a palavra (e obviamente o conceito) bonomia! :))

lobices disse...

...thora:
não era o António, era o João